Liturgia Mensal – Julho/2020

01º/07

FESTA DO PRECIOSÍSSIMO SANGUE DE NOSSO SENHOR

Festa de 1ª Classe- Missa própria

Juntamente com o Corpo de Nosso Senhor, adoramos na santa Missa o seu preciosíssimo Sangue. Se a Igreja celebra ainda uma festa especial em honra do preciosíssimo Sangue, é porque quer pôr diante dos nossos olhos as graças que o Salvador nos comunicou, derramando-o em nosso favor (Epístola). Pelo Sangue que correu do seu lado, perdoou Deus ao mundo (Introito e Oração). A água e o Sangue nos comunicam a salvação e os frutos da Redenção pelos Sacramentos do Batismo e da Eucaristia. No santo Sacrifício corre este mesmo Sangue em nossos altares (Ofertório), e dele participamos, enquanto esperamos a sua vinda, para nossa salvação (Communio).


Páginas 1145 a 1148 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


PRÓPRIO DO DIA

Introito (Ap 5, 9-10 | Sl 88, 2)

Redemísti nos,Dómine, in sánguine tuo, ex omni tribu et lingua et pópulo et natióne: et fecísti nos Deo nostro regnum. Ps. Misericórdias Dómini in ætérnum cantábo: in generatiónem et generatiónem annuntiábo veritátem tuam in ore meo. ℣. Glória Patri… Com o vosso Sangue, Senhor, Vós nos resgatastes de todas as tribos e línguas, de todos os povos e nações, e fizestes de nós um Reino para o nosso Deus. Sl. Cantarei eternamente as misericórdias do Senhor; de geração em geração anunciarei por minha boca a vossa fidelidade. ℣. Glória ao Pai…

Coleta

Omnípotens sempitérne Deus, qui unigénitum Fílium tuum mundi Redemptórem constituísti, ac eius Sánguine placári voluísti: concéde, quǽsumus, salútis nostræ prétium sollémni cultu ita venerári, atque a præséntis vitæ malis eius virtúte deféndi in terris; ut fructu perpétuo lætémur in coelis. Per eundem D.N. Ó Deus, onipotente e eterno, que constituístes vosso Filho Unigênito, Redentor do mundo, e quisestes ser aplacado por seu Sangue, concedei veneremos com um culto solene o preço de nossa salvação, e por sua força achemos neste mundo uma defesa contra os males na terra, de sorte a merecermos gozar eternamente de seus frutos no céu. Pelo mesmo J. C.

Epístola (Heb 9, 11-15)

Léctio Epístolæ beáti Pauli Apóstoli ad Hebræos.

Fratres: Christus assístens Póntifex futurórum bonórum, per ámplius et perféctius tabernáculum non manufáctum, id est, non huius creatiónis: neque per sánguinem hircórum aut vitulórum, sed per próprium sánguinem introívit semel in Sancta, ætérna redemptióne invénta. Si enim sanguis hircórum et taurórum et cinis vítulæ aspérsus inquinátos sanctíficat ad emundatiónem carnis: quanto magis sanguis Christi, qui per Spíritum Sanctum semetípsum óbtulit immaculátum Deo, emundábit consciéntiam nostram ab opéribus mórtuis, ad serviéndum Deo vivénti’? Et ídeo novi Testaménti mediátor est: ut, morte intercedénte, in redemptiónem earum prævaricatiónum, quæ erant sub prióri Testaménto, repromissiónem accípiant, qui vocáti sunt ætérnæ hereditátis, in Christo Iesu, Dómino nostro.

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Hebreus.

Irmãos: Cristo se manifestou como Pontífice dos bens futuros. Por um mais vasto e mais perfeito tabernáculo, não feito por mão de homem, isto é, não deste mundo, sem recorrer ao sangue de cabritos e novilhos, mas por seu próprio Sangue, entrou uma vez no santuário, tendo adquirido uma redenção eterna. Com efeito, se o sangue dos cabritos e touros e a cinza da novilha, aspergida sobre os manchados, os santificava para a purificação da carne, quanto mais o Sangue do Cristo, que pelo Espírito Santo a Si mesmo se ofereceu imaculado a Deus, purificará nossa consciência das obras mortas, fazendo-nos capazes de servir ao Deus vivo. E por esse motivo, Ele é o Mediador do Novo Testamento a fim de que por sua morte, que sofreu para o perdão das prevaricações que havia sob o primeiro Testamento, os que foram chamados à herança eterna recebam a promessa, no Cristo Jesus, Senhor nosso.

Gradual (I Jo 5, 6 e 7-8 | ib., 9)

Hic est, qui venit per aquam et sánguinem, Iesus Christus: non in aqua solum, sed in aqua et sánguine. ℣. Tres sunt, qui testimónium dant in coelo: Pater, Verbum et Spíritus Sanctus; et hi tres unum sunt. Et tres sunt, qui testimónium dant in terra: Spíritus, aqua et sanguis: et hi tres unum sunt..

Allelúia, allelúia. ℣. Si testimónium hóminum accípimus, testimónium Dei maius est. Allelúia.

Ele é o que veio pela água e pelo sangue, Jesus Cristo; não só pela água, senão pela água e pelo sangue. ℣. Três são os que testemunham no céu: o Pai, o Verbo e o Espírito Santo. E estes três são um só. E três são os que testemunham na terra: o espírito, a água e o sangue; e estes três são um só [testemunho]..

Aleluia, aleluia. ℣. Se aceitamos o testemunho dos homens, o testemunho de Deus é maior. Aleluia.

Evangelho (Jo 19, 30-35)

Sequéntia sancti Evangélii secúndum Joánnem.

In illo témpore: Cum accepísset Iesus acétum, dixit: Consummátum est. Et inclináto cápite trádidit spíritum. Iudæi ergo – quóniam Parascéve erat -, ut non remanérent in cruce córpora sábbato – erat enim magnus dies ille sábbati -, rogavérunt Pilátum, ut frangeréntur eórum crura et tolleréntur. Venérunt ergo mílites: et primi quidem fregérunt crura et altérius, qui crucifíxus est cum eo. Ad Iesum autem cum venissent, ut vidérunt eum iam mórtuum, non fregérunt eius crura, sed unus mílitum láncea latus eius apéruit, et contínuo exívit sanguis et aqua. Et qui vidit, testimónium perhíbuit; et verum est testimónium eius. — CREDO…

Sequência do Santo Evangelho segundo João.

Naquele tempo, havendo Jesus provado o vinagre, disse: Tudo está consumado. E, inclinando a cabeça, expirou. Como era preparação da Páscoa, para que não ficassem na cruz os corpos em dia de sábado, (porque aquele dia de sábado era de grande solenidade), rogaram os judeus a Pilatos que se lhes quebrassem os ossos e os corpos fossem tirados. Vieram pois os soldados, e quebraram os ossos ao primeiro e ao outro que com ele fora crucificado. Tendo vindo depois a Jesus, como O viram já morto, não Lhe quebraram os ossos. Mas um dos soldados Lhe abriu o lado com uma lança e imediatamente saiu sangue e água. E aquele que o viu, deu testemunho, e o seu testemunho é verdadeiro. — CREIO…

Ofertório (I Cor 10, 16)

Calix benedictiónis, cui benedícimus, nonne communicátio sánguinis Christi est? et panis, quem frángimus, nonne participátio córporis Dómini est? O cálice da bênção que benzemos, não é porventura a Comunhão do Sangue do Cristo? E o pão que partimos, não é a participação do Corpo do Senhor?

Secreta

Per hæc divína mystéria, ad novi, quǽsumus, Testaménti mediatórem Iesum accedámus: et super altária tua, Dómine virtútum, aspersiónem sánguinis mélius loquéntem, quam Abel, innovémus. Per eundem D.N. Permiti, Senhor dos exércitos, que por estes divinos Mistérios nos aproximemos de Jesus, o Mediador da Nova Aliança, e sobre os vossos altares renovemos a efusão do seu Sangue que fala melhor que o de Abel. Pelo mesmo J. C.

Prefácio (da Santa Cruz)

℣. Dóminus vobíscum.
℞. Et cum spíritu tuo.
℣. Sursum corda.
℞. Habémus ad Dóminum.
℣. Grátias agámus Dómino Deo nostro.
℞. Dignum et iustum est.
.
Vere dignum et justum est, æquum et salutáre, nos tibi semper et ubíque grátias ágere: Dómine sancte, Pater omnípotens, ætérne Deus: Qui salútem humáni géneris in ligno Crucis constituísti: ut, unde mors oriebátur, inde vita resúrgeret: et, qui in ligno vincébat, in ligno quoque vincerétur: per Christum, Dóminum nostrum. Per quem majestátem tuam laudant Angeli, adórant Dominatiónes, tremunt Potestátes. Cœli cœlorúmque Virtútes ac beáta Séraphim sócia exsultatióne concélebrant. Cum quibus et nostras voces ut admítti júbeas, deprecámur, súpplici confessióne dicéntes: Sanctus, Sanctus, Sanctus…
℣. O Senhor seja convosco.
℞. E com o vosso espírito,
℣. Para o alto os corações.
℞. Já os temos para o Senhor,
℣. Demos graças ao Senhor, nosso Deus.
℞. É digno e justo.
.
Verdadeiramente é digno e justo, razoável e salutar, que sempre e em todo o lugar, Vos demos graças, ó Senhor santo, Pai onipotente, eterno Deus, que estabelecestes no madeiro da Cruz a salvação do gênero humano, para que renascesse a vida de onde se originara a morte, e o que no lenho vencera, no lenho fosse vencido por Jesus Cristo, Nosso Senhor. Por Ele louvam os Anjos a vossa Majestade, as Dominações a adoram, tremem as Potestades. Os Céus, as Virtudes dos Céus, e os bem-aventurados Serafins a celebram com recíproca alegria. As suas vozes, nós Vos rogamos, mandeis que se unam as nossas, quando, em humilde confissão, Vos dizemos: Santo, Santo, Santo…

Comunhão (Heb 9, 28)

Christus semel oblítus est ad multórum exhauriénda peccáta: secúndo sine peccáto apparébit exspectántibus se in salútem. O Cristo se ofereceu uma só vez [em sacrifício] para apagar os pecados de muitos; e a segunda vez aparecerá sem pecados para salvação daqueles que O esperavam.

Pós-comunhão

Ad sacram, Dómine, mensam admíssi, háusimus aquas in gáudio de fóntibus Salvatóris: sanguis eius fiat nobis, quǽsumus, fons aquæ in vitam ætérnam saliéntis: Qui tecum vivit et regnat. Admitidos à sagrada Mesa, Senhor, haurimos com alegria as águas das fontes do Salvador, e Vos rogamos que o seu Sangue se torne para nós fonte de água viva que jorre até a vida eterna. Ele que, sendo Deus, convosco vive e reina. 

Traduções e comentários extraídos do Missal Quotidiano de D. Beda (1962).

[Liturgia] O Tempo depois de Pentecostes

A celebração do Mistério pascal termina com a oitava de Pentecostes. A Igreja é fundada e uma vida nova se comunica aos Cristãos. Cumpre que a semente germine, e que a vida se desenvolva e amadureça. Eis o objetivo dos domingos e festas depois de Pentecostes até o fim do ano eclesiástico. São 23 a 28 domingos, cuja primeira série, de 1 a 17, desenvolve o Mistério pascal. Cada domingo destes é uma pequena Páscoa. A segunda série, do 18 ao último visa o fim dos tempos, e prepara as nossas almas para a segunda vinda de Jesus Cristo.

Liturgia Mensal – Junho/2020

01º/06

SEGUNDA-FEIRA DE PENTECOSTES

Oitava de 1ª Classe- Missa Própria- Estação em S. Pedro ad Vincula

Como o Sábado Santo, assim também o Sábado antes de Pentecostes é dia do Batismo. Corresponde igualmente, a oitava de Pentecostes à oitava da Páscoa. A santa Igreja ocupa-se amorosamente dos filhos recém-nascidos pela graça batismal. A eles se dirigem por isso os textos da santa Missa, falando-lhes do Batismo, da Eucaristia e mais particularmente da Confirmação.

Reunidos aos neófitos, ouvimos a palavra do príncipe dos Apóstolos (Epístola). Gratos, lembramo-nos dos benefícios recebidos no Sacramento da Confirmação, quando o Espírito Santo desceu sobre nós. Em sua luz e por sua graça, temos a verdadeira fé e somos chamados à vida eterna (Evangelho). Na santa Missa, alimentando-nos Jesus e saciando-nos (Introito), somos também “instruídos de tudo quanto Ele nos havia dito” (Communio).


Páginas 549 a 552 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


[Liturgia] O Tempo depois de Pentecostes

A celebração do Mistério pascal termina com a oitava de Pentecostes. A Igreja é fundada e uma vida nova se comunica aos Cristãos. Cumpre que a semente germine, e que a vida se desenvolva e amadureça. Eis o objetivo dos domingos e festas depois de Pentecostes até o fim do ano eclesiástico. São 23 a 28 domingos, cuja primeira série, de 1 a 17, desenvolve o Mistério pascal. Cada domingo destes é uma pequena Páscoa. A segunda série, do 18 ao último visa o fim dos tempos, e prepara as nossas almas para a segunda vinda de Jesus Cristo.

Liturgia Diária- 01/12/2018

MISSA DA FÉRIA

Féria de 4ª Classe- Missa do Último domingo depois de Pentecostes

O Evangelho do domingo, último sempre do Ano eclesiástico, contém o dogma do juízo final. A Epístola nos ensina como devemos dignamente viver. É o último Sacrifício que neste ano oferecemos ao Criador. E, ao mesmo tempo, o último sermão que a Igreja nos dirige. O quadro gigantesco do juízo universal desperta os sonolentos (Oração) e suscita nos bons maior fervor no serviço de Deus (Epístola). Mas os Cânticos que repetimos desde o XIII domingo, neste ainda mais estão em seu lugar apropriado. Confortam-nos e animam-nos. Fortalecem a nossa esperança. Deus é um Deus de paz, Ele nos fez dignos de participar da herança de seus Santos na luz da glória celeste.


Liturgia Diária- 28/11/2018

Féria de 4ª Classe- Missa do Último domingo depois de Pentecostes

O Evangelho do domingo, último sempre do Ano eclesiástico, contém o dogma do juízo final. A Epístola nos ensina como devemos dignamente viver. É o último Sacrifício que neste ano oferecemos ao Criador. E, ao mesmo tempo, o último sermão que a Igreja nos dirige. O quadro gigantesco do juízo universal desperta os sonolentos (Oração) e suscita nos bons maior fervor no serviço de Deus (Epístola). Mas os Cânticos que repetimos desde o XIII domingo, neste ainda mais estão em seu lugar apropriado. Confortam-nos e animam-nos. Fortalecem a nossa esperança. Deus é um Deus de paz, Ele nos fez dignos de participar da herança de seus Santos na luz da glória celeste.


Liturgia Diária- 27/11/2018

Féria de 4ª Classe- Missa do Último domingo depois de Pentecostes

O Evangelho do domingo, último sempre do Ano eclesiástico, contém o dogma do juízo final. A Epístola nos ensina como devemos dignamente viver. É o último Sacrifício que neste ano oferecemos ao Criador. E, ao mesmo tempo, o último sermão que a Igreja nos dirige. O quadro gigantesco do juízo universal desperta os sonolentos (Oração) e suscita nos bons maior fervor no serviço de Deus (Epístola). Mas os Cânticos que repetimos desde o XIII domingo, neste ainda mais estão em seu lugar apropriado. Confortam-nos e animam-nos. Fortalecem a nossa esperança. Deus é um Deus de paz, Ele nos fez dignos de participar da herança de seus Santos na luz da glória celeste.


Liturgia Diária- Último Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

O Evangelho deste domingo, último sempre do Ano eclesiástico, contém o dogma do juízo final. A Epístola nos ensina como devemos dignamente viver. É o último Sacrifício que neste ano oferecemos ao Criador. E, ao mesmo tempo, o último sermão que a Igreja nos dirige. O quadro gigantesco do juízo universal desperta os sonolentos (Oração) e suscita nos bons maior fervor no serviço de Deus (Epístola). Mas os Cânticos que repetimos desde o XIII domingo, neste ainda mais estão em seu lugar apropriado. Confortam-nos e animam-nos. Fortalecem a nossa esperança. Deus é um Deus de paz, Ele nos fez dignos de participar da herança de seus Santos na luz da glória celeste.


SANTA CATARINA, Virgem e Mártir

Comemoração – Missa “Loquebar” com orações próprias

Dotada de inteligência brilhante e vasto saber, viveu esta Santa em Alexandria. Diante do juiz, confundiu os maiores sábios e converteu alguns deles à fé de Jesus Cristo. Condenada ao suplício da roda, como esta se quebrasse, foi decapitada. É tradição que seu corpo foi enterrado por Anjos no monte Sinai [Oração].


Páginas 725 a 729; 1389 e 874 a 875 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963). 


Missa Rezada às 09:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Diocesana.


Liturgia Diária- XXI Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

“Servo malvado, não devias tu ter pena do teu companheiro, como eu tive pena de ti” Como ousas pedir perdão para ti?

Profunda confiança na proteção de Deus nos inspiram os Cânticos do Introito e da Communio. Sem essa confiança não poderíamos subsistir e muito menos, vencer. Ardentemente desejamos no domingo passado a pátria celeste, mas não nos será fácil alcançá-la. O Evangelho fala-nos da responsabilidade das contas que temos a dar no último juízo. A Epístola mostra-nos a luta: tentações do inimigo, dias maus. Devemos estar armados para o combate. Anima-nos um exemplo: o paciente jó, que, apesar de sua vida levada no temor de Deus, foi gravemente tentado, mas obteve por sua perseverança a felicidade temporal e a eterna (Ofertório). A fé e a confiança em Deus hão de fazer-nos triunfar nas lutas desta vida.


SÃO CALISTO I, Papa e Mártir

Comemoração- Missa do domingo com 2ªs orações próprias

Governou a Igreja de 217 a 222. Misericordioso para com os penitentes, teve que sofrer muitos vexames da parte dos hereges.


Páginas 699 a 703 e 1336 a 1337 do Missal Quotidiano. 


Missa às 09:30 horas na Casa de Retiros Nossa Senhora das Graças (Rua dos Flamingos, 3039, Bairro Jardim das Palmeiras). 


Liturgia Diária- 14/09/2018

EXALTAÇÃO DA SANTA CRUZ

Festa de 2ª Classe- Missa própria

A festa de 14 de setembro teve primeiramente por único objeto o aniversário da descoberta das basílicas constantinas consagradas em Jerusalém a 14 de setembro de 335, no próprio local do santo sepulcro e do calvário. Mais tarde, porém, uma confusão de datas fez passar para este dia a memória doutro acontecimento que suplantou o primeiro: a restituição da Santa Cruz pelos persas em 629. Levada de Jerusalém quinze anos antes, após uma vitória dos persas, fo reconduzida em triunfo para Jerusalém pelo imperador Heráclito, vencedor por sua vez dos exércitos persas. 

A liturgia da Cruz é uma liturgia triunfante: a Igreja celebra nela a vitória de Cristo sobre a morte e o glorioso troféu da nossa redenção. Já a serpente de bronze erguida por Moisés sobre o povo, o anunciava: a salvação havia de nos vir da exaltação de Jesus sobre o madeiro da Cruz.


Páginas 1279 a 1282 do Missal Quotidino.


Missa às 18:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes.


Liturgia Diária- 07/09/2018

MISSA DA FÉRIA

Féria de 4ª Classe- Missa do XV Domingo depois de Pentecostes

A liturgia está toda impregnada dos sentimentos de confiança que animam a Igreja na sua oração. As partes cantadas da missa de hoje são gritos de apelo à misericórdia divina, em que a ação de graças se mistura à suplica, tal é a certeza de que Deus não pode faltar ao seu povo. O evangelho lembra a infinita bondade de Cristo que refulge humana e divinamente na ressurreição do filho da viúva de Naím, símbolo de tantas ressurreições, que a Igreja obtém para seus filhos sepultados na morte do pecado.


Páginas 657 a 660 do Missal Quotidiano.


Missa às 18:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes (com Comemoração de S. Pio X – pág. 1266 a 1270)


Liturgia Diária- 06/09/2018

MISSA DA FÉRIA

Féria de 4ª Classe- Missa do XV Domingo depois de Pentecostes

A liturgia está toda impregnada dos sentimentos de confiança que animam a Igreja na sua oração. As partes cantadas da missa de hoje são gritos de apelo à misericórdia divina, em que a ação de graças se mistura à suplica, tal é a certeza de que Deus não pode faltar ao seu povo. O evangelho lembra a infinita bondade de Cristo que refulge humana e divinamente na ressurreição do filho da viúva de Naím, símbolo de tantas ressurreições, que a Igreja obtém para seus filhos sepultados na morte do pecado.

Liturgia Diária- 04/09/2018

MISSA DA FÉRIA

Féria de 4ª Classe- Missa do XV Domingo depois de Pentecostes

A liturgia está toda impregnada dos sentimentos de confiança que animam a Igreja na sua oração. As partes cantadas da missa de hoje são gritos de apelo à misericórdia divina, em que a ação de graças se mistura à suplica, tal é a certeza de que Deus não pode faltar ao seu povo. O evangelho lembra a infinita bondade de Cristo que refulge humana e divinamente na ressurreição do filho da viúva de Naím, símbolo de tantas ressurreições, que a Igreja obtém para seus filhos sepultados na morte do pecado.

Liturgia Diária- XV Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

xv domingo
A Igreja, de que a viúva de Naim é figura, recorta-se no horizonte. O Salvador faz reviver para a graça os seus filhos, mergulhados na morte do pecado, como fez levantar o filho da mãe aflita.

A liturgia deste domingo está toda impregnada dos sentimentos de confiança que animam a Igreja na sua oração. As partes cantadas da missa de hoje são gritos de apelo à misericórdia divina, em que a ação de graças se mistura à suplica, tal é a certeza de que Deus não pode faltar ao seu povo. O evangelho lembra a infinita bondade de Cristo que refulge humana e divinamente na ressurreição do filho da viúva de Naím, símbolo de tantas ressurreições, que a Igreja obtém para seus filhos sepultados na morte do pecado.


Páginas 657 a 660 do Missal Quotidiano.


Missa Rezada às 9:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Diocesana.


Liturgia Diária- XIV Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

“Vede as aves do céu, observai os lírios do campo”, – confiai no vosso Pai do Céu.

O evangelho e a epístola deste domingo conjuram-nos a não dividirmos a vida entre duas tendências contrárias. Ninguém pode servir a dois senhores: o espírito e a carne, Deus e o dinheiro. É preciso escolher. Tudo o que é útil e bom será dado, por acréscimo, pela Providência magnânima do Pai dos Céus, que alimenta as aves do céu e matiza os lírios dos campos.

O Espirito de Deus, criador em nós do homem novo, é que nos inspira a opção. Trava-se uma luta no plano das nossas tendências perversas; o orgulho, o egoísmo, o desejo do prazer – que nos separam de Deus – e tudo aquilo que, pelo contrário, tende para Ele e d’Ele nos aproxima. 

A coleta da missa é a expressão duma confiança total e dum abandono filial nas mãos de Deus. Um sentimento vivo de impotência humana não obsta à serenidade cristã. Ao contrário, é com mais intensidade que canta a sua alegria de pertencer a Deus e de viver sob a sua proteção vigilante. A Igreja vai-nos à frente, neste caminho, e manda-nos entoar cânticos de confiança e fé. “Mais vale confiar no Senhor que esperar nos homens. O anjo do Senhor vigia em torno do seu povo. Experimentai e vede como o Senhor é bom”.


Páginas 652 a 656 do Missal Quotidiano.


Missa Rezada às 9:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Santa Terezinha.


Liturgia Diária- XIII Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

“É a fé que salva” – expressão familiar duma verdade experimental. No plano da vida cristã, donde a fé nos vem, é a afirmação insistente duma verdade essencial: a verdadeira salvação, a que nos salva para a vida eterna, não pode vir-nos senão de Deus. É obra divina, em que devemos crer.

A missa deste domingo lembra-nos que todas as nossas esperanças repousam na realização das promessas, que se resumem numa só. Quando Deus se deu a conhecer a Abraão, comprometeu-se a abençoar-lhe a raça, a multiplicá-la como as estrelas do céu e a areia do mar, e afazer nascer dele Aquele que seria a salvação de todos, Cristo. Todas as promessas divinas conduzem a Cristo: ninguém pode salvar-se fora d’Ele. 

Fé em Cristo, fé nas promessas divinas, tal deve ser, portanto, a nossa atitude perante a revelação. Não se trata dum sentimento fugaz, mas duma convicção fundada num pacto: Deus comprometeu-se a salvar os homens pelo seu Filho. Ainda na prática dos mandamentos, toda a nossa vida deve ser uma resposta a Deus, que nos salva, um consentimento ao seu amor, uma adesão a Cristo,


Páginas 648 a 651 do Missal Quotidiano.


Missa Rezada às 9:30 horas na Paróquia Bom Jesus (Matriz) e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Diocesana.


Liturgia Diária- XII Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

“Vai e faz também o mesmo”, ama teus irmãos como o bom Samaritano. “Como Eu vos amei, vós vos amais uns aos outros”.

A parábola do bom samaritano comporta um duplo ensinamento, lembrando-nos o que deve ser a nossa caridade: misericórdia com o próximo, quem quer que seja, ela lembra o que foi a caridade de Cristo para conosco. É Ele o bom samaritano, que se vergou sobre a humanidade para lhe tratar as chagas e confiá-las aos cuidados da Igreja, até que volte. 

A alegria da Igreja está em poder, em nome de Cristo, prologar, junto dos homens, este mistério de bondade, capaz de curar as feridas do pecado e derramar a vida divina nas almas. Ministério glorioso, superior ao de Moisés, pois confere a santidade verdadeira, aquela que o próprio Cristo nos veio trazer e da qual permanece fonte única. 

Também a nossa alegria deve ser a de levar ajuda e conforto a todo aquele que deles necessita, por amor de Cristo, que tanto amou e nos deixou a obrigação de unir ao amor de Deus o amor generoso e desinteressado do próximo. 


Páginas 643 a 647 do Missal Quotidiano.


Missa Rezada às 9:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Diocesana.


Liturgia Diária- 06/08/2018

TRANSFIGURAÇÃO DE NOSSO SENHOR

Festa de 2ª Classe- Missa Própria

No rosto extasiado dos três privilegiados, Pedro, Tiago e João, reflete-se a glória divina de Jesus transfigurado.

Duas vezes a Santa Igreja, no decorrer do ano litúrgico, recorda o milagre da transfiguração: na Quaresma (evangelho do segundo domingo), para afirmar a divindade do Senhor antes de o seguir na humilhações da paixão, e hoje, em que se celebra particularmente a exaltação de Jesus Cristo. A festa da Transfiguração era já de longa data celebrada no dia 6 de Agosto nas diferentes Igrejas do Oriente e Ocidente. Para comemorar a vitória que obstou em 1457 ao avanço dos turcos, Calisto III, que recebera a notícia do feito no dia 6 de Agosto, estendeu esta solenidade a toda a Igreja. A Basílica do Latrão, primitivamente consagrada ao Santíssimo Salvador, festeja duas vezes no ano o titular, no dia de Páscoa e no dia 6 de Agosto. As demais Igrejas dedicadas ao Salvador celebram o titular, umas no dia de Páscoa, e outras na festa da Transfiguração.


SÃO XISTO II, Papa; SS. FELICÍSSIMO E AGAPITO, Mártires

Comemoração- Missa da Transfiguração com 2ªs orações da Missa “Sapientiam”

O papa Xisto II foi uma das primeiras vítimas da perseguição do imperador Valeriano. Felicíssimo e Agapito, dois diáconos seus, foram executados com ele. São Lourenço, seu arquidiácono não tardaria a segui-los. Xisto II governou a Igreja de 256 a 258. O seu nome está inscrito no cânon da Missa.


Páginas 1210 a 1212 833 a 836 do Missal Quotidiano.


Missa às 18:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes.


Liturgia Diária- XI Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

“Ephpheta!” Abre-te boca muda! Abre-te boca cristã para proclamar a tua fé.

Os milagres do Salvador são algo mais que sinal de poder e bondade; são também o símbolo do que se passa, pela graça, no íntimo das almas. O “Effeta” que curou o surdo-mudo, repete-o a Igreja a cada um de nós, no batismo: “abre-te”. É missão da Igreja, como de Jesus, abrir-nos para as coisas de Deus. A catequese cristã, transmitida fielmente desde os Apóstolos, ensina-nos que devemos crer, primeiramente, na morte redentora de Cristo e na sua ressurreição, – base da nossa fé. É a boa nova da salvação, que a Igreja não se cansa de pregar por todo o mundo; o acesso a Deus, concedido ao homem pela expulsão de Satã, e a vitória de Cristo sobre o pecado e a morte. 

A missa faz-nos cantar a onipotência e a bondade infinita de Deus, que, depois de ter salvo o seu povo, o reúne em sua Igreja e o reconforta com a sua proteção. 


Páginas 639 a 642 do Missal Quotidiano.


Missa Rezada às 9:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Diocesana.


LEITURAS

Introito (Sl 67, 6-7. 36. 2)

Deus, que habita no seu santuário, o Deus que faz que os homens habitem na mesma casa [a Igreja], Ele mesmo dará coragem e fortaleza ao seu povo. Sl. Levantai-Vos, Senhor, e destruí os vossos inimigos, afastai para longe os que Vos odeiam. Glória ao Pai. 

Coleta


Não há talvez oração mais bela que esta, que, ao situar-nos perante o abismo insondável da bondade divina, a implora e no-la faz contemplar. 


Ó Deus eterno e onipotente, cuja infinita bondade excede em muito os nossos merecimentos e desejos, derramai sobre nós a vossa misericórdia e, perdoando-nos os pecados que assistam a nossa consciência, dai-nos o que não ousamos esperar da pobreza das nossas orações. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Epístola (1 Cor 15,1-10)


No pensamento de São Paulo, a ressurreição de Cristo tudo alicerça: se Ele não ressuscitou, a sua obra é um fracasso; se ressuscitou, ressuscitaremos com Ele.


Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Coríntios.

Irmãos, quero lembrar-vos o Evangelho que vos anunciei e que recebestes, e no qual estais firmes.  Por ele sois salvos, se o estais guardando tal qual ele vos foi anunciado. A menos que tenhais abraçado a fé em vão… De fato, eu vos transmiti, antes de tudo, o que eu mesmo tinha recebido, a saber: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, foi sepultado e, ao terceiro dia, foi ressuscitado, segundo as Escrituras; e apareceu a Cefas e, depois aos Doze. Mais tarde, apareceu a mais de quinhentos irmãos de uma vez. Destes, a maioria ainda vive e alguns já morreram.   Depois, apareceu a Tiago depois, a todos os apóstolos; por último, apareceu também a mim, que sou como um aborto. Pois eu sou o menor dos apóstolos, nem mereço o nome de apóstolo, pois eu persegui a Igreja de Deus. É pela graça de Deus que sou o que sou. E a graça que ele reservou para mim não foi estéril; a prova é que tenho trabalhado mais que todos eles, não propriamente eu, mas a graça de Deus comigo.

Gradual (Sl 27, 7. 1)

Esperou o meu coração no Senhor e fui socorrido. A minha carne refloriu de esperança e a minha alma transbordou de cânticos ao Senhor. V. Clamei, Senhor, por Vós! Respondei, ó meu Deus, e não Vos aparteis de mim.

Aleluia (Sl 80, 2-3)

Aleluia, aleluia. V. Cantai um cântico de alegria ao Senhor que nos salvou; dai glória ao Deus de Jacó; Arrancai da cítara um hino suavíssimo. Aleluia.

Evangelho (Mc 7,31-37)


Tanto a cura do surdo-mudo, como a história das misericórdias divinas em relação a cada um de nós, se resumem no batismo, que nos abriu o espírito e o coração às coisas de Deus.


Sequência do Santo Evangelho segundo São Lucas.

Naquele tempo, Jesus deixou de novo a região de Tiro, passou por Sidônia e continuou até o mar da Galileia, atravessando a região da Decápole. Trouxeram-lhe, então, um homem que era surdo e mal podia falar, e pediram que impusesse as mãos sobre ele. Levando-o à parte, longe da multidão, Jesus pôs os dedos nos seus ouvidos, cuspiu, e com a saliva tocou-lhe a língua. Olhando para o céu, suspirou e disse: “Efatá!” (que quer dizer: “Abre-te”). Imediatamente, os ouvidos do homem se abriram, sua língua soltou-se e ele começou a falar corretamente. Jesus recomendou, com insistência, que não contassem o ocorrido para ninguém. Contudo, quanto mais ele insistia, mais eles o anunciavam. Cheios de grande admiração, diziam: “Tudo ele tem feito bem. Faz os surdos ouvirem e os mudos falarem”.

Ofertório (Sl 29, 2-3)

Louvar-Vos-ei, Senhor, porque me protegestes e não consentistes que se rissem de mim os meus inimigos. Senhor, clamei por Vós e curastes-me.

Secreta

Olhai, Senhor, com misericórdia o nosso ministério e dignai-Vos aceitar as nossas ofertas para que sirvam de escudo à nossa fragilidade. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Comunhão (Prov 3, 9-10)

Honra o Senhor com o que tens e com as primícias dos teus frutos. Encher-se-ão de abundância os teus celeiros e os teus lagares transbordarão de vinho.

Pós-comunhão

Nós Vos suplicamos, Senhor, a graça de sentir com a recepção deste sacramento um acréscimo de força no corpo e na alma, para que, salvando-os ambos, nos gloriemos da plenitude dese celestial remédio. Por Cristo Nosso Senhor.


PARTITURAS E ÁUDIOS

Liturgia Diária- 03/08/2018

MISSA DA FÉRIA

Féria de 4ª Classe- Missa própria do Domingo

Os dons que recebemos de Deus não procedem de nós, mas do Espírito Santo e devem pôr-se ao serviço da Igreja e de nossos irmãos, com espírito de humildade. 

A parábola do fariseu e do publicano sublinha, de maneira simples, que não temos nada por que nos vangloriar. Há duas classes de homens, dizia Pascal: os santos, que se julgam culpáveis de todas as faltas, e os pecadores, que nunca se sentem culpados. Os primeiros são humildes; Deus os elevará, glorificando-os. Os segundos, orgulhosos; Deus os rebaixará, castigando-os. Com mais profundeza ainda, Santo Irineu define o homem como “receptáculo dos dons divinos”. Deus não se contenta com chamar à pratica dos mandamentos. Infunde o seu Espírito, que transforma as almas e lhes inspira sentimentos cristãos. 


Páginas 635 a 638 do Missal Quotidiano.


Missa às 18:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes (com Comemoração de Santo Afonso de Ligório e São Domingos).


Liturgia Diária- X Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

Os dons que recebemos de Deus não procedem de nós, mas do Espírito Santo e devem pôr-se ao serviço da Igreja e de nossos irmãos, com espírito de humildade. 

A parábola do fariseu e do publicano sublinha, de maneira simples, que não temos nada por que nos vangloriar. Há duas classes de homens, dizia Pascal: os santos, que se julgam culpáveis de todas as faltas, e os pecadores, que nunca se sentem culpados. Os primeiros são humildes; Deus os elevará, glorificando-os. Os segundos, orgulhosos; Deus os rebaixará, castigando-os. Com mais profundeza ainda, Santo Irineu define o homem como “receptáculo dos dons divinos”. Deus não se contenta com chamar à pratica dos mandamentos. Infunde o seu Espírito, que transforma as almas e lhes inspira sentimentos cristãos. 


Páginas 635 a 638 do Missal Quotidiano.


Missa Rezada às 9:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Diocesana.


Liturgia Diária- IX Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

A epístola evoca as terríveis provações que, outrora, no deserto a infidelidade de muitos israelitas atraíra sobre todo o povo. É a recordação duma premente verdade: a vocação divina é um privilégio, mas não basta para nos salvar. Torna, apenas, mais sagrados os nossos deveres de fidelidade. São paulo convida-nos a meditar neste ensinamento, que se depreende da história dos nossos antepassados. 

É a mesma lição do evangelho. Por rejeitar a mensagem de paz, que Jesus lhe dirigia, Jerusalém será completamente destruída, menos de quarenta anos após a morte do Salvador. A história do povo eleito continua-se conosco. Propaga-se a mensagem de Cristo. Ao lado daqueles que a acolhem, muitos, para perdição sua, recusam ouvi-la; e, mesmo entre aqueles que inicialmente a acolheram, a necessária prova de fidelidade fará ainda muitas destruições. Mas Deus, esse é fiel: quer a nossa salvação final e socorre-nos, no próprio momento, em que nos prova. 


Páginas 631 a 634 do Missal Quotidiano.


Missa Rezada às 9:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes e Missa Cantada às 18:30 horas na Catedral Diocesana.


Liturgia Diária- VIII Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

Todo o ensinamento do evangelho de hoje implica uma lição de prudência cristã e de zelo sobrenatural. Somente o Céu nos interessa, e é para lá que é preciso tender, utilizando as situações transitórias de aquém, para prosseguir, com todo o afã, no sentido do além. No assegurar-nos a vida eterna, deveríamos mostrar solicitude e prudência pelos menos iguais à que têm dos filhos das trevas, em seus negócios temporais. 

Encontrar-se-á, na epístola, a razão profunda deste desapego das coisas terrenas, e o segredo desta poderosa aspiração às coisas do Céu. É a graça que nos transforma e prepara para entrar no reino dos Céus. É o próprio Espírito Santo que nos dá uma alma de filhos e nos faz clamar a Deus: “Abba! Pai!”. 


Páginas 627 a 630 do Missal Quotidiano.


[APENAS] Terço às 15 horas e Missa Cantada às 15:30 na Catedral Santa Terezinha. Haverá ainda a 1ª comunhão de uma aluna da catequese da Irmandade.


Liturgia Diária- VII Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

O ramo enxertado na árvore da cruz e no próprio Cristo, aquecido pelo claro sol da graça, produzirá bons frutos. maldito o ramo seco que o machado cortará para o fogo.

Unido a Cristo, como o ramo à arvore, que lhe dá a vida, o cristão deve produzir frutos, sob pena de ser amputado e lançado ao fogo. A ameaça é terrível. 

O valor e a autenticidade duma vida cristã prova-se pelas obras que produz. “A boa árvore produz bons frutos”. Se há mais fraqueza que malícia na desordem e no vazio de muitas vidas humanas, o juízo de Jesus Cristo não é menos veraz. Retenhamos o seu rigor e desconfiemos dos falsos profetas, que abundam em frases bonitas e não corrigem a própria vida. O mesmo programa de lealdade integral se vê na epístola, em que São paulo apela para as exigências da nossa vida de batizados. Libertos do pecado e consagrados a Deus, devemos ostentar na prática duma vida santa, a mesma inteireza, que outros, sem levar em conta a “justiça” cristã, ostentam em sua vida de pecado.


Páginas 623 a 626 do Missal Quotidiano.


Missa Rezada às 9:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral.


Liturgia Diária- IV Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

“Daqui em diante, Pedro, serás pescador de homens”. Pesca miraculosa da Igreja através dos séculos.

O evangelho da pesca milagrosa é o símbolo das conquistas da Igreja e a realização da palavra de Jesus a São Pedro: de futuro, serás pescador de homens. 

A confiança em Deus, no meio das lutas e sofrimentos desta vida, é o pensamento que domina a missa deste domingo. São Paulo lembra-nos que estas lutas e sofrimentos têm pouca duração, e resultam da situação de expectativa, que é a nossa e a de toda a criação, até ao dia aprazado para se revelar a glória plena dos filhos de Deus. Entretanto, Deus vem em nossa ajuda: atrai-nos a Si, sustenta-nos na vida, perdoa-nos, levanta-nos. 


Páginas 610 a 613 do Missal Quotidiano.


Missa APENAS às 9:30 horas na Igreja Bom Jesus (Rua Marciano de Ávila, 422, Bairro Bom Jesus).


PRÓPRIO DO DIA

Introito (Sl 26, 1.2.3)

Deus é a minha luz e salvação, quem temerei? Ele é que me defende, porque hei de ter medo? Os inimigos que apertavam comigo já caíram e pereceram. sl. Ainda que se ergam exércitos contra mim, o meu coração não temerá. Glória ao Pai.

Coleta


A sublime e santa devoção da Igreja teme a guerra e a confusão, pede a Deus que regule todas as coisas e nos dê a paz, necessária às almas para bem servirem.


Concedei-nos, Senhor, que o mundo caminhe em paz dentro das leis que lhe impusestes, e que a vossa Igreja desfrute da santa alegria de Vos servir. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Epístola (Rm 8,18-23)


A aplicação da vitória de Cristo à nossa vida humana opera-se em dois momentos: na Terra, pela adoção batismal; no Céu, pela entrada na glória. Temos agora de suportar a nossa quota-parte de sofrimento. o sofrimento tem valor de redenção e fica muito aquém da glória que nos espera.


Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Romanos.

Irmãos: Tenho para mim que os sofrimentos da presente vida não têm proporção alguma com a glória futura que nos deve ser manifestada. Por isso, a criação aguarda ansiosamente a manifestação dos filhos de Deus. Pois a criação foi sujeita à vaidade (não voluntariamente, mas por vontade daquele que a sujeitou), todavia com a esperança de ser também ela libertada do cativeiro da corrupção, para participar da gloriosa liberdade dos filhos de Deus. Pois sabemos que toda a criação geme e sofre como que dores de parto até o presente dia. Não só ela, mas também nós, que temos as primícias do Espírito, gememos em nós mesmos, aguardando a adoção, a redenção do nosso corpo.

Gradual (Sl 78, 9.10)

Sede, Senhor, propício e perdoai-nos. Não vão as nações dizer: Onde é que está o Deus deles? Ajudai-nos, pois, Senhor, nossa salvação, e livrai-nos por amor do vosso nome. 

Aleluia (Sl 9, 5.10)

Aleluia, aleluia. Senhor, que estais sentado no trono e julgais com equidade, sede o refúgio dos pobres no dia da tribulação. Aleluia. 

Evangelho (Lc 5,1-11)


Desde a manhã de pentecostes, a pregação dos Apóstolos ia fazer conversões sem conta. Era a realização da palavra de Jesus a Simão Pedro: “De futuro, serás pescador de homens”. Esta promessa continua a verificar-se na Igreja, no decorrer dos séculos.


Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas.

Naquele tempo: Estando Jesus um dia à margem do lago de Genesaré, o povo se comprimia em redor dele para ouvir a palavra de Deus. Vendo duas barcas estacionadas à beira do lago, – pois os pescadores haviam descido delas para consertar as redes -, subiu a uma das barcas que era de Simão e pediu-lhe que a afastasse um pouco da terra; e sentado, ensinava da barca o povo. Quando acabou de falar, disse a Simão: Faze-te ao largo, e lançai as vossas redes para pescar. Simão respondeu-lhe: Mestre, trabalhamos a noite inteira e nada apanhamos; mas por causa de tua palavra, lançarei a rede. Feito isto, apanharam peixes em tanta quantidade, que a rede se lhes rompia. Acenaram aos companheiros, que estavam na outra barca, para que viessem ajudar. Eles vieram e encheram ambas as barcas, de modo que quase iam ao fundo. Vendo isso, Simão Pedro caiu aos pés de Jesus e exclamou: Retira-te de mim, Senhor, porque sou um homem pecador. É que tanto ele como seus companheiros estavam assombrados por causa da pesca que haviam feito. O mesmo acontecera a Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram seus companheiros. Então Jesus disse a Simão: Não temas; doravante serás pescador de homens. E atracando as barcas à terra, deixaram tudo e o seguiram.

Ofertório (Sl 12, 4-5)

Alumiai, Senhor, os meus olhos e não os tomem as trevas da morte, não vá o inimigo dizer: no final sempre o venci.

Secreta

Dignai-Vos aplacar, Senhor, com estas ofertas e compeli para Vós as nossas vontades, ainda que rebeldes. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. 

Comunhão (Sl 17,3)

O Senhor é o meu arrimo, o meu refúgio e libertador; o meu Deus é o meu auxílio. 

Pós-comunhão

Que os santos mistérios que recebemos nos lavem e nos defendam com a sua proteção. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.


PARTITURAS E AÚDIOS

Liturgia Diária- III Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe– Missa Própria

digitalizar0001 (1)

Toda a missa de hoje é um hino à misericórdia divina para com os homens, e esse sentimento de Deus a nosso respeito, se assim podemos falar, atinge a sua mais alta expressão na solicitude de Jesus com os pecadores. As mais belas parábolas – a da ovelha desgarrada e a da dracma perdida, recolhidas por São Lucas, não podiam encontrar melhor lugar que a seguir à festa do Sagrado Coração de Jesus. 

Enquanto o demônio se conserva adversário temível, apostado em nos perder, prossegue Deus incansavelmente a obra da nossa salvação. São Pedro convida-nos a estar vigilantes, firmes na fé, e repor no Senhor os nossos cuidados. “Ele próprio se ocupa de vós”, brada o príncipe dos Apóstolos. As partes cantadas fazem eco ao evangelho e à epístola, de modo que o apelo à confiança fica tanto mais fundamentado quanto se verifica estar Deus mais perto daqueles que Dele sentem necessidade. A misericórdia de Deus, querida já do salmista e reforçada pro Nosso Senhor, é uma constante através de todo a Revelação. Encontra-se em toda a doutrina da Igreja alusiva ao amor do Salvador pelos pobres, pelos desgraçados, pelos pecadores, por todos aqueles que procuram em Deus remédio para a sua miséria. 


Páginas 605 a 609 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre,1963).


Missa Rezada às 9:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Diocesana.


PRÓPRIO DO DIA

Introito (Sl 24, 26,18,1-2)

Olhai para mim, Senhor, porque sou pobre e estou sozinho. Vede o meu nada e a minha dor e perdoai-me, ó Deus meu, todos os meus pecados. Sl. Levantei até Vós, Senhor, o meu coração. Por isso tenho confiança de não ser confundido. Glória ao Pai.

Coleta


A providência divina estende-se a tudo o que nos diz respeito, para nos guiar e tudo penetrar de sua graça, na unidade duma vida que, através dos bens temporais, nos deve conduzir aos eternos.


Ó Deus, que sois o protetor dos que esperam em Vós e o princípio de toda a virtude e santidade, multiplicai sobre nós a vossa misericórdia, para que, governados e conduzidos por Vós, passemos por esta vida sem perder a eterna. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. 

Epístola (I Ped 5, 6-11)


“Fratres, sobrii estote et vigilate”. Todas as tardes, no ofício de completas, a Igreja lembra aos fiéis o conselho de São Pedro. Vamos ver agora em que encorajante contexto ele se situa.


Leitura da Epístola de São Pedro Apóstolo .

Caríssimos: Humilhai-vos, debaixo da poderosa mão de Deus, para que ele vos exalte no tempo oportuno. Confiai-lhe todas as vossas preocupações, porque ele tem cuidado de vós. Sede sóbrios e vigiai. Vosso adversário, o demônio, anda ao redor de vós como o leão que ruge, buscando a quem devorar. Resisti-lhe fortes na fé. Vós sabeis que os vossos irmãos, que estão espalhados pelo mundo, sofrem os mesmos padecimentos que vós. O Deus de toda graça, que vos chamou em Cristo à sua eterna glória, depois que tiverdes padecido um pouco, vos aperfeiçoará, vos tornará inabaláveis, vos fortificará.  A ele o poder na eternidade! Amém.

Gradual (Sl 54, 23;17;19)

Deita no Senhor o teu pensamento e Ele te sustentará. Clamei pelo Senhor e Ele me ouviu e me defendeu dos que se aproximavam de mim.

Aleluia (Sl 7,12)

Aleluia, aleluia. Deus, que é juiz íntegro, forte e paciente, acaso andará sempre irado? Aleluia.

Evangelho (Lc 15,1-10)


É em resposta às malévolas insinuações dos escribas e fariseus que Jesus vai contar a parábola da misericórdia e do perdão.


Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas :

Naquele tempo, aproximavam-se de Jesus os publicanos e os pecadores para ouvi-lo. Os fariseus e os escribas murmuravam: Este homem recebe e come com pessoas de má vida! Então lhes propôs a seguinte parábola:
Quem de vós que, tendo cem ovelhas e perdendo uma delas, não deixa as noventa e nove no deserto e vai em busca da que se perdeu, até encontrá-la? E depois de encontrá-la, a põe nos ombros, cheio de júbilo, e, voltando para casa, reúne os amigos e vizinhos, dizendo-lhes: Regozijai-vos comigo, achei a minha ovelha que se havia perdido. Digo-vos que assim haverá maior júbilo no céu por um só pecador que fizer penitência do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento. Ou qual é a mulher que, tendo dez dracmas e perdendo uma delas, não acende a lâmpada, varre a casa e a busca diligentemente, até encontrá-la? E tendo-a encontrado, reúne as amigas e vizinhas, dizendo: Regozijai-vos comigo, achei a dracma que tinha perdido. Digo-vos que haverá júbilo entre os anjos de Deus por um só pecador que se arrependa.

Ofertório (Salmo 9,11-13)

Todos os que conheceram o teu nome esperam em Ti, Senhor, porque não abandonaste os que Te buscavam. Cantai ao Senhor que tem em Sião sua morada, porque Ele não esquece a oração do pobre. 

Secreta

Olhai, Senhor, os dons da Igreja suplicante e fazei que os fiéis os recebam para sua perpétua santificação. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. 

Comunhão (Lc 15,10)

Digo-vos que os Anjos de Deus se alegram por um pecados que faz penitência. 

Pós-comunhão

Que a recepção destes sagrados mistérios nos dê vida, e, purificando, nos prepare para a misericórdia eterna. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. 


PARTITURAS E ÁUDIOS

Liturgia Diária- 09/06/2018

SÃO PRIMO E SÃO FELICIANO, Mártires

Comemoração- Missa Própria do domingo com 2ªs orações próprias

Primo e Feliciano são dois mártires romanos da Via Nomentana. As suas relíquias transportadas no século VII para dentro da cidade, conservam-se atualmente em Santo Estevão “Rotondo” no Monte Célio. 

LEITURAS

Epístola (I Jo 3, 13-18)


O amor a nossos irmãos, para ser eficaz e verdadeiro, deve crescer até a medida do que Jesus Cristo nos dedicou: Ele deu a vida por nós.


Leitura da Epístola de São João Apóstolo .

Caríssimos: Não vos admireis, irmãos, se o mundo vos odeia. Nós sabemos que fomos trasladados da morte para a vida, porque amamos nossos irmãos. Quem não ama permanece na morte. Quem odeia seu irmão é assassino. E sabeis que a vida eterna não permanece em nenhum assassino. Nisto temos conhecido o amor: (Jesus) deu sua vida por nós. Também nós outros devemos dar a nossa vida pelos nossos irmãos. Quem possuir bens deste mundo e vir o seu irmão sofrer necessidade, mas lhe fechar o seu coração, como pode estar nele o amor de Deus? Meus filhinhos, não amemos com palavras nem com a língua, mas por atos e em verdade.

Evangelho (Lc 14, 16-24)


Para o banquete eucarístico ou para o festim messiânico todos estão convidados, ainda os mais miseráveis. Simplesmente se excluem aqueles que, satisfeitos com o que têm, pensam não ter necessidade de Deus. 


Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas.

Naquele tempo: Disse Jesus aos fariseus a seguinte parábola: Um homem deu uma grande ceia e convidou muitas pessoas. E à hora da ceia, enviou seu servo para dizer aos convidados: Vinde, tudo já está preparado. Mas todos, um a um, começaram a escusar-se. Disse-lhe o primeiro: Comprei um terreno e preciso sair para vê-lo; rogo-te me dês por escusado. Disse outro: Comprei cinco juntas de bois e vou experimentá-las; rogo-te me dês por escusado. Disse também um outro: Casei-me e por isso não posso ir. Voltou o servo e referiu isto a seu senhor. Então, irado, o pai de família disse a seu servo: Sai, sem demora, pelas praças e pelas ruas da cidade e introduz aqui os pobres, os aleijados, os cegos e os coxos. Disse o servo: Senhor, está feito como ordenaste e ainda há lugar. O senhor ordenou: Sai pelos caminhos e atalhos e obriga todos a entrar, para que se encha a minha casa. Pois vos digo: nenhum daqueles homens, que foram convidados, provará a minha ceia.

Liturgia Diária- 07/06/2018

MISSA DA FÉRIA

Féria de 4ª Classe- Missa Própria do II Domingo depois de Pentecostes

A epístola lembra o imperioso dever de caridade fraterna. À imitação de Cristo, que se entregou por nós, devemos amar o próximo até dar a vida por ele. No evangelho, a parábola dos convidados ao banquete, prefigura também a sangrada Eucaristia, como o banquete messiânico ao qual estamos todos convidados. Sempre que nos aproximamos da sagrada mesa, lembremo-nos que esta comunhão com Deus, nos prepara para a união definitiva da alma. As antecipações santificantes do sacramento encontrarão plena realização na felicidade eterna. 

As orações convidam-nos a fixar o nosso amor em Deus, a despojar-nos das coisas terrenas, para nos “elevarmos à prática duma vida perfeita”.

LEITURAS

Epístola (I Jo 3, 13-18)


O amor a nossos irmãos, para ser eficaz e verdadeiro, deve crescer até a medida do que Jesus Cristo nos dedicou: Ele deu a vida por nós.


Leitura da Epístola de São João Apóstolo .

Caríssimos: Não vos admireis, irmãos, se o mundo vos odeia. Nós sabemos que fomos trasladados da morte para a vida, porque amamos nossos irmãos. Quem não ama permanece na morte. Quem odeia seu irmão é assassino. E sabeis que a vida eterna não permanece em nenhum assassino. Nisto temos conhecido o amor: (Jesus) deu sua vida por nós. Também nós outros devemos dar a nossa vida pelos nossos irmãos. Quem possuir bens deste mundo e vir o seu irmão sofrer necessidade, mas lhe fechar o seu coração, como pode estar nele o amor de Deus? Meus filhinhos, não amemos com palavras nem com a língua, mas por atos e em verdade.

Evangelho (Lc 14, 16-24)


Para o banquete eucarístico ou para o festim messiânico todos estão convidados, ainda os mais miseráveis. Simplesmente se excluem aqueles que, satisfeitos com o que têm, pensam não ter necessidade de Deus. 


Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas.

Naquele tempo: Disse Jesus aos fariseus a seguinte parábola: Um homem deu uma grande ceia e convidou muitas pessoas. E à hora da ceia, enviou seu servo para dizer aos convidados: Vinde, tudo já está preparado. Mas todos, um a um, começaram a escusar-se. Disse-lhe o primeiro: Comprei um terreno e preciso sair para vê-lo; rogo-te me dês por escusado. Disse outro: Comprei cinco juntas de bois e vou experimentá-las; rogo-te me dês por escusado. Disse também um outro: Casei-me e por isso não posso ir. Voltou o servo e referiu isto a seu senhor. Então, irado, o pai de família disse a seu servo: Sai, sem demora, pelas praças e pelas ruas da cidade e introduz aqui os pobres, os aleijados, os cegos e os coxos. Disse o servo: Senhor, está feito como ordenaste e ainda há lugar. O senhor ordenou: Sai pelos caminhos e atalhos e obriga todos a entrar, para que se encha a minha casa. Pois vos digo: nenhum daqueles homens, que foram convidados, provará a minha ceia.

Liturgia Diária- II Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

digitalizar0001

A epístola lembra o imperioso dever de caridade fraterna. À imitação de Cristo, que se entregou por nós, devemos amar o próximo até dar a vida por ele. No evangelho, a parábola dos convidados ao banquete, prefigura também a sangrada Eucaristia, como o banquete messiânico ao qual estamos todos convidados. Sempre que nos aproximamos da sagrada mesa, lembremo-nos que esta comunhão com Deus, nos prepara para a união definitiva da alma. As antecipações santificantes do sacramento encontrarão plena realização na felicidade eterna. 

 

As orações convidam-nos a fixar o nosso amor em Deus, a despojar-nos das coisas terrenas, para nos “elevarmos à prática duma vida perfeita”.


Páginas 596 a 599 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefevbre, 1963).


Missa Rezada às 9:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Diocesana.


PRÓPRIO DO DIA

Introito (Sl. 17,19-20, 2-3)

O Senhor fez-se o meu protetor e levou-me para um lugar espaçoso. Salvou-me porque me queria. Sl. Amo-Vos, Senhor, porque sois a minha fortaleza; sois o meu arrimo, o meu refúgio e libertador. Glória ao Pai.

Coleta

Fazei, Senhor, que nos anime sempre o temor e o amor do vosso santo nome, porque nunca deixais de dirigir os que firmais na vossa caridade. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Epístola (I Jo 3, 13-18)


O amor a nossos irmãos, para ser eficaz e verdadeiro, deve crescer até a medida do que Jesus Cristo nos dedicou: Ele deu a vida por nós.


Leitura da Epístola de São João Apóstolo .

Caríssimos: Não vos admireis, irmãos, se o mundo vos odeia. Nós sabemos que fomos trasladados da morte para a vida, porque amamos nossos irmãos. Quem não ama permanece na morte. Quem odeia seu irmão é assassino. E sabeis que a vida eterna não permanece em nenhum assassino. Nisto temos conhecido o amor: (Jesus) deu sua vida por nós. Também nós outros devemos dar a nossa vida pelos nossos irmãos. Quem possuir bens deste mundo e vir o seu irmão sofrer necessidade, mas lhe fechar o seu coração, como pode estar nele o amor de Deus? Meus filhinhos, não amemos com palavras nem com a língua, mas por atos e em verdade.

Gradual (Sl. 119, 1-2)

Clamei pelo Senhor quando me atribularam e Ele ouviu-me. Senhor livrai a minha alma dos lábios pecadores e da língua mentirosa.

Aleluia (Sl 7,2)

Aleluia, aleluia. Meu Senhor e meu Deus, esperei em Vós, salvai-me das mãos dos que me perseguem e livrai-me. Aleluia.

Evangelho (Lc 14, 16-24)


Para o banquete eucarístico ou para o festim messiânico todos estão convidados, ainda os mais miseráveis. Simplesmente se excluem aqueles que, satisfeitos com o que têm, pensam não ter necessidade de Deus. 


Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas.

Naquele tempo: Disse Jesus aos fariseus a seguinte parábola: Um homem deu uma grande ceia e convidou muitas pessoas. E à hora da ceia, enviou seu servo para dizer aos convidados: Vinde, tudo já está preparado. Mas todos, um a um, começaram a escusar-se. Disse-lhe o primeiro: Comprei um terreno e preciso sair para vê-lo; rogo-te me dês por escusado. Disse outro: Comprei cinco juntas de bois e vou experimentá-las; rogo-te me dês por escusado. Disse também um outro: Casei-me e por isso não posso ir. Voltou o servo e referiu isto a seu senhor. Então, irado, o pai de família disse a seu servo: Sai, sem demora, pelas praças e pelas ruas da cidade e introduz aqui os pobres, os aleijados, os cegos e os coxos. Disse o servo: Senhor, está feito como ordenaste e ainda há lugar. O senhor ordenou: Sai pelos caminhos e atalhos e obriga todos a entrar, para que se encha a minha casa. Pois vos digo: nenhum daqueles homens, que foram convidados, provará a minha ceia.

Ofertório (Sl 6,5)

Voltai, Senhor, e salvai a minha alma. Salvai-me por vossa misericórdia. 

Secreta

Que este sacrifício, que oferecemos em honrado do vosso nome, nos lave, Senhor, e dia a dia nos guie na prática da virtude. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. 

Comunhão (Sl 12,6)

Cantarei ao Senhor por todos os bens que me deu e celebrarei o nome do Altíssimo. 

Pós-comunhão

Alimentados com estes dons, humildemente Vos suplicamos a graça de encontrarmos na recepção destes mistérios aumentos de salvação. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. 


PARTITURAS E ÁUDIOS

Liturgia Diária- 14/09/2017

EXALTAÇÃO DA SANTA CRUZ

Festa de 2ª Classe- Missa própria

A festa de hoje teve por objetivo único a invenção da Santa Cruz, levada a efeito por Santa Helena, e a dedicação das basílicas constantinianas, consagradas a 14 de setembro de 335. Mais tarde porém, além da memória destes acontecimentos dos quais referimos, foi a restituição da Santa Cruz feita pelos persas, que apoderara-se de Jerusalém e da relíquia da Vera Cruz. Quatorze anos mais tarde o imperador Heráclito derrotou Cósroas e exigiu dele a entrega da preciosa relíquia. Entrando em Jerusalém, quis levar ele mesmo a Santa Cruz com grande pompa real para a repor no Calvário, se sentiu preso por uma força invisível que o não deixou prosseguir. Zacarias Bispo de Jerusalém e testemunha presencial do fato, advertiu então: “com tais vestes estais longe de imitar a Jesus Cristo e a humildade com que levou consigo a Cruz”. Heráclito despojou-se então das vestes riquíssimas que envergava, descalçou-se, cobriu-se com um manto ordinário e pode sem dificuldade levar a Santa Cruz até o Calvário. A morte do Senhor na cruz foi simultaneamente o seu trunfo e sacrifício. Ele o predissera na véspera da Paixão: “é agora que o príncipe deste mundo será lançado fora: e quando eu me elevar da terra, tudo atrairei a mim”.

São Paulo constata-o por seu lado ao salientar que a exaltação de Cristo assenta no sofrimento e tira para nós a conseqüência: “Devemos gloriar-nos na Cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo”. Unamo-nos em espírito com os fiéis na Basílica da Santa Cruz de Jerusalém em Roma, que veneram hoje as relíquias da Santa Cruz, em que se operou o mistério da redenção dos homens.


Páginas 1279 a 1282 do Missal Quotidino.


Missa às 18:30 na Capela São Judas Tadeu.


LEITURAS

Epístola (Fil 2, 5-11)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Filipenses .

Irmãos: Dedicai-vos mutuamente a estima que se deve em Cristo Jesus. Sendo ele de condição divina, não se prevaleceu de sua igualdade com Deus, mas aniquilou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e assemelhando-se aos homens. E, sendo exteriormente reconhecido como homem, humilhou-se ainda mais, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz. Por isso Deus o exaltou soberanamente e lhe outorgou o nome que está acima de todos os nomes, para que ao nome de Jesus (aqui se ajoelha) se dobre todo joelho no céu, na terra e nos infernos. E toda língua confesse, para a glória de Deus Pai, que Jesus Cristo é Senhor.

Evangelho (Jo 12, 31-36)

Sequência do Santo Evangelho segundo João.

Naquele Tempo: Disse Jesus às turbas do Judeus: Agora é o juízo deste mundo; agora será lançado o príncipe deste mundo. E eu, quando for levantado da terra, atrairei tudo a mim. Dizia isto para designar de que morte havia de morrer. Respondeu-lhe a multidão: Nós aprendemos da lei que Cristo permanece eternamente; e como dizes tu que o filho do homem deve ser levantado? Quem é este filho do homem? Respondeu-lhes então Jesus: Ainda por um pouco de tempo está a luz convosco. Andai enquanto tendes luz, para que não surpreendam as trevas; quem caminha nas trevas não sabe para onde vai. Enquanto tendes luz, crede na luz para que sejais filhos da luz.

Liturgia Diária- 13/09/2017

MISSA DA FÉRIA

Féria de 4ª Classe- Missa comum do Domingo

LEITURAS

Epístola (Gl 5, 16-24)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Gálatas.  

Irmãos: Digo, pois: deixai-vos conduzir pelo Espírito, e não satisfareis os apetites da carne. Porque os desejos da carne se opõem aos do Espírito, e estes aos da carne; pois são contrários uns aos outros. É por isso que não fazeis o que quereríeis. Se, porém, vos deixais guiar pelo Espírito, não estais sob a lei. Ora, as obras da carne são estas: fornicação, impureza, libertinagem, idolatria, superstição, inimizades, brigas, ciúmes, ódio, ambição, discórdias, partidos, invejas, bebedeiras, orgias e outras coisas semelhantes. Dessas coisas vos previno, como já vos preveni: os que as praticarem não herdarão o Reino de Deus! Ao contrário, o fruto do Espírito é caridade, alegria, paz, paciência, afabilidade, bondade, fidelidade, brandura, temperança. Contra estas coisas não há lei. Pois os que são de Jesus Cristo crucificaram a carne, com as paixões e concupiscências.

Evangelho (Mt 6, 24-33)

Sequência do Santo Evangelho segundo Mateus.

Naquele tempo disse Jesus a seus discípulos: Ninguém pode servir a dois Senhores ao mesmo tempo, porque ou odiará um e amará o outro, ou há de se afeiçoar a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e a riqueza. Portanto vos digo: Não andeis (demasiadamente) inquietos, nem o com o que (vos é preciso) para alimentar a vossa vida, nem com o que (vos é preciso) para vestir o vosso corpo. Porventura não vale mais a alma do que o alimento, e o corpo mais do que o vestido? Olhai para as aves do céu, que não semeiam, nem ceifam, nem fazem provisão nos celeiros, e contudo vosso Pai Celeste as sustentam. Por ventura não sois vós muito mais do que elas? E quais de vós, por muito que pense, pode acrescentar um côncavo a sua estatura? E por que vos inquietais com o vestido? Considerai como crescem os lírios do campo; eles não trabalham nem fiam. E digo vos todavia que nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu jamais com um lírio deste. Se pois Deus veste assim uma erva do campo, que hoje existe, e amanhã é lançada no forno, quanto mais vós, homens de pouca fé! Não vos aflijais pois dizendo: O que comeremos, ou o que beberemos, ou com que nos vestiremos? Porque os pagãos procuram com (excessivo cuidado) todas essas coisas. Vosso pai sabe que tendes necessidade de todas elas. Buscai pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e sua Justiça, e todas estas coisas vos serão dadas em acréscimo.

 

Liturgia Diária- 11/09/2017

 

SÃO PROTO E SÃO JACINTO, Mártires

Comemoração- Missa da Féria, com 2ªs orações próprias

O túmulo desses dois mártires romanos, duma época desconhecida, foi encontrado intacto em Roma em 1845. Em 1934, as relíquias foram transportadas para a nova capela da Propaganda sobre o Janículo. 

LEITURAS

Epístola (Gl 5, 16-24)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Gálatas.  

Irmãos: Digo, pois: deixai-vos conduzir pelo Espírito, e não satisfareis os apetites da carne. Porque os desejos da carne se opõem aos do Espírito, e estes aos da carne; pois são contrários uns aos outros. É por isso que não fazeis o que quereríeis. Se, porém, vos deixais guiar pelo Espírito, não estais sob a lei. Ora, as obras da carne são estas: fornicação, impureza, libertinagem, idolatria, superstição, inimizades, brigas, ciúmes, ódio, ambição, discórdias, partidos, invejas, bebedeiras, orgias e outras coisas semelhantes. Dessas coisas vos previno, como já vos preveni: os que as praticarem não herdarão o Reino de Deus! Ao contrário, o fruto do Espírito é caridade, alegria, paz, paciência, afabilidade, bondade, fidelidade, brandura, temperança. Contra estas coisas não há lei. Pois os que são de Jesus Cristo crucificaram a carne, com as paixões e concupiscências.

Evangelho (Mt 6, 24-33)

Sequência do Santo Evangelho segundo Mateus.

Naquele tempo disse Jesus a seus discípulos: Ninguém pode servir a dois Senhores ao mesmo tempo, porque ou odiará um e amará o outro, ou há de se afeiçoar a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e a riqueza. Portanto vos digo: Não andeis (demasiadamente) inquietos, nem o com o que (vos é preciso) para alimentar a vossa vida, nem com o que (vos é preciso) para vestir o vosso corpo. Porventura não vale mais a alma do que o alimento, e o corpo mais do que o vestido? Olhai para as aves do céu, que não semeiam, nem ceifam, nem fazem provisão nos celeiros, e contudo vosso Pai Celeste as sustentam. Por ventura não sois vós muito mais do que elas? E quais de vós, por muito que pense, pode acrescentar um côncavo a sua estatura? E por que vos inquietais com o vestido? Considerai como crescem os lírios do campo; eles não trabalham nem fiam. E digo vos todavia que nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu jamais com um lírio deste. Se pois Deus veste assim uma erva do campo, que hoje existe, e amanhã é lançada no forno, quanto mais vós, homens de pouca fé! Não vos aflijais pois dizendo: O que comeremos, ou o que beberemos, ou com que nos vestiremos? Porque os pagãos procuram com (excessivo cuidado) todas essas coisas. Vosso pai sabe que tendes necessidade de todas elas. Buscai pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e sua Justiça, e todas estas coisas vos serão dadas em acréscimo.

Liturgia Diária- XIV Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

digitalizar0001

O Espírito Santo, que a Igreja recebeu no dia de pentecostes, formou em nós o homem novo que se opõe e procura destruir as inveteradas tendências do homem velho, que são as intemperanças da carne e busca insaciável das riquezas para satisfazer. O Espírito de Deus, o espírito de liberdade que habita em nós torna filhos do pai e irmãos de Nosso Senhor Jesus Cristo, segrega-nos da servidão ignóbil do pecado, porque os que pertencem a Jesus Cristo, crucificaram a própria carne com os seus vícios e baixeza. Caminham em oposição irredutível com o espírito.

Convencido da verdade evangélica de que ninguém pode servir a dois senhores, o cristão põe-se de guarda contra si mesmo, contra as velhas paixões amortecidas talvez nas cinzas funerárias do velho homem, não vão às vezes ressuscitarem. “O que se deixa escravizar pelos bens deste mundo, diz Santo Agostinho, está as ordens de um senhor duro e terrível. Está debaixo da tirania do demônio. Sem dúvida, ele não o ama, pois quem é que pode amar o demônio? Todavia suporta-o. Por outro lado, também não odeia a Deus. Ninguém odeia a Deus no fundo da sua consciência. No entanto despreza e não o teme, como se estivesse seguro de está perdoado. Mas o Espírito Santo põe-no de atalaia contra estes perigos, quando nos diz pelo profeta que a misericórdia de Deus é infinita e que sua paciência nos convida a penitência. Se alguém pois quer amar a Deus em sinceridade e verdade, se alguém tem o desejo normal de ser feliz, considere a sentença do Senhor, procure em primeiro lugar o reino de Deus, e tudo mais virá por acréscimo.”

LEITURAS

Epístola (Gl 5, 16-24)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Gálatas.  

Irmãos: Digo, pois: deixai-vos conduzir pelo Espírito, e não satisfareis os apetites da carne. Porque os desejos da carne se opõem aos do Espírito, e estes aos da carne; pois são contrários uns aos outros. É por isso que não fazeis o que quereríeis. Se, porém, vos deixais guiar pelo Espírito, não estais sob a lei. Ora, as obras da carne são estas: fornicação, impureza, libertinagem, idolatria, superstição, inimizades, brigas, ciúmes, ódio, ambição, discórdias, partidos, invejas, bebedeiras, orgias e outras coisas semelhantes. Dessas coisas vos previno, como já vos preveni: os que as praticarem não herdarão o Reino de Deus! Ao contrário, o fruto do Espírito é caridade, alegria, paz, paciência, afabilidade, bondade, fidelidade, brandura, temperança. Contra estas coisas não há lei. Pois os que são de Jesus Cristo crucificaram a carne, com as paixões e concupiscências.

Evangelho (Mt 6, 24-33)

Sequência do Santo Evangelho segundo Mateus.

Naquele tempo disse Jesus a seus discípulos: Ninguém pode servir a dois Senhores ao mesmo tempo, porque ou odiará um e amará o outro, ou há de se afeiçoar a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e a riqueza. Portanto vos digo: Não andeis (demasiadamente) inquietos, nem o com o que (vos é preciso) para alimentar a vossa vida, nem com o que (vos é preciso) para vestir o vosso corpo. Porventura não vale mais a alma do que o alimento, e o corpo mais do que o vestido? Olhai para as aves do céu, que não semeiam, nem ceifam, nem fazem provisão nos celeiros, e contudo vosso Pai Celeste as sustentam. Por ventura não sois vós muito mais do que elas? E quais de vós, por muito que pense, pode acrescentar um côncavo a sua estatura? E por que vos inquietais com o vestido? Considerai como crescem os lírios do campo; eles não trabalham nem fiam. E digo vos todavia que nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu jamais com um lírio deste. Se pois Deus veste assim uma erva do campo, que hoje existe, e amanhã é lançada no forno, quanto mais vós, homens de pouca fé! Não vos aflijais pois dizendo: O que comeremos, ou o que beberemos, ou com que nos vestiremos? Porque os pagãos procuram com (excessivo cuidado) todas essas coisas. Vosso pai sabe que tendes necessidade de todas elas. Buscai pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e sua Justiça, e todas estas coisas vos serão dadas em acréscimo.

 

Liturgia Diária- 09/09/2017

SÃO GORGÓNIO, Mártir

Comemoração – Missa da Féria com orações da Missa “Laetabitur”

f384b35accaa2ac593c1fd2d6d725400

São Gorgónio de Nicomédia era um cristão mártir, parte do Gorgonius grupo, Pedro cubicularius e Doroteu, que morreu em 304 dC em Nicomédia , durante a perseguição do imperador Diocleciano . De acordo com Lactâncio e Eusébio , Gorgonius detinha uma posição alta na casa do imperador. Quando começou a perseguição ele foi conseqüentemente entre o primeiro a ser cobrado, e com os seus companheiros, Pedro, Doroteu e vários outros, foi submetido à mais terrível tormentos e finalmente estrangulado.

Diocleciano, desejando para expor os cristãos em sua casa, ordenou que todos a pagar homenagem aos deuses romanos ; se eles se recusassem, seriam expostos como cristãos. O primeiro a ser exposto foi mordomo de Diocleciano, Peter, de sobrenome cubicularius (“valet, camareiro”), que foi enforcado, sua carne arrancada de seus ossos. Dois cristãos, Doroteu, uma imperial chamberlain e Gorgonius, um oficial do exército, protestaram este tratamento, e também foram martirizados, juntamente com outro funcionário, chamado Migdonius. Enquanto isso, Pedro foi fervida ou queimados vivos , ou “assado em um campo de futebol”. Diocleciano, determinou que seus corpos não devem receber as honras que os primeiros cristãos deram as relíquias dos mártires, ordenou que eles fossem lançados ao mar. Os cristãos, no entanto, obteve a posse deles e depois o corpo de Gorgonius foi levado para Roma.

LEITURAS

 

Epístola (Gl 3, 16-22)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Gálatas.
 
Irmãos: As promessas foram feitas a Abraão e à sua descendência. [A Escritura] não diz: “E aos descendentes” como se fossem haver muitos, mas: “e à tua descendência”, como se não houvesse mais do que um, – que é Cristo. O que eu quero dizer é isto: Tendo a Aliança sido confirmada por Deus, a Lei, vinda quatrocentos anos depois, não a pode anular, de modo a abolir a promessa. Porque, se é pela Lei que vem a herança, já não vem pela promessa. Ora, pela promessa é que Deus a deu a Abraão. Para que então a Lei? Foi imposta, provocando as transgressões, até que viesse a descendência [de Abraão], a quem tinha sido destinada a promessa; foi promulgada pelos Anjos, com o concurso de um mediador [Moisés]: Ora o mediador não o pode ser de um só, ao passo que Deus é único. Vai estar, então, a Lei contra as promessas de Deus? De maneira nenhuma: Porque se fosse dada uma Lei que pudesse dar a vida, a santidade viria certamente da Lei. A Escritura, porém, encerrou tudo sob o domínio do pecado, para que, pela fé em Jesus Cristo, a promessa fosse dada aos crentes.

Evangelho (Lc 17, 11-19)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas .
 
Naquele tempo: Indo Jesus de viagem para Jerusalém, atravessou a Samaria e a Galileia. Ao entrar numa aldeia, vieram-Lhe ao encontro dez leprosos. Tendo parado a uma certa distância, ergueram a voz, dizendo: “Jesus, Mestre, tende compaixão de nós!” Ao vê-los, disse-lhes: “Ide mostrar-vos aos sacerdotes.” Ora, aconteceu que, no caminho, ficaram curados! Um deles ao ver-se curado, voltou, glorificando a Deus em voz alta, vindo prostrar-se aos pés de Jesus, e agradecendo-Lhe. E este era um samaritano! Jesus, porém, observou-lhe: “Mas então não foram curados todos os dez? Onde estão os outros nove? Não se achou, pois, quem voltasse e desse glória a Deus, senão este estrangeiro!” Depois, disse para ele: “Levanta-te e vai; a tua fé te salvou.”

 

Liturgia Diária- 07/09/2017

MISSA DA FÉRIA

Féria de 4ª Classe- Missa comum do Domingo


LEITURAS

Epístola (Gl 3, 16-22)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Gálatas.
 
Irmãos: As promessas foram feitas a Abraão e à sua descendência. [A Escritura] não diz: “E aos descendentes” como se fossem haver muitos, mas: “e à tua descendência”, como se não houvesse mais do que um, – que é Cristo. O que eu quero dizer é isto: Tendo a Aliança sido confirmada por Deus, a Lei, vinda quatrocentos anos depois, não a pode anular, de modo a abolir a promessa. Porque, se é pela Lei que vem a herança, já não vem pela promessa. Ora, pela promessa é que Deus a deu a Abraão. Para que então a Lei? Foi imposta, provocando as transgressões, até que viesse a descendência [de Abraão], a quem tinha sido destinada a promessa; foi promulgada pelos Anjos, com o concurso de um mediador [Moisés]: Ora o mediador não o pode ser de um só, ao passo que Deus é único. Vai estar, então, a Lei contra as promessas de Deus? De maneira nenhuma: Porque se fosse dada uma Lei que pudesse dar a vida, a santidade viria certamente da Lei. A Escritura, porém, encerrou tudo sob o domínio do pecado, para que, pela fé em Jesus Cristo, a promessa fosse dada aos crentes.

Evangelho (Lc 17, 11-19)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas .
 
Naquele tempo: Indo Jesus de viagem para Jerusalém, atravessou a Samaria e a Galileia. Ao entrar numa aldeia, vieram-Lhe ao encontro dez leprosos. Tendo parado a uma certa distância, ergueram a voz, dizendo: “Jesus, Mestre, tende compaixão de nós!” Ao vê-los, disse-lhes: “Ide mostrar-vos aos sacerdotes.” Ora, aconteceu que, no caminho, ficaram curados! Um deles ao ver-se curado, voltou, glorificando a Deus em voz alta, vindo prostrar-se aos pés de Jesus, e agradecendo-Lhe. E este era um samaritano! Jesus, porém, observou-lhe: “Mas então não foram curados todos os dez? Onde estão os outros nove? Não se achou, pois, quem voltasse e desse glória a Deus, senão este estrangeiro!” Depois, disse para ele: “Levanta-te e vai; a tua fé te salvou.”

 

Liturgia Diária- 06/09/2017

MISSA DA FÉRIA

Féria de 4ª Classe- Missa comum do Domingo


 

LEITURAS

Epístola (Gl 3, 16-22)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Gálatas.
 
Irmãos: As promessas foram feitas a Abraão e à sua descendência. [A Escritura] não diz: “E aos descendentes” como se fossem haver muitos, mas: “e à tua descendência”, como se não houvesse mais do que um, – que é Cristo. O que eu quero dizer é isto: Tendo a Aliança sido confirmada por Deus, a Lei, vinda quatrocentos anos depois, não a pode anular, de modo a abolir a promessa. Porque, se é pela Lei que vem a herança, já não vem pela promessa. Ora, pela promessa é que Deus a deu a Abraão. Para que então a Lei? Foi imposta, provocando as transgressões, até que viesse a descendência [de Abraão], a quem tinha sido destinada a promessa; foi promulgada pelos Anjos, com o concurso de um mediador [Moisés]: Ora o mediador não o pode ser de um só, ao passo que Deus é único. Vai estar, então, a Lei contra as promessas de Deus? De maneira nenhuma: Porque se fosse dada uma Lei que pudesse dar a vida, a santidade viria certamente da Lei. A Escritura, porém, encerrou tudo sob o domínio do pecado, para que, pela fé em Jesus Cristo, a promessa fosse dada aos crentes.

Evangelho (Lc 17, 11-19)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas .
 
Naquele tempo: Indo Jesus de viagem para Jerusalém, atravessou a Samaria e a Galileia. Ao entrar numa aldeia, vieram-Lhe ao encontro dez leprosos. Tendo parado a uma certa distância, ergueram a voz, dizendo: “Jesus, Mestre, tende compaixão de nós!” Ao vê-los, disse-lhes: “Ide mostrar-vos aos sacerdotes.” Ora, aconteceu que, no caminho, ficaram curados! Um deles ao ver-se curado, voltou, glorificando a Deus em voz alta, vindo prostrar-se aos pés de Jesus, e agradecendo-Lhe. E este era um samaritano! Jesus, porém, observou-lhe: “Mas então não foram curados todos os dez? Onde estão os outros nove? Não se achou, pois, quem voltasse e desse glória a Deus, senão este estrangeiro!” Depois, disse para ele: “Levanta-te e vai; a tua fé te salvou.”

 

Liturgia Diária- 04/09/2017

MISSA DA FÉRIA

Féria de 4ª Classe- Missa comum do Domingo


 

LEITURAS

Epístola (Gl 3, 16-22)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Gálatas.
 
Irmãos: As promessas foram feitas a Abraão e à sua descendência. [A Escritura] não diz: “E aos descendentes” como se fossem haver muitos, mas: “e à tua descendência”, como se não houvesse mais do que um, – que é Cristo. O que eu quero dizer é isto: Tendo a Aliança sido confirmada por Deus, a Lei, vinda quatrocentos anos depois, não a pode anular, de modo a abolir a promessa. Porque, se é pela Lei que vem a herança, já não vem pela promessa. Ora, pela promessa é que Deus a deu a Abraão. Para que então a Lei? Foi imposta, provocando as transgressões, até que viesse a descendência [de Abraão], a quem tinha sido destinada a promessa; foi promulgada pelos Anjos, com o concurso de um mediador [Moisés]: Ora o mediador não o pode ser de um só, ao passo que Deus é único. Vai estar, então, a Lei contra as promessas de Deus? De maneira nenhuma: Porque se fosse dada uma Lei que pudesse dar a vida, a santidade viria certamente da Lei. A Escritura, porém, encerrou tudo sob o domínio do pecado, para que, pela fé em Jesus Cristo, a promessa fosse dada aos crentes.

Evangelho (Lc 17, 11-19)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas .
 
Naquele tempo: Indo Jesus de viagem para Jerusalém, atravessou a Samaria e a Galileia. Ao entrar numa aldeia, vieram-Lhe ao encontro dez leprosos. Tendo parado a uma certa distância, ergueram a voz, dizendo: “Jesus, Mestre, tende compaixão de nós!” Ao vê-los, disse-lhes: “Ide mostrar-vos aos sacerdotes.” Ora, aconteceu que, no caminho, ficaram curados! Um deles ao ver-se curado, voltou, glorificando a Deus em voz alta, vindo prostrar-se aos pés de Jesus, e agradecendo-Lhe. E este era um samaritano! Jesus, porém, observou-lhe: “Mas então não foram curados todos os dez? Onde estão os outros nove? Não se achou, pois, quem voltasse e desse glória a Deus, senão este estrangeiro!” Depois, disse para ele: “Levanta-te e vai; a tua fé te salvou.”

 

Liturgia Diária- XIII Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

digitalizar0001

“É a fé que salva” – expressão familiar duma verdade experimental. No plano da vida cristã, donde a fé nos vem, é a afirmação insistente duma verdade essencial: a verdadeira salvação, a que nos salva para a vida eterna, não pode vir-nos senão de Deus. É obra divina, em que devemos crer. 

A Missa deste domingo lembra-nos que todas as nossas esperanças repousam na realização das promessas, que se resumem numa só. Quando Deus se deu a conhecer a Abraão, comprometeu-se a abençoar-lhe a raça, a multiplicá-la como as estrelas do céu e a areia do mar, e a fazer nascer dele Aquele que seria a salvação de todos, Cristo. Todas as promessas divinas conduzem a Cristo: ninguém pode salvar-se fora d’Ele. 

Fé em Cristo, fé nas promessas divinas, tal deve ser, portanto, a nossa atitude perante a revelação. Não se trata dum sentimento fugaz , mas duma convicção fundada num pacto: Deus comprometeu-se a salvar os homens pelo seu Filho. Ainda na prática dos mandamentos, toda a nossa vida deve ser uma resposta a Deus, que nos salva, um consentimento ao seu amor, uma adesão a Cristo. 

LEITURAS

Epístola (Gl 3, 16-22)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Gálatas.
Irmãos: As promessas foram feitas a Abraão e à sua descendência. [A Escritura] não diz: “E aos descendentes” como se fossem haver muitos, mas: “e à tua descendência”, como se não houvesse mais do que um, – que é Cristo. O que eu quero dizer é isto: Tendo a Aliança sido confirmada por Deus, a Lei, vinda quatrocentos anos depois, não a pode anular, de modo a abolir a promessa. Porque, se é pela Lei que vem a herança, já não vem pela promessa. Ora, pela promessa é que Deus a deu a Abraão. Para que então a Lei? Foi imposta, provocando as transgressões, até que viesse a descendência [de Abraão], a quem tinha sido destinada a promessa; foi promulgada pelos Anjos, com o concurso de um mediador [Moisés]: Ora o mediador não o pode ser de um só, ao passo que Deus é único. Vai estar, então, a Lei contra as promessas de Deus? De maneira nenhuma: Porque se fosse dada uma Lei que pudesse dar a vida, a santidade viria certamente da Lei. A Escritura, porém, encerrou tudo sob o domínio do pecado, para que, pela fé em Jesus Cristo, a promessa fosse dada aos crentes.

Evangelho (Lc 17, 11-19)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas .
Naquele tempo: Indo Jesus de viagem para Jerusalém, atravessou a Samaria e a Galileia. Ao entrar numa aldeia, vieram-Lhe ao encontro dez leprosos. Tendo parado a uma certa distância, ergueram a voz, dizendo: “Jesus, Mestre, tende compaixão de nós!” Ao vê-los, disse-lhes: “Ide mostrar-vos aos sacerdotes.” Ora, aconteceu que, no caminho, ficaram curados! Um deles ao ver-se curado, voltou, glorificando a Deus em voz alta, vindo prostrar-se aos pés de Jesus, e agradecendo-Lhe. E este era um samaritano! Jesus, porém, observou-lhe: “Mas então não foram curados todos os dez? Onde estão os outros nove? Não se achou, pois, quem voltasse e desse glória a Deus, senão este estrangeiro!” Depois, disse para ele: “Levanta-te e vai; a tua fé te salvou.”

 

Liturgia Diária- XII Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

A parábola do bom samaritano comporta um duplo ensinamento, lembrando-nos o que deve ser a nossa caridade: misericórdia com o próximo, quem quer que seja, ela lembra o que foi a caridade de Cristo para conosco. É Ele o bom samaritano, que se vergou sobre a humanidade para lhe tratar as chagas e confiá-las aos cuidados da Igreja, até que volte. 

A alegria da Igreja está em poder, em nome de Cristo, prologar, junto dos homens, este mistério de bondade, capaz de curar as feridas do pecado e derramar a vida divina nas almas. Ministério glorioso, superior ao de Moisés, pois confere a santidade verdadeira, aquela que o próprio Cristo nos veio trazer e da qual permanece fonte única. 

Também a nossa alegria deve ser a de levar ajuda e conforto a todo aquele que deles necessita, por amor de Cristo, que tanto amou e nos deixou a obrigação de unir ao amor de Deus o amor generoso e desinteressado do próximo. 

LEITURAS

Epístola (II Cor 3, 4-9)

Epístola de São Paulo Apóstolo aos Coríntios.

Irmãos: Tal é a convicção que temos em Deus por Cristo. Não que sejamos capazes por nós mesmos de ter algum pensamento, como de nós mesmos. Nossa capacidade vem de Deus. Ele é que nos fez aptos para ser ministros da Nova Aliança, não a da letra, e sim a do Espírito. Porque a letra mata, mas o Espírito vivifica. Ora, se o ministério da morte, gravado com letras em pedras, se revestiu de tal glória que os filhos de Israel não podiam fitar os olhos no rosto de Moisés, por causa do resplendor de sua face (embora transitório), quanto mais glorioso não será o ministério do Espírito! Se o ministério da condenação já foi glorioso, muito mais o há de sobrepujar em glória o ministério da justificação !

Evangelho (Lc 10, 23-37)

Continuação do Santo Evangelho segundo São Lucas. 

Naquele tempo: Disse Jesus a seus discípulos: ditosos os olhos que vêem o que vós vedes. Porque eu vos afirmo que muitos profetas e reis desejaram ver o que vós vedes, e não viram; e ouvir o que vós ouvis, e não ouviram. E eis que se levantou um certo doutor da lei, e lhe disse para o tentar: Mestre, que devo eu fazer para possuir a vida eterna? Jesus disse-lhe: O que é que está escrito na lei? Como lês tu? Ele respondendo disse: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração e de toda a tua alma, e com todas as tuas forças, e com todo o teu entendimento, e o teu próximo como a ti mesmo. E Jesus disse-lhe: Respondeste bem; faze isso e viverás (eternamente). Mas ele, querendo justificar-se a si mesmo, disse a Jesus: E quem é meu próximo? E Jesus retomando a palavra, disse: Um homem descia de Jerusalém para Jericó, e caiu na mão dos ladrões, que o despojaram (do que levava); e, tendo-o maltratado, retiraram-se, deixando-o meio morto. Ora aconteceu que passava pelo mesmo caminho um sacerdote, o qual, quando o viu, passou de largo. Igualmente um levita, chegando perto daquele lugar, e, vendo-o, passou adiante. Mas um samaritano, que ia seu caminho, chegou perto dele; e, quando o viu, moveu-se de compaixão. E, aproximando-se ligou-lhe as feridas, lançando nelas azeite e vinho; e, pondo-o sobre o seu jumento, levou-o a uma estalagem, e teve cuidado dele. E no dia seguinte tirou dois dinheiros, e deu-os ao estalajadeiro, e disse-lhe: Tem cuidado dele, e quanto gastares a mais, to satisfarei quando voltar. Qual destes três te parece que foi o próximo daquele que caiu nas mãos dos ladrões? Ele respondeu: O que usou de misericórdia. Então Jesus disse-lhe: Vai, e faze tu o mesmo.

Liturgia Diária- XI Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

Os milagres do Salvador são algo mais que sinal de poder e bondade; são também o símbolo do que se passa, pela graça, no íntimo das almas. O “Effeta” que curou o surdo-mudo, repete-o a Igreja a cada um de nós, no batismo: “abre-te”. É missão da Igreja, como de Jesus, abrir-nos para as coisas de Deus. A catequese cristã, transmitida fielmente desde os Apóstolos, ensina-nos que devemos crer, primeiramente, na morte redentora de Cristo e na sua ressurreição, – base da nossa fé. É a boa nova da salvação, que a Igreja não se cansa de pregar por todo o mundo; o acesso a Deus, concedido ao homem pela expulsão de Satã, e a vitória de Cristo sobre o pecado e a morte. 

A missa faz-nos cantar a onipotência e a bondade infinita de Deus, que, depois de ter salvo o seu povo, o reúne em sua Igreja e o reconforta com a sua proteção. 


Páginas 639 a 642 do Missal Quotidiano.


HOJE NÃO HAVERÁ MISSA NA CAPELA SÃO JUDAS.


LEITURAS

Epístola (1 Cor 15,1-10)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Coríntios.

Irmãos, quero lembrar-vos o Evangelho que vos anunciei e que recebestes, e no qual estais firmes.  Por ele sois salvos, se o estais guardando tal qual ele vos foi anunciado. A menos que tenhais abraçado a fé em vão… De fato, eu vos transmiti, antes de tudo, o que eu mesmo tinha recebido, a saber: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, foi sepultado e, ao terceiro dia, foi ressuscitado, segundo as Escrituras; e apareceu a Cefas e, depois aos Doze. Mais tarde, apareceu a mais de quinhentos irmãos de uma vez. Destes, a maioria ainda vive e alguns já morreram.   Depois, apareceu a Tiago depois, a todos os apóstolos; por último, apareceu também a mim, que sou como um aborto. Pois eu sou o menor dos apóstolos, nem mereço o nome de apóstolo, pois eu persegui a Igreja de Deus. É pela graça de Deus que sou o que sou. E a graça que ele reservou para mim não foi estéril; a prova é que tenho trabalhado mais que todos eles, não propriamente eu, mas a graça de Deus comigo.

Evangelho (Mc 7,31-37)

Sequência do Santo Evangelho segundo São Lucas.

Naquele tempo, Jesus deixou de novo a região de Tiro, passou por Sidônia e continuou até o mar da Galileia, atravessando a região da Decápole. Trouxeram-lhe, então, um homem que era surdo e mal podia falar, e pediram que impusesse as mãos sobre ele. Levando-o à parte, longe da multidão, Jesus pôs os dedos nos seus ouvidos, cuspiu, e com a saliva tocou-lhe a língua. Olhando para o céu, suspirou e disse: “Efatá!” (que quer dizer: “Abre-te”). Imediatamente, os ouvidos do homem se abriram, sua língua soltou-se e ele começou a falar corretamente. Jesus recomendou, com insistência, que não contassem o ocorrido para ninguém. Contudo, quanto mais ele insistia, mais eles o anunciavam. Cheios de grande admiração, diziam: “Tudo ele tem feito bem. Faz os surdos ouvirem e os mudos falarem”.

Liturgia Diária- X Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

Santo Agostinho faz a seguinte observação sobre o proceder do fariseu do Evangelho de hoje: para este homem estava o gênero humano dividido em duas categorias, uma constituída por um único indivíduo (ele mesmo), e outra constituída pelos demais homens, os quais eram todos perversos, adúlteros, injustos e ladrões (cf. Sermo 36, De Verbis Domini).

Do mesmo modo procede todo orgulhoso que tem a si mesmo como superior a todos e diferente de todos, embora não diga.   

Para combater este espírito de orgulho é que a Liturgia traz hoje na Epístola de São Paulo essa ideia de que tudo é dom, tudo é dado por Deus, nada temos de próprio.

Sejamos honestos diante de Deus e reconheçamo-nos, como o publicano, pobres pecadores, para assim merecermos que Deus faça brilhar sobre nós o Seu poder, usando para conosco de misericórdia (cf. Coleta) e nos alimentar e ajudar com Seus sacramentos (cf. Poscomunhão).

LEITURAS

Epístola (I Cor 12,2-11)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Coríntios.

Irmãos, sabeis que, quando ainda pagãos, éreis como que desviados e levados para o culto dos ídolos mudos. Por isso, agora eu vos declaro que ninguém, falando sob influência do Espírito de Deus, vai dizer: “Jesus seja maldito”, como também ninguém será capaz de dizer: “Jesus é Senhor”, a não ser sob influência do Espírito Santo. Há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo. Há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo. Há diferentes atividades, mas é o mesmo Deus que realiza tudo em todos. A cada um é dada a manifestação do Espírito, em vista do bem de todos. A um é dada pelo Espírito uma palavra de sabedoria; a outro, uma palavra de conhecimento segundo o mesmo Espírito. A outro é dada a fé, pelo mesmo Espírito. A outro são dados dons de cura, pelo mesmo Espírito. A outro, o poder de fazer milagres. A outro, a profecia. A outro, o discernimento dos espíritos. A outro, diversidade de línguas. A outro, o dom de as interpretar. Todas essas coisas as realiza um e o mesmo Espírito, que distribui a cada um conforme quer.

Evangelho (Lc 18,9-14)

Sequência do Santo Evangelho segundo São Lucas.

Naquele tempo, a alguns que confiavam na sua própria justiça e desprezavam os outros, Jesus contou esta parábola: “Dois homens subiram ao templo para orar. Um era fariseu, o outro publicano. O fariseu, de pé, orava assim em seu íntimo: ‘Deus, eu te agradeço porque não sou como os outros, ladrões, desonestos, adúlteros, nem como este publicano. Jejuo duas vezes por semana e pago o dízimo de toda a minha renda’. O publicano, porém, ficou a distância e nem se atrevia a levantar os olhos para o céu; mas batia no peito, dizendo: ‘Meu Deus, tem compaixão de mim, que sou pecador!’ Eu vos digo: este último voltou para casa justificado, mas o outro não. Pois quem se exalta será humilhado, e quem se humilha será exaltado”.

Liturgia Diária- Transfiguração do Senhor

Festa de 2ª Classe- Missa Própria, sem comemoração do Domingo

Duas vezes a Santa Igreja, no decorrer do ano litúrgico, recorda o milagre da transfiguração: na Quaresma (evangelho do segundo domingo), para afirmar a divindade do Senhor antes de o seguir na humilhações da paixão, e hoje, em que se celebra particularmente a exaltação de Jesus Cristo. A festa da Transfiguração era já de longa data celebrada no dia 6 de Agosto nas diferentes Igrejas do Oriente e Ocidente. Para comemorar a vitória que obstou em 1457 ao avanço dos turcos, Calisto III, que recebera a notícia do feito no dia 6 de Agosto, estendeu esta solenidade a toda a Igreja. A Basílica do Latrão, primitivamente consagrada ao Santíssimo Salvador, festeja duas vezes no ano o titular, no dia de Páscoa e no dia 6 de Agosto. As demais Igrejas dedicadas ao Salvador celebram o titular, umas no dia de Páscoa, e outras na festa da Transfiguração.

LEITURAS

Epístola (II Pe 1,16-19)

Leitura da Epístola de São Pedro Apóstolo.

Irmãos: Na realidade, não é baseando-nos em hábeis fábulas imaginadas que nós vos temos feito conhecer o poder e a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, mas por termos visto a sua majestade com nossos próprios olhos. Porque ele recebeu de Deus Pai honra e glória, quando do seio da glória magnífica lhe foi dirigida esta voz: Este é o meu Filho muito amado, em quem tenho posto todo o meu afeto. Esta mesma voz que vinha do céu nós a ouvimos, quando estávamos com ele no monte santo. Assim demos ainda maior crédito à palavra dos profetas, à qual fazeis bem em atender, como a uma lâmpada que brilha em um lugar tenebroso até que desponte o dia e a estrela da manhã se levante em vossos corações.

Evangelho (Mt 17, 1-9)

Sequência do Santo Evangelho segundo Mateus.

Naquele tempo tomou Jesus consigo Pedro, Tiago, e João, seu irmão, e levou-os à parte a um alto monte e transfigurou-se diante deles. E o Seu rosto ficou refulgente como o Sol, e suas vestiduras tornaram-se brancas como a neve. E eis que lhes apareceram Moisés e Elias, falando com ele. E Pedro tomando a palavra, disse a Jesus: Senhor, bom é nós estarmos aqui; se queres, façamos aqui três tabernáculos: um para ti, um para Moisés e um para Elias. Estando ele ainda a falar, eis que uma nuvem resplandecente os envolveu e eis que saiu da nuvem uma voz que dizia: Este é meu filho dileto em quem pus a minha complacência, ouvi-o. E, ouvindo isto, os discípulos caíram de bruços e tiveram grande medo. Porém Jesus aproximou-se deles, e tocou-os dizendo-lhes: Levantai-vos e não temais. Eles então levantando os olhos, não viram ninguém senão Jesus. E quando desciam do monte, Jesus ordenou-lhes dizendo: Não digais a ninguém o que vistes, até que o filho do homem ressuscite dos mortos.

 

Liturgia Diária- 03/08/2017

MISSA DA FÉRIA

Féria de 4ª Classe- Missa comum do Domingo


LEITURAS

Epístola (Rm 8,12-17)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Romanos.

Irmãos, estamos em dívida, mas não com a carne, como devendo viver segundo a carne. Pois, se viverdes segundo a carne morrereis; mas se, pelo Espírito, matardes o procedimento carnal, então vivereis. Todos aqueles que se deixam conduzir pelo Espírito de Deus são filhos de Deus. De fato, vós não recebestes espírito de escravos, para recairdes no medo, mas recebestes o Espírito que, por adoção, vos torna filhos, e no qual clamamos: “Abbá, Pai!” O próprio Espírito se une ao nosso espírito, atestando que somos filhos de Deus. E, se somos filhos, somos também herdeiros: herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo.

Evangelho (Lc 16,1-9)

Sequência do Santo Evangelho segundo São Lucas.

Naquele tempo, Jesus disse aos discípulos esta parábola: “Um homem rico tinha um administrador que foi acusado de esbanjar os seus bens. Ele o chamou e lhe disse: ‘Que ouço dizer a teu respeito? Presta contas da tua administração, pois já não podes mais administrar meus bens’. O administrador, então, começou a refletir: ‘Meu senhor vai me tirar a administração. Que vou fazer? Para cavar não tenho força; de mendigar tenho vergonha. Ah! Já sei o que fazer, para que alguém me receba em sua casa quando eu for afastado da administração’. Então chamou cada um dos que estavam devendo ao seu senhor. E perguntou ao primeiro: ‘Quanto deves ao meu senhor?’ Ele respondeu: ‘Cem barris de óleo!’ O administrador disse: ‘Pega a tua conta, senta- te, depressa, e escreve: cinquenta!’ Depois perguntou a outro: ‘E tu, quanto deves?’ Ele respondeu: ‘Cem sacas de trigo.’ O administrador disse: ‘Pega tua conta e escreve: oitenta’. E o senhor elogiou o administrador desonesto, porque agiu com esperteza. De fato, os filhos deste mundo são mais espertos em seus negócios do que os filhos da luz. “Eu vos digo: usai o ‘Dinheiro’, embora iníquo, a fim de fazer amigos, para que, quando acabar, vos recebam nas moradas eternas.”

Liturgia Diária- VIII Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

Todo o ensinamento do evangelho de hoje implica uma lição de prudência cristã e de zelo sobrenatural. Somente o Céu nos interessa, e é para lá que é preciso tender, utilizando as situações transitórias de aquém, para prosseguir, com todo o afã, no sentido do além. No assegurar-nos a vida eterna, deveríamos mostrar solicitude e prudência pelos menos iguais à que têm dos filhos das trevas, em seus negócios temporais. 

Encontrar-se-á, na epístola, a razão profunda deste desapego das coisas terrenas, e o segredo desta poderosa aspiração às coisas do Céu. É a graça que nos transforma e prepara para entrar no reino dos Céus. É o próprio Espírito Santo que nos dá uma alma de filhos e nos faz clamar a Deus: “Abba! Pai!”. 


Páginas 627 a 630 do Missal Quotidiano.


LEITURAS

Epístola (Rm 8,12-17)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Romanos.

Irmãos, estamos em dívida, mas não com a carne, como devendo viver segundo a carne. Pois, se viverdes segundo a carne morrereis; mas se, pelo Espírito, matardes o procedimento carnal, então vivereis. Todos aqueles que se deixam conduzir pelo Espírito de Deus são filhos de Deus. De fato, vós não recebestes espírito de escravos, para recairdes no medo, mas recebestes o Espírito que, por adoção, vos torna filhos, e no qual clamamos: “Abbá, Pai!” O próprio Espírito se une ao nosso espírito, atestando que somos filhos de Deus. E, se somos filhos, somos também herdeiros: herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo.

Evangelho (Lc 16,1-9)

Sequência do Santo Evangelho segundo São Lucas.

Naquele tempo, Jesus disse aos discípulos esta parábola: “Um homem rico tinha um administrador que foi acusado de esbanjar os seus bens. Ele o chamou e lhe disse: ‘Que ouço dizer a teu respeito? Presta contas da tua administração, pois já não podes mais administrar meus bens’. O administrador, então, começou a refletir: ‘Meu senhor vai me tirar a administração. Que vou fazer? Para cavar não tenho força; de mendigar tenho vergonha. Ah! Já sei o que fazer, para que alguém me receba em sua casa quando eu for afastado da administração’. Então chamou cada um dos que estavam devendo ao seu senhor. E perguntou ao primeiro: ‘Quanto deves ao meu senhor?’ Ele respondeu: ‘Cem barris de óleo!’ O administrador disse: ‘Pega a tua conta, senta- te, depressa, e escreve: cinquenta!’ Depois perguntou a outro: ‘E tu, quanto deves?’ Ele respondeu: ‘Cem sacas de trigo.’ O administrador disse: ‘Pega tua conta e escreve: oitenta’. E o senhor elogiou o administrador desonesto, porque agiu com esperteza. De fato, os filhos deste mundo são mais espertos em seus negócios do que os filhos da luz. “Eu vos digo: usai o ‘Dinheiro’, embora iníquo, a fim de fazer amigos, para que, quando acabar, vos recebam nas moradas eternas.”

Liturgia Diária- VII Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

O Intróito de hoje é um alegre convite de louvor ao Senhor, nosso Deus, que é grande rei de toda a terra, Rex Magnus. Este é o destino de cada homem e mais precisamente o dos cristãos. Nem todos, porém, compreendem a sua missão. Vemos o mundo dividido em dois campos e não só no mundo como em cada indivíduo existe um conflito perene entre o bem e o mal.


Páginas 623 a 626 do Missal Quotidiano.


LEITURAS

Epístola (Rm 6,19-23)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Romanos .

Irmãos: Vou-me servir de linguagem corrente entre os homens, por causa da fraqueza da vossa carne. Pois, como pusestes os vossos membros a serviço da impureza e do mal para cometer a iniquidade, assim ponde agora os vossos membros a serviço da justiça para chegar à santidade. Quando éreis escravos do pecado, éreis livres a respeito da justiça. Que frutos produzíeis então? Frutos dos quais agora vos envergonhais. O fim deles é a morte.  Mas agora, libertados do pecado e feitos servos de Deus, tendes por fruto a santidade; e o termo é a vida eterna. Porque o salário do pecado é a morte, enquanto o dom de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.

Evangelho (Mt 7, 15-21)

Sequência do Santo Evangelho segundo Mateus.

Naquele tempo disse Jesus a seus discípulos: Guardai-vos dos falsos profetas. Eles vêm a vós disfarçados de ovelhas, mas por dentro são lobos arrebatadores. Pelos seus frutos os conhecereis. Colhem-se, porventura, uvas dos espinhos e figos dos abrolhos? Toda árvore boa dá bons frutos; toda árvore má dá maus frutos. Uma árvore boa não pode dar maus frutos; nem uma árvore má, bons frutos. Toda árvore que não der bons frutos será cortada e lançada ao fogo. Pelos seus frutos os conhecereis. Nem todo aquele que me diz: Senhor, Senhor, entrará no Reino dos céus, mas sim aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus.

Liturgia Diária- V Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

page994vz6

A liturgia deste domingo nos ensina o modo como devemos perdoar as injúrias e, como no anterior, tem aqui esta doutrina dois elementos por base: a história de Davi que continua a ler-se no breviário e uma passagem da Epístola de S. Pedro cuja festa celebramos nesta altura. Esta semana era até chamada outrora, por este motivo, a dos Apóstolos

Logo depois que Davi derrotou Golias, Israel triunfante comemoravam a vitória os soldados e cantavam: Saul matou mil e Davi dez mil. Saul ao ouvir isto se irritou e com isso a inveja mordeu-lhe o coração: “Mil eu e dez mil Davi!” Dizia então Saul. Então será Davi mais do que Eu? Que lhe falta então agora ser rei?

E desde esses dias, nunca mais o pode ver com bons olhos, como se adivinhasse que Davi teria sido escolhido por Deus. A Inveja fê-lo um criminoso pois, por duas vezes tentou matar Davi e por tantas outras Davi evitou o golpe. Então mandou-o para a guerra, na esperança que lá ele morreria. Davi, porém, regressou vitorioso à frente do exército de Saul. Com este fato Saul desesperou e começou uma perseguição aberta. Um dia que andava a procurá-lo desceu para repousar a uma caverna tenebrosa onde Davi se ocultara; desceu e dormiu. Disse então a Davi um de seus companheiros: “Eis o Rei; o Senhor respondeu a Davi o Senhor entregou-o na tuas mãos. É sem dúvida o momento de o matares”. “Não! – Respondeu Davi. Não permita Deus que eu desrespeite jamais o que recebeu a unção sagrada”.

E contentou-se de cortar-lhe a orla do manto e de lhe mostrar quando estivesse longe quando o dia rompeu. Então Saul chorou e disse: “O meu vassalo Davi é melhor do que eu!” Surpreendeu-o ainda Davi em pleno sono, com a lança à cabeceira e apenas pegou nela e na taça, Saul então abençoou de novo Davi sem no entanto o deixar de perseguir. Mais tarde os filisteus recomeçaram a guerra e os Israelitas foram derrotados. Suicidou-se Saul lançando-se sobre a própria Espada. Davi longe de se alegrar com a morte do Rei, rasgou as vestes e chorou amargamente e mandou cortar a cabeça ao Amalecita que atribuía o prestígio de matar a Saul, e assim trouxeram a notícia com a coroa “Montanhas de Geboé, exclamou que nem o orvalho e nem a chuva desçam jamais sobre vós, que vistes tombar os heróis de Israel Saul e Jônatas tão amáveis e tão belos durante a vida e que a morte não pode separar.

Uma grande lição de caridade se desprende destas considerações e compreendemos agora a escolha do Evangelho e da Epístola que nos pregam ambos o dever impreterível de perdoar. “Sede pois unânimes na oração e não deis mal por mal, nem ultraje por ultraje”, diz a Epístola. “Se apresentares a tua oferta no altar, diz o Evangelho, e te lembrares de que o teu irmão tem algo contra ti, deixa diante do altar a tua oferta e vai reconciliar-te primeiro com teu irmão”. A comunhão da missa exprime os sentimentos de Davi ao apoderar-se da cidade de Sião e mandar colocar nela a Arca do Senhor. Isto foi a recompensa da sua invencível caridade, dessa virtude indispensável para que o culto tributado a Deus pelo homem no templo santo lhe seja verdadeiramente agradável. A Epístola e o Evangelho salientam o que é sobretudo quando nos reunirmos para orar que mais nos devemos unir. O melhor meio para alcançar esta virtude é o amor de Deus e desejo veemente dos bens eternos e da felicidade que reina na corte do Deus vivo, onde se entra senão pela porta estreita da renúncia e da abnegação cristã.

LEITURAS

Epístola (IPedro 3 8-15)

Leitura a primeira Epístola de São Pedro Apóstolo.

Carríssimos: Finalmente, tende todos um só coração e uma só alma, sentimentos de amor fraterno, de misericórdia, de humildade. Não pagueis mal com mal, nem injúria com injúria. Ao contrário, abençoai, pois para isto fostes chamados,para que sejais herdeiros da bênção. Com efeito, quem quiser amar a vida e ver dias felizes, refreie sua língua do mal e seus lábios de palavras enganadoras; aparte-se do mal e faça o bem, busque a paz e siga-a. Porque os olhos do Senhor estão sobre os justos e seus ouvidos, atentos a seus rogos; mas a força do Senhor está contra os que fazem o mal (Sl 33,13-17). Se fordes zelosos do bem, quem vos poderá fazer mal? E até sereis felizes, se padecerdes alguma coisa por causa da justiça! Portanto, não temais as suas ameaças e não vos turbeis. Antes santificai em vossos corações Cristo, o Senhor. Estai sempre prontos a responder para vossa defesa a todo aquele que vos pedir a razão de vossa esperança, mas fazei-o com suavidade e respeito.

Evangelho (Mt 5, 20-24)

Sequência do Santo Evangelho segundo Mateus.

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: Digo-vos, pois, se vossa justiça não for maior que a dos escribas e fariseus, não entrareis no Reino dos céus. Ouvistes o que foi dito aos antigos: Não matarás, mas quem matar será castigado pelo juízo do tribunal. Mas eu vos digo: todo aquele que se irar contra seu irmão será castigado pelos juízes. Aquele que disser a seu irmão: Raca, será castigado pelo Grande Conselho. Aquele que lhe disser: Louco, será condenado ao fogo da geena. Se estás, portanto, para fazer a tua oferta diante do altar e te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa lá a tua oferta diante do altar e vai primeiro reconciliar-te com teu irmão; só então vem fazer a tua oferta.

Liturgia Diária- XIV Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

digitalizar0001

As lições do breviário são tiradas do livro do Eclesiástico se o Domingo que vem for de Agosto ou caso o Domingo que vem seja Setembro será do livro de Jó. São Gregório ensina-nos comentando o livro do Eclesiástico assim: “Há homens que se entregam inteiramente ao´prazer dos bens materiais, ignorantes sem dúvidas ou pelo menos esquecidos do tesouro deslumbrante e inexaurível que a matéria vela. Sem a saudades dos bens que ficam para além e que eles culpavelmente perderam, sentem-se felizes os mesquinhos, com um punhado de terra. Criados para a luz da verdade, não sente o dentro em si o desejo de olhar, e compreender, de se perderem nela. Desorientados no meio dos prazeres em que se precipitaram, chegam lhes a pensar que é a pátria ou exílio em que vivem e que é luz radiosa as trevas que os envolvem. Ao contrário, os eleitos para quem os bens da terra não tem valor algum, procuram sem descanso, entre as areias amargas do deserto amargo, a pérola preciosa que sua alma anseia. Presos pela terra na carne que também é terra, debatem-se, absolutamente destinados a desprezar o que passa para recolhe e o que permanece”.
Para Jó é o tipo genuíno de homem desprendido da vontade e da plena resignação na vontade adorável a Deus: “Se de Deus recebemos os bens, porque também não deveríamos receber dele os males, se for servido no-lo mandar?” – dizia ele.

A Missa de hoje está rica nestes pensamentos. O Espírito Santo, que a Igreja recebeu no dia de pentecostes, formou em nós o homem novo que se opõe e procura destruir as inveteradas tendências do homem velho, que são as intemperanças da carne e busca insaciável das riquezas para satisfazer. O Espírito de Deus, o espírito de liberdade que habita em nós torna filhos do pai e irmãos de Nosso Senhor Jesus Cristo, segrega-nos da servidão ignóbil do pecado, porque os que pertencem a Jesus Cristo, crucificaram a própria carne com os seus vícios e baixeza. Caminham em oposição irredutível com o espírito.

Convencido da verdade evangélica de que ninguém pode servir a dois senhores, o cristão põe-se de guarda contra si mesmo, contra as velhas paixões amortecidas talvez nas cinzas funerárias do velho homem, não vão às vezes ressuscitarem. “O que se deixa escravizar pelos bens deste mundo, diz Santo Agostinho, está as ordens de um senhor duro e terrível. Está debaixo da tirania do demônio. Sem dúvida, ele não o ama, pois quem é que pode amar o demônio? Todavia suporta-o. Por outro lado, também não odeia a Deus. Ninguém odeia a Deus no fundo da sua consciência. No entanto despreza e não o teme, como se estivesse seguro de está perdoado. Mas o Espírito Santo põe-no de atalaia contra estes perigos, quando nos diz pelo profeta que a misericórdia de Deus é infinita e que sua paciência nos convida a penitência. Se alguém pois quer amar a Deus em sinceridade e verdade, se alguém tem o desejo normal de ser feliz, considere a sentença do Senhor, procure em primeiro lugar o reino de Deus, e tudo mais virá por acréscimo.”

LEITURAS/LESSONS

Epístola (Gl 5, 16-24)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Gálatas.  

Irmãos: Digo, pois: deixai-vos conduzir pelo Espírito, e não satisfareis os apetites da carne. Porque os desejos da carne se opõem aos do Espírito, e estes aos da carne; pois são contrários uns aos outros. É por isso que não fazeis o que quereríeis. Se, porém, vos deixais guiar pelo Espírito, não estais sob a lei. Ora, as obras da carne são estas: fornicação, impureza, libertinagem, idolatria, superstição, inimizades, brigas, ciúmes, ódio, ambição, discórdias, partidos, invejas, bebedeiras, orgias e outras coisas semelhantes. Dessas coisas vos previno, como já vos preveni: os que as praticarem não herdarão o Reino de Deus! Ao contrário, o fruto do Espírito é caridade, alegria, paz, paciência, afabilidade, bondade, fidelidade, brandura, temperança. Contra estas coisas não há lei. Pois os que são de Jesus Cristo crucificaram a carne, com as paixões e concupiscências.

Evangelho (Mt 6, 24-33)

Sequência do Santo Evangelho segundo Mateus.

Naquele tempo disse Jesus a seus discípulos: Ninguém pode servir a dois Senhores ao mesmo tempo, porque ou odiará um e amará o outro, ou há de se afeiçoar a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e a riqueza. Portanto vos digo: Não andeis (demasiadamente) inquietos, nem o com o que (vos é preciso) para alimentar a vossa vida, nem com o que (vos é preciso) para vestir o vosso corpo. Porventura não vale mais a alma do que o alimento, e o corpo mais do que o vestido? Olhai para as aves do céu, que não semeiam, nem ceifam, nem fazem provisão nos celeiros, e contudo vosso Pai Celeste as sustentam. Por ventura não sois vós muito mais do que elas? E quais de vós, por muito que pense, pode acrescentar um côncavo a sua estatura? E por que vos inquietais com o vestido? Considerai como crescem os lírios do campo; eles não trabalham nem fiam. E digo vos todavia que nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu jamais com um lírio deste. Se pois Deus veste assim uma erva do campo, que hoje existe, e amanhã é lançada no forno, quanto mais vós, homens de pouca fé! Não vos aflijais pois dizendo: O que comeremos, ou o que beberemos, ou com que nos vestiremos? Porque os pagãos procuram com (excessivo cuidado) todas essas coisas. Vosso pai sabe que tendes necessidade de todas elas. Buscai pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e sua Justiça, e todas estas coisas vos serão dadas em acréscimo.

In English

Epistle (Gal. 5: 16-24)

Lesson from the Epistle of Blessed Paul the Apostle to the Galatians.

Brethren, Walk in the spirit, and you shall not fulfill the lusts of the flesh: for the flesh lusteth against the spirit, and the spirit against the flesh for these are contrary one to another: so that you do not the things that you would. But if you are led by the spirit, you are not under the law. Now the works of the flesh are manifest which are fornication, uncleanness, immodesty, luxury, idolatry, witchcrafts, enmities, contentions, emulations, wraths, quarrels, dissensions, sects, envies, murders, drunkenness, revellings, and such like of which I foretell you, as I have foretold to you, that they who do such things, shall not obtain the kingdom of God. But the fruit of the spirit is charity, joy, peace, patience, benignity, goodness, longanimity, mildness, faith, modesty, continency, chastity. Against such there is no law. And they that are Christ’s, have crucified their flesh with the vices and concupiscences.

Gospel (Matt. 6: 24-33)

The continuation of the holy Gospel according to Matthew. 

At that time Jesus said to His disciples: “No man can serve two masters for he will hate the one and love the other, or he will sustain the one and despise the other. You cannot serve God and mammon. Therefore I say to you, be not solicitous for your life, what you shall eat, nor for your body, what you shall put on. Is not the life more than the meat, and the body more than the raiment? Behold the birds of the air for they neither sow nor do they reap, nor gather into barns, and your heavenly Father feedeth them. Are you not of much more value than they? And which of you, by taking thought, can add to his stature one cubit? And for raiment, why are you solicitous? Consider the lilies of the field, how they grow; they labor not, neither do they spin but I say to you, that not even Solomon in all his glory was arrayed as one of these. Now if God so clothe the grass of the field, which is today, and tomorrow is cast in the oven, how much more you, O ye of little faith! Be not solicitous therefore saying: What shall we eat, or what shall we drink, or wherewith shall we be clothed? for after all these things do the heathen seek. For your Father knoweth that you have need of all these things. Seek ye therefore first the kingdom of God, and His justice and all these things shall be added unto you.”

Liturgia Diária- XIII Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

digitalizar0001

Continua a Santa Igreja a ler os livros sapienciais começada no domingo passado pela celebrada sentença do sábio: “Vaidade das vaidades, tudo é vaidade”. Quando Salomão se deixou arrastar pela onda subversiva do amor das coisas da terra pensou e e chegou a convencer-se de que eram realmente grandes e admiráveis. E nessa convicção não se poupou a trabalhos e cuidados para amontoar ouro e a construir palácios e a se proporcionar os mais requintados prazeres, mas quando voltou-se a si mesmo, à luz da sabedoria divina, o abismo tenebroso e o nada que era aquilo tudo, arrancou este grito sublime e verdadeiramente digno dos céus: “Vaidade das vaidades é tudo vaidade”. E não podemos exigir de Salomão uma sabedoria perfeita visto que vivia na lei antiga que não vedava de todo estas coisas, que diremos de nós que somos chamados a uma vida mais elevada senão que devemos imitar as virtudes celestes que são só espírito e inteligência?
Toda missa de hoje anda precisamente sobre um ponto, e procura a excitar a nossa fé em Jesus Cristo, o único que nos poderá arrancar desta miséria em que vivemos. Já no antigo testamento, dizia São Paulo que era a fé em Jesus Cristo que o salvara. Existia a lei, é verdade, era por si impotente para resgatar o gênero humano e o próprio Abraão fora salvo pela fé. O Evangelho vem nos dizer o mesmo, quando o se lê que o Senhor curou dez leprosos e somente um voltou para lhe render graças. Os outros que não as deram foram rejeitados. Já o que voltou para agradecer o Senhor fora acolhido na Igreja de Cristo. Assim o Judeus por seu orgulho perderam também o reino que os profetas lhes anunciaram e o Filho de Deus lhes veio abrir. Pelo contrário, nós todos, descendentes dos gentios, dissemos a Jesus que colocamos nele toda a nossa esperança e que ele nos salvaria e alentaria com maná do seu corpo santíssimo até chegarmos à pátria que antevemos para além do deserto desta vida terrena.

LEITURAS/LESSONS

Epístola (Gl 3, 16-22)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Gálatas.
Irmãos: As promessas foram feitas a Abraão e à sua descendência. [A Escritura] não diz: “E aos descendentes” como se fossem haver muitos, mas: “e à tua descendência”, como se não houvesse mais do que um, – que é Cristo. O que eu quero dizer é isto: Tendo a Aliança sido confirmada por Deus, a Lei, vinda quatrocentos anos depois, não a pode anular, de modo a abolir a promessa. Porque, se é pela Lei que vem a herança, já não vem pela promessa. Ora, pela promessa é que Deus a deu a Abraão. Para que então a Lei? Foi imposta, provocando as transgressões, até que viesse a descendência [de Abraão], a quem tinha sido destinada a promessa; foi promulgada pelos Anjos, com o concurso de um mediador [Moisés]: Ora o mediador não o pode ser de um só, ao passo que Deus é único. Vai estar, então, a Lei contra as promessas de Deus? De maneira nenhuma: Porque se fosse dada uma Lei que pudesse dar a vida, a santidade viria certamente da Lei. A Escritura, porém, encerrou tudo sob o domínio do pecado, para que, pela fé em Jesus Cristo, a promessa fosse dada aos crentes.

Evangelho (Lc 17, 11-19)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas .
Naquele tempo: Indo Jesus de viagem para Jerusalém, atravessou a Samaria e a Galileia. Ao entrar numa aldeia, vieram-Lhe ao encontro dez leprosos. Tendo parado a uma certa distância, ergueram a voz, dizendo: “Jesus, Mestre, tende compaixão de nós!” Ao vê-los, disse-lhes: “Ide mostrar-vos aos sacerdotes.” Ora, aconteceu que, no caminho, ficaram curados! Um deles ao ver-se curado, voltou, glorificando a Deus em voz alta, vindo prostrar-se aos pés de Jesus, e agradecendo-Lhe. E este era um samaritano! Jesus, porém, observou-lhe: “Mas então não foram curados todos os dez? Onde estão os outros nove? Não se achou, pois, quem voltasse e desse glória a Deus, senão este estrangeiro!” Depois, disse para ele: “Levanta-te e vai; a tua fé te salvou.”

In English

Epistle (Galatians 3: 16-22)

Lesson from the Epistle of Blessed Paul the Apostle to the Galatians.

Brethren, To Abraham were the promises made and to his seed. He saith not:” And to his seeds, “as of many but as of one: “And to Thy seed,” which is Christ. Now this I say, that the testament which was confirmed by God, the law which was made after four hundred and thirty years, doth not disannul to make the promise of no effect.For if the inheritance be of the law it is no more of promise. But God gave it to Abraham by promise. Why then was the law? It was set because of transgressions until the seed should come, to whom He made the promise, being ordained by angels in the hand of a mediator. Now a mediator is not of one: but God is one. Was the law then against the promises of God? God forbid. For if there had been a law given, which could give life, verily justice should have been by the law. But the Scripture hath concluded all under sin, that the promise by the faith of Jesus Christ might be given to them that believe.

Gospel (Luke 17: 11-19)

The continuation of the holy Gospel according to Luke. 

At that time, as Jesus was going to Jerusalem, He passed through the midst of Samaria and Galilee: and as He entered into a certain town, there met Him ten men that were lepers, who stood afar off, and lifted up their voice, saying: Jesus, Master, have mercy on us. Whom when He saw, He said: “Go, show yourselves to the priests.” And it came to pass, that, as they went, they were made clean. And one of them, when he saw that he was made clean, went back, with a loud voice glorifying God: and he fell on his face before His feet, giving thanks: and this was a Samaritan. And Jesus answering said: “Were not ten made clean? And where are the nine? There is no one found to return, and give glory to God, but this stranger.” And He said to him: “Arise, go thy way for thy faith hath made thee whole.”

Liturgia Diária- 06/08/2016

TRANSFIGURAÇÃO DE NOSSO SENHOR

Festa de 2ª Classe- Missa Própria

transfiguration-of-jesus

Duas vezes a Santa Igreja, no decorrer do ano litúrgico, recorda o milagre da transfiguração: na Quaresma (evangelho do segundo domingo), para afirmar a divindade do Senhor antes de o seguir na humilhações da paixão, e hoje, em que se celebra particularmente a exaltação de Jesus Cristo. A festa da Transfiguração era já de longa data celebrada no dia 6 de Agosto nas diferentes Igrejas do Oriente e Ocidente. Para comemorar a vitória que obstou em 1457 ao avanço dos turcos, Calisto III, que recebera a notícia do feito no dia 6 de Agosto, estendeu esta solenidade a toda a Igreja. A Basílica do Latrão, primitivamente consagrada ao Santíssimo Salvador, festeja duas vezes no ano o titular, no dia de Páscoa e no dia 6 de Agosto. As demais Igrejas dedicadas ao Salvador celebram o titular, umas no dia de Páscoa, e outras na festa da Transfiguração.

LEITURAS/LESSONS

Epístola (II Pe 1,16-19)

Leitura da Epístola de São Pedro Apóstolo.

Irmãos: Na realidade, não é baseando-nos em hábeis fábulas imaginadas que nós vos temos feito conhecer o poder e a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, mas por termos visto a sua majestade com nossos próprios olhos. Porque ele recebeu de Deus Pai honra e glória, quando do seio da glória magnífica lhe foi dirigida esta voz: Este é o meu Filho muito amado, em quem tenho posto todo o meu afeto. Esta mesma voz que vinha do céu nós a ouvimos, quando estávamos com ele no monte santo. Assim demos ainda maior crédito à palavra dos profetas, à qual fazeis bem em atender, como a uma lâmpada que brilha em um lugar tenebroso até que desponte o dia e a estrela da manhã se levante em vossos corações.

Evangelho (Mt 17, 1-9)

Sequência do Santo Evangelho segundo Mateus.

Naquele tempo tomou Jesus consigo Pedro, Tiago, e João, seu irmão, e levou-os à parte a um alto monte e transfigurou-se diante deles. E o Seu rosto ficou refulgente como o Sol, e suas vestiduras tornaram-se brancas como a neve. E eis que lhes apareceram Moisés e Elias, falando com ele. E Pedro tomando a palavra, disse a Jesus: Senhor, bom é nós estarmos aqui; se queres, façamos aqui três tabernáculos: um para ti, um para Moisés e um para Elias. Estando ele ainda a falar, eis que uma nuvem resplandecente os envolveu e eis que saiu da nuvem uma voz que dizia: Este é meu filho dileto em quem pus a minha complacência, ouvi-o. E, ouvindo isto, os discípulos caíram de bruços e tiveram grande medo. Porém Jesus aproximou-se deles, e tocou-os dizendo-lhes: Levantai-vos e não temais. Eles então levantando os olhos, não viram ninguém senão Jesus. E quando desciam do monte, Jesus ordenou-lhes dizendo: Não digais a ninguém o que vistes, até que o filho do homem ressuscite dos mortos.

In English

Epistle (II Peter 1: 16-19)

Lesson from the Epistle of blessed Peter the Apostle.

Dearly beloved, We have not followed cunningly devised fables, when we made known to you the power and presence of Our Lord Jesus Christ; but having been made eyewitnesses of His majesty. For He received from God the Father honor and glory: this voice coming down to Him from the excellent glory, This is My beloved Son in Whom I am well pleased, hear ye Him. And this voice we heard brought from Heaven, when we were with Him in the holy mount. And we have the more firm prophetical word, whereunto you do well to attend, as to a light that shineth in a dark place, until the day dawn, and the day-star arise in your hearts.

Gospel (Matt. 17: 1-9)

The continuation of the holy Gospel according to Matthew. 

At that time, Jesus took Peter, and James, and John his brother, and bringing them up into a high mountain apart: and He was transfigured before them. And His face did shine as the sun, and His garments became white as snow. And behold, there appeared to them Moses and Elias talking with Him. And Peter answering, said to Jesus, Lord, it is good for us to be here; if Thou wilt, let us make here three tabernacles, one for Thee, and one for Moses, and one for Elias. And as he was yet speaking, behold a bright cloud overshadowed them; and lo, a voice out of the cloud, saying “This is My beloved Son in Whom I am well pleased, hear ye Him.” And the disciples hearing, fell upon their face; and were very much afraid: and Jesus came and touched them, and said to them, “Arise, and fear not.” And they lifting up their eyes saw no one, but only Jesus. And as they came down from the mountain, Jesus charged them, saying, “Tell the vision to no man, till the Son of man be risen from the dead.”

Liturgia Diária- IX Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

2907

A liturgia de hoje fala-nos dos castigos terríveis com que Deus há de punir os que renegam a Cristo. Perecerão Todos. Nenhum deles entrará no reino dos Céus. Pelo contrário, os que no meio das contrariedades e dos enganos deste mundo permanecem fiéis, serão arrancados das mãos dos inimigos e entrarão com o senhor para a glória do reino.

É o que nos sugere as lições de Matinas, Elias era de Judá e habitava Galaad. Por três vezes saiu o profeta para anunciar aos Israelitas prevaricadores os castigos terríveis e iminentes com que a justiça divina os ameaçavam por seus crimes. A primeira por causa do escândalo de Acab e de Jezabel que tinha arrastado o povo a idolatria. A segunda devido aos 450 profetas de Baal, que ele fez condenar a morte. A terceira finalmente, ainda contra Jezabel. por tudo isso, Elias foi perseguido e teve que fugir para o monte Horeb, citado por Ocozias, flho de Jezabel a comparecer a sua presença, fez descer fogo do céus sobre os emissários do rei, morrendo todos queimados. Foi, pois como vemos, um paladino terrível dos direitos de Deus. Diz a sagrada escritura que foi elevado aos céus numa carruagem de fogo.

LEITURAS/LESSONS

Epístola (ICor 10, 6-13)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Coríntios.

Irmãos: Não cobicemos coisas más, como eles [os nossos pais, no deserto] as cobiçaram. Nem vos torneis idólatras, como alguns deles, conforme está escrito: O povo sentou-se para comer e para beber, e depois levantou-se para se divertir (Ex 32,6). Nem nos entreguemos à impureza como alguns deles se entregaram, e morreram num só dia vinte e três mil. Nem tentemos o Senhor, como alguns deles o tentaram, e pereceram mordidos pelas serpentes. Nem murmureis, como murmuraram alguns deles, e foram mortos pelo exterminador. Todas estas desgraças lhes aconteceram para nosso exemplo; foram escritas para advertência nossa, para nós que tocamos o final dos tempos. Portanto, quem pensa estar de pé veja que não caia. Não vos sobreveio tentação alguma que ultrapassasse as forças humanas. Deus é fiel: não permitirá que sejais tentados além das vossas forças, mas com a tentação ele vos dará os meios de suportá-la e sairdes dela.

Evangelho (Lc 19, 41-47)

Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas.Naquele Tempo: Aproximando-se Jesus de Jerusalém, ao ver a cidade, chorou sobre ela dizendo: Se ao menos neste dia, que te é dado, tu conhecesses ainda o que te pode te trazer a paz! Mas agora isto está encoberto aos teus olhos. Porque virão para ti dias em que teus inimigos te cercarão de trincheiras, e te sitiarão, e te apertarão por terra a ti e teus filhos, que estão dentro de ti, e não deixarão em ti pedra sobre pedra; porque não conheceste o tempo da tua visita. E, tendo entrado no templo, começou a expulsar os que vendiam e compravam nele, dizendo-lhes: Está escrito: A minha casa é uma casa de oração; e vós fizeste dela um covil de ladrões. E todos os dias ensinava no templo.

In English

Epistle (I Cor. 10: 6-13)

Lesson from the Epistle of Blessed Paul the Apostle to the Corinthians.

Brethren, let us not covet evil things, as they also coveted: Neither become ye idolaters, as some of them: as it is written “The people sat down to eat and drink, and rose up to play. Neither let us commit fornication, as some of them committed fornication, and there fell in one day three and twenty thousand. Neither let us tempt Christ, as some of them tempted, and perished by the serpents. Neither do you murmur, as some of them murmured, and were destroyed by the destroyer. Now all these things happened to them in figure, and they are written for our correction, upon whom the ends of the world are to come. Wherefore he that thinketh himself to stand, let him take heed lest he fall. Let no temptation take hold on you, but such as is human: and God is faithful, who will not suffer you to be tempted above that which you are able but will make also with temptation issue, that you may be able to bear it.

Gospel (Luke 19: 41-47)

The continuation of the holy Gospel according to Luke. 

At that time, when Jesus drew near to Jerusalem, seeing the city, He wept over it, saying: If thou also hadst known, and that in this thy day, the things that are to thy peace: but now they are hidden from thy eyes. For the days shall come upon thee, and thine enemies shall cast a trench about thee on every side and beat thee flat to the ground, and thy children who are in thee; and they shall not leave in thee a stone upon a stone, because thou hast not known the time of thy visitation.” And entering into the temple, He began to cast out them that sold therein, and them, that bought, saying to them: “It is written, ‘My house is the house of prayer, but you have made it a den of thieves’.” And He was teaching daily in the temple.

Liturgia Diária- VI Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

1507

As lições do Breviário terminam hoje a história do Rei Davi e começam a contar a história do rei salomão. Ao ascender ao trono de seu Pai, Salomão pediu a Deus que lhe desse sabedoria necessária para discernir o bem do mal e conduzir seu povo no caminho da justiça. E Deus respondeu-lhe: “Porque isto me pedes, porque não me pedes uma vida longa e venturosa, nem riqueza, nem a morte dos inimigos, mas apenas inteligência para praticar a justiça, farei o que tu queres. Dar-te-ei um coração tão sábio como nunca existiu sobre a face da terra. E dar-te-ei mais isto que não me pediste: Terás Glória e riqueza a tal ponto, que não se achará nenhum semelhante a ti em todos os séculos passados. E se andares nos meus caminhos e guardares os meus mandamentos como fez o teu pai Davi, Eu prolongarei os teus dias.” E a promessa de Deus cumpriu-se, Salomão tornou-se um monarca poderoso e sábio, cuja a aliança era desejada pelos povos vizinhos. Rei pacífico, Salomão é a figura de Cristo, o príncipe da paz, proclamado pelas nações; sábio entre os sábios, pré anunciará a vinda do filho de Deus, a sabedoria incarnada que virá estabelecer finalmente e definitivamente a separação do bem e do mal e guiar seu povo nos caminhos do altíssimo. Melhor que Salomão ensinou Jesus a Sabedoria verdadeira que nos legou no evangelho e na palavra de sua esposa a Igreja.

É extremamente necessário e indispensável que para entrarmos no reino dos céus, saber e amar de corpo e alma esta santa doutrina. A Epístola e o Evangelho deste domingo nos irá confirmar tal afirmação: “Não é aquele que diz Senhor, Senhor, que entrará no reino dos Céus, mas o que fizer a vontade de Deus”. E São Paulo procura convencer-nos da mesma verdade e da necessidade para todos impreterível de pertencer a Cristo sem reservas e de lhe ser fiel até a morte. E neste ponto Davi e Salomão são para nós uma lição ao mesmo tempo terrível e consoladora. Salomão não perseverou, foi infiel ao Senhor e a sua glória, ainda que deslumbrante, não tardou em diluir-se no vácuo onde se erguera. Faltou-lhe a consistência. Davi, não obstante o seu pecado terrível, é maior, porque chorou amargamente, e foi sincera sua conversão e sua piedade e até hoje inspira a piedade das almas santas. Peçamos a Deus que nos guie nos caminhos de sua justiça e que aparte de nós tudo o que nos pode causar dano e nos conceda tudo o que nos pode servir de auxílio.

LEITURAS/LESSONS

Epístola (Rm6,19-23)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Romanos. 

Irmãos: Vou-me servir de linguagem corrente entre os homens, por causa da fraqueza da vossa carne. Pois, como pusestes os vossos membros a serviço da impureza e do mal para cometer a iniquidade, assim ponde agora os vossos membros a serviço da justiça para chegar à santidade. Quando éreis escravos do pecado, éreis livres a respeito da justiça. Que frutos produzíeis então? Frutos dos quais agora vos envergonhais. O fim deles é a morte. Mas agora, libertados do pecado e feitos servos de Deus, tendes por fruto a santidade; e o termo é a vida eterna. Porque o salário do pecado é a morte, enquanto o dom de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.

Evangelho (Mt 7, 15-21)

Sequência do Santo Evangelho segundo Mateus.

Naquele tempo disse Jesus: Guardai-vos dos falsos profetas. Eles vêm a vós disfarçados de ovelhas, mas por dentro são lobos arrebatadores. Pelos seus frutos os conhecereis. Colhem-se, porventura, uvas dos espinhos e figos dos abrolhos? Toda árvore boa dá bons frutos; toda árvore má dá maus frutos. Uma árvore boa não pode dar maus frutos; nem uma árvore má, bons frutos. Toda árvore que não der bons frutos será cortada e lançada ao fogo. Pelos seus frutos os conhecereis. Nem todo aquele que me diz: Senhor, Senhor, entrará no Reino dos céus, mas sim aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus.

In English

Epistle (Rom. 6: 19-23)

Lesson from the Epistle of Blessed Paul the Apostle to the Romans.

Brethren, I speak a human thing, because of the infirmity of your flesh for as you have yielded your members to serve uncleanness and iniquity for iniquity, so now yield your members to serve justice unto sanctification. For when you were the servants of sin, you were free from justice. What fruit therefore had you then in those things, of which you are now ashamed? For the end of them is death. But now being made free from sin, and become servants to God, you have your fruit unto sanctification, and the end life everlasting. For the wages of sin is death. But the grace of God, is life everlasting in Christ Jesus our Lord.

Gospel (Matt. 7: 15-21)

The continuation of the holy Gospel according to Matthew. 

At that time Jesus said to His disciples: “Beware of false prophets, who come to you in the clothing of sheep, but inwardly they are ravening wolves. By their fruits you shall know them. Do men gather grapes of thorns, or figs of thistles? Even so every good tree bringeth forth good fruit, and the evil tree bringeth forth evil fruit. A good tree cannot bring forth evil fruit,neither can an evil tree bring forth good fruit. Every tree that bringeth not forth; good fruit, shall be cut down, and shall be cast into the fire. Wherefore by their fruits you shall know them. Not every one that saith of Me: Lord, Lord, shall enter into the kingdom of Heaven but he that doeth the will of My Father Who is in Heaven, he shall enter into the kingdom of Heaven.”