Liturgia Diária- 26/08/2020

MISSA DA FÉRIA

4ª Classe- Missa do domingo, com comemoração de S. Zeferino, Papa e Mártir (Missa “Si diligis me”)

Como Moisés aplacou outrora a ira de Deus contra o seu povo (Ofertório) assim e muito mais ainda, faz o novo Moisés — Jesus Cristo — para toda a humanidade. Feridos mortalmente, jazíamos à beira do caminho, incapazes de nos levantarmos, quando vem Jesus, o verdadeiro Samaritano, pensar e curar as nossas feridas (Evangelho). O Gradual que liga as duas Leituras é um hino de louvor e ação de graças, por causa das prerrogativas do Novo sobre o Antigo Testamento (Epístola). No Introito a humanidade decaída implora socorro. Também nas Orações pedimos o perdão e a proteção de Deus. O Versículo da Comunhão, como no domingo passado, garante-nos que a bênção de Deus e o seu auxílio nos vêm pelo Pão e peto Vinho (Eucaristia). Na santa Comunhão nos dá o Samaritano [Jesus] o Sangue do seu Coração, que nos fortalece para a vida eterna.

Sobre o santo: Governou a Igreja de 198 a 217. 


Páginas 643 a 647 e 1251 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Missa às 07:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes.


Liturgia Diária- XII Domingo depois de Pentecostes

2ª Classe- Missa própria

Como Moisés aplacou outrora a ira de Deus contra o seu povo (Ofertório) assim e muito mais ainda, faz o novo Moisés — Jesus Cristo — para toda a humanidade. Feridos mortalmente, jazíamos à beira do caminho, incapazes de nos levantarmos, quando vem Jesus, o verdadeiro Samaritano, pensar e curar as nossas feridas (Evangelho). O Gradual que liga as duas Leituras é um hino de louvor e ação de graças, por causa das prerrogativas do Novo sobre o Antigo Testamento (Epístola). No Introito a humanidade decaída implora socorro. Também nas Orações pedimos o perdão e a proteção de Deus. O Versículo da Comunhão, como no domingo passado, garante-nos que a bênção de Deus e o seu auxílio nos vêm pelo Pão e peto Vinho (Eucaristia). Na santa Comunhão nos dá o Samaritano [Jesus] o Sangue do seu Coração, que nos fortalece para a vida eterna.


Páginas 643 a 647 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Missa Rezada às 07:30 horas e Missa Cantada às 09:30 horas, na Capela Nossa Senhora de Lourdes.


Liturgia Diária- XII Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

“Vai e faz também o mesmo”, ama teus irmãos como o bom Samaritano. “Como Eu vos amei, vós vos amais uns aos outros”.

A parábola do bom samaritano comporta um duplo ensinamento, lembrando-nos o que deve ser a nossa caridade: misericórdia com o próximo, quem quer que seja, ela lembra o que foi a caridade de Cristo para conosco. É Ele o bom samaritano, que se vergou sobre a humanidade para lhe tratar as chagas e confiá-las aos cuidados da Igreja, até que volte. 

A alegria da Igreja está em poder, em nome de Cristo, prologar, junto dos homens, este mistério de bondade, capaz de curar as feridas do pecado e derramar a vida divina nas almas. Ministério glorioso, superior ao de Moisés, pois confere a santidade verdadeira, aquela que o próprio Cristo nos veio trazer e da qual permanece fonte única. 

Também a nossa alegria deve ser a de levar ajuda e conforto a todo aquele que deles necessita, por amor de Cristo, que tanto amou e nos deixou a obrigação de unir ao amor de Deus o amor generoso e desinteressado do próximo. 


Páginas 643 a 647 do Missal Quotidiano.


Missa Rezada às 9:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Diocesana.


Liturgia Diária- XII Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

A parábola do bom samaritano comporta um duplo ensinamento, lembrando-nos o que deve ser a nossa caridade: misericórdia com o próximo, quem quer que seja, ela lembra o que foi a caridade de Cristo para conosco. É Ele o bom samaritano, que se vergou sobre a humanidade para lhe tratar as chagas e confiá-las aos cuidados da Igreja, até que volte. 

A alegria da Igreja está em poder, em nome de Cristo, prologar, junto dos homens, este mistério de bondade, capaz de curar as feridas do pecado e derramar a vida divina nas almas. Ministério glorioso, superior ao de Moisés, pois confere a santidade verdadeira, aquela que o próprio Cristo nos veio trazer e da qual permanece fonte única. 

Também a nossa alegria deve ser a de levar ajuda e conforto a todo aquele que deles necessita, por amor de Cristo, que tanto amou e nos deixou a obrigação de unir ao amor de Deus o amor generoso e desinteressado do próximo. 

LEITURAS

Epístola (II Cor 3, 4-9)

Epístola de São Paulo Apóstolo aos Coríntios.

Irmãos: Tal é a convicção que temos em Deus por Cristo. Não que sejamos capazes por nós mesmos de ter algum pensamento, como de nós mesmos. Nossa capacidade vem de Deus. Ele é que nos fez aptos para ser ministros da Nova Aliança, não a da letra, e sim a do Espírito. Porque a letra mata, mas o Espírito vivifica. Ora, se o ministério da morte, gravado com letras em pedras, se revestiu de tal glória que os filhos de Israel não podiam fitar os olhos no rosto de Moisés, por causa do resplendor de sua face (embora transitório), quanto mais glorioso não será o ministério do Espírito! Se o ministério da condenação já foi glorioso, muito mais o há de sobrepujar em glória o ministério da justificação !

Evangelho (Lc 10, 23-37)

Continuação do Santo Evangelho segundo São Lucas. 

Naquele tempo: Disse Jesus a seus discípulos: ditosos os olhos que vêem o que vós vedes. Porque eu vos afirmo que muitos profetas e reis desejaram ver o que vós vedes, e não viram; e ouvir o que vós ouvis, e não ouviram. E eis que se levantou um certo doutor da lei, e lhe disse para o tentar: Mestre, que devo eu fazer para possuir a vida eterna? Jesus disse-lhe: O que é que está escrito na lei? Como lês tu? Ele respondendo disse: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração e de toda a tua alma, e com todas as tuas forças, e com todo o teu entendimento, e o teu próximo como a ti mesmo. E Jesus disse-lhe: Respondeste bem; faze isso e viverás (eternamente). Mas ele, querendo justificar-se a si mesmo, disse a Jesus: E quem é meu próximo? E Jesus retomando a palavra, disse: Um homem descia de Jerusalém para Jericó, e caiu na mão dos ladrões, que o despojaram (do que levava); e, tendo-o maltratado, retiraram-se, deixando-o meio morto. Ora aconteceu que passava pelo mesmo caminho um sacerdote, o qual, quando o viu, passou de largo. Igualmente um levita, chegando perto daquele lugar, e, vendo-o, passou adiante. Mas um samaritano, que ia seu caminho, chegou perto dele; e, quando o viu, moveu-se de compaixão. E, aproximando-se ligou-lhe as feridas, lançando nelas azeite e vinho; e, pondo-o sobre o seu jumento, levou-o a uma estalagem, e teve cuidado dele. E no dia seguinte tirou dois dinheiros, e deu-os ao estalajadeiro, e disse-lhe: Tem cuidado dele, e quanto gastares a mais, to satisfarei quando voltar. Qual destes três te parece que foi o próximo daquele que caiu nas mãos dos ladrões? Ele respondeu: O que usou de misericórdia. Então Jesus disse-lhe: Vai, e faze tu o mesmo.