Liturgia Diária- Quarta-feira das Têmporas de Pentecostes

Oitava de 1ª Classe- Missa Própria- Estação em S. Maria Maior

Nos países do Sul da Europa, faz-se, neste tempo, a colheita do trigo. A Igreja agradece por isso as bênçãos de Deus. Os fiéis ofereciam outrora neste tempo, as dízimas, e entre outras coisas, o trigo (matéria da Eucaristia). Agradeçamos também nós, nestes dias (quarta-feira, sexta-feira e sábado) os benefícios recebidos neste Tempo pascal. Nos textos destas Missas falam do Milagre de Pentecostes (Batismo, Eucaristia e Confirmação) e alguns tratam também das curas de doentes e expulsão dos espíritos malignos. Aproveitemos estes dias para nossa renovação, purificando-nos do contacto com o espírito do mundo.


Páginas 555 a 559 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- Terça-feira de Pentecostes

Oitava de 1ª Classe- Missa Própria- Estação em S. Anastásia

Santa Anastásia, a ressuscitada, nos reúne hoje em sua igreja. Gratos e jubilosos pela graça batismal que nos ressuscitou, aparecemos diante do Senhor (Introito). O Espírito Santo nos santificou (Epístola) e nos fez achar a porta que dá para o aprisco do Bom Pastor (Evangelho e Ofertório). Este mesmo Espírito, dando-nos o alimento celeste, nos dará também a glória eterna.


Páginas 552 a 555 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- Segunda-feira de Pentecostes

Oitava de 1ª Classe- Missa Própria- Estação em S. Pedro ad Vincula

Como o Sábado Santo, assim também o Sábado antes de Pentecostes é dia do Batismo. Corresponde igualmente, a oitava de Pentecostes à oitava da Páscoa. A santa Igreja ocupa-se amorosamente dos filhos recém-nascidos pela graça batismal. A eles se dirigem por isso os textos da santa Missa, falando-lhes do Batismo, da Eucaristia e mais particularmente da Confirmação.

Reunidos aos neófitos, ouvimos a palavra do príncipe dos Apóstolos (Epístola). Gratos, lembramo-nos dos benefícios recebidos no Sacramento da Confirmação, quando o Espírito Santo desceu sobre nós. Em sua luz e por sua graça, temos a verdadeira fé e somos chamados à vida eterna (Evangelho). Na santa Missa, alimentando-nos Jesus e saciando-nos (Introito), somos também “instruídos de tudo quanto Ele nos havia dito” (Communio).


Páginas 549 a 552 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Mensal – Junho/2020

01º/06

SEGUNDA-FEIRA DE PENTECOSTES

Oitava de 1ª Classe- Missa Própria- Estação em S. Pedro ad Vincula

Como o Sábado Santo, assim também o Sábado antes de Pentecostes é dia do Batismo. Corresponde igualmente, a oitava de Pentecostes à oitava da Páscoa. A santa Igreja ocupa-se amorosamente dos filhos recém-nascidos pela graça batismal. A eles se dirigem por isso os textos da santa Missa, falando-lhes do Batismo, da Eucaristia e mais particularmente da Confirmação.

Reunidos aos neófitos, ouvimos a palavra do príncipe dos Apóstolos (Epístola). Gratos, lembramo-nos dos benefícios recebidos no Sacramento da Confirmação, quando o Espírito Santo desceu sobre nós. Em sua luz e por sua graça, temos a verdadeira fé e somos chamados à vida eterna (Evangelho). Na santa Missa, alimentando-nos Jesus e saciando-nos (Introito), somos também “instruídos de tudo quanto Ele nos havia dito” (Communio).


Páginas 549 a 552 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- Domingo de Pentecostes

Domingo de 1ª Classe- Missa Própria- Estação em S. Pedro

Na igreja do Apóstolo que primeiro explicou o Mistério deste dia, na basílica de S. Pedro, hoje nos reunimos. No altar, que é obra do Espirito Santo, se vai repetir, por todos os tempos e em todo o orbe (Introito), o que aconteceu naquele memorável dia de Pentecostes, de que fala a Epístola. Imploramos para nós a mesma graça, no Gradual e na Sequencia. No Evangelho, Jesus nos promete a realização deste desejo, que se cumprira no Santo Sacrifício. Unindo-nos ao Filho de Deus virá também habitar em nós o Divino Espírito Santo (Communio). Cheios desse Espírito Divino falaremos também nós das grandezas de Deus. Lembremo-nos que, neste dia, nasceu a Igreja e com ela nasceu igualmente o Apostolado ou a Ação Católica. A força, o amor fervoroso do Divino Espírito Santo nos deve animar e fazer de nós, Sacerdotes, Soldados e Apóstolos do Reino de Deus.


Páginas 542 a 549 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


[Liturgia] Solenidade do Divino Espírito Santo

Pentecostes quer dizer o quinquagésimo dia depois da Páscoa. Esta solenidade, a terceira do tempo pascal, é ao mesmo tempo a sua conclusão e o seu complemento. Usando de uma comparação, para melhor esclarecimento, digamos: na festa da Páscoa levantou-se o Sol divino, Jesus Cristo, que agora, na festa de Pentecostes, está em pleno zênite e nos acalenta e vivifica.

Pela Páscoa nascemos para uma vida nova. Pentecostes nos comunica a plenitude dessa vida.

Neste dia nasceu a Igreja. Terminara Jesus sua obra de Redenção. Era, pois, necessário assegurar-lhe os frutos, e para esse fim enviou dez dias depois o Divino Espírito Santo. À Religião do Amor havia de espalhar-se como um fogo ardente sobre o orbe inteiro.

“Dia de Pentecostes! exclama S. João Crisóstomo, tu selaste a missão do Filho do Eterno, tu marcaste o termo das visões e dos oráculos, em ti começou a época da nossa reconciliação, tu formaste nossa inteira liberdade e asseguraste para sempre nossa ventura e nossa felicidade.”

Santo Agostinho diz que “o dia de Pentecostes é um dia cheio de mistérios, de sacramentos e de bênçãos, dia em que os Apóstolos ficaram cheios de graças, de dons e de privilégios. A datar deste dia, rios de bênçãos se espalharam por toda a terra. O Espírito Santo, descendo sobre os Apóstolos faz desaparecer as trevas que envolviam sua razão, reanima sua fraqueza, dissipa sua timidez e imprime em seus corações o valor e a coragem. Estes espíritos grosseiros, simples e ignorantes, iluminados repentinamente do Espírito Santo compreendem todas as verdades, mesmo as mais sublimes e ocultas à inteligência humana; o Espírito Santo os instrui sem estudos e sem livros e ficam tão persuadidos que se prontificam a morrer em defesa de suas crenças. – Dia de Pentecostes! dia soleníssimo e para sempre memorável que faz romper em transportes de júbilo a todo o povo cristão pela redondeza da terra.”

O Divino Espírito Santo é Deus como o Pai e o Filho, desde toda a eternidade. E um só com o Pai e o Filho. Sua missão é renovar a face da terra, e Ele a cumpre assistindo a Igreja, guardando nela pura e infalível, a doutrina, suscitando novos Apóstolos e missionários da fé. O Espírito Santo, diz Santo Agostinho, é na Igreja o que a alma é em nosso corpo.

Três lugares há na Igreja onde o Espírito Santo opera de maneira especial: o confessionário, o púlpito e o altar. Recebei o Espírito Santo, disse Jesus conferindo aos Apóstolos o poder de perdoar os pecados. O Sermão é obra não do homem, mas do Divino Espírito Santo. O Sacerdote é apenas o instrumento para propagar a doutrina da Igreja. A santa Missa ainda é mais particularmente obra do Espírito Santo. Assim como se operou o milagre da Encarnação pelo Divino Espírito Santo, assim é o Divino Espírito que transubstancia o pão e o vinho em Corpo e Sangue de Jesus Cristo. Eis o motivo porque o Sacerdote no Ofertório da Missa implora a Benção do Espírito Santo.

O sacerdote é apenas o instrumento para propagar a doutrina da Igreja . A Santa Missa ainda é mais particularmente obra do Espírito Santo. Assim como se operou o milagre da Encarnação pelo Divino Espírito Santo, assim é o Divino Espírito que transubstancia o pão e o vinho no Corpo e Sangue de Jesus Cristo. Eis o motivo por que o Sacerdote, no Ofertório da Missa, implora a bênção do Espírito Santo.

Devemos, pois, ter uma fé firme na ação do Divino Espírito Santo e um grande desejo por sua vinda na Igreja e em nós. “Vinde, Espírito Santo e enchei os corações de vossos fiéis” . Com grande alegria
celebramos esta solenidade associando-nos à santa Igreja, que canta no Prefácio: “Por isso, pela descida do Espírito Santo, o mundo inteiro exulta com imenso gozo”.

A importância do Mistério de Pentecostes, sendo tão grande na economia do Cristianismo, não é de admirar que a Igreja lhe tenha destinado, na santa Liturgia, a mesma categoria que para a festa de Páscoa. Como nesta , o Batismo era conferido na noite do sábado antecedente.

A cor litúrgica desta solenidade e de toda a oitava é a vermelha, que simboliza o fogo do Amor divino que o Espírito Santo ateou nas almas. “ln eis ignem accende”. Até nos três dias das Têmporas, se conservam os ornamentos vermelhos. A partir deste período, as festas dos Santos – frutos do Espírito Santo – são mais frequentes. Celebrando hoje e durante a oitava, a santa Missa, tenhamos a firme convicção de que também em nossas almas se renova este Mistério.


Fonte: Dom Beda Keickeisen. Missal Quotidiano. 23ª edição. Salvador: Editora Beneditina, 1962. p. 482-484.

Liturgia Diária- Vigília de Pentecostes

Vigília de 1ª Classe- Missa Própria- Estação em S. Pedro

A Leitura fala do Batismo e da Confirmação, porque outrora estes dois Sacramentos eram administrados, um em seguida ao outro. O mundo não conhece o Espírito de Deus (Evangelho). Nós o conhecemos, e neste Espírito nos unimos a Nosso Senhor. Ele, que renova a face do mundo, renova também os que recebem o Batismo.

O decreto que renova a liturgia da Semana Santa, aboliu tudo que outrora precedia à Missa da Vigília de Pentecostes: leitura, benção da água batismal, ladainha. 


Páginas 538 a 541 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 29/05/2020

S. MARIA MADALENA DE PAZZI, Virgem

Festa de 3ª Classe- Missa “Dilexisti”, com Coleta próprias

Nasceu em Florença em 1566 de pais nobres. Na Ordem do Carmelo, onde entrou muito jovem, distinguiu-se por seu grande amor à penitência.


Páginas 1083 880 a 883 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 28/05/2020

S. AGOSTINHO DE CANTUÁRIA, Bispo e Confessor

Festa de 3ª Classe – Missa “Sacerdotes tui”, com orações e leituras próprias

Foi abade de um mosteiro beneditino em Roma. O Papa S. Gregório Magno o enviou com 40 Monges para a Inglaterra a fim de pregar o Evangelho. Com o auxílio divino conseguiu a conversão do rei Etelberto, e grande parte de seu povo. Estabeleceu a sua Sé arquiepiscopal na Abadia de Cantuária. é chamado o Apóstolo da Inglaterra.


Páginas 1080 a 1082 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 27/05/2020

S. BEDA, O VENERÁVEL, Confessor e Doutor

Festa de 3ª Classe- Missa “In medio”, com Coleta própria e comemoração de S. João I, Papa e Mártir

Com a idade de 7 anos entrou no Mosteiro Beneditino de Wearmoth. Sua vida foi inteiramente dedicada à oração e ao estudo. “Da oração passava ao estudo e do estudo para a oração”, diz a sua biografia. Numerosos escritos teológicos e históricos saíram de sua pena. Morreu em 735 na Inglaterra.


Páginas 1079; 856 a 860 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre)


Liturgia Diária- 26/05/2020

S. FILIPE NÉRI, Confessor

Festa de 3ª Classe- Missa própria, com comemoração de S. Eleutério, Papa e mártir

Nasceu em Florença (1515), e foi ordenado sacerdote com 36 anos de idade. Por sua caridade atraía os corações (Introito). Trabalhou muito para renovação da vida Cristã principalmente entre os leigos, em Roma. Para este fim, fundou a Congregação do Oratório.


Páginas 1077 a 1079 do Missal Quotidiano. 


Liturgia Diária- 25/05/2020

SÃO GREGÓRIO VII, Papa e Confessor

Festa de 3ª Classe- Missa “Si diligis me” com Coleta própria e comemoração de S. Urbano I, Papa e mártir

Com o nome de Hildebrando, foi Monge beneditino na célebre abadia de Cluny. Nomeado Cardeal foi conselheiro de cinco Papas e sucedeu a Alexandre II (1075). Com grande energia lutou pela independência da Santa Sé, contra os príncipes seculares. Ainda se distinguiu por importantes reformas de disciplina interior da Igreja, na célebre questão das investiduras com Henrique IV da Alemanha.


Páginas 1076, 812 a 816 do Missal Quotidiano. 


Liturgia Diária- Domingo depois da Ascensão

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

A Missa deste domingo é uma transição entre a Ascensão e a Solenidade de Pentecostes. Para melhor compreensão de seu formulário, procuremos compenetrar-nos dos sentimentos da pequena Comunidade dos primeiros tempos do Cristianismo. Cheia de saudade, ela dirige o seu olhar para o Cristo que desapareceu. Ansiosa e com ardentes preces, espera a vinda do Consolador prometido. Ouve atentamente as palavras de S. Pedro, seu chefe (Epístola) . Confiantes, todos se preparam para dar testemunho da verdade, quando tiverem recebido o Espírito da verdade, que procede do Pai, e que lhes foi prometido pelo próprio Cristo (Evangelho). Estes mesmos sentimentos serão também para nós uma ótima preparação para a próxima solenidade de Pentecostes.


Páginas 535 a 538 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 23/05/2020

SANCTA MARIA IN SABBATO

Missa Votiva de 4ª Classe- Missa “Salve Sancta Parens”, com comemoração da Ascensão


Páginas 802 a 805; 531 a 534 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 22/05/2020

MISSA DA FÉRIA

4ª Classe- Missa da Ascensão

A festa da Ascensão, diz S. Bernardo, “é a consumação, a coroa das outras solenidades e o termo glorioso da jornada terrestre do Filho de Deus”. 

Durante quarenta dias, permaneceu Jesus no mundo, para fortalecer os seus discípulos na fé e os preparar para a vinda do Espírito Santo. Mas soou, enfim, a hora de se despedir daqueles que tanto amava. Ainda que de despedida, essa hora · era contudo de grande alegria para o Mestre e os seus discípulos, assim como para a humanidade inteira. Alegria, porque Jesus triunfou. Terminaram as humilhações, os sofrimentos. A corôa de espinhos e os opróbrios se converteram em corôa de honra; a Cruz ignominiosa, em trono de glória. Alegramo-nos, porque o Salvador subiu ao céu pará ali preparar-nos um lugar. Porque Junto do trono de seu Pai, jesus continua a interceder por nós e cumprir a sua Missão de Mediador entre Deus e os homens. Alegremo-nos ainda, porque a sua subida é o penhor da descida, do Espirito Santo “Se eu não for, o Espirito Santo não virá a vós”. Alegramo-nos, finalmente, porque este mesmo Jesus, que hoje se esconde aos nossos olhares, descerá um dia, em toda a sua Majestade e todo o seu poder, para julgar os vivos e os mortos e então os nossos olhos contemplarão extasiados a sua santa Humanidade sem o receio, para sempre afastado, de uma nova separação.

Enquanto a Epístola e o Evangelho nos narram sucintamente o fato histórico, ouvimos nos Cânticos perpassar estas melodias de júbilo. Cremos firmemente que o Nosso Redentor subiu ao céu e nesta convicção Lhe dirigimos uma súplica, para que também nós tenhamos em espírito a nossa morada no céu (Oração).


Páginas 530 a 534 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- Ascensão de Nosso Senhor Jesus Cristo

Festa de 1ª Classe- Missa Própria – Estação em São Pedro

DIA DE PRECEITO

A festa da Ascensão, diz S. Bernardo, “é a consumação, a coroa das outras solenidades e o termo glorioso da jornada terrestre do Filho de Deus”. 

Durante quarenta dias, permaneceu Jesus no mundo, para fortalecer os seus discípulos na fé e os preparar para a vinda do Espírito Santo. Mas soou, enfim, a hora de se despedir daqueles que tanto amava. Ainda que de despedida, essa hora · era contudo de grande alegria para o Mestre e os seus discípulos, assim como para a humanidade inteira. Alegria, porque Jesus triunfou. Terminaram as humilhações, os sofrimentos. A corôa de espinhos e os opróbrios se converteram em corôa de honra; a Cruz ignominiosa, em trono de glória. Alegramo-nos, porque o Salvador subiu ao céu pará ali preparar-nos um lugar. Porque Junto do trono de seu Pai, jesus continua a interceder por nós e cumprir a sua Missão de Mediador entre Deus e os homens. Alegremo-nos ainda, porque a sua subida é o penhor da descida, do Espirito Santo “Se eu não for, o Espirito Santo não virá a vós”. Alegramo-nos, finalmente, porque este mesmo Jesus, que hoje se esconde aos nossos olhares, descerá um dia, em toda a sua Majestade e todo o seu poder, para julgar os vivos e os mortos e então os nossos olhos contemplarão extasiados a sua santa Humanidade sem o receio, para sempre afastado, de uma nova separação.

Enquanto a Epístola e o Evangelho nos narram sucintamente o fato histórico, ouvimos nos Cânticos perpassar estas melodias de júbilo. Cremos firmemente que o Nosso Redentor subiu ao céu e nesta convicção Lhe dirigimos uma súplica, para que também nós tenhamos em espírito a nossa morada no céu (Oração).


Páginas 530 a 534 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Instrução – O Triunfo de Jesus Cristo

A festa da Ascensão propõe honrar o triunfo de Jesus, subindo ao céu, 40 dias depois da Ressurreição. Este acontecimento, sendo o penhor ida nossa própria glorificação futura, nos convida à alegria e à confiança. De fato, sendo o céu a residência do nosso Pai divino, para ali devem convergir todas as nossas aspirações. Esta festa remonta à origem Apostólica, diz Santo Agostinho, e merece ser celebrada com toda solenidade, para melhor orientar os fiéis para o céu, a pátria definitiva.


Liturgia Diária- Vigília da Ascensão de Nosso Senhor

VIGÍLIA DA ASCENSÃO DE NOSSO SENHOR

Vigília de 2ª Classe- Missa Própria, com comemoração das Rogações

Depois da procissão das Rogações, reza-se a Missa das Rogações. As Missas privadas são da Vigília, a não ser que ocorra alguma festa. Os Cânticos desta Missa são os do V domingo depois da Páscoa.

As Leituras falam da Ascensão. Jesus Cristo tendo cumprido na terra a sua Missão, vai deixá-la, mas não a abandonará: enviará o seu Consolador que é o Espirito Santo.


Páginas 514 a 517 e 528 a 529 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 19/05/2020

TERÇA-FEIRA DAS ROGAÇÕES

2ª Classe- Missa própria com comemoração de S. Pedro Celestino, Papa e Confessor, e S. Pudenciana, Virgem

Os três dias que precedem à festa da Ascensão, chamam-se dias das Rogações, denominação essa que vem do caráter suplicante das Ladainhas, Orações e Salmos que neles se dizem.

Remontam aos primeiros séculos do Cristianismo as procissões de penitência antes da santa Missa. Data do século V a instituição das Rogações, em França. Prescritas depois em Roma, daí se estenderam a toda a Igreja. Nestes dias especialmente consagrados, pedimos a Deus que afaste de nós o flagelo de sua justiça e se digne abençoar as coisas da terra. A Missa mostra-nos a eficácia da oração fervorosa e perseverante. Animados de uma firme confiança vamos para a casa de Deus (Introito). O Apóstolo S. Tiago, ele mesmo admirável amante da oração, mostra-nos o exemplo de Elias (Epístola). A oração do justo muito pode sobre o coração de Deus. As palavras proferidas por Jesus Cristo tornam-se realidade na santa Missa. O pão e o peixe simbolizam a Eucaristia, e o ovo é o símbolo da Ressurreição e da vida nova, fruto de uma boa participação nos santos Mistérios. — Nessa Missa não se diz o Glória nem o Credo.

Sobre S. Pedro Celestino: Eremita que era, fundou a Ordem dos Beneditinos Eremitas, no monte Marone. Com 79 anos de idade foi eleito Papa, contra sua vontade. Em breve, porém, resignou o Pontificado e voltou à sua querida solidão (Oração).


Páginas 521 a 527 e 1074 a 1075 do Missal Quotidiano. 


Liturgia Diária- 18/05/2020

SEGUNDA-FEIRA DAS ROGAÇÕES

2ª Classe- Missa própria com comemoração de S. Venâncio, Mártir

Os três dias que precedem à festa da Ascensão, chamam-se dias das Rogações, denominação essa que vem do caráter suplicante das Ladainhas, Orações e Salmos que neles se dizem.

Remontam aos primeiros séculos do Cristianismo as procissões de penitência antes da santa Missa. Data do século V a instituição das Rogações, em França. Prescritas depois em Roma, daí se estenderam a toda a Igreja. Nestes dias especialmente consagrados, pedimos a Deus que afaste de nós o flagelo de sua justiça e se digne abençoar as coisas da terra. A Missa mostra-nos a eficácia da oração fervorosa e perseverante. Animados de uma firme confiança vamos para a casa de Deus (Introito). O Apóstolo S. Tiago, ele mesmo admirável amante da oração, mostra-nos o exemplo de Elias (Epístola). A oração do justo muito pode sobre o coração de Deus. As palavras proferidas por Jesus Cristo tornam-se realidade na santa Missa. O pão e o peixe simbolizam a Eucaristia, e o ovo é o símbolo da Ressurreição e da vida nova, fruto de uma boa participação nos santos Mistérios. — Nessa Missa não se diz o Glória nem o Credo.

Sobre o santo: Após longo martírio, foi decapitado em Camerino na Itália central, com a idade de 15 anos.


Páginas 521 a 527 e 1073 a 1074 do Missal Quotidiano. 


Liturgia Diária- V Domingo depois da Páscoa

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

“Eu saí do Pai, e vim ao mundo ; deixo outra vez o mundo, e vou ao Pai”.

Nestas linhas está sintetizado o pensamento principal da santa Missa de hoje. Os textos, ao mesmo tempo que nos lembram as alegrias pascais, nos prenunciam o próximo desaparecimento do Salvador. Enquanto a Epístola nos fala do Cristianismo prático, o Evangelho, aludindo à próxima Ascensão de Jesus Cristo, nos ensina como podemos e devemos confiar-Lhe os nossos cuidados e as nossas preocupações, antes de Jesus nos deixar e ir para junto de seu Pai. Estejamos certos de que seremos atendidos, porque, se amamos o Filho, também o Pai nos ama.


Páginas 514 a 517 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 16/05/2020

SANTO UBALDO, Bispo e Confessor

Festa de 3ª Classe- Missa “Statuit” (2) com Coleta própria 

Natural de Gubbio (Itália), foi Bispo dessa cidade, cheio de zelo apostólico. É invocado contra os espíritos malignos (Oração).


Liturgia Diária- 15/05/2020

S. JOÃO BATISTA DE LA SALLE, Confessor

Festa de 3ª Classe- Missa “Os Justi” (1) com Coleta e Evangelho próprios

Nasceu em Reims (1651), e fundou em 1681 a Sociedade dos Irmãos das Escolas Cristãs (Evangelho). Em um tempo de fome, deu sua fortuna aos pobres.


Páginas 1071 a 1072 e 861 a 864 do Missal Quotidiano.


Liturgia Diária- 14/05/2020

MISSA DA FÉRIA

4ª Classe- Missa do domingo, com comemoração de S. Bonifácio, Mártir

A Missa de hoje nos mostra o nexo intimo que há entre o desaparecimento de Jesus e a descida do Divino Espírito Santo, e nos esclarece de um modo particular sobre a missão do Divino Espírito Santo, que é tríplice: no mundo, na Igreja e nas almas. Ao mundo cumpre conhecer o seu pecado, a justeza da causa da Igreja e o juízo iminente. Na Igreja o Divino Espírito Santo continuará a Missão de Jesus Cristo, conservando- a infalível depositária de sua doutrina. Na alma, Ele continuará a iluminá-la e a conduzi-la sempre mais e mais, para a verdade e para a luz. Ele vos ensinará toda a verdade (Evangelho). Empenhemo-nos desde já em preparar a nossa alma para a tornar digna de receber a luz da verdade.


Páginas 514 a 517; 1070 a 1071 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 13/05/2020

SÃO ROBERTO BELARMINO, Bispo, Confessor e Doutor

Festa de 3ª Classe- Missa Própria

Nasceu em 1542 e entrou na Companhia de Jesus. Mais tarde, nomeado Cardeal, foi o conselheiro teológico de vários Papas. Célebre por seus escritos contra os protestantes, morreu em Roma e foi canonizado em 1930.


Páginas 1068 a 1070 do Missal Quotidiano.


Liturgia Diária- 12/05/2020

Ss. NEREU, AQUILEU, DOMITILA e PANCRÁCIO, Mártires

Festa de 3ª Classe- Missa Própria

Os dois irmãos Nereu e Aquileu eram pretorianos, isto é, membros da guarda do imperador e a serviço de Domitila, que pertencia à família imperial. Pancrácio foi martirizado com 14 anos de idade.


Páginas 1066 a 1067 do Missal Quotidiano.


Liturgia Diária- 11/05/2020

SÃO FILIPE E SÃO TIAGO, Apóstolos

Festa de 2ª Classe- Missa Própria

Filipe de Betsaida foi um dos primeiros Apóstolos de Nosso Senhor. Pregou o Evangelho na Frigia, onde foi crucificado e apedrejado. S. Tiago menor, primo de Nosso Senhor, foi o primeiro Bispo de Jerusalém. Homem de oração e de austera penitência, foi precipitado do pináculo do Templo. Ele é o autor de uma Epístola canônica. A festa de hoje é o aniversário da Dedicação da igreja onde repousam os despojos destes dois Apóstolos do Senhor.


Páginas 1062 a 1066 do Missal Quotidiano.


Liturgia Diária- IV Domingo depois da Páscoa

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

A Missa de hoje nos mostra o nexo intimo que há entre o desaparecimento de Jesus e a descida do Divino Espírito Santo, e nos esclarece de um modo particular sobre a missão do Divino Espírito Santo, que é tríplice: no mundo, na Igreja e nas almas. Ao mundo cumpre conhecer o seu pecado, a justeza da causa da Igreja e o juízo iminente. Na Igreja o Divino Espírito Santo continuará a Missão de Jesus Cristo, conservando- a infalível depositária de sua doutrina. Na alma, Ele continuará a iluminá-la e a conduzi-la sempre mais e mais, para a verdade e para a luz. Ele vos ensinará toda a verdade (Evangelho). Empenhemo-nos desde já em preparar a nossa alma para a tornar digna de receber a luz da verdade.


Páginas 514 a 517 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 09/05/2020

SÃO GREGÓRIO NAZIANZENO, Bispo, Confessor e Doutor

Festa de 3ª Classe- Missa “In medio”, com Epístola própria

Grande amigo de S. Basílio, foi em 379, Bispo de Constantinopla. Quatro anos depois retirou-se para a solidão para viver para a oração e o estudo. Seu grande saber lhe mereceu o título de “Teólogo”.


Páginas 1060; 856 a 860 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre)


Liturgia Diária- 08/05/2020

MISSA DA FÉRIA

4ª Classe- Missa do III Domingo da Páscoa

O Domingo da Ressurreição e os dois imediatos são completamente dominados pelo pensamento da Ressurreição. Os domingos seguintes nos preparam para a despedida: a Ascensão de Nosso Senhor e a Missão do divino Espírito Santo. Fala-nos o Domingo de hoje da despedida de Jesus deste mundo, e assim nos lembra que também somos estrangeiros e viajantes. S. Pedro nos delineia o modo de proceder do Cristão no mundo: obediência à autoridade, cumprimento dos deveres de estado (Epístola). Na Oração, imploramos força para não errar no caminho, para que sejamos dignos do nome de Cristãos, isto é, cidadãos do céu. O Evangelho afirma que, querendo andar com o Cristãos, teremos que sofrer e chorar enquanto o mundo se alegra. A nossa tristeza será breve, no entanto, e mudada será em alegria que ninguém nos há de tirar.


Páginas 509 a 513 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 07/05/2020

S. ESTANISLAU, Bispo e Mártir

Festa de 3ª Classe- Missa “Protexisti”, com Coleta própria e 2ªs Secreta e Pós-comunhão daquela missa 

Bispo de Cracóvia, foi assassinado pelo rei Boleslau, dentro da igreja de S. Miguel, por ter censurado com franqueza o mau procedimento do rei. Este Santo é o Padroeiro da Polônia.


Páginas 1059; 840 a 843 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 06/05/2020

MISSA DA FÉRIA

4ª Classe- Missa do III Domingo da Páscoa

O Domingo da Ressurreição e os dois imediatos são completamente dominados pelo pensamento da Ressurreição. Os domingos seguintes nos preparam para a despedida: a Ascensão de Nosso Senhor e a Missão do divino Espírito Santo. Fala-nos o Domingo de hoje da despedida de Jesus deste mundo, e assim nos lembra que também somos estrangeiros e viajantes. S. Pedro nos delineia o modo de proceder do Cristão no mundo: obediência à autoridade, cumprimento dos deveres de estado (Epístola). Na Oração, imploramos força para não errar no caminho, para que sejamos dignos do nome de Cristãos, isto é, cidadãos do céu. O Evangelho afirma que, querendo andar com o Cristãos, teremos que sofrer e chorar enquanto o mundo se alegra. A nossa tristeza será breve, no entanto, e mudada será em alegria que ninguém nos há de tirar.


Páginas 509 a 513 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 05/05/2020

S. PIO V, Papa e Confessor

Festa de 3ª Classe- Missa “Si diligis me”, com Coleta própria

Da Ordem dos Dominicanos e eleito papa em 1566, foi um grande reformador do Calendário e da Liturgia (Missal e Breviário, Oração). Durante seu pontificado (1566-1572), combateu as heresias e os Turcos, sobre os quais, por suas orações, obteve a vitória de Lepanto (1571).


Páginas 1058 a 1059, 812 a 816 do Missal Quotidiano. 


Liturgia Diária- 04/05/2020

SANTA MÔNICA, Viúva

Festa de 3ª Classe- Missa “Cognovi”, com Coleta e leituras próprias

Modelo de esposa e mãe, viveu esta Santa uma vida de intensa fé. Dócil e paciente, esperou a conversão de seu marido até consegui-la no leito de morte deste. Durante 28 anos rezou e suplicou entre lágrimas a Deus pela conversão de seu filho. Teve a sorte de vê-lo receber o Batismo e a grande felicidade de expirar nos braços deste grande Bispo de Cartago e Doutor da Igreja. As Leituras da Missa nos falam de sua orações e da conversão de seu filho.


Páginas 1057, 1058 e 891 a 895 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- Festa da Invenção da Santa Cruz

Festa de 2ª Classe– PRÓPRIO DO BRASIL– Missa própria

Duas vezes no ano venera a santa Igreja a Relíquia da santa Cruz, o instrumento de nossa Redenção, santificado pelo Sangue preciosíssimo de Jesus Cristo. No dia de hoje se comemora a Invenção deste venerável Madeiro pela imperatriz Santa Helena. A Oração alude ao milagre da cura de uma doente, ocorrido nessa ocasião. Em geral os textos desta Missa lembram os benefícios e bênçãos que nos vêm da Cruz “salvadora”. No Evangelho, Jesus fala da necessidade do renascimento pelo Batismo, da fé na revelação divina e da sua exaltação na Cruz, simbolizada pela serpente de bronze.

Rubricas sobre esta Festa: a Sagrada Congregação dos Ritos, atendendo a razões especiais, no dia 12 de dezembro de 1962 concedeu que se mantivesse a mesma festa e seja celebrada com rito de II classe, em todo o Brasil (site Apostolado FERR). 

Nos domingos de 2ª classe apenas são preferidas as festas de 1ª classe, ou uma festa do Senhor de 2ª classe; neste último caso celebra-se da festa, com todos os privilégios e direitos inerentes ao domingo, e sem qualquer comemoração deste. (Missa Quotidiano- D. Gaspar Lefebvre, 1963, p. XV-XVI; grifos nossos)


Esta Missa não consta no Missal Quotidiano de D. Gaspar Lefebvre (1963).


Liturgia Diária- 02/05/2020

SANTO ATANÁSIO, Bispo, Confessor e Doutor

Festa de 3ª Classe- Missa própria

Grande defensor da fé contra o arianismo, passou este Santo, dos 46 anos do seu episcopado, 20 anos no exílio (Evangelho). Com grande paciência e fôrça invencível suportou todas as calúnias de seus inimigos (Epístola). Morreu em Alexandria, sua cidade episcopal.


Páginas 1053 a 1056 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- Festa de São José Artesão

Festa de 1ª Classe- Missa Própria 

No ano litúrgico, há dois dias consagrados a São José. O primeiro comemora a 19 de março a entrada triunfante no céu do Justo, que fora escolhido por Deus para guarda de seus maiores tesouros: a Santíssima Virgem Maria e seu Filho Jesus Cristo. Lembram-se, então, sua pureza sem mancha, sua fidelidade indefectível e sua obediência prontíssima.

O segundo dia festeja o operário, que tirou da profissão de carpinteiro o sustento da Sagrada Família, e assim elevou o trabalho manual a uma dignidade inexprimível. O Santo Padre Pio XII, fixou sua data a 1º de maio para que o dia geralmente dedicado ao trabalho e aos trabalhadores seja iluminado pela lição e exemplo de São José.


Páginas 1049 a 1052 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Mensal – Maio/2020

01º/05

SÃO JOSÉ ARTESÃO

Festa de 1ª Classe- Missa Própria 

No ano litúrgico, há dois dias consagrados a São José. O primeiro comemora a 19 de março a entrada triunfante no céu do Justo, que fora escolhido por Deus para guarda de seus maiores tesouros: a Santíssima Virgem Maria e seu Filho Jesus Cristo. Lembram-se, então, sua pureza sem mancha, sua fidelidade indefectível e sua obediência prontíssima.

O segundo dia festeja o operário, que tirou da profissão de carpinteiro o sustento da Sagrada Família, e assim elevou o trabalho manual a uma dignidade inexprimível. O Santo Padre Pio XII, fixou sua data a 1º de maio para que o dia geralmente dedicado ao trabalho e aos trabalhadores seja iluminado pela lição e exemplo de São José.


Páginas 1049 a 1052 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


PRÓPRIO DO DIA

Introito (Sl 10, 17 | Sl 126, 1)

Sapiéntia réddidit iustis mercédem labórum suórum, et dedúxit illos in via mirábili, et fuit illis in velaménto diéi et in luce stellárum per noctem, allelúia, allelúia. Ps. Nisi Dóminus aedificáverit domum, in vanum labórant qui aedíficant eam. ℣. Gloria Patri. A Sabedoria recompensou os Santos por seus trabalhos, e os conduziu por um caminho maravilhoso, onde os protegia como uma sombra durante o dia, e os alumiava como a luz das estrelas durante a noite, aleluia, aleluia. Sl. Se o Senhor não edificar a casa, trabalham debalde os que a edificam. ℣. Glória ao Pai.

Coleta

Rerum cónditor Deus, qui legem labóris humáno géneri statuísti: concéde propítius; ut, sancti Ioseph exémplo et patrocínio, ópera perficiámus quae praecipis, et praemia consequámur quae promíttis. Per D.N. Ó Deus, que criastes todas as coisas e impusestes ao gênero humano a lei do trabalho, concedei propício que, com o exemplo e a proteção de São José, executemos as obras que determinais, e ganhemos as recompensas que prometeis. Por N.S.

Epístola (Col 3, 14-15; 17, 23-24)

Léctio Epístolae beáti Pauli Apóstoli ad Colossénses.

Fratres: Caritátem habéte, quod est vínculum perfectiónis, et pax Christi exsúltet in córdibus vestris, in qua et vocáti estis in uno córpore, et grati estóte. Omne quodcúmque fácitis in verbo aut in ópere, ómnia in nómine Dómini Iesu Christi, grátias agéntes Deo et Patri per ipsum. Quodcúmque fácitis, ex ánimo operámini sicut Dómino, et non homínibus, sciéntes quod a Dómino accipiétis retributiónem hereditátis. Dómino Christo servíte.

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Colossenses.

Irmãos, tende caridade, que é o vínculo da perfeição, e reine em vossos corações a  paz de Cristo no qual estais todos chamados a constituir  um corpo só. Rendei ações de  graças. E tudo que fizerdes, por palavras e obras, fazei-o  em Nome do Senhor Jesus Cristo, dando por Ele graças a Deus Pai. O que quer que façais, fazei-o de coração, como para Deus e não para os homens, sabendo que recebereis de Deus em recompensa a herança prometida. Servi, pois, a Cristo Nosso Senhor.

Aleluia 

Allelúia, allelúia. ℣. De quacúmque tribulatióne clamáverint ad me, exáudiam eos, et ero protéctor eórum semper. Allelúia. ℣. Fac nos innócuam, Ioseph, decúrrere vitam: sitque tuo semper tuta patrocínio. Allelúia.

Aleluia, aleluia; ℣. Se clamarem a mim no meio qualquer tribulação, eu atenderei, e serei sempre protetor. Aleluia ℣. Fazei São José, que nossa vida decorra sã e salva, e esteja sempre segura debaixo da vossa proteção. Aleluia.

Evangelho (Mt 13, 54-58)

Sequéntia sancti Evangélii secúndum Matthaeum.

In illo témpore: Véniens Iesus in pátriam suam, docébat eos in synagógis eórum, ita ut miraréntur et dícerent: Unde huic sapiéntia haec et virtútes? Nonne hic est fabri fílius? Nonne mater eius dícitur María, et fratres eius Iacóbus et Ioseph et Simon et Iudas? Et soróres eius nonne omnes apud nos sunt? Unde ergo huic ómnia ista? Et scandalizabántur in eo. Iesus autem dixit eis: Non est prophéta sine honóre nisi in pátria sua et in domo sua. Et non fecit ibi virtútes multas propter incredulitátem illórum. — CREDO…

Sequência do Santo Evangelho segundo Mateus.

Naquele tempo: Chegado Jesus à sua terra, ensinava ao povo nas sinagogas de tal sorte que muitos se admiravam e diziam: “Donde lhe vem esta sabedoria e esse poder? Não é este o filho do  carpinteiro? Sua mãe não se  chama Maria, e seus irmãos  Tiago, José, Simão e Judas?  Suas irmãs não vivem aqui  entre nós? Donde lhe vem, pois, tudo isso?” E se escandalizavam com Ele. Mas, Jesus  lhes disse: “Só em sua terra e sua casa é desprezado o profeta”. E não fez ali muitos milagres, devido à incredulidade do povo.  — CREIO…

Ofertório (Sl 89, 17)

Bónitas Dómini Dei nostri sit super nos, et opus mánuum nostrárum secúnda nobis, et opus mánuum nostrárum secúnda, allelúia. A bondade de Deus Nosso Senhor se estenda sobre nós, dê rendimento ao trabalho de nossas mãos, e faça render o trabalho de nossas  mãos. Aleluia.

Secreta

Quas tibi, Dómine, de opéribus mánuum nostrárum offérimus hóstias, sancti Ioseph interpósito suffrágio, pignus fácias nobis unitátis et pacis. Per D.N. Estas dádivas, que vos oferecemos, Senhor, como fruto do trabalho de nossas mãos, fazei-as com a intercessão e prece de S. José o penhor de nossa paz e união. Por N. S.

Prefácio (de S. José)

℣. Dóminus vobíscum.
℞. Et cum spíritu tuo.
℣. Sursum corda.
℞. Habémus ad Dóminum.
℣. Grátias agámus Dómino Deo nostro.
℞. Dignum et iustum est.

Vere dignum et justum est, æquum et salutáre, nos tibi semper et ubíque grátias ágere: Dómine sancte, Pater omnípotens, ætérne Deus: Et te in Solemnitate beáti Joseph débitis magnificáre præcóniis, benedícere et prædicáre. Qui et vir justus, a te Deíparæ Vírgini Sponsus est datus: et fidélis servus ac prudens, super Famíliam tuam est constitútus: ut Unigénitum tuum, Sancti Spíritus obumbratióne concéptum, paterna vice custodíret, Jesum Christum, Dóminum nostrum. Per quem majestátem tuam laudant Angeli, adórant Dominatiónes, tremunt Potestátes. Cœli cœlorúmque Virtútes ac beáta Séraphim sócia exsultatióne concélebrant. Cum quibus et nostras voces ut admítti júbeas, deprecámur, súpplici confessióne dicéntes:

Sanctus, Sanctus, Sanctus…

℣. O Senhor seja convosco.
℞. E com o vosso espírito,
℣. Para o alto os corações.
℞. Já os temos para o Senhor,
℣. Demos graças ao Senhor, nosso Deus.
℞. É digno e justo.

Verdadeiramente é digno e justo, razoável e salutar, que, sempre e em todo o lugar Vos demos graças, ó Senhor santo, Pai onipotente, eterno Deus, e na Solenidade do bem-aventurado S. José, proclamemos devidamente as vossas grandezas, Vos bendigamos e Vos louvemos. Ele é o homem justo que destes por esposo à Virgem Mãe de Deus; é o servo fiel e prudente, que estabelecestes em vossa família, para guardar, como se fora pai, o vosso Unigênito, concebido por obra do Espirito Santo, Jesus Cristo, Nosso Senhor. Por Ele louvam os Anjos a vossa Majestade, as Dominações a adoram, tremem as Potestades. Os Céus, as Virtudes dos Céus e os bem-aventurados Serafins a celebram com recíproca alegria. As suas vozes, nós Vos rogamos mandeis que se unam as nossas, quando em humilde confissão Vos dizemos:

Santo, Santo, Santo…

Comunhão (Mt 13, 54, 55)

Unde huic sapiéntia haec et virtútes? Nonne hic est fabri fílius? Nonne mater eius dícitur María? Allelúia. Donde lhe vem esta sabedoria e esse poder? Não é este o filho do carpinteiro? Sua mãe não se chama Maria? Aleluia.

Pós-comunhão

Haec sancta quae súmpsimus, Dómine, per intercessiónem beáti Ioseph; et operatiónem nostram cómpleant, et praemia confírment. Per D.N. Este Sacramento que recebemos leve, Senhor, pela intercessão de São José, nossas ações a seu termo e lhes as￾segure o prêmio. Por N. S.

Traduções e comentários extraídos do Missal Quotidiano de D. Beda (1947/1962).


Clique em um dos demais dias para acessar a respectiva Liturgia:

Liturgia Diária- 30/04/2020

SANTA CATARINA DE SENA, Virgem

Festa de 3ª Classe- Missa “Dilexisti”, com orações próprias

Natural de Sena (1347), entrou na Ordem terceira de S. Domingos. Dotada de rara inteligência foi consultada por príncipes, seculares e eclesiásticos e até conselheira de alguns Papas. Exerceu uma grande influência tanto em negócios religiosos como políticos. É uma das figuras mais notáveis de mulher na história da humanidade. Seu corpo descansa na igreja de Sta. Maria supra Minerva, em Roma.


Páginas 1048 a 1049 e 880 a 883 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 29/04/2020

SÃO PEDRO DE VERONA, Mártir

Festa de 3ª Classe- Missa “Protexisti”, com orações e Epístola próprias

Nasceu em Verona e entrou na Ordem de S. Domingos. Grande e destemido pregador contra os hereges, foi por estes assassinado.


Páginas 1047 a 1048840 a 843 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 28/04/2020

S. PAULO DA CRUZ, Confessor

Festa de 3ª Classe- Missa própria

Nascido em Piemonte, fundou a Congregação dos Passionistas, que tem por fim particular propagar nas pregações a devoção à Paixão de Nosso Senhor (Oração).


Páginas 1045 a 1047 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre)


Liturgia Diária- 27/04/2020

S. PEDRO CANÍSIO, Confessor e Doutor

Festa de 3ª Classe- Missa “In medio”, com Coleta própria

OBS: Por Decreto da Sagrada Congregação dos Ritos, de 12/12/1962, a Festa de S. Turíbio de Mogrovejo foi excluída do Próprio do Brasil.


Páginas 1044; 856 a 860 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre)


Liturgia Diária- II Domingo depois da Páscoa

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

Tão perto da Páscoa, este domingo é como que uma síntese de tudo quanto de bom, de belo e de consolador há neste Tempo. Visão suavíssima! Jesus, o Bom Pastor, no meio de suas ovelhas, pelas quais havia dado a sua vida! Os primeiros Cristãos gostavam de demorar-se nesta contemplação, como provam os desenhos nas catacumbas de Roma. Confiantes, nós nos aproximamos hoje da igreja. É o Bom Pastor mesmo quem nos recebe e nos fala (Evangelho).

Lembrando-nos de tudo que fez por nós, cantamos jubilosos no Introito: Da misericórdia do Senhor está cheia a terra. S. Pedro, que em si próprio experimentou todo o amor misericordioso do Pastor, mostra-nos na Epístola a extensão e as finezas desse amor. E assim esclarecidos, temos a certeza de que o Bom Pastor nos conhece, isto é, que nos vem instruir, fortalecer e iluminar no santo Sacrifício da Missa (Communio).


Páginas 505 a 508 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 25/04/2020

S. MARCOS, Evangelista

Festa de 2ª Classe- Missa própria, com comemoração das Rogações

Discípulo e companheiro de S. Pedro, escreveu o 2º Evangelho, a pedido dos Cristãos de Roma, seguindo as pregações do Príncipe dos Apóstolos. Pregou o Evangelho no Egito e fundou a Sé episcopal de Alexandria que ocupou em primeiro lugar. Morreu mártir. Na Leitura o profeta Ezequiel fala de quatro seres animados, que são, segundo se atribuí, os quatro Evangelistas. S. Marcos é representado sob o símbolo do leão porque inicia o Evangelho, com a voz “do que clama no deserto”.


Páginas 1040 a 1043; 524 a 527 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 24/04/2020

S. FIEL DE SIGMARINGEN, Mártir

Festa de 3ª Classe- Missa “Protexisti”, com Coleta própria

Estudou direito em Friburgo e depois de várias viagens exerceu a profissão de advogado. Fez-se, mais tarde, capuchinho. Sua grande aspiração de morrer mártir veio a realizar-se. Foi morto pelos calvinistas e é Protomártir de sua Ordem.


Páginas 1039; 840 a 843 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 23/04/2020

MISSA DA FÉRIA

4ª Classe- Missa do domingo, com comemoração de S. Jorge, Mártir

Sobre o santo: Era oficial do exército romano. Muito venerado como vencedor do dragão (tradições lendárias), tanto no Oriente como no Ocidente, morreu Mártir na Palestina. 


Páginas 500 a 504; 1038 a 1039; e 840 a 844 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 22/04/2020

Ss. SOTERO e CAIO, Papas e Mártires

Festa de 3ª Classe- Missa “Si diligis me”, com orações no plural

O primeiro foi Papa, de 166 a 174 e defendeu a Igreja contra as heresias. O segundo, também papa (283-296), sofreu muito e com grande constância pela fé.


Páginas 1038, 812 a 816 do Missal Quotidiano. 


Liturgia Diária- 21/04/2020

S. ANSELMO, Bispo, Confessor e Doutor

Festa de 3ª Classe- Missa “In medio”

Piemontês ( 1033), entrou em 1060, em Bec (Normandia), na Ordem de S. Bento. Na qualidade de Prior e mais tarde Abade desse mosteiro, foi exímio cultivador das sagradas ciências e fiel observante da disciplina monástica. Em 1093 feito arcebispo Primaz de Cantuária, defendeu com serenidade e grande firmeza os direitos e a liberdade da santa Igreja. Profundo pensador e teólogo sútil, é chamado o “Pai da teologia escolástica”.


Páginas 1037; 856 a 860 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre)


Liturgia Diária- 20/04/2020

MISSA DA FÉRIA

4ª Classe- Missa do domingo


Páginas 500 a 504 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- Domingo in Albis

Domingo de 1ª Classe- Missa Própria – Estação em S. Pancrácio

Os cinco domingos que se seguem, celebram o Salvador ressuscitado. Mostram seu amor para com as almas remidas por seu preciosíssimo Sangue.

Neste domingo, Nosso Senhor fortalece a fé do Apóstolo S. Tomé e como a deste Santo, também a nossa. No II. domingo, Jesus manifesta-se como “Bom Pastor” que cuida de suas ovelhas, até o fim dos séculos. Os últimos três domingos preparam a sua despedida e a missão do Espírito Santo.

Ontem depuseram os neófitos as suas túnicas brancas para retomarem hoje as suas vestimentas comuns. Embora S. Pedro os convide com palavras de ternura “como meninos recém-nascidos, desejai sinceramente o leite espiritual” (Introito), a Missa de hoje prepara-os todavia, para a luta na arena da vida. A vitória que vence o mundo é a nossa fé. Da necessidade desta fé nos falam a Epístola e o Evangelho: Bem-aventurados os que não viram e contudo creram.

A esta fé nos exorta a própria igreja onde antigamente se reuniam os fiéis, em Roma, a basílica de S. Pancrácio. Mártir pela fé aos quatorze anos de idade, este Santo é um exemplo glorioso de fidelidade às suas promessas batismais, para os que militam nas fileiras de Jesus Cristo.


Páginas 500 a 504 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 18/04/2020

SÁBADO IN ALBIS

Oitava de 1ª Classe – Missa Própria – Estação em S. João do Latrão

No sábado anterior os neófitos receberam as túnicas alvas. No dia de hoje, oito dias depois, as depõem e nessa ocasião, mais uma vez lhes são lembrados os benefícios dos Mistérios pascais, nos textos da santa Missa. No Ofertório saudamos O que virá a nós na Consagração e na Comunhão e revestidos do Cristo nos preparamos para a Páscoa eterna (Oração).


Páginas 496 a 499 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 17/04/2020

SEXTA-FEIRA DE PÁSCOA

Oitava de 1ª Classe – Missa Própria – Estação em S. Maria dos Mártires

NÃO SE FAZ NEM ABSTINÊNCIA NEM JEJUM

Há oito dias encontramos a Mãe, de Deus ao pé da Cruz, como “Rainha dos Mártires”. Hoje celebramos com ela o triunfo sobre o martírio e a morte (Statio). Com os neófitos e Mártires nos lembramos do auxílio do Senhor (Introito), que nos salvou pelo Batismo, como salvou a Noé do dilúvio (Epístola). O Cristo legou o seu poder de salvar aos Apóstolos (Evangelho), mas incorporados no Cristo, somos também chamados a propagar o Reino de Deus (Communio — Ação Católica).


Páginas 493 a 495 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 16/04/2020

QUINTA-FEIRA DE PÁSCOA

Oitava de 1ª Classe – Missa Própria – Estação na basílica dos Doze Apóstolos

Na igreja estacional de hoje encontra-se a sepultura do Apóstolo S. Filipe. O diácono Filipe (Epístola) e Maria Madalena (Evangelho) são arautos da Ressurreição do Cristo. A estes e aos neófitos, a Sabedoria divina abre a boca, assim como a nós (pelo Batismo), para cantarmos a Deus um cântico novo (Introito, Communio). A igreja dos Apóstolos, construída em Roma em estilo grego, simboliza a união dos povos em Cristo pelo Batismo. (Oração)


Páginas 488 a 492 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 15/04/2020

QUARTA-FEIRA DE PÁSCOA

Oitava de 1ª Classe – Missa Própria – Estação em S. Lourenço extra muros

Para, exprimir a sua gratidão, os neófitos se reuniam no dia de hoje na igreja de seu padroeiro que os conduzia através da Quaresma (Setuagésima e III. Domingo). O Filho do Pai eterno convida aos neófitos, assim como o faz a nós, a tomarmos parte no “Reino” (a Igreja e os Sacramentos). Deus ressuscitou seu Filho (Epístola) e no Evangelho, Ele nos aparece e nos alimenta com peixe e pão (símbolos da Eucaristia). E nós comeremos o Pão dos Anjos (Ofertório).


Páginas 485 a 488 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 14/04/2020

TERÇA-FEIRA DE PÁSCOA

Oitava de 1ª Classe – Missa Própria – Estação em S. Paulo

Também o Apóstolo das gentes reúne os Cristãos e os instrui sobre as bênçãos que o Batismo comunica, dando sabedoria e firmeza e elevando as almas (Introito). Assim cumpriu Deus as suas promessas, pela Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo (Epístola). No santo Sacrifício da Missa, o Ressuscitado aparece e alimenta com peixe e mel (figura da Eucaristia) aos que se aproximam da Mesa Sagrada (Evangelho). Unidos assim com o Cristo, procuremos o que está acima desta terra, o céu, onde Jesus está à direita de Deus (Communio).


Páginas 481 a 484 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 13/04/2020

SEGUNDA-FEIRA DE PÁSCOA

Oitava de 1ª Classe (com Oitava)- Missa Própria – Estação em S. Pedro

Como no Antigo Testamento, Moisés conduziu o povo escolhido pelas águas do Mar Vermelho para a terra prometida, assim, no Novo Testamento, é Pedro a quem Jesus confiou a sua Igreja, quem conduz o povo eleito de Deus, pelas águas batismais, para a terra da graça e da bem-aventurança. Eis que os neófitos se reúnem na Igreja dedicada ao príncipe dos Apóstolos (Statio). Ele os recebe (e a nós) na terra em que corre leite e mel (Introito), e nos dirige a palavra na Epístola. Gratos e alegres, recebemos no Evangelho a notícia de que o Senhor apareceu a Simão (Pedro), e em Pedro aparecerá também a nós (Communio), se formos a seu encontro no Ofertório, oferecendo-nos a nós mesmos.


Páginas 476 a 481 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Instrução – A Ressurreição Gloriosa

A Páscoa é a mais antiga e a mais solene das festas do ano eclesiástico. A nota dominante da liturgia é uma intensa alegria e gratidão pelo benefício da Redenção que se traduz pela repetição do “Aleluia”.

A celebração da Páscoa não tem dia fixo no Calendário, mas se celebra no primeiro Domingo depois da lua cheia, de março.

Jesus Cristo morreu a 14 do mês de Nisan, mês judaico lunar, correspondente mais ou menos ao nosso 22 de março a 25 de abril.

Os meses atuais sendo solares, e pelo fato sendo mais longos, há necessariamente incompatibilidade nas datas.

Em 325 o Concílio de Niceia adotou como data da ressurreição o primeiro Domingo depois da lua cheia de março. É o que faz com que a Páscoa ocorra de 22 de março a 25 de abril.

A Páscoa é pois uma data fixa, Lunar, que difere da data fixa Solar do nosso atual calendário. 

Liturgia da Vigília Pascal (clique aqui); Liturgia do Domingo da Páscoa (clique aqui).


Liturgia Diária- Domingo de Páscoa

Domingo de 1ª Classe (com Oitava)- Missa Própria – Estação em S. Maria Maior

A Comunidade religiosa celebra o dia de hoje com Maria Santíssima, que depois dos tormentosos dias da Paixão, tem mais direito ainda às alegrias da Ressurreição.

Com Jesus agradeçamos ao Pai Eterno a vitória da Redenção pela qual também nós ressuscitamos para uma vida nova (Introito). O Cordeiro Pascal, imolado e ressuscitado, novamente se imola e ressuscita para nós no santo Sacrifício da Missa (Consagração e Comunhão). A Epístola, a Sequência e o Evangelho nos preparam a termos as devidas disposições.

Seja a celebração da santa Missa no dia de hoje, que é a Solenidade das solenidades, a expressão sincera de nossa alegria e gratidão, porque Jesus, ressurgindo, nos deu a vida, uma vida nova na graça.

Instrução – A Ressurreição Gloriosa – Pe. Júlio Maria de Lombaerde – clique aqui e leia


Páginas 471 a 476 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Instrução – As tristezas e alegrias de Maria

Maria Santíssima havia bebido, até ao fundo, o cálice da amargura, sofrendo tudo o que uma criatura humana é capaz de sofrer. Este sofrimento, entretanto, tinha a sua consolação: a certeza da ressurreição, a certeza que a primeira visita de Jesus glorioso seria a sua Mãe. É certo, a aparição de Jesus a Maria Santíssima não está mencionada no Evangelho, mas pouco importa. Sabemos que os Evangelhos não relataram todas as ações do Salvador, e sabemos, também, que eles não contêm nada de inútil. Para que assinalar um fato evidente, de que não se pode duvidar?

Além disso, a humildade da Virgem Santa não permitiu aos Evangelistas que relatassem o que era unicamente para a sua exaltação, sem ser uma base para qualquer verdade dogmática. Meditemos, um instante, para terminar na alegria, a Semana dolorosa que acabamos de percorrer, vendo:
I – O fundamento desta verdade.
II – A aparição de Jesus ressuscitado.

Liturgia Diária- Sábado “De vigilia paschali”

Féria de 1ª Classe- Missa Própria – Estação em S. João do Latrão

(Paramentos roxos durante os ritos da Vigília; após, paramentos brancos)

O Sábado Santo para a primitiva Igreja era um dia de silêncio e recolhimento. Tal como na Sexta-feira Santa, não se celebrava o santo Sacrifício da Missa. Só ao escurecer começava-se a celebrar a Vigília da Páscoa, que muitas vezes, se prolongava até a madrugada do domingo, terminando com a Missa da Ressurreição.

No ano de 1951 o Santo Padre o Papa Pio XII consentiu que as cerimônias do Sábado fossem restituídas à sua hora primitiva, na noite que medeia entre sábado e domingo.

As cerimônias, que devem começar por volta das 22 horas, compreendem as seguintes partes: Bênção do fogo novo; Bênção do Círio pascal; Precônio pascal; as Leituras; Primeira parte das Ladainhas; Bênção da água batismal; Renovação das promessas do Batismo; Segunda parte das Ladainhas e a solene Missa da Vigília pascal.

Instrução – A Ressurreição Gloriosa – Pe. Júlio Maria de Lombaerde – clique aqui e leia


Páginas 436 a 470 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Instrução – A Adoração da Cruz

A cerimônia de hoje, em sua tocante simplicidade, é de um simbolismo profundo, que convém compreender.

Antes de prostrar-nos diante da imagem de Jesus Crucificado e beijar-lhe os pés sagrados, devemos compreender o que é a adoração.

Adorar é prestar a alguém o culto supremo, reservado a Deus, reconhecendo-o como nosso Criador e Mestre. Só podemos adorar a Deus. Adoramos a Jesus Cristo, prestando-lhe o culto, que a Igreja chama de latria (adoração), porque ele é verdadeiro Deus, como é verdadeiro homem, unindo a natureza divina e a natureza humana numa única pessoa: a pessoa do Verbo Encarnado.

A adoração, como todo ato de culto, é absoluto, quando se dirige ao próprio Filho de Deus, e relativo, quando se dirige à representação do Salvador.

Jesus Cristo deve ser adorado com um culto de latria adoração absoluto e devem ser adorados, com um culto de latria relativo, a sua imagem e a cruz sobre a qual morreu, por ter sido regada pelo seu sangue.

A este culto de adoração relativa, juntaremos o culto de nosso amor, expresso pelo beijo, que depositamos sobre seus pés.

Falemos um instante deste ato de beijar os pés de Jesus Cristo, examinando:
I – A sua significação.
II – A sua aplicação.

Liturgia do dia: clique aqui e leia.

Liturgia Diária- Sexta-feira “In Passione et Morte Domini”

Féria de 1ª Classe- Missa Própria – Estação em S. Cruz de Jerusalém

O Ofício solene de hoje é celebrado na basílica chamada Santa Cruz em Jerusalém. Representa esta basílica a cidade de Jerusalém, e, conservando-se nela uma das principais relíquias do santo Lenho, mais particularmente relembra o lugar em que o Cristo foi crucificado. O imperador Constantino transformou o palácio de Santa Helena em igreja, agradecendo a vitoria que alcançara sobre seu adversário, “no sinal do Cristo”, em 312 .

Sexta-feira da Paixão e Morte do Senhor é o nome deste dia. Nele a Igreja não celebra o Santo Sacrifício da Missa. Em sinal de luto e para realçar mais a morte de Nosso Senhor na Cruz, ela congrega os fiéis em redor do Sumo Sacerdote que se oferece como Vítima pelos pecados do mundo. É dia de luto universal.

A solene ação litúrgica desse dia, que deve ser celebrada à tarde, das 15 horas, não, todavia, depois das 18 horas se divide em quatro partes: 1ª. as Leituras; 2ª. as Orações Solenes; 3ª. a Adoração da Cruz e 4ª. a Comunhão.

Instrução – A adoração da Cruz – Pe. Julio Maria de Lombaerde – clique aqui e leia


Páginas 407 a 435 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Instrução – O Sacramento do Amor (Quinta-feira Santa)

A ceia legal estava terminada.

De repente, Jesus tomou em suas mãos um dos pães ázimos, que havia ficado na mesa, benzeu-o, e, levantando os olhos para o céu, deu-o a seus Apóstolos, dizendo: Tomai e comei, isto é o meu corpo!

Profundo silêncio acolheu estas palavras: silêncio de admiração, sem dúvida, mas também de fé humilde e submissa, porque todos conservavam a lembrança da promessa feita à margem do lago: O pão que darei é a minha carne para vida do mundo. Minha carne é verdadeiramente comida e meu sangue verdadeiramente bebida. (João VI. 5 2) .

Meditemos hoje, estas palavras divinas, no dia mesmo em que foram pronunciadas por Jesus, realizando o maior e o mais estupendo dos milagres: o da transubstanciação do pão em seu corpo, sangue, alma e divindade. Vejamos : 
     I – O fato da instituição.
     II – O amor que a inspirou.

Liturgia do dia: clique aqui e acesse.

I – O FATO DA INSTITUIÇÃO

Ninguém duvida, o Mestre acaba de realizar a grande promessa.

Entre nós, quando se dá cumprimento a um acontecimento memorável, este se anuncia com grande alarde, cerca-se de aparato, que o põe em destaque, descrevem-se-lhe com palavras elogiosas as belezas, os benefícios. Jesus não quer fazer como os homens; Ele quer agir como Deus; ora, é próprio de Deus fazer uma grande obra com poucas palavras ou ações. O que Jesus vai fazer não é nada menos do que um ato criador. Sem discursos preparatórios, sem explicações elogiosas, ele toma o pão, e o transforma em seu próprio corpo. A palavra divina realiza o que significa. No começo do mundo, Deus havia dito: Faça-se a luz! e a luz surgiu do nada!

Sobre o túmulo de Lázaro, morto e sepultado, Jesus havia dito: Lázaro, sai! e Lázaro voltou à vida.

Sobre o cadáver do jovem de Naim, Jesus havia dito: Jovem, levanta-te! e o mancebo reviveu. 

Aqui, Jesus diz simplesmente sobre o pão, que tinha nas mãos: Isto é o meu corpo! e é verdadeiramente o seu corpo adorável, real , vivo, capaz de multiplicar-se infinitamente.

Que simplicidade ! Que clareza nestas palavras! Que ausência de fraseados! Que autoridade divina!

Sente-se no tom da voz, na majestade, na ausência de palavras supérfluas, que tal frase é criadora. Disse; e isto é! Nenhuma objeção é possível. É a clareza do raio, e o espírito atemorizado nada tem a objetar, disse um dos fundadores do protestantismo, Melanchton, num momento de sinceridade.

Quando o Salvador propõe comparações, parábolas, usa de expressões tão claras que sejam compreendidas por todos. Aqui, sem nada preparar, suavizar, explicar nem antes, nem depois, ele disse simplesmente: Isto é o meu corpo! e é verdadeiramente o seu corpo adorável.

II – O AMOR QUE A INSPIROU

O mistério da presença real de Jesus Cristo é tão grande, que deslumbra o espírito humano.

Pensar que Deus vai mudar esta Hóstia em sua própria substância, que vai ficar no meio dos homens, que pretende ser o alimento das suas almas! Mas, em recompensa de que, Jesus opera tal milagre? Que é que fez o mundo para Jesus, para merecer tal recompensa?

Quando o doce Menino, o Filho de Deus, o Verbo Eterno baixou à terra, este mundo o recebeu e o hospedou do modo pior possível, num estábulo, entre dois animais; e no fim da sua vida, há-de pregá-lo vivo numa cruz, entre dois  Iadrões. Um Herodes procurou dar-lhe a morte, e outro Herodes o fará passar por louco. Uns tentaram precipitá-lo sob um montão de pedras. Ah ! Senhor, será possível, que após tais maus tratos, insultos e blasfêmias, instituas para os homens, um Sacramento tão inefável ! tão divino! Tu, Senhor, que és o pão dos anjos, tu consentirás em tornar-te o pão dos ingratos? Ah! lembra-te, Senhor, do que disseste um dia à Cananeia: Não é bom tirar o pão dos filhos e lançá-lo aos cães (Mateus XV, 26).

Como é que tua majestade e santidade podem resolver se a entrar na boca de um Judas? na alma de um Lutero? no peito de um Voltaire, nas entranhas de um Calles?

Como é possível que te sujeites a qualquer Sacerdote, por indigno que seja, baixando ao menor sinal dele, do seio de teu Pai, até as mãos impuras ? Meu Deus! que mistério insondável! E este mistério chama -se: o amor de Deus para com os homens.

* * *

Quem aprofundará este abismo ? É o infinito Sic Deus dilexit mundum!

Ouço a voz de Jesus ressoar a meus ouvidos, e murmurar, triste mas amoroso: Ah, eu o sei, muitas vezes a minha morada será um tabernáculo grosseiro.

A minha igreja será rústica, deserta Até nas grandes solenidade, muitos maus cristãos me voltarão as costas. Outros permitir-se-ão insolências e ultrajes. Heréticos e gentios me lançarão como pasto aos animais, nas ruas e nas cloacas. Outros ferirão as minhas aparências com punhais. Serei na Hóstia Santa, coberto de escárnios, esmagado aos pés, lançado ao fogo. Eu sei tudo isto! Não importa. Se os homens são ingratos, eu não deixarei de amá-los; a sua maldade não vencerá a minha misericórdia! Quis legem dat amanti?

Eu quero amar até ao fim e amar sem limites. Se houver ingratos, haverá também almas generosas, amantes, anjos da minha Eucaristia ! e o amor destes últimos será o contra-peso da ingratidão dos outros! As Catarina de Sena, as Teresa, as Madalena de Pazzi, as Rosa de Lima, as Colomba de Rieti, as Margarida Maria, as Teresinha, os Santo Tomás, os São Boaventura, os Santos Afonso de Ligório, os São João da Cruz, os Francisco de Sales, de Assis, de Xavier, os Inácio, os Domingos, os João Vianney, me farão esquecer a tibieza, a maldade e o desprezo de milhares de outros!

Por amor destas almas puras, eucarísticas, porei as minhas delícias em morar com os homens. (Sal. 8-31).

III – CONCLUSÃO

Eis o que a Igreja nos apresenta na festa da instituição da Sagrada Eucaristia: o amor infinito do Filho de Deus, condenando-se a si mesmo a ser o prisioneiro de amor, dos nossos Tabernáculos e o alimento de nossas almas.

Como prisioneiro ele quer ser visitado.

Como alimento, ele quer ser comido. No dia de hoje, aproveitemos a ocasião para fazer-lhe uma visita prolongada, em seu sepulcro, onde ele jaz vivo, amoroso, esperando a gratidão de seus filhos. E durante estes dias Santos, façamos a nossa Comunhão pascoal, recebendo este Jesus em nosso coração, como a nossa luz, nossa fôrça, a nossa consolação. Amor com amor se paga.

Sic nos amantem, quis non redamaret!


Fonte: O Evangelho das Festas Litúrgicas e dos Santos mais populares. 2ª Edição: Manhumirim: O Lutador, 1952. pp. 146-149. (saiba mais sobre a obra e as postagens)

Liturgia Diária- Quinta-feira “In Coena Domini”

Féria de 1ª Classe- Missa Própria – Estação em S. João de Latrão

Feria-Quinta in Coena Domini, isto é, Quinta-feira da ceia do Senhor, eis como a Liturgia designa o dia de hoje. Este nome nos indica o grande acontecimento que a santa Igreja comemora: a instituição do Sacrifício e Sacramento da Eucaristia e do Sacramento da Ordem.

Como no domingo de Ramos, reunimo-nos em S . João de Latrão, Mãe de todas as igrejas de Roma e do Universo, a mais nobre e mais antiga basílica, catedral do supremo Pastor da Igreja. Nela se conserva e venera ainda hoje a mesa em que o divino Salvador celebrou a última Ceia. O altar de nossa igreja é uma continuação daquela venerável mesa.

A Missa é festiva, com os paramentos brancos. Canta-se o Glória, durante o qual tocam festivamente os sinos, que depois emudecem até o Glória na Missa da Vigília Pascal.

Poucas passagens há, no ano eclesiástico, tão impressionantes e comovedoras para o coração do crente, quanto esta Missa; em que se mesclam alegria imensa e profunda tristeza.

Hoje só é celebrada uma santa Missa, durante a qual todos os Sacerdotes (e todos os Cristãos assim o deveriam fazer) recebem a sua Comunhão pascal da mão do Celebrante.

O memorável decreto “Maxima redemptionis nostrae mysteria” de 16/11/1955 com que a Sagrada Congregação dos Ritos, obedecendo a um mandado do Santo Padre Pio XII, renovou toda a liturgia da Semana Santa, prescreve que essa Missa in Coena Domini seja celebrada entre as 17 e as 20 horas.

Depois do Evangelho e da Homilia, pode-se realizar a cerimônia do Lava-pés.

A Santa Comunhão só pode ser distribuída durante a Missa ou logo depois dela e deve ser dada com partículas consagradas nessa mesma Missa.

Depois dia Missa, faz-se a solene transladação do SSmo. Sacramento para um altar lateral, que tenha sido ornamentado e preparado para esse fim desse altar se fará a pública adoração da Santa Reserva até meia-noite. 

Instrução – O Sacramento do Amor – sobre a instituição da Eucaristia – Pe. Júlio Maria de Lombaerde (clique aqui e leia)


Páginas 392 a 406 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- Quarta-feira Santa

Féria de 1ª Classe- Missa Própria – Estação em S. Maria Maior

Não pode a Igreja olvidar nestes dias da Paixão de seu Salvador, a sua Mãe Santíssima, que tão grande parte teve na obra da Redenção. E por isso que nos reunimos no maior santuário ereto em sua honra. Maria acompanha a seu Filho e a nós, nestes dias, e sofre com Ele e conosco. Nos antigos tempos esse dia era de exame para os catecúmenos e ainda hoje se conservam as três Leituras. Jesus Cristo padece como vemos nas Leituras e nos Cânticos, mas o fim dos seus sofrimentos é a glória (Introito).


Páginas 364 a 377 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- Terça-feira Santa

Féria de 1ª Classe- Missa Própria – Estação em S. Prisca

Os primeiros Cristãos reuniam-se outrora provavelmente em casa de Santa Prisca, no Monte Aventino (igreja estacionai). Conforme a tradição, era o próprio S. Pedro quem presidia essas reuniões. S. Marcos, o discípulo do primeiro Papa, nos descreve a Paixão de Jesus e fala particularmente da negação de S. Pedro, que assim, humildemente, confessa a sua culpa. A Cruz de Jesus Cristo é para nós motivo de glória (Introito).


Páginas 350 a 353 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- Segunda-feira Santa

Féria de 1ª Classe- Missa Própria – Estação em S. Praxedes

O Salvador se prepara para sua Paixão (Cânticos). Enquanto Judas se resolve a trair Jesus, Maria Madalena unge o Mestre querido “para a sepultura”. Também nós podemos seguir o exemplo de Maria, ungindo os pés do Salvador, o que, no dizer de Santo Agostinho, significa: “Cuidar dos pobres e levar uma vida santa”. A santa Padroeira da igreja estacional é outro exemplo para nós, pois, distribuiu todos os seus bens pelos pobres.


Páginas 350 a 353 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- Domingo de Ramos

Domingo de 1ª Classe- Missa Própria – Estação em São João do Latrão

(Paramentos vermelhos durante a Procissão e ritos anexos, e roxos para a Missa)

É o domingo que precede à festa da Páscoa e dá início à Semana  Santa. Antes da Missa principal se realiza a bênção dos ramos com a procissão. Desta bênção e desta procissão, já encontramos vestígios claros no século V.

Se deveras queremos compreender a liturgia deste domingo, cumpre colocarmo-nos bem no meio do cenário onde se vai desenrolar o doloroso drama, e, para que possamos atingir esse objetivo, útil será recordarmos os acontecimentos dos últimos dias da vida do Divino Salvador aqui na terra.

Jesus, à frente de . uma romaria, vai de Jericó a Betânia, onde os hospedam com os seus amigos Lázaro, Maria e Marta, que, para O homenagearem, dão um banquete. É nessa ocasião que Maria unge com arômatas a cabeça de Jesus. Indignado com este desperdício, Judas rompe com seu Mestre. Muita gente vem a Betânia para ver a Jesus e a Lázaro ressuscitado: Com estas multidões parte Jesus no dia seguinte em direção a Jerusalém, passando pelo monte das Oliveiras. Festiva é sua entrada, como narra Evangelho. O povo aclama o Messias. Honras dignas ‘de um Rei são-Lhe tributadas, enquanto os fariseus, cada vez mais, se enraivecem. Contemplando a cidade, Jesus chora, lastimando-lhe a infelicidade e a sorte triste que a espera. Entra solenemente no templo, mas nessa mesma tarde regressa a Betânia.

Esses são os principais fatos históricos em que se firma a liturgia deste domingo, que consta de duas partes bem distintas:  Bênção e procissão dos ramos: Alegre e triunfal. Porque nela aclamamos o Cristo, Rei e Vencedor. Paramentos vermelhos. A Santa Missa – Profundamente triste. Porque nela contemplamos o Homem das Dores. Paramentos roxos.


Páginas 326 a 349 do Missal Quotidiano. (Para a Missa: a partir da pág. 336)


Liturgia Diária- 04/04/2020

SÁBADO DA SEMANA DA PAIXÃO

Féria de 3ª Classe- Missa Própria, com comemoração de S. Isidoro, Bispo, Confessor e Doutor – Estação em S. João diante da Porta Latina

Outrora não havia Missa neste dia, que era como uma vigília do Domingo de Ramos. Por isso seus Cânticos são os do dia anterior. Também nas Leituras vemos novamente Jeremias, imagem do Cristo perseguido. Os judeus O odeiam. Os pagãos (catecúmenos) O procuram e a estes fala Jesus de sua morte. Se o grão de trigo (Cristo) morrer, ele dará muitos frutos, que somos todos nós, remidos por seu Sangue preciosíssimo.

Sobre o santo mártir: Natural de Cartagena, na Espanha (560) foi mais tarde, sucessor de S. Leandro (seu irmão mais velho), na Sé episcopal de Sevilha. Por seus escritos que atestam o seu grande saber, foi enumerado entre os Doutores da Igreja.


Liturgia Diária- 03/04/2020

COMEMORAÇÃO DAS SETE DORES DE NOSSA SENHORA

3ª Classe- Missa própria, com comemoração da Féria

DIA DE ABSTINÊNCIA

Duas vezes no ano, a Igreja se lembra das Dores de Nossa Senhora. Com justa razão merece Maria Santíssima o título de “Co-redentora do gênero humano”, pois, heroicamente, ao pé da Cruz, uniu os seus sofrimentos aos de seu Filho, pela salvação do mundo.

Os textos da Santa Missa nos descrevem os sofrimentos e agonias de Nossa Senhora. Como a valorosa Judite, arriscando a vida, salvou o povo de Deus, assim Maria, sofrendo com o seu Filho, venceu a serpente infernal (Leitura) . Na Sequência, penetramos no abismo das Dores de Maria e no Evangelho a recebemos como nossa Mãe. É Jesus do trono de sua Cruz, quem nos recomenda a sua proteção maternal. No Ofertório, lembrando-lhe essa recomendação, imploramos a sua intercessão junto a Deus.


Páginas 1284 a 1289 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 02/04/2020

QUINTA-FEIRA DA SEMANA DA PAIXÃO

Féria de 3ª Classe- Missa Própria , com comemoração de S. Francisco de Paula, Confessor – Estação em S. Apolinário

Com os penitentes, estamos no exílio (Introito, Ofertório). Instantemente pedimos perdão (com Asarias, na Leitura). Na Quinta-feira Santa os penitentes eram recebidos novamente na Comunhão dos fiéis. Hoje, oito dias antes, Jesus se anuncia amigo dos pecadores (Evangelho).

Sobre o santo: Nasceu na Calábria. Fundou a ordem dos “Mínimos” e distinguiu-se pela prática de uma pobreza muito austera e humilde piedade.


Páginas 312 a 315 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 01/04/2020

QUARTA-FEIRA DA SEMANA DA PAIXÃO

Féria de 3ª Classe- Missa Própria – Estação em S. Marcelo

A Leitura se dirige aos catecúmenos. Havia quinze dias que tinham recebido a lei de Deus e hoje deviam repeti-la no escrutínio. No Introito pedimos perdão, com eles, por nossos pecados. Como,  na Leitura, Deus diz: “Eu sou o Senhor”, assim, no Evangelho, Jesus proclama: “Eu sou o Filho de Deus”. Os que ouvem a sua voz, isto é, os que Nele creem e O seguem, terão a vida eterna.


Páginas 307 a 311 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 31/03/2020

TERÇA-FEIRA DA SEMANA DA PAIXÃO

Féria de 3ª Classe- Missa Própria – Estação em S. Ciríaco

Daniel na cova dos leões (Leitura) é uma figura do Cristo (Evangelho) e de todos os que sofrem por Deus. O Deus de Israel nos salvará de todas as angústias (Communio).


Páginas 303 a 307 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 30/03/2020

SEGUNDA-FEIRA DA SEMANA DA PAIXÃO

Féria de 3ª Classe- Missa Própria – Estação em S. Crisógono

Somente os que se convertem aproveitarão da Paixão de Nosso Senhor (Leitura), e não aqueles que se obstinam como os judeus (Evangelho). O Salvador convida a todos os que têm sede, isto é, vontade de se salvar.


Páginas 300 a 303 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- I Domingo da Paixão

Domingo de 1ª Classe- Missa Própria – Estação em S. Pedro

No lugar em que S. Pedro seguiu o exemplo de seu Mestre, morrendo na cruz, quer também a Igreja associar-se à Paixão de Nosso Senhor. Jesus Cristo, o Medianeiro entre Deus e os homens, inocente Ele mesmo e sem mancha, se oferece como o Sacrifício de expiação pelos homens (Epístola). Nestas palavras está expresso o sentido da Missa de hoje, pois nela Jesus repete o mesmo Sacrifício (Communio). Enquanto os judeus blasfemam contra o Senhor, nós dizemos: “Senhor, eu Vos louvarei.” E à palavra de Jesus: “Se alguém guarda a minha palavra não verá a morte para sempre”, nós respondemos: Beneficiai vosso servo, para que viva e observe os vossos preceitos.

Sobre o Tempo da Paixão, leia nota explicativa clicando aqui.


Páginas 295 a 299 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 28/03/2020

SÁBADO DA 4ª SEMANA DA QUARESMA

Féria de 3ª Classe – Missa própria, com comemoração de S. João Capistrano – Estação em S. Nicolau “in Carcere”

Aos que têm sede — sitientes — dirige-se a Missa de hoje. E são os batizandos e os penitentes. Na Leitura, o Bom Pastor, no Evangelho, O que é a Luz do mundo, Jesus Cristo, enfim, é quem nos convida às fontes das águas (Introito). Dentro da próxima quinzena o Pastor dará a vida por suas ovelhas, saciando-lhes a sede. “O Senhor me governa e nada me há de faltar. Colocou-me em lugar abundante em pastagens. Conduziu-me junto às águas refrigerantes” (Communio).

Sobre o santo: Nasceu na Itália, de pais alemães, e entrou na Ordem de S. Francisco. Viajou pela Itália e pela Alemanha como pregador popular e por toda a parte combateu as heresias com grande energia e ótimos resultados. A sua coragem e a seus conselhos, deve-se a grande vitória que os Cristãos ganharam sobre os turcos, perto de Belgrado em 1456 (Oração). Faleceu nesse mesmo ano.


Páginas 289 a 293 e 1025 a 1027 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 27/03/2020

SEXTA-FEIRA DA 4ª SEMANA DA QUARESMA

Féria de 3ª Classe – Missa própria, com comemoração de S. João Damasceno, Confessor e Doutor – Estação em S. Eusébio

DIA DE ABSTINÊNCIA

A igreja estacionai estava situada no meio de um cemitério, fato que, provavelmente, influiu na escolha das Leituras de hoje.

Como ontem, vemos na Leitura e no Evangelho, a Deus e a Cristo, Senhor sobre a morte. Os batizandos e os penitentes estão mortos. Jesus Cristo lhes comunica a vida.

Sobre o santo: Nasceu em 700 em Damasco e distinguiu-se particularmente por sua defesa ao culto das sagradas imagens. Deus auxiliou e protegeu seu servo (Cânticos e Leitura), e tendo-lhe sido cortada a mão direita, foi milagrosamente curado (Evangelho e Cânticos). Foi elevado à dignidade de Doutor da Igreja por Leão XIII.


Páginas 245 a 251 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 26/03/2020

QUINTA-FEIRA DA 4ª SEMANA DA QUARESMA

Féria de 3ª Classe – Missa própria – Estação na basílica SS. Silvestre e Martinho

Na igreja de S. Martinho, venerado por ter ressuscitado vários mortos, as Leituras nos falam de duas ressurreições. A mãe aflita (a Igreja) encontra um Enviado de Deus. Pelo Batismo e pela Penitência, ressurgimos a uma vida nova. É o Cristo quem no-la comunica por sua Ressurreição.


Páginas 280 a 283 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 25/03/2020

ANUNCIAÇÃO DE NOSSA SENHORA

Festa de 1ª Classe – Missa própria com comemoração da féria

Na Oração da festa está lembrado, em poucas palavras, o maior acontecimento da história da humanidade — a Encarnação do Verbo Divino no seio da Virgem Maria. O que o profeta Isaías (Leitura) predisse ao Rei Acaz, realizou-se de maneira maravilhosa naquela humilde casinha de Nazaré (Evangelho). Reverentes, saudamos a Mãe de Deus nos Cânticos, e na Comunhão hospedamos o mesmo Filho de Deus, o Emanuel, que das entranhas da Virgem puríssima havia feito o seu tabernáculo.


Páginas 1017 a 1021; 273 a 279 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 24/03/2020

TERÇA-FEIRA DA 4ª SEMANA DA QUARESMA

Féria de 3ª Classe – Missa própria, com comemoração de S. Gabriel, Arcanjo – Estação em S. Lourenço in Damaso

Com os catecúmenos e penitentes rezamos o Introito e o Gradual. Contemplamos o Cristo, que sofre por causa da infidelidade dos homens, (Leitura) e pela obstinação dos judeus (Evangelho). Jesus Cristo, porém, qual outro Moisés, intercede e sofre por nós (Leitura) e por isso com Ele nos alegramos (Communio).

Sobre o santo: O grande mensageiro da Encarnação do Verbo Divino foi quem designou ao profeta Daniel, o tempo, a Zacarias, o nascimento do Precursor, e a Maria Santíssima, a sua escolha para Mãe do Redentor do mundo. Eis por que, na véspera da Anunciação, celebramos a festa deste Arcanjo.


Páginas 268 a 272 e 1013 a 1016 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 23/03/2020

SEGUNDA-FEIRA DA 4ª SEMANA DA QUARESMA

Féria de 3ª Classe – Missa própria – Estação em SS. Quatro-Coroados

A Epístola falou-nos ontem de duas mulheres, representando uma a sinagoga e outra a Igreja. Da mesma forma se refere hoje a duas mulheres que se apresentam a Salomão. Uma, a mãe degenerada que permitiria matar a criança, é figura da sinagoga. A outra, mãe verdadeira, a Igreja, lhe quer conservar a vida. Jesus Cristo como Salomão, entrega “o filho” (a alma humana) à verdadeira mãe.


Páginas 264 a 268 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- IV Domingo da Quaresma

Domingo de 1ª Classe- Missa Própria – Estação em S. Cruz de Jerusalém

Na antiguidade cristã, o dia de hoje era o “dia das rosas”. Os Cristãos se presenteavam mutuamente com as primeiras rosas do verão.

Ainda hoje o Santo Padre benze, neste dia, uma rosa de ouro e a oferece a uma pessoa em sinal de particular atenção. A santa Igreja, como o faz no Advento, interrompe também na Quaresma a sua penitência. Demonstra alegria pelo toque do órgão, pelo enfeite dos altares e pelo róseo dos paramentos. Toda a Missa respira alegria e júbilo. E por que assim? Lembremo-nos que, antigamente, faziam os catecúmenos, neste dia, um juramento solene e eram recebidos no seio da Igreja, representada pela Igreja da “Santa Cruz em Jerusalém”.

Mãe dedicada e amorosa, alegra-se a santa Igreja, ao receber os que serão lavados nas águas batismais (Introito, Epístola). E não menos se alegram os próprios catecúmenos (Gradual, Ofertório e Communio). A maravilhosa multiplicação dos pães, que se repete na santa Missa, nos garante a todos nós, a glória futura. Louvemos e agradeçamos a vontade de Deus (Ofertório). 


Páginas 259 a 264 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 21/03/2020

SÁBADO DA 3ª SEMANA DA QUARESMA

Féria de 3ª Classe – Missa própria, com comemoração de S. Bento, Abade – Estação em S. Susana

Deus é o protetor dos inocentes (Leitura), mas pelos méritos que Jesus Cristo ganhou na Cruz, encontram também os pecadores o perdão (Evangelho), contanto que humildemente se arrependam de suas culpas.

Sobre o santo: Nasceu em Núrcia. Enviado a Roma para estudar retórica, resolveu retirar-se para o deserto de Subíaco, o que fez, e onde, jovem ainda, levou a vida de um eremita. A fama de sua santidade atraiu discípulos para os quais fundou mosteiros. Mais tarde, mudou-se para Monte Cassino, onde estabeleceu a vida monástica. Seu método, cheio de discrição e sobriedade, conquistou em pouco tempo todo o Ocidente. Com razão pode-se chamar S. bento o salvador da cultura cristã. Foram seus monges que conduziram quase a Europa inteira para a doutrina do Cristianismo. 


Páginas 251 a 258 e 1003 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 20/03/2020

SEXTA-FEIRA DA 3ª SEMANA DA QUARESMA

Féria de 3ª Classe – Missa própria – Estação em S. Lourenço in lucina

DIA DE ABSTINÊNCIA

Aproxima-se sempre mais o dia do Batismo, e para nós, a renovação das graças batismais. Na Leitura, Moisés tira água viva do rochedo, e no Evangelho, promete Jesus a água da vida eterna.

Belíssima ilustração para estas Leituras deu a fonte que se acha perto da igreja estacionai e que, conforme lenda antiga, brotou de repente, para que as suas águas cristalinas servissem ao Batismo de S. Hipólito. No Santo Sacrifício da Missa, Jesus nos ensina e nos comunica aquela água viva e alimento espiritual, a Eucaristia que nos transforma em adoradores de Deus, em espírito (Evangelho e Communio).


Páginas 245 a 251 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 19/03/2020

SÃO JOSÉ, ESPOSO DA SSMA. VIRGEM MARIA

Festa de 1ª Classe- Missa Própria – Comemoração da Féria

Como esposo de Nossa Senhora e pai adotivo de Jesus, ele tomou parte intimamente na Redenção. Celebram-se hoje as excelsas virtudes e a santidade que lhe mereceram a predileção de Deus, enquanto a segunda festa visa mais a sua dignidade de Padroeiro da Igreja Universal.

Na santa Missa, depois de o saudarmos com o título de Justo (Introito), imploramos a sua intercessão (Oração), pois Deus ouve as suas orações como ouviu a de Moisés. A esta se referem as palavras da Leitura que são aplicadas a S. José. O Evangelho nos mostra a sua grandeza, chamando-o de Justo, e ao mesmo tempo, nos manifesta a delicadeza de seu pensamento, a sua pureza e a sua fé na palavra de Deus. Embora ornado de tantas virtudes, S. José é modelo de perfeita humildade. Pequeno aos olhos do mundo, foi grande aos olhos de Deus e é grande no Reino dos céus.


Páginas 1009 a 1012 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- 18/03/2020

QUARTA-FEIRA DA 3ª SEMANA DA QUARESMA

Féria de 3ª Classe – Missa própria, com comemoração de S. Cirilo de Jerusalém, Bispo, Confessor e Doutor – Estação em São Xisto

Era hoje o dia do primeiro escrutínio. Nessa ocasião recebiam os catecúmenos os textos dos dez mandamentos da lei de Deus: por isso as Leituras falam das leis divinas. O temor de Deus deve ensinar-nos a observar a sua lei (Leitura), que não deve ser interpretada por nosso próprio coração, como o fizeram os fariseus (Evangelho).

Sobre o santo: É um dos grandes doutores da Igreja oriental. Teve muito que sofrer pelos arianos, que conseguiram três vezes fosse ele desterrado. De seus escritos, restam-nos as célebres “Catequeses”, instruções para catecúmenos, antes e depois do Batismo no Sábado Santo.


Páginas 238 a 242; 1007 a 1008 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Missa às 19 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes.


Liturgia Diária- 17/03/2020

TERÇA-FEIRA DA 3ª SEMANA DA QUARESMA

Féria de 3ª Classe – Missa própria, com comemoração de S. Patrício, Bispo e Confessor – Estação em Santa Pudenciana

Santa Pudenciana, uma das “Virgens prudentes”, é representada com uma vasilha de azeite, símbolo de suas boas obras. Em sua casa, mais tarde transformada na igreja da estação de hoje, reunia o Apóstolo S. Pedro os fiéis. Eis porque no Evangelho se fala do poder de ligar e desligar que possuía o primeiro Papa. Na Epístola ou Leitura, a viúva e seus dois filhos representam a Igreja e os fiéis.

Como o azeite proporcionou à viúva os meios para resgatar os filhos, assim o faz na Igreja, o “Ungido” — Cristo, no qual os fiéis encontram a salvação. Na casa de Sta. Pudenciana hoje O encontramos, entre os Cristãos.

Sobre o santo: Nasceu na Escócia e como Bispo converteu a Irlanda, onde é venerado como Apóstolo da “Ilha dos Santos”.


Páginas 234 a 238, 1006 a 1007 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Missa às 19 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes.


Liturgia Diária- 16/03/2020

SEGUNDA-FEIRA DA 3ª SEMANA DA QUARESMA

Féria de 3ª Classe- Missa Própria – Estação  em S. Marcos

Os candidatos ao Batismo são convidados para o primeiro escrutínio, na quarta-feira. Refere-se toda a Missa à fôrça prodigiosa das águas batismais. Tendo uma fé humilde e obediente na palavra de Deus, seremos purificados e salvos, como Naaman (Epístola). Dos fariseus, duros de coração e orgulhosos, retira-se o Médico divino, e com isto perdem eles a sua salvação (Evangelho). Agradeçamos com os catecúmenos, termos sido escolhidos para o Reino de Deus. 


Páginas 230 a 234 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- III Domingo da Quaresma

Domingo de 1ª Classe- Missa Própria – Estação em S. Lourenço extra muros

Sete vezes eram os catecúmenos submetidos outrora, a exames sobre os conhecimentos que tinham da doutrina e sobre a sua conduta moral. Com o dia de hoje, começava a primeira semana destes “escrutínios”, feitos ordinariamente, às quartas-feiras e aos sábados. Na mesma ocasião eram-lhes feitas salutares admoestações, rezando-se sobre eles os exorcismos para expulsar o demônio (Evangelho).

Hoje os catecúmenos são apresentados a S. Lourenço, seu padroeiro. Com eles, também nós nos preparamos para receber uma vida nova. Não esqueçamos, que, devendo andar como filhos da luz, ao que nos exorta a Epístola, temos que lutar contra o espírito das trevas. E só com Jesus Cristo venceremos, pois Ele é a Luz do mundo, que ilumina a todos os homens. Só Ele podia vencer o espírito das trevas (Evangelho). Nos Cânticos e na Oração, elevamos a nossa alma ao Pai das luzes, que estenderá a Destra de sua Majestade para nos defender. Reunidos na igreja em que assistimos ao Santo Sacrifício, temos diante de nós o exemplo do santo mártir Lourenço, que, como poucos, soube dominar o espírito das trevas. Por sua intercessão seremos purificados de nossos delitos (Secreta), para a celebração do santo Mistério na terra, e para a participação em uma gloriosa Ressurreição.


Páginas 225 a 229 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Missa Rezada às 08:30 horas na Paróquia Bom Jesus.


Liturgia Diária- 14/03/2020

SÁBADO DA 2ª SEMANA DA QUARESMA

Féria de 3ª Classe- Missa Própria – Estação na igreja dos SS. Marcelino e Pedro

Os dois santos Padroeiros, embora não fossem irmãos pelo sangue, o foram na morte, pelo testemunho que deram a Cristo; e sempre foram venerados juntos. De dois pares de irmãos nos falam as Leituras: Jacó é a figura dos catecúmenos chamados para Deus pelo Batismo. O filho pródigo é a imagem dos penitentes que voltam para Deus cheios de arrependimento.


Páginas 218 a 224 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Missa às 19 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes.