Liturgia Diária- 23/03/2020

SEGUNDA-FEIRA DA 4ª SEMANA DA QUARESMA

Féria de 3ª Classe – Missa própria – Estação em SS. Quatro-Coroados

A Epístola falou-nos ontem de duas mulheres, representando uma a sinagoga e outra a Igreja. Da mesma forma se refere hoje a duas mulheres que se apresentam a Salomão. Uma, a mãe degenerada que permitiria matar a criança, é figura da sinagoga. A outra, mãe verdadeira, a Igreja, lhe quer conservar a vida. Jesus Cristo como Salomão, entrega “o filho” (a alma humana) à verdadeira mãe.


Páginas 264 a 268 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- X Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

Deus resiste aos soberbos e dá a sua graça aos humildes, eis o tema desta Missa. Todos os textos deste formulário falam-nos da virtude fundamental da vida cristã: a humildade. O Evangelho, com a parábola do fariseu e do publicano, é uma bela ilustração desta virtude. Assim instruídos, façamos nossos os sentimentos de humilde confiança na bondade de Deus, expressos nos Cânticos e nas Orações, e voltaremos justificados para as nossas casas.


Páginas 635 a 638 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Missa Rezada às 09:30 horas na Matriz da Paróquia Bom Jesus e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Diocesana.


Liturgia Diária- 03/04/2019

QUARTA-FEIRA DA 4ª SEMANA DA QUARESMA

Féria de 3ª Classe – Missa própria – Estação em S. Paulo

O dia de hoje era de grande importância para os catecúmenos. Reuniam-se junto à sepultura do grande Catequista e Doutor das gentes, S. Paulo, que, em sua conversão, foi milagrosamente curado da cegueira. Os Catecúmenos eram submetidos a novo’escrutínio e realizava-se a cerimônia da abertura dos ouvidos. (O Sacerdote tocava os ouvidos dos catecúmenos, dizendo: “Ephpheta”, isto é, abre-te, como ainda hoje diz, ao administrar o Batismo.) Em seguida, recebiam o Padre nosso, o Credo e o início dos quatro Evangelhos.

No Introito, Deus promete aos catecúmenos o Batismo e todos os outros textos a eles se referem. No fim do Evangelho nós nos ajoelhamos, seguindo o exemplo do curado, pois ele fala em nome de todos os que já receberam as águas do Batismo.


Páginas 273 a 279 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Missa às 19 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes.


Liturgia Diária- 01/04/2019

SEGUNDA-FEIRA DA 4ª SEMANA DA QUARESMA

Féria de 3ª Classe – Missa própria – Estação em SS. Quatro-Coroados

A Epístola falou-nos ontem de duas mulheres, representando uma a sinagoga e outra a Igreja. Da mesma forma se refere hoje a duas mulheres que se apresentam a Salomão. Uma, a mãe degenerada que permitiria matar a criança, é figura da sinagoga. A outra, mãe verdadeira, a Igreja, lhe quer conservar a vida. Jesus Cristo como Salomão, entrega “o filho” (a alma humana) à verdadeira mãe.


Páginas 264 a 268 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Missa às 18 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes.


Próximas Missas: clique aqui e confira.


Liturgia Diária- 03/08/2018

MISSA DA FÉRIA

Féria de 4ª Classe- Missa própria do Domingo

Os dons que recebemos de Deus não procedem de nós, mas do Espírito Santo e devem pôr-se ao serviço da Igreja e de nossos irmãos, com espírito de humildade. 

A parábola do fariseu e do publicano sublinha, de maneira simples, que não temos nada por que nos vangloriar. Há duas classes de homens, dizia Pascal: os santos, que se julgam culpáveis de todas as faltas, e os pecadores, que nunca se sentem culpados. Os primeiros são humildes; Deus os elevará, glorificando-os. Os segundos, orgulhosos; Deus os rebaixará, castigando-os. Com mais profundeza ainda, Santo Irineu define o homem como “receptáculo dos dons divinos”. Deus não se contenta com chamar à pratica dos mandamentos. Infunde o seu Espírito, que transforma as almas e lhes inspira sentimentos cristãos. 


Páginas 635 a 638 do Missal Quotidiano.


Missa às 18:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes (com Comemoração de Santo Afonso de Ligório e São Domingos).


Liturgia Diária- X Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

Os dons que recebemos de Deus não procedem de nós, mas do Espírito Santo e devem pôr-se ao serviço da Igreja e de nossos irmãos, com espírito de humildade. 

A parábola do fariseu e do publicano sublinha, de maneira simples, que não temos nada por que nos vangloriar. Há duas classes de homens, dizia Pascal: os santos, que se julgam culpáveis de todas as faltas, e os pecadores, que nunca se sentem culpados. Os primeiros são humildes; Deus os elevará, glorificando-os. Os segundos, orgulhosos; Deus os rebaixará, castigando-os. Com mais profundeza ainda, Santo Irineu define o homem como “receptáculo dos dons divinos”. Deus não se contenta com chamar à pratica dos mandamentos. Infunde o seu Espírito, que transforma as almas e lhes inspira sentimentos cristãos. 


Páginas 635 a 638 do Missal Quotidiano.


Missa Rezada às 9:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Diocesana.


Liturgia Diária- IX Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

A epístola evoca as terríveis provações que, outrora, no deserto a infidelidade de muitos israelitas atraíra sobre todo o povo. É a recordação duma premente verdade: a vocação divina é um privilégio, mas não basta para nos salvar. Torna, apenas, mais sagrados os nossos deveres de fidelidade. São paulo convida-nos a meditar neste ensinamento, que se depreende da história dos nossos antepassados. 

É a mesma lição do evangelho. Por rejeitar a mensagem de paz, que Jesus lhe dirigia, Jerusalém será completamente destruída, menos de quarenta anos após a morte do Salvador. A história do povo eleito continua-se conosco. Propaga-se a mensagem de Cristo. Ao lado daqueles que a acolhem, muitos, para perdição sua, recusam ouvi-la; e, mesmo entre aqueles que inicialmente a acolheram, a necessária prova de fidelidade fará ainda muitas destruições. Mas Deus, esse é fiel: quer a nossa salvação final e socorre-nos, no próprio momento, em que nos prova. 


Páginas 631 a 634 do Missal Quotidiano.


Missa Rezada às 9:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes e Missa Cantada às 18:30 horas na Catedral Diocesana.


Liturgia Diária- 02/02/2018

PURIFICAÇÃO DE MARIA SANTÍSSIMA

Festa de 2ª Classe- Missa Própria

A festa de hoje pretende simultaneamente celebrar a Apresentação no Templo e a Purificação da Senhora, 40 dias após o nascimento do Salvador. Enquadra-se, pois, por esta razão, no ciclo do Natal. A procissão das Candeias, que é hoje a procissão das velas, representa simbolicamente a aparição de Cristo, que é a luz do mundo, e o acolhimento que no Templo lhe fez o velho Simeão, declarando-o enviado de Deus, luz para esclarecer os povos e glória de Israel. O Templo que era centro da piedade judaica, ao receber Jesus dentro de seus muros, parece se deverá ter alargado as dimensões do universo. A subida de Jesus ao Templo é pois o tema principal da festa de hoje; mas o pensamento de Maria não se pode encontrar ausente de nenhuma das suas partes. É esta também uma das festas marianas mais antigas, senão até, a primeira de todas. Celebrou-se em Jerusalém, já no século IV, passou depois a Constantinopla e atingiu Roma, onde, no século VII, se encontra associada, no dia 2 de fevereiro, a uma procissão que parece anterior à festividade da Virgem.


Páginas 963 a 972 do Missal Quotidiano.


Missa às 18:30 na Capela São Judas Tadeu, com Benção das Velas e Procissão.


LEITURAS

Epístola (Ml 3, 1-4)


A vinda do Senhor ao seu Templo inaugura a obra da purificação e santificação que os profetas anunciaram.


Leitura do profeta Malaquias.

Eis o que diz o Senhor Deus: Vou mandar o meu mensageiro para preparar o meu caminho. E imediatamente virá ao seu templo o Senhor que buscais, o anjo da aliança que desejais. Ei-lo que vem – diz o Senhor dos exércitos. Quem estará seguro no dia de sua vinda? Quem poderá resistir quando ele aparecer? Porque ele é como o fogo do fundidor, como a lixívia dos lavadeiros. Sentar-se-á para fundir e purificar a prata; purificará os filhos de Levi e os refinará, como se refinam o ouro e a prata; então eles serão para o Senhor aqueles que apresentarão as ofertas como convêm. E a oblação de Judá e de Jerusalém será agradável ao Senhor, como nos dias antigos, como nos anos de outrora.

Evangelho (Lc 2, 22-32)


No menino que é levado ao Templo, o velho Simeão, incarnando a ansiedade de Israel, saúda o Messias Salvador do mundo, ao mesmo tempo luz das nações e glória do seu povo.


Sequência do Santo Evangelho segundo São Lucas.

Naquele tempo: Concluídos os dias da sua purificação segundo a Lei de Moisés, levaram-no a Jerusalém para o apresentar ao Senhor, conforme o que está escrito na lei do Senhor: Todo primogênito do sexo masculino será consagrado ao Senhor (Ex 13,2);
e para oferecerem o sacrifício prescrito pela lei do Senhor, um par de rolas ou dois pombinhos. Ora, havia em Jerusalém um homem chamado Simeão. Este homem, justo e piedoso, esperava a consolação de Israel, e o Espírito Santo estava nele. Fora-lhe revelado pelo Espírito Santo que não morreria sem primeiro ver o Cristo do Senhor. Impelido pelo Espírito Santo, foi ao templo. E tendo os pais apresentado o menino Jesus, para cumprirem a respeito dele os preceitos da lei, tomou-o em seus braços e louvou a Deus nestes termos: Agora, Senhor, deixai o vosso servo ir em paz, segundo a vossa palavra. Porque os meus olhos viram a vossa salvação que preparastes diante de todos os povos, como luz para iluminar as nações, e para a glória de vosso povo de Israel.