Liturgia Diária- XXIII Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

Meus pensamentos, diz o Senhor, são de paz (Introito). Nossa paz é Jesus Cristo (Epístola). Achá-la-emos seguindo o Apóstolo e afastando nos do caminho dos inimigos da Cruz do Cristo. Jesus Cristo é a nossa paz, até mesmo ali onde a dor quer perturbá-la. Ele, o Salvador, vence o sofrimento e a dor, e nos ensina também a vencê-los (Evangelho). Os Cânticos neste e em todos os domingos seguintes, exprimem fé, confiança, desejo e santa alegria pela próxima volta à casa paterna. Deus, no decorrer do Ano eclesiástico (imagem de nossa vida) nos libertou da escravidão e dos males que nos oprimiam. Nossa alma está livre do cativeiro e os nossos nomes estão escritos no livro da vida.


Páginas 709 a 712 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


APENAS Missa Cantada às 08:30 horas na Paróquia Bom Jesus.


Liturgia Diária- 03/04/2019

QUARTA-FEIRA DA 4ª SEMANA DA QUARESMA

Féria de 3ª Classe – Missa própria – Estação em S. Paulo

O dia de hoje era de grande importância para os catecúmenos. Reuniam-se junto à sepultura do grande Catequista e Doutor das gentes, S. Paulo, que, em sua conversão, foi milagrosamente curado da cegueira. Os Catecúmenos eram submetidos a novo’escrutínio e realizava-se a cerimônia da abertura dos ouvidos. (O Sacerdote tocava os ouvidos dos catecúmenos, dizendo: “Ephpheta”, isto é, abre-te, como ainda hoje diz, ao administrar o Batismo.) Em seguida, recebiam o Padre nosso, o Credo e o início dos quatro Evangelhos.

No Introito, Deus promete aos catecúmenos o Batismo e todos os outros textos a eles se referem. No fim do Evangelho nós nos ajoelhamos, seguindo o exemplo do curado, pois ele fala em nome de todos os que já receberam as águas do Batismo.


Páginas 273 a 279 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Missa às 19 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes.


Liturgia Diária- 26/09/2018

SÃO CIPRIANO, Mártir E SANTA JUSTINA, Virgem e Mártir

Comemoração- Missa “Salus autem” com orações próprias e 2ªs orações da Féria

Uma lenda singular transformou São Cipriano, bispo de Cartago, que tem a festa em 16 de setembro, num personagem totalmente diferente. Mago de Antioquia da Pisídia, depois de ter procurado em vão perverter uma jovem cristã de nome Justina, foi convertido por ela, tornou-se bispo, e acabou por ser seu companheiro de martírio. 

Liturgia Diária- 13/09/2018

MISSA DA FÉRIA

Féria de 4ª Classe- Missa do XVI Domingo depois de Pentecostes

digitalizar0001

“Divitias Christi! As riquezas de Cristo!” É o confronto consoante da nossa miséria e da infinita misericórdia do Salvador que imprime à Igreja o cunho peculiar da sua oração quando diz a Deus a imensa necessidade, que temos d’Ele, e o convite que nos faz de contemplarmos o mistério insondável das riquezas de Cristo. Ao confessar-se impotente para medir a amplitude infinita destas riquezas, é a totalidade da obra redentora que São Paulo evoca para glorificar a Deus e convidar-nos a abrir a alma às graças que Deus nos destina. A morte redentora de Cristo, o dom do Espírito, a Igreja, as Sagradas Escrituras, os sacramentos, são tesouros insondáveis da vida divina, que devem transformar a nossa. 

Pobreza e riqueza. O homem por si nada é, mas Deus tudo lhe deu ao dar-lhe o próprio Filho. A nossa atitude, por conseguinte, em plena sujeição a Deus, deve ser simultaneamente penetrada de gratidão e alegria. A humilde nobreza cristã encontra aqui a sua justificação e o seu segredo.


Liturgia Diária- XVI Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

digitalizar0001

“Divitias Christi! As riquezas de Cristo!” É o confronto consoante da nossa miséria e da infinita misericórdia do Salvador que imprime à Igreja o cunho peculiar da sua oração quando diz a Deus a imensa necessidade, que temos d’Ele, e o convite que nos faz de contemplarmos o mistério insondável das riquezas de Cristo. Ao confessar-se impotente para medir a amplitude infinita destas riquezas, é a totalidade da obra redentora que São Paulo evoca para glorificar a Deus e convidar-nos a abrir a alma às graças que Deus nos destina. A morte redentora de Cristo, o dom do Espírito, a Igreja, as Sagradas Escrituras, os sacramentos, são tesouros insondáveis da vida divina, que devem transformar a nossa. 

Pobreza e riqueza. O homem por si nada é, mas Deus tudo lhe deu ao dar-lhe o próprio Filho. A nossa atitude, por conseguinte, em plena sujeição a Deus, deve ser simultaneamente penetrada de gratidão e alegria. A humilde nobreza cristã encontra aqui a sua justificação e o seu segredo.


Páginas 661 a 665 do Missal Quotidiano.


Missa Rezada às 9:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Santa Terezinha.


Liturgia Diária- XIII Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

“É a fé que salva” – expressão familiar duma verdade experimental. No plano da vida cristã, donde a fé nos vem, é a afirmação insistente duma verdade essencial: a verdadeira salvação, a que nos salva para a vida eterna, não pode vir-nos senão de Deus. É obra divina, em que devemos crer.

A missa deste domingo lembra-nos que todas as nossas esperanças repousam na realização das promessas, que se resumem numa só. Quando Deus se deu a conhecer a Abraão, comprometeu-se a abençoar-lhe a raça, a multiplicá-la como as estrelas do céu e a areia do mar, e afazer nascer dele Aquele que seria a salvação de todos, Cristo. Todas as promessas divinas conduzem a Cristo: ninguém pode salvar-se fora d’Ele. 

Fé em Cristo, fé nas promessas divinas, tal deve ser, portanto, a nossa atitude perante a revelação. Não se trata dum sentimento fugaz, mas duma convicção fundada num pacto: Deus comprometeu-se a salvar os homens pelo seu Filho. Ainda na prática dos mandamentos, toda a nossa vida deve ser uma resposta a Deus, que nos salva, um consentimento ao seu amor, uma adesão a Cristo,


Páginas 648 a 651 do Missal Quotidiano.


Missa Rezada às 9:30 horas na Paróquia Bom Jesus (Matriz) e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Diocesana.


Liturgia Diária- XI Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

“Ephpheta!” Abre-te boca muda! Abre-te boca cristã para proclamar a tua fé.

Os milagres do Salvador são algo mais que sinal de poder e bondade; são também o símbolo do que se passa, pela graça, no íntimo das almas. O “Effeta” que curou o surdo-mudo, repete-o a Igreja a cada um de nós, no batismo: “abre-te”. É missão da Igreja, como de Jesus, abrir-nos para as coisas de Deus. A catequese cristã, transmitida fielmente desde os Apóstolos, ensina-nos que devemos crer, primeiramente, na morte redentora de Cristo e na sua ressurreição, – base da nossa fé. É a boa nova da salvação, que a Igreja não se cansa de pregar por todo o mundo; o acesso a Deus, concedido ao homem pela expulsão de Satã, e a vitória de Cristo sobre o pecado e a morte. 

A missa faz-nos cantar a onipotência e a bondade infinita de Deus, que, depois de ter salvo o seu povo, o reúne em sua Igreja e o reconforta com a sua proteção. 


Páginas 639 a 642 do Missal Quotidiano.


Missa Rezada às 9:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Diocesana.


LEITURAS

Introito (Sl 67, 6-7. 36. 2)

Deus, que habita no seu santuário, o Deus que faz que os homens habitem na mesma casa [a Igreja], Ele mesmo dará coragem e fortaleza ao seu povo. Sl. Levantai-Vos, Senhor, e destruí os vossos inimigos, afastai para longe os que Vos odeiam. Glória ao Pai. 

Coleta


Não há talvez oração mais bela que esta, que, ao situar-nos perante o abismo insondável da bondade divina, a implora e no-la faz contemplar. 


Ó Deus eterno e onipotente, cuja infinita bondade excede em muito os nossos merecimentos e desejos, derramai sobre nós a vossa misericórdia e, perdoando-nos os pecados que assistam a nossa consciência, dai-nos o que não ousamos esperar da pobreza das nossas orações. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Epístola (1 Cor 15,1-10)


No pensamento de São Paulo, a ressurreição de Cristo tudo alicerça: se Ele não ressuscitou, a sua obra é um fracasso; se ressuscitou, ressuscitaremos com Ele.


Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Coríntios.

Irmãos, quero lembrar-vos o Evangelho que vos anunciei e que recebestes, e no qual estais firmes.  Por ele sois salvos, se o estais guardando tal qual ele vos foi anunciado. A menos que tenhais abraçado a fé em vão… De fato, eu vos transmiti, antes de tudo, o que eu mesmo tinha recebido, a saber: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, foi sepultado e, ao terceiro dia, foi ressuscitado, segundo as Escrituras; e apareceu a Cefas e, depois aos Doze. Mais tarde, apareceu a mais de quinhentos irmãos de uma vez. Destes, a maioria ainda vive e alguns já morreram.   Depois, apareceu a Tiago depois, a todos os apóstolos; por último, apareceu também a mim, que sou como um aborto. Pois eu sou o menor dos apóstolos, nem mereço o nome de apóstolo, pois eu persegui a Igreja de Deus. É pela graça de Deus que sou o que sou. E a graça que ele reservou para mim não foi estéril; a prova é que tenho trabalhado mais que todos eles, não propriamente eu, mas a graça de Deus comigo.

Gradual (Sl 27, 7. 1)

Esperou o meu coração no Senhor e fui socorrido. A minha carne refloriu de esperança e a minha alma transbordou de cânticos ao Senhor. V. Clamei, Senhor, por Vós! Respondei, ó meu Deus, e não Vos aparteis de mim.

Aleluia (Sl 80, 2-3)

Aleluia, aleluia. V. Cantai um cântico de alegria ao Senhor que nos salvou; dai glória ao Deus de Jacó; Arrancai da cítara um hino suavíssimo. Aleluia.

Evangelho (Mc 7,31-37)


Tanto a cura do surdo-mudo, como a história das misericórdias divinas em relação a cada um de nós, se resumem no batismo, que nos abriu o espírito e o coração às coisas de Deus.


Sequência do Santo Evangelho segundo São Lucas.

Naquele tempo, Jesus deixou de novo a região de Tiro, passou por Sidônia e continuou até o mar da Galileia, atravessando a região da Decápole. Trouxeram-lhe, então, um homem que era surdo e mal podia falar, e pediram que impusesse as mãos sobre ele. Levando-o à parte, longe da multidão, Jesus pôs os dedos nos seus ouvidos, cuspiu, e com a saliva tocou-lhe a língua. Olhando para o céu, suspirou e disse: “Efatá!” (que quer dizer: “Abre-te”). Imediatamente, os ouvidos do homem se abriram, sua língua soltou-se e ele começou a falar corretamente. Jesus recomendou, com insistência, que não contassem o ocorrido para ninguém. Contudo, quanto mais ele insistia, mais eles o anunciavam. Cheios de grande admiração, diziam: “Tudo ele tem feito bem. Faz os surdos ouvirem e os mudos falarem”.

Ofertório (Sl 29, 2-3)

Louvar-Vos-ei, Senhor, porque me protegestes e não consentistes que se rissem de mim os meus inimigos. Senhor, clamei por Vós e curastes-me.

Secreta

Olhai, Senhor, com misericórdia o nosso ministério e dignai-Vos aceitar as nossas ofertas para que sirvam de escudo à nossa fragilidade. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Comunhão (Prov 3, 9-10)

Honra o Senhor com o que tens e com as primícias dos teus frutos. Encher-se-ão de abundância os teus celeiros e os teus lagares transbordarão de vinho.

Pós-comunhão

Nós Vos suplicamos, Senhor, a graça de sentir com a recepção deste sacramento um acréscimo de força no corpo e na alma, para que, salvando-os ambos, nos gloriemos da plenitude dese celestial remédio. Por Cristo Nosso Senhor.


PARTITURAS E ÁUDIOS

Liturgia Diária- III Domingo depois da Epifania

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

Proclamando a glória e a realeza universal de Cristo, as partes cantáveis são um convite à adoração. Neste sentido, a liturgia do Tempo da Epifania, relaciona-se estreitamente com a do Natal. 

Mas as orações têm caráter mais geral. Como as do Tempo depois de Pentecostes, elas são a expressão da prece cristã, nas suas necessidades, e evidenciam as suas disposições habituais sem relação direta com alguma festa ou mistério particular. O mesmo, quanto à epístola e evangelho. 

A epístola insiste no tema da do domingo anterior, a saber, no espírito que deve animar os crentes com relação aos outros homens, quem quer que sejam: busca da paz e do bem, que nada faz descoroçoar, nem mesmo o mal. O evangelho convida-nos à confiança, por muito miseráveis que sejamos ou por mais afastados que nos encontremos de Deus: um leproso é purificado da lepra, símbolo do pecado; um oficial romano obtém a cura do seu criado. O elogia da fé dum centurião culmina numa declaração solene, em que Jesus proclama o acesso de todos os povos à salvação. 


Páginas 105 a 107 do Missal Quotidiano.


Missa Rezada às 9:30 horas na Capela São Judas Tadeu e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Diocesana.


PRÓPRIO DO DIA

Introito (Salmo 96, 7-8, 1)

Anjos de Deus, adorai todos ao Senhor: Sião ouviu isto, e alegrou-se; e as filhas de Judá estremeceram de alegria. Sl. O Senhor é o rei. Que a Terra rejubile, e todas as ilhas do mar se alegrem.

Coleta

Senhor eterno e onipotente, tende piedade da nossa fraqueza, e estendei, para nos proteger, a destra da vossa majestade. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Epístola (Rm 12, 16-21)


Interpretação prática do mandamento do Senhor: amai-vos uns aos outros; amai os vossos inimigos, fazei bem àquele que vos odeiam.


Leitura da Epístola de São Paulo aos Romanos.

Irmãos: Não sejais sábios aos vossos próprios olhos. Não pagueis a ninguém o mal com o mal. Aplicai-vos a fazer o bem diante de todos os homens. Se for possível, quanto depender de vós, vivei em paz com todos os homens. Não vos vingueis uns aos outros, caríssimos, mas deixai agir a ira de Deus, porque está escrito: A mim a vingança; a mim exercer a justiça, diz o Senhor (Dt 32,35). Se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber. Procedendo assim, amontoarás carvões em brasa sobre a sua cabeça (Pr 25,21s). Não te deixes vencer pelo mal, mas triunfa do mal com o bem.

Evangelho (Mt 8, 1-13)


Ninguém é excluído da salvação, que Jesus trouxe ao mundo. Os israelitas deveriam ser os primeiros a beneficiar-se dela. Mas todos os povos têm acesso a ela, todos os crentes, venham eles donde vierem.


Sequência do Santo Evangelho segundo São Mateus.

Naquele Tempo: Tendo Jesus descido da montanha, uma grande multidão o seguiu. Eis que um leproso aproximou-se e prostrou-se diante dele, dizendo: Senhor, se queres, podes curar-me. Jesus estendeu a mão, tocou-o e disse: Eu quero, sê curado. No mesmo instante, a lepra desapareceu. Jesus então lhe disse: Vê que não o digas a ninguém. Vai, porém, mostrar-te ao sacerdote e oferece o dom prescrito por Moisés em testemunho de tua cura. Entrou Jesus em Cafarnaum. Um centurião veio a ele e lhe fez esta súplica: Senhor, meu servo está em casa, de cama, paralítico, e sofre muito. Disse-lhe Jesus: Eu irei e o curarei. Respondeu o centurião: Senhor, eu não sou digno de que entreis em minha casa. Dizei uma só palavra e meu servo será curado. Pois eu também sou um subordinado e tenho soldados às minhas ordens. Eu digo a um: Vai, e ele vai; a outro: Vem, e ele vem; e a meu servo: Faze isto, e ele o faz… Ouvindo isto, cheio de admiração, disse Jesus aos presentes: Em verdade vos digo: não encontrei semelhante fé em ninguém de Israel. Por isso, eu vos declaro que multidões virão do Oriente e do Ocidente e se assentarão no Reino dos céus com Abraão, Isaac e Jacó, enquanto os filhos do Reino serão lançados nas trevas exteriores, onde haverá choro e ranger de dentes. Depois, dirigindo-se ao centurião, disse: Vai, seja-te feito conforme a tua fé. Na mesma hora o servo ficou curado.

Ofertório (Salmo 129, 1-2)

Do fundo do abismo clamei por Vós, Senhor; Senhor, ouvi a minha oração. Do fundo do abismo chamei por Vós, Senhor.

Secreta

Fazei, Senhor, que esta oblação nos lave dos nossos pecados, e nos santifique a alma e o corpo pra celebrarmos este sacrifício. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Comunhão (Marcos 11, 24)

Em verdade vos digo que tudo o que pedirdes na oração, crede que o recebereis e que vos será concedido. 

Pós-comunhão

Senhor, que nos enriquecestes com o privilégio de tamanhos mistérios, dai-nos a graça de recolher em verdade, o fruto que encerram. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.


PARTITURAS E ÁUDIOS

 

 

Liturgia Diária-XXIII Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

O Tempo depois de Pentecostes é o símbolo da longa peregrinação da Igreja pela Terra. Os últimos domingos do ano litúrgico, como últimas etapas, evocam o fim dos tempos.

O próprio Senhor anuncia que o fim do mundo será assinalado por grandes cataclismos e por uma recrudescência do mal, e que a caridade de muitos há de resfriar. Parece que a Igreja verá, então, abater-se sobre si pesadas provações. Ao propor estas perspectivas de males e de lutas, a liturgia esforça-se por nos despertar sentimentos de confiança. O introito assegura-nos que os pensamentos do Senhor não são de vingança, mas de paz. A epístola lembra a invencível esperança, que anima o cristão, à espera do dia em que Cristo virá transformar “o nosso corpo de miséria num corpo semelhante ao seu, de glória”. O evangelho é uma dupla narrativa de cura e ressurreição.


Páginas 709 a 712 do Missal Quotidiano.


Missa APENAS às 15:30 horas na Catedral Diocesana.


LEITURAS

Epístola (Fil 3, 17-21; 4, 1-3)


Devemos desapegar-nos das coisas da terra e caminhar para as do Céu, para onde Cristo nos chama a partilhar da sua glória, numa transformação completa de todo o nosso ser.


Leitura da epístola de São Paulo Apóstolo aos Filipenses. 

Irmãos, sede meus imitadores, e olhai atentamente para os que vivem segundo o exemplo que nós vos damos. Porque há muitos por aí, de quem repetidas vezes vos tenho falado e agora o digo chorando, que se portam como inimigos da cruz de Cristo, cujo destino é a perdição, cujo deus é o ventre, para quem a própria ignomínia é causa de envaidecimento, e só têm prazer no que é terreno. Nós, porém, somos cidadãos dos céus. É de lá que ansiosamente esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará nosso mísero corpo, tornando-o semelhante ao seu corpo glorioso, em virtude do poder que tem de sujeitar a si toda criatura. Portanto, meus muito amados e saudosos irmãos, alegria e coroa minha, continuai assim firmes no Senhor, caríssimos. Exorto a Evódia, exorto igualmente a Síntique que vivam em paz no Senhor. E a ti, fiel Sínzigo, também rogo que as ajudes, pois que trabalharam comigo no Evangelho, com Clemente e com os demais colaboradores meus, cujos nomes estão inscritos no livro da vida.

Evangelho (Mt 9, 18-26)


Símbolo da ressurreição espiritual das almas, os milagres de cura e ressurreição, realizados por Jesus, são também o prenúncio da ressurreição corporal.


Sequência do Santo Evangelho segundo Mateus.

Naquele tempo, falava Jesus ao povo, quando se apresentou um chefe da sinagoga. Prostrou-se diante dele e lhe disse: Senhor, minha filha acaba de morrer. Mas vem, impõe-lhe as mãos e ela viverá. Jesus levantou-se e o foi seguindo com seus discípulos. Ora, uma mulher atormentada por um fluxo de sangue, havia doze anos, aproximou-se dele por trás e tocou-lhe a orla do manto. Dizia consigo: Se eu somente tocar na sua vestimenta, serei curada. Jesus virou-se, viu-a e disse-lhe: Tem confiança, minha filha, tua fé te salvou. E a mulher ficou curada instantaneamente. Chegando à casa do chefe da sinagoga, viu Jesus os tocadores de flauta e uma multidão alvoroçada. Disse-lhes: Retirai-vos, porque a menina não está morta; ela dorme. Eles, porém, zombavam dele. Tendo saído a multidão, ele entrou, tomou a menina pela mão e ela levantou-se. Esta notícia espalhou-se por toda a região.

 

Liturgia Diária- 26/09/2017

SÃO CIPRIANO, Mártir E SANTA JUSTINA, Virgem e Mártir

Comemoração- Missa da Féria com orações próprias

Uma lenda singular transformou São Cipriano, bispo de Cartago, que tem a festa em 16 de setembro, num personagem totalmente diferente. Mago de Antioquia da Pisídia, depois de ter procurado em vão perverter uma jovem cristã de nome Justina, foi convertido por ela, tornou-se bispo, e acabou por ser seu companheiro de martírio. 

LEITURAS

Epístola (Ef 3, 13-21)


Em meio dos trabalhos, São Paulo sonha nas riquezas do mistério de Cristo, que se encarregou de dar a conhecer ao mundo. A sua oração torna-se cântico de ação de graças.


Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Efésios.  

Irmãos: Por isso vos rogo que não desfaleçais nas minhas tribulações que sofro por vós: elas são a vossa glória. Por esta causa dobro os joelhos em presença do Pai, ao qual deve a sua existência toda família no céu e na terra, para que vos conceda, segundo seu glorioso tesouro, que sejais poderosamente robustecidos pelo seu Espírito em vista do crescimento do vosso homem interior. Que Cristo habite pela fé em vossos corações, arraigados e consolidados na caridade, a fim de que possais, com todos os cristãos, compreender qual seja a largura, o comprimento, a altura e a profundidade, isto é, conhecer a caridade de Cristo, que desafia todo o conhecimento, e sejais cheios de toda a plenitude de Deus. Àquele que, pela virtude que opera em nós, pode fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou entendemos, a ele seja dada glória na Igreja, e em Cristo Jesus, por todas as gerações de eternidade. Amém.

Evangelho (Lc 14, 1-11)


A cura do hidrópico dá a Jesus ensejo de desmascarar a pior das misérias: um imenso orgulho, que urge curar.


Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas.

Naquele tempo: Jesus entrou num sábado em casa de um fariseu notável, para uma refeição; eles o observavam. Havia ali um homem hidrópico. Jesus dirigiu-se aos doutores da lei e aos fariseus: É permitido ou não fazer curas no dia de sábado? Eles nada disseram. Então Jesus, tomando o homem pela mão, curou-o e despediu-o. Depois, dirigindo-se a eles, disse: Qual de vós que, se lhe cair o jumento ou o boi num poço, não o tira imediatamente, mesmo em dia de sábado? A isto nada lhe podiam replicar. Observando também como os convivas escolhiam os primeiros lugares, propôs-lhes a seguinte parábola: Quando fores convidado às bodas, não te sentes no primeiro lugar, pois pode ser que seja convidada outra pessoa de mais consideração do que tu, e vindo o que te convidou, te diga: Cede o lugar a este. Terias então a confusão de dever ocupar o último lugar. Mas, quando fores convidado, vai tomar o último lugar, para que, quando vier o que te convidou, te diga: Amigo, passa mais para cima. Então serás honrado na presença de todos os convivas. Porque todo aquele que se exaltar será humilhado, e todo aquele que se humilhar será exaltado.

Liturgia Diária- 25/09/2017

MISSA DA FÉRIA

Féria de 4ª Classe- Missa comum do XVI domingo depois de Pentecostes

digitalizar0001

“Divitias Christi! As riquezas de Cristo!” É o confronto constante da nossa miséria e da infinita misericórdia do Salvador que imprime à Igreja o cunho peculiar da sua oração, quando diz a Deus a imensa necessidade que temos d’Ele e o convite que nos faz de contemplarmos o mistério insondável das riquezas de Cristo. Ao confessar-se impotente para medir a amplitude infinita destas riquezas, é a totalidade da obra redentora que São Paulo evoca para glorificar a Deus e convidar-nos a abrir a alma às graças que Deus nos destina. A morte redentora de Cristo, o dom do Espírito, a Igreja, as Sagradas Escrituras, os sacramentos, são tesouros insondáveis da vida divina, que devem transformar a nossa. 

Pobreza e riqueza. O homem por si nada é, mas Deus tudo lhe deu ao dar-lhe o próprio Filho. A nossa atitude, por conseguinte, em plena sujeição a Deus, deve ser simultaneamente penetrada de gratidão e alegria. A humilde nobreza cristã encontra aqui a sua justificação e o seu segredo.

LEITURAS

Epístola (Ef 3, 13-21)


Em meio dos trabalhos, São Paulo sonha nas riquezas do mistério de Cristo, que se encarregou de dar a conhecer ao mundo. A sua oração torna-se cântico de ação de graças.


Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Efésios.  

Irmãos: Por isso vos rogo que não desfaleçais nas minhas tribulações que sofro por vós: elas são a vossa glória. Por esta causa dobro os joelhos em presença do Pai, ao qual deve a sua existência toda família no céu e na terra, para que vos conceda, segundo seu glorioso tesouro, que sejais poderosamente robustecidos pelo seu Espírito em vista do crescimento do vosso homem interior. Que Cristo habite pela fé em vossos corações, arraigados e consolidados na caridade, a fim de que possais, com todos os cristãos, compreender qual seja a largura, o comprimento, a altura e a profundidade, isto é, conhecer a caridade de Cristo, que desafia todo o conhecimento, e sejais cheios de toda a plenitude de Deus. Àquele que, pela virtude que opera em nós, pode fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou entendemos, a ele seja dada glória na Igreja, e em Cristo Jesus, por todas as gerações de eternidade. Amém.

Evangelho (Lc 14, 1-11)


A cura do hidrópico dá a Jesus ensejo de desmascarar a pior das misérias: um imenso orgulho, que urge curar.


Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas.

Naquele tempo: Jesus entrou num sábado em casa de um fariseu notável, para uma refeição; eles o observavam. Havia ali um homem hidrópico. Jesus dirigiu-se aos doutores da lei e aos fariseus: É permitido ou não fazer curas no dia de sábado? Eles nada disseram. Então Jesus, tomando o homem pela mão, curou-o e despediu-o. Depois, dirigindo-se a eles, disse: Qual de vós que, se lhe cair o jumento ou o boi num poço, não o tira imediatamente, mesmo em dia de sábado? A isto nada lhe podiam replicar. Observando também como os convivas escolhiam os primeiros lugares, propôs-lhes a seguinte parábola: Quando fores convidado às bodas, não te sentes no primeiro lugar, pois pode ser que seja convidada outra pessoa de mais consideração do que tu, e vindo o que te convidou, te diga: Cede o lugar a este. Terias então a confusão de dever ocupar o último lugar. Mas, quando fores convidado, vai tomar o último lugar, para que, quando vier o que te convidou, te diga: Amigo, passa mais para cima. Então serás honrado na presença de todos os convivas. Porque todo aquele que se exaltar será humilhado, e todo aquele que se humilhar será exaltado.

Liturgia Diária- XVI Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

digitalizar0001

“Divitias Christi! As riquezas de Cristo!” É o confronto constante da nossa miséria e da infinita misericórdia do Salvador que imprime à Igreja o cunho peculiar da sua oração, quando diz a Deus a imensa necessidade que temos d’Ele e o convite que nos faz de contemplarmos o mistério insondável das riquezas de Cristo. Ao confessar-se impotente para medir a amplitude infinita destas riquezas, é a totalidade da obra redentora que São Paulo evoca para glorificar a Deus e convidar-nos a abrir a alma às graças que Deus nos destina. A morte redentora de Cristo, o dom do Espírito, a Igreja, as Sagradas Escrituras, os sacramentos, são tesouros insondáveis da vida divina, que devem transformar a nossa. 

Pobreza e riqueza. O homem por si nada é, mas Deus tudo lhe deu ao dar-lhe o próprio Filho. A nossa atitude, por conseguinte, em plena sujeição a Deus, deve ser simultaneamente penetrada de gratidão e alegria. A humilde nobreza cristã encontra aqui a sua justificação e o seu segredo.


Páginas 661 a 665 do Missal Quotidiano.


Missa na Capela São Judas Tadeu às 09:30 horas (Missa Rezada) e na Sé Catedral às 15:30 horas (Missa Cantada).


LEITURAS

Epístola (Ef 3, 13-21)


Em meio dos trabalhos, São Paulo sonha nas riquezas do mistério de Cristo, que se encarregou de dar a conhecer ao mundo. A sua oração torna-se cântico de ação de graças.


Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Efésios.  

Irmãos: Por isso vos rogo que não desfaleçais nas minhas tribulações que sofro por vós: elas são a vossa glória. Por esta causa dobro os joelhos em presença do Pai, ao qual deve a sua existência toda família no céu e na terra, para que vos conceda, segundo seu glorioso tesouro, que sejais poderosamente robustecidos pelo seu Espírito em vista do crescimento do vosso homem interior. Que Cristo habite pela fé em vossos corações, arraigados e consolidados na caridade, a fim de que possais, com todos os cristãos, compreender qual seja a largura, o comprimento, a altura e a profundidade, isto é, conhecer a caridade de Cristo, que desafia todo o conhecimento, e sejais cheios de toda a plenitude de Deus. Àquele que, pela virtude que opera em nós, pode fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou entendemos, a ele seja dada glória na Igreja, e em Cristo Jesus, por todas as gerações de eternidade. Amém.

Evangelho (Lc 14, 1-11)


A cura do hidrópico dá a Jesus ensejo de desmascarar a pior das misérias: um imenso orgulho, que urge curar.


Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas.

Naquele tempo: Jesus entrou num sábado em casa de um fariseu notável, para uma refeição; eles o observavam. Havia ali um homem hidrópico. Jesus dirigiu-se aos doutores da lei e aos fariseus: É permitido ou não fazer curas no dia de sábado? Eles nada disseram. Então Jesus, tomando o homem pela mão, curou-o e despediu-o. Depois, dirigindo-se a eles, disse: Qual de vós que, se lhe cair o jumento ou o boi num poço, não o tira imediatamente, mesmo em dia de sábado? A isto nada lhe podiam replicar. Observando também como os convivas escolhiam os primeiros lugares, propôs-lhes a seguinte parábola: Quando fores convidado às bodas, não te sentes no primeiro lugar, pois pode ser que seja convidada outra pessoa de mais consideração do que tu, e vindo o que te convidou, te diga: Cede o lugar a este. Terias então a confusão de dever ocupar o último lugar. Mas, quando fores convidado, vai tomar o último lugar, para que, quando vier o que te convidou, te diga: Amigo, passa mais para cima. Então serás honrado na presença de todos os convivas. Porque todo aquele que se exaltar será humilhado, e todo aquele que se humilhar será exaltado.

 

Liturgia Diária- 09/09/2017

SÃO GORGÓNIO, Mártir

Comemoração – Missa da Féria com orações da Missa “Laetabitur”

f384b35accaa2ac593c1fd2d6d725400

São Gorgónio de Nicomédia era um cristão mártir, parte do Gorgonius grupo, Pedro cubicularius e Doroteu, que morreu em 304 dC em Nicomédia , durante a perseguição do imperador Diocleciano . De acordo com Lactâncio e Eusébio , Gorgonius detinha uma posição alta na casa do imperador. Quando começou a perseguição ele foi conseqüentemente entre o primeiro a ser cobrado, e com os seus companheiros, Pedro, Doroteu e vários outros, foi submetido à mais terrível tormentos e finalmente estrangulado.

Diocleciano, desejando para expor os cristãos em sua casa, ordenou que todos a pagar homenagem aos deuses romanos ; se eles se recusassem, seriam expostos como cristãos. O primeiro a ser exposto foi mordomo de Diocleciano, Peter, de sobrenome cubicularius (“valet, camareiro”), que foi enforcado, sua carne arrancada de seus ossos. Dois cristãos, Doroteu, uma imperial chamberlain e Gorgonius, um oficial do exército, protestaram este tratamento, e também foram martirizados, juntamente com outro funcionário, chamado Migdonius. Enquanto isso, Pedro foi fervida ou queimados vivos , ou “assado em um campo de futebol”. Diocleciano, determinou que seus corpos não devem receber as honras que os primeiros cristãos deram as relíquias dos mártires, ordenou que eles fossem lançados ao mar. Os cristãos, no entanto, obteve a posse deles e depois o corpo de Gorgonius foi levado para Roma.

LEITURAS

 

Epístola (Gl 3, 16-22)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Gálatas.
 
Irmãos: As promessas foram feitas a Abraão e à sua descendência. [A Escritura] não diz: “E aos descendentes” como se fossem haver muitos, mas: “e à tua descendência”, como se não houvesse mais do que um, – que é Cristo. O que eu quero dizer é isto: Tendo a Aliança sido confirmada por Deus, a Lei, vinda quatrocentos anos depois, não a pode anular, de modo a abolir a promessa. Porque, se é pela Lei que vem a herança, já não vem pela promessa. Ora, pela promessa é que Deus a deu a Abraão. Para que então a Lei? Foi imposta, provocando as transgressões, até que viesse a descendência [de Abraão], a quem tinha sido destinada a promessa; foi promulgada pelos Anjos, com o concurso de um mediador [Moisés]: Ora o mediador não o pode ser de um só, ao passo que Deus é único. Vai estar, então, a Lei contra as promessas de Deus? De maneira nenhuma: Porque se fosse dada uma Lei que pudesse dar a vida, a santidade viria certamente da Lei. A Escritura, porém, encerrou tudo sob o domínio do pecado, para que, pela fé em Jesus Cristo, a promessa fosse dada aos crentes.

Evangelho (Lc 17, 11-19)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas .
 
Naquele tempo: Indo Jesus de viagem para Jerusalém, atravessou a Samaria e a Galileia. Ao entrar numa aldeia, vieram-Lhe ao encontro dez leprosos. Tendo parado a uma certa distância, ergueram a voz, dizendo: “Jesus, Mestre, tende compaixão de nós!” Ao vê-los, disse-lhes: “Ide mostrar-vos aos sacerdotes.” Ora, aconteceu que, no caminho, ficaram curados! Um deles ao ver-se curado, voltou, glorificando a Deus em voz alta, vindo prostrar-se aos pés de Jesus, e agradecendo-Lhe. E este era um samaritano! Jesus, porém, observou-lhe: “Mas então não foram curados todos os dez? Onde estão os outros nove? Não se achou, pois, quem voltasse e desse glória a Deus, senão este estrangeiro!” Depois, disse para ele: “Levanta-te e vai; a tua fé te salvou.”

 

Liturgia Diária- 07/09/2017

MISSA DA FÉRIA

Féria de 4ª Classe- Missa comum do Domingo


LEITURAS

Epístola (Gl 3, 16-22)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Gálatas.
 
Irmãos: As promessas foram feitas a Abraão e à sua descendência. [A Escritura] não diz: “E aos descendentes” como se fossem haver muitos, mas: “e à tua descendência”, como se não houvesse mais do que um, – que é Cristo. O que eu quero dizer é isto: Tendo a Aliança sido confirmada por Deus, a Lei, vinda quatrocentos anos depois, não a pode anular, de modo a abolir a promessa. Porque, se é pela Lei que vem a herança, já não vem pela promessa. Ora, pela promessa é que Deus a deu a Abraão. Para que então a Lei? Foi imposta, provocando as transgressões, até que viesse a descendência [de Abraão], a quem tinha sido destinada a promessa; foi promulgada pelos Anjos, com o concurso de um mediador [Moisés]: Ora o mediador não o pode ser de um só, ao passo que Deus é único. Vai estar, então, a Lei contra as promessas de Deus? De maneira nenhuma: Porque se fosse dada uma Lei que pudesse dar a vida, a santidade viria certamente da Lei. A Escritura, porém, encerrou tudo sob o domínio do pecado, para que, pela fé em Jesus Cristo, a promessa fosse dada aos crentes.

Evangelho (Lc 17, 11-19)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas .
 
Naquele tempo: Indo Jesus de viagem para Jerusalém, atravessou a Samaria e a Galileia. Ao entrar numa aldeia, vieram-Lhe ao encontro dez leprosos. Tendo parado a uma certa distância, ergueram a voz, dizendo: “Jesus, Mestre, tende compaixão de nós!” Ao vê-los, disse-lhes: “Ide mostrar-vos aos sacerdotes.” Ora, aconteceu que, no caminho, ficaram curados! Um deles ao ver-se curado, voltou, glorificando a Deus em voz alta, vindo prostrar-se aos pés de Jesus, e agradecendo-Lhe. E este era um samaritano! Jesus, porém, observou-lhe: “Mas então não foram curados todos os dez? Onde estão os outros nove? Não se achou, pois, quem voltasse e desse glória a Deus, senão este estrangeiro!” Depois, disse para ele: “Levanta-te e vai; a tua fé te salvou.”

 

Liturgia Diária- 06/09/2017

MISSA DA FÉRIA

Féria de 4ª Classe- Missa comum do Domingo


 

LEITURAS

Epístola (Gl 3, 16-22)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Gálatas.
 
Irmãos: As promessas foram feitas a Abraão e à sua descendência. [A Escritura] não diz: “E aos descendentes” como se fossem haver muitos, mas: “e à tua descendência”, como se não houvesse mais do que um, – que é Cristo. O que eu quero dizer é isto: Tendo a Aliança sido confirmada por Deus, a Lei, vinda quatrocentos anos depois, não a pode anular, de modo a abolir a promessa. Porque, se é pela Lei que vem a herança, já não vem pela promessa. Ora, pela promessa é que Deus a deu a Abraão. Para que então a Lei? Foi imposta, provocando as transgressões, até que viesse a descendência [de Abraão], a quem tinha sido destinada a promessa; foi promulgada pelos Anjos, com o concurso de um mediador [Moisés]: Ora o mediador não o pode ser de um só, ao passo que Deus é único. Vai estar, então, a Lei contra as promessas de Deus? De maneira nenhuma: Porque se fosse dada uma Lei que pudesse dar a vida, a santidade viria certamente da Lei. A Escritura, porém, encerrou tudo sob o domínio do pecado, para que, pela fé em Jesus Cristo, a promessa fosse dada aos crentes.

Evangelho (Lc 17, 11-19)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas .
 
Naquele tempo: Indo Jesus de viagem para Jerusalém, atravessou a Samaria e a Galileia. Ao entrar numa aldeia, vieram-Lhe ao encontro dez leprosos. Tendo parado a uma certa distância, ergueram a voz, dizendo: “Jesus, Mestre, tende compaixão de nós!” Ao vê-los, disse-lhes: “Ide mostrar-vos aos sacerdotes.” Ora, aconteceu que, no caminho, ficaram curados! Um deles ao ver-se curado, voltou, glorificando a Deus em voz alta, vindo prostrar-se aos pés de Jesus, e agradecendo-Lhe. E este era um samaritano! Jesus, porém, observou-lhe: “Mas então não foram curados todos os dez? Onde estão os outros nove? Não se achou, pois, quem voltasse e desse glória a Deus, senão este estrangeiro!” Depois, disse para ele: “Levanta-te e vai; a tua fé te salvou.”

 

Liturgia Diária- 04/09/2017

MISSA DA FÉRIA

Féria de 4ª Classe- Missa comum do Domingo


 

LEITURAS

Epístola (Gl 3, 16-22)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Gálatas.
 
Irmãos: As promessas foram feitas a Abraão e à sua descendência. [A Escritura] não diz: “E aos descendentes” como se fossem haver muitos, mas: “e à tua descendência”, como se não houvesse mais do que um, – que é Cristo. O que eu quero dizer é isto: Tendo a Aliança sido confirmada por Deus, a Lei, vinda quatrocentos anos depois, não a pode anular, de modo a abolir a promessa. Porque, se é pela Lei que vem a herança, já não vem pela promessa. Ora, pela promessa é que Deus a deu a Abraão. Para que então a Lei? Foi imposta, provocando as transgressões, até que viesse a descendência [de Abraão], a quem tinha sido destinada a promessa; foi promulgada pelos Anjos, com o concurso de um mediador [Moisés]: Ora o mediador não o pode ser de um só, ao passo que Deus é único. Vai estar, então, a Lei contra as promessas de Deus? De maneira nenhuma: Porque se fosse dada uma Lei que pudesse dar a vida, a santidade viria certamente da Lei. A Escritura, porém, encerrou tudo sob o domínio do pecado, para que, pela fé em Jesus Cristo, a promessa fosse dada aos crentes.

Evangelho (Lc 17, 11-19)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas .
 
Naquele tempo: Indo Jesus de viagem para Jerusalém, atravessou a Samaria e a Galileia. Ao entrar numa aldeia, vieram-Lhe ao encontro dez leprosos. Tendo parado a uma certa distância, ergueram a voz, dizendo: “Jesus, Mestre, tende compaixão de nós!” Ao vê-los, disse-lhes: “Ide mostrar-vos aos sacerdotes.” Ora, aconteceu que, no caminho, ficaram curados! Um deles ao ver-se curado, voltou, glorificando a Deus em voz alta, vindo prostrar-se aos pés de Jesus, e agradecendo-Lhe. E este era um samaritano! Jesus, porém, observou-lhe: “Mas então não foram curados todos os dez? Onde estão os outros nove? Não se achou, pois, quem voltasse e desse glória a Deus, senão este estrangeiro!” Depois, disse para ele: “Levanta-te e vai; a tua fé te salvou.”

 

Liturgia Diária- XIII Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

digitalizar0001

“É a fé que salva” – expressão familiar duma verdade experimental. No plano da vida cristã, donde a fé nos vem, é a afirmação insistente duma verdade essencial: a verdadeira salvação, a que nos salva para a vida eterna, não pode vir-nos senão de Deus. É obra divina, em que devemos crer. 

A Missa deste domingo lembra-nos que todas as nossas esperanças repousam na realização das promessas, que se resumem numa só. Quando Deus se deu a conhecer a Abraão, comprometeu-se a abençoar-lhe a raça, a multiplicá-la como as estrelas do céu e a areia do mar, e a fazer nascer dele Aquele que seria a salvação de todos, Cristo. Todas as promessas divinas conduzem a Cristo: ninguém pode salvar-se fora d’Ele. 

Fé em Cristo, fé nas promessas divinas, tal deve ser, portanto, a nossa atitude perante a revelação. Não se trata dum sentimento fugaz , mas duma convicção fundada num pacto: Deus comprometeu-se a salvar os homens pelo seu Filho. Ainda na prática dos mandamentos, toda a nossa vida deve ser uma resposta a Deus, que nos salva, um consentimento ao seu amor, uma adesão a Cristo. 

LEITURAS

Epístola (Gl 3, 16-22)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Gálatas.
Irmãos: As promessas foram feitas a Abraão e à sua descendência. [A Escritura] não diz: “E aos descendentes” como se fossem haver muitos, mas: “e à tua descendência”, como se não houvesse mais do que um, – que é Cristo. O que eu quero dizer é isto: Tendo a Aliança sido confirmada por Deus, a Lei, vinda quatrocentos anos depois, não a pode anular, de modo a abolir a promessa. Porque, se é pela Lei que vem a herança, já não vem pela promessa. Ora, pela promessa é que Deus a deu a Abraão. Para que então a Lei? Foi imposta, provocando as transgressões, até que viesse a descendência [de Abraão], a quem tinha sido destinada a promessa; foi promulgada pelos Anjos, com o concurso de um mediador [Moisés]: Ora o mediador não o pode ser de um só, ao passo que Deus é único. Vai estar, então, a Lei contra as promessas de Deus? De maneira nenhuma: Porque se fosse dada uma Lei que pudesse dar a vida, a santidade viria certamente da Lei. A Escritura, porém, encerrou tudo sob o domínio do pecado, para que, pela fé em Jesus Cristo, a promessa fosse dada aos crentes.

Evangelho (Lc 17, 11-19)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas .
Naquele tempo: Indo Jesus de viagem para Jerusalém, atravessou a Samaria e a Galileia. Ao entrar numa aldeia, vieram-Lhe ao encontro dez leprosos. Tendo parado a uma certa distância, ergueram a voz, dizendo: “Jesus, Mestre, tende compaixão de nós!” Ao vê-los, disse-lhes: “Ide mostrar-vos aos sacerdotes.” Ora, aconteceu que, no caminho, ficaram curados! Um deles ao ver-se curado, voltou, glorificando a Deus em voz alta, vindo prostrar-se aos pés de Jesus, e agradecendo-Lhe. E este era um samaritano! Jesus, porém, observou-lhe: “Mas então não foram curados todos os dez? Onde estão os outros nove? Não se achou, pois, quem voltasse e desse glória a Deus, senão este estrangeiro!” Depois, disse para ele: “Levanta-te e vai; a tua fé te salvou.”

 

Liturgia Diária- XVI Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

digitalizar0001

Costuma ler-se por estas alturas no ofício de Matinas a história de Jó. Ele é o tipo de homem justo que o espírito do mal persegue e humilha para o excitar a revolta a Deus. E assim acontece de fato deixar a providência por um pouco nas mãos de Satanás para confessar na dor e na desgraça a Sabedoria de Deus e submeter-se incondicionalmente a sua vontade. Privado de todos os bens e abandonado só sobre o monturo, exposto as vaias dos maus e aos risos até dos seus amigos, o pobre Jó submetia confiadamente aos juízos insondáveis de Deus e implorava a sua misericórdia. O Salmo do Intróito pode considerar-se a expressão exata da sua angústia. Era assim que Jó orava. Ele é o grito de todas as almas atribuladas. “Tende piedade de mim Senhor. Tenho gritado por vós durante todo o dia. Baixai vosso ouvido e escutai-me pois sou pobre e nada tenho de meu”.

O ofertório e a comunhão exprimem de maneira surpreendente os sentimentos do grande perseguido da desventura: “Deitai sobre mim o vosso olhar e vinde em meu auxílio. Confundi e humilhai diante de mim todos aqueles que me querem tirar a vida. Senhor, não esquecei a vossa justiça. Vós conduzistes os meus passos desde a juventude. Agora, que estou velho, não me abandoneis Senhor”. Deus, diziam os amigos de Jó para encorajá-lo, exalta os humildes e levanta e cura os aflitos de coração. E o evangelho da missa de hoje repete: Todo o que se elevar será humilhado, e todo o que se abaixar, será exaltado.

Deus com efeito, depois de provar Jó com as maiores humilhações, eleva-o novamente e dá-lhe o dobro de tudo quanto anteriormente possuía. Jó é figura de Cristo, que, depois das humilhações no Gólgota, seria exaltado a apoteose da ressurreição. É ainda a figura de todo o cristão, que terá lugar de hora no banquete das núpcias do Cordeiro se na terra praticar com amor e com fé a virtude da humildade. O orgulho, diz São Tomás, é um vício pelo qual o homem se eleva contra razão acima do que realmente é. O orgulho assenta conseqüentemente no erro e na ilusão. A humildade pelo contrário funda se na mesma verdade. É uma virtude que modera os ímpetos da alma e a inibe de se elevar acima do que é. É por isso que o orgulho também se chama soberba. A alma verdadeiramente humilde aceita subitamente o lugar que lhe cabe e que Deus, verdade suprema e infalível, lhe consignou. Humildade nas palavras, nas conversas, nos atos, nas provas, é a humildade genuína que Jó nos ensina e que o Senhor no evangelho de hoje nos aconselha. Vendo como os fariseus escolhiam os primeiros lugares, quis fazer-lhes compreender o mal grave de que estavam tomando e levá-los deste modo a procurar a cura. Curou com efeito primeiramente o hidrópico inflado no mal e procurou depois, velando a lâmina do escalpelo na gaze sutil da parábola, curar a hidropisia espiritual dessas pobres almas cegas e condutoras de cegos. O mundo só se encontra bem na exaltação e na enfatuação permanente do orgulho e esquece-se de que a humildade é a condição indispensável para entrar no reino de Deus.

LEITURAS/LESSONS

Epístola (Ef 3, 13-21)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Efésios.  

Irmãos: Por isso vos rogo que não desfaleçais nas minhas tribulações que sofro por vós: elas são a vossa glória. Por esta causa dobro os joelhos em presença do Pai, ao qual deve a sua existência toda família no céu e na terra, para que vos conceda, segundo seu glorioso tesouro, que sejais poderosamente robustecidos pelo seu Espírito em vista do crescimento do vosso homem interior. Que Cristo habite pela fé em vossos corações, arraigados e consolidados na caridade, a fim de que possais, com todos os cristãos, compreender qual seja a largura, o comprimento, a altura e a profundidade, isto é, conhecer a caridade de Cristo, que desafia todo o conhecimento, e sejais cheios de toda a plenitude de Deus. Àquele que, pela virtude que opera em nós, pode fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou entendemos, a ele seja dada glória na Igreja, e em Cristo Jesus, por todas as gerações de eternidade. Amém.

Evangelho (Lc 14, 1-11)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas.

Naquele tempo: Jesus entrou num sábado em casa de um fariseu notável, para uma refeição; eles o observavam. Havia ali um homem hidrópico. Jesus dirigiu-se aos doutores da lei e aos fariseus: É permitido ou não fazer curas no dia de sábado? Eles nada disseram. Então Jesus, tomando o homem pela mão, curou-o e despediu-o. Depois, dirigindo-se a eles, disse: Qual de vós que, se lhe cair o jumento ou o boi num poço, não o tira imediatamente, mesmo em dia de sábado? A isto nada lhe podiam replicar. Observando também como os convivas escolhiam os primeiros lugares, propôs-lhes a seguinte parábola: Quando fores convidado às bodas, não te sentes no primeiro lugar, pois pode ser que seja convidada outra pessoa de mais consideração do que tu, e vindo o que te convidou, te diga: Cede o lugar a este. Terias então a confusão de dever ocupar o último lugar. Mas, quando fores convidado, vai tomar o último lugar, para que, quando vier o que te convidou, te diga: Amigo, passa mais para cima. Então serás honrado na presença de todos os convivas. Porque todo aquele que se exaltar será humilhado, e todo aquele que se humilhar será exaltado.

In English

Epistle (Ephesians 3:13-21)

Lesson from the Epistle of Blessed Paul the Apostle to the Ephesians.

Brethren, I pray you not to faint at my tribulations for you, which are your glory. For this cause I bow my knees to the Father of our Lord Jesus Christ, of whom all paternity in Heaven and earth is named, that He would grant you, according to the riches of His glory, to be strengthened by His Spirit with which might unto the inward man, That Christ may dwell by faith in your hearts: that being rooted and founded in charity, you may be able to comprehend with all the saints, what is the breadth and the length, and height, and depth. To know also the charity of Christ, which surpasseth all knowledge that you may be filled unto all the fullness of God. Now to Him who is able to do all things more abundantly than we desire or understand, according to the power that worketh in us: to Him be glory in the Church, and in Christ Jesus, unto all generations, world without end. Amen.

Gospel (Luke 14: 1-11)

The continuation of the holy Gospel according to Luke. 

At that time, when Jesus went into the house of one of the chiefs of the Pharisees on the Sabbath day to eat bread, they watched Him. And behold, there was a certain man before Him who had the dropsy: and Jesus answering, spoke to the lawyers and the Pharisees, saying: “Is it lawful to heal on the sabbath day?” But they held their peace: but He taking him, healed him, and sent him away. And answering them, He said: “Which of you shall have an ass or an ox fall into a pit, and will not immediately draw him out on the sabbath day?” And they could not answer Him these things. And He spoke a parable also to them that were invited, marking how they chose the first seats at the table, saying to them: “When thou art invited to a wedding, sit not down in the first place, lest perhaps one more honorable than thou be invited by him and he that invited thee and him, come and say to thee: Give this man place: and then thou begin with shame to take the lowest place. But when thou art invited, go, sit down in the lowest place: that when he who invited thee cometh, he may say to thee: Friend, go up higher. Then shalt thou have glory before them that sit at table with thee: because every one that exalteth himself shall be humbled and he that humbled himself shall be exalted.”

Liturgia Diária- XIII Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

digitalizar0001

Continua a Santa Igreja a ler os livros sapienciais começada no domingo passado pela celebrada sentença do sábio: “Vaidade das vaidades, tudo é vaidade”. Quando Salomão se deixou arrastar pela onda subversiva do amor das coisas da terra pensou e e chegou a convencer-se de que eram realmente grandes e admiráveis. E nessa convicção não se poupou a trabalhos e cuidados para amontoar ouro e a construir palácios e a se proporcionar os mais requintados prazeres, mas quando voltou-se a si mesmo, à luz da sabedoria divina, o abismo tenebroso e o nada que era aquilo tudo, arrancou este grito sublime e verdadeiramente digno dos céus: “Vaidade das vaidades é tudo vaidade”. E não podemos exigir de Salomão uma sabedoria perfeita visto que vivia na lei antiga que não vedava de todo estas coisas, que diremos de nós que somos chamados a uma vida mais elevada senão que devemos imitar as virtudes celestes que são só espírito e inteligência?
Toda missa de hoje anda precisamente sobre um ponto, e procura a excitar a nossa fé em Jesus Cristo, o único que nos poderá arrancar desta miséria em que vivemos. Já no antigo testamento, dizia São Paulo que era a fé em Jesus Cristo que o salvara. Existia a lei, é verdade, era por si impotente para resgatar o gênero humano e o próprio Abraão fora salvo pela fé. O Evangelho vem nos dizer o mesmo, quando o se lê que o Senhor curou dez leprosos e somente um voltou para lhe render graças. Os outros que não as deram foram rejeitados. Já o que voltou para agradecer o Senhor fora acolhido na Igreja de Cristo. Assim o Judeus por seu orgulho perderam também o reino que os profetas lhes anunciaram e o Filho de Deus lhes veio abrir. Pelo contrário, nós todos, descendentes dos gentios, dissemos a Jesus que colocamos nele toda a nossa esperança e que ele nos salvaria e alentaria com maná do seu corpo santíssimo até chegarmos à pátria que antevemos para além do deserto desta vida terrena.

LEITURAS/LESSONS

Epístola (Gl 3, 16-22)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Gálatas.
Irmãos: As promessas foram feitas a Abraão e à sua descendência. [A Escritura] não diz: “E aos descendentes” como se fossem haver muitos, mas: “e à tua descendência”, como se não houvesse mais do que um, – que é Cristo. O que eu quero dizer é isto: Tendo a Aliança sido confirmada por Deus, a Lei, vinda quatrocentos anos depois, não a pode anular, de modo a abolir a promessa. Porque, se é pela Lei que vem a herança, já não vem pela promessa. Ora, pela promessa é que Deus a deu a Abraão. Para que então a Lei? Foi imposta, provocando as transgressões, até que viesse a descendência [de Abraão], a quem tinha sido destinada a promessa; foi promulgada pelos Anjos, com o concurso de um mediador [Moisés]: Ora o mediador não o pode ser de um só, ao passo que Deus é único. Vai estar, então, a Lei contra as promessas de Deus? De maneira nenhuma: Porque se fosse dada uma Lei que pudesse dar a vida, a santidade viria certamente da Lei. A Escritura, porém, encerrou tudo sob o domínio do pecado, para que, pela fé em Jesus Cristo, a promessa fosse dada aos crentes.

Evangelho (Lc 17, 11-19)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas .
Naquele tempo: Indo Jesus de viagem para Jerusalém, atravessou a Samaria e a Galileia. Ao entrar numa aldeia, vieram-Lhe ao encontro dez leprosos. Tendo parado a uma certa distância, ergueram a voz, dizendo: “Jesus, Mestre, tende compaixão de nós!” Ao vê-los, disse-lhes: “Ide mostrar-vos aos sacerdotes.” Ora, aconteceu que, no caminho, ficaram curados! Um deles ao ver-se curado, voltou, glorificando a Deus em voz alta, vindo prostrar-se aos pés de Jesus, e agradecendo-Lhe. E este era um samaritano! Jesus, porém, observou-lhe: “Mas então não foram curados todos os dez? Onde estão os outros nove? Não se achou, pois, quem voltasse e desse glória a Deus, senão este estrangeiro!” Depois, disse para ele: “Levanta-te e vai; a tua fé te salvou.”

In English

Epistle (Galatians 3: 16-22)

Lesson from the Epistle of Blessed Paul the Apostle to the Galatians.

Brethren, To Abraham were the promises made and to his seed. He saith not:” And to his seeds, “as of many but as of one: “And to Thy seed,” which is Christ. Now this I say, that the testament which was confirmed by God, the law which was made after four hundred and thirty years, doth not disannul to make the promise of no effect.For if the inheritance be of the law it is no more of promise. But God gave it to Abraham by promise. Why then was the law? It was set because of transgressions until the seed should come, to whom He made the promise, being ordained by angels in the hand of a mediator. Now a mediator is not of one: but God is one. Was the law then against the promises of God? God forbid. For if there had been a law given, which could give life, verily justice should have been by the law. But the Scripture hath concluded all under sin, that the promise by the faith of Jesus Christ might be given to them that believe.

Gospel (Luke 17: 11-19)

The continuation of the holy Gospel according to Luke. 

At that time, as Jesus was going to Jerusalem, He passed through the midst of Samaria and Galilee: and as He entered into a certain town, there met Him ten men that were lepers, who stood afar off, and lifted up their voice, saying: Jesus, Master, have mercy on us. Whom when He saw, He said: “Go, show yourselves to the priests.” And it came to pass, that, as they went, they were made clean. And one of them, when he saw that he was made clean, went back, with a loud voice glorifying God: and he fell on his face before His feet, giving thanks: and this was a Samaritan. And Jesus answering said: “Were not ten made clean? And where are the nine? There is no one found to return, and give glory to God, but this stranger.” And He said to him: “Arise, go thy way for thy faith hath made thee whole.”