Liturgia Diária-XXIII Domingo depois de Pentecostes

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

O Tempo depois de Pentecostes é o símbolo da longa peregrinação da Igreja pela Terra. Os últimos domingos do ano litúrgico, como últimas etapas, evocam o fim dos tempos.

O próprio Senhor anuncia que o fim do mundo será assinalado por grandes cataclismos e por uma recrudescência do mal, e que a caridade de muitos há de resfriar. Parece que a Igreja verá, então, abater-se sobre si pesadas provações. Ao propor estas perspectivas de males e de lutas, a liturgia esforça-se por nos despertar sentimentos de confiança. O introito assegura-nos que os pensamentos do Senhor não são de vingança, mas de paz. A epístola lembra a invencível esperança, que anima o cristão, à espera do dia em que Cristo virá transformar “o nosso corpo de miséria num corpo semelhante ao seu, de glória”. O evangelho é uma dupla narrativa de cura e ressurreição.


Páginas 709 a 712 do Missal Quotidiano.


Missa APENAS às 15:30 horas na Catedral Diocesana.


LEITURAS

Epístola (Fil 3, 17-21; 4, 1-3)


Devemos desapegar-nos das coisas da terra e caminhar para as do Céu, para onde Cristo nos chama a partilhar da sua glória, numa transformação completa de todo o nosso ser.


Leitura da epístola de São Paulo Apóstolo aos Filipenses. 

Irmãos, sede meus imitadores, e olhai atentamente para os que vivem segundo o exemplo que nós vos damos. Porque há muitos por aí, de quem repetidas vezes vos tenho falado e agora o digo chorando, que se portam como inimigos da cruz de Cristo, cujo destino é a perdição, cujo deus é o ventre, para quem a própria ignomínia é causa de envaidecimento, e só têm prazer no que é terreno. Nós, porém, somos cidadãos dos céus. É de lá que ansiosamente esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará nosso mísero corpo, tornando-o semelhante ao seu corpo glorioso, em virtude do poder que tem de sujeitar a si toda criatura. Portanto, meus muito amados e saudosos irmãos, alegria e coroa minha, continuai assim firmes no Senhor, caríssimos. Exorto a Evódia, exorto igualmente a Síntique que vivam em paz no Senhor. E a ti, fiel Sínzigo, também rogo que as ajudes, pois que trabalharam comigo no Evangelho, com Clemente e com os demais colaboradores meus, cujos nomes estão inscritos no livro da vida.

Evangelho (Mt 9, 18-26)


Símbolo da ressurreição espiritual das almas, os milagres de cura e ressurreição, realizados por Jesus, são também o prenúncio da ressurreição corporal.


Sequência do Santo Evangelho segundo Mateus.

Naquele tempo, falava Jesus ao povo, quando se apresentou um chefe da sinagoga. Prostrou-se diante dele e lhe disse: Senhor, minha filha acaba de morrer. Mas vem, impõe-lhe as mãos e ela viverá. Jesus levantou-se e o foi seguindo com seus discípulos. Ora, uma mulher atormentada por um fluxo de sangue, havia doze anos, aproximou-se dele por trás e tocou-lhe a orla do manto. Dizia consigo: Se eu somente tocar na sua vestimenta, serei curada. Jesus virou-se, viu-a e disse-lhe: Tem confiança, minha filha, tua fé te salvou. E a mulher ficou curada instantaneamente. Chegando à casa do chefe da sinagoga, viu Jesus os tocadores de flauta e uma multidão alvoroçada. Disse-lhes: Retirai-vos, porque a menina não está morta; ela dorme. Eles, porém, zombavam dele. Tendo saído a multidão, ele entrou, tomou a menina pela mão e ela levantou-se. Esta notícia espalhou-se por toda a região.

 

Comente o post

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: