Liturgia Diária- 18/08/2020

MISSA DA FÉRIA

4ª Classe- Missa do domingo, com comemoração de S. Agapito, Mártir

Da graça e da bondade de Nosso Senhor, trata a Missa de hoje. Na Epístola fala S. Paulo da graça que ele próprio recebeu como último dos Apóstolos e que, pelo Batismo, a nós também foi comunicada. No Evangelho é o próprio Jesus. Cristo quem cura, na pessoa do surdo-mudo, a humanidade inteira. Ephphetha: ainda hoje é ação simbólica na administração do Batismo. Nos Cânticos agradecemos estas graças, mas na Oração imploramos novas, porquanto precisamos aumentar a graça em nós. E’ o que melhor alcançamos pela Eucaristia. Certos estejamos que, se honramos a Deus com todos os nossos haveres (no Sacrifício Eucarístico), teremos abundância de trigo e vinho (no Sacramento Eucarístico), e assim é aumentada em nós a graça de Deus (Communio).


Páginas 639 a 642, 1236 a 1237 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Missa Rezada às 07:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes.


PRÓPRIO DO DIA

Introito (Sl 67, 6-7 e 36 | ib., 2) (Áudio)

Deus in loco sancto suo: Deus qui inhabitáre facit unánimes in domo: ipse dabit virtútem et fortitúdinem plebi suæ. Ps . Exsúrgat Deus, et dissipéntur inimíci eius: et fúgiant, qui odérunt eum, a fácie ejus. ℣. Glória Patri… Deus está em seu santuário; Deus que reúne em sua casa os que são unânimes, Ele mesmo dá a seu povo, força e coragem. Sl. Levante-se Deus, e os seus inimigos sejam dispersos, e os que O odeiam fujam de sua presença. ℣. Glória ao Pai…

Coleta

Omnípotens sempitérne Deus, qui, abundántia pietátis tuæ, et mérita súpplicum excédis et vota: effúnde super nos misericórdiam tuam; ut dimíttas quæ consciéntia métuit, et adiícias quod orátio non præsúmit. Per D.N. Ó Deus, eterno e onipotente, que pela abundância de vossa bondade excedeis os méritos e os desejos dos suplicantes, derramai sobre nós a vossa misericórdia; perdoai o que a nossa consciência teme, e acrescentai o que não ousamos pedir. Por N. S.

2ª Coleta (de S. Agapito)

Lætétur Ecclésia tua, Deus, beáti Agápiti Mártyris tui confísa suffrágiis: atque, eius précibus gloriósis, et devóta permáneat et secúra consístat. Per D.N. Alegre-se, ó Senhor, a vossa Igreja confiada nos sufrágios de vosso santo Mártir Agapito e por sua gloriosa intercessão persevere na piedade e permaneça em tranquila segurança, Por N. S.

Epístola (I Cor 15, 1-10)

Léctio Epístolæ beáti Pauli Apóstoli ad Corínthios.

 

Fratres: Notum vobis fácio Evangélium, quod prædicávi vobis, quod et accepístis, in quo et statis, per quod et salvámini: qua ratione prædicáverim vobis, si tenétis, nisi frustra credidístis. Trádidi enim vobis in primis, quod et accépi: quóniam Christus mortuus est pro peccátis nostris secúndum Scriptúras: et quia sepúltus est, et quia resurréxit tértia die secúndum Scriptúras: et quia visus est Cephæ, et post hoc úndecim. Deinde visus est plus quam quingéntis frátribus simul, ex quibus multi manent usque adhuc, quidam autem dormiérunt. Deinde visus est Iacóbo, deinde Apóstolis ómnibus: novíssime autem ómnium tamquam abortívo, visus est et mihi. Ego enim sum mínimus Apostolórum, qui non sum dignus vocári Apóstolus, quóniam persecútus sum Ecclésiam Dei. Grátia autem Dei sum id quod sum, et grátia eius in me vácua non fuit.

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Coríntios.

 

Irmãos: Faço-vos agora lembrar o Evangelho que já vos preguei e que recebestes, e no qual também perseverais. Nele também sois salvos, se o guardais do mesmo modo que vo-lo preguei. De contrário em vão tereis abraçado a fé. Antes de tudo eu vos ensinei o que eu mesmo aprendi: que o Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras, foi sepultado, e ressuscitou ao terceiro dia, como está escrito. Foi visto por Cefas, e depois pelos onze Apóstolos. Depois foi visto por mais de quinhentos irmãos juntos: muitos deles ainda hoje vivem e alguns já morreram. Apareceu depois a Tiago, e em seguida a todos os Apóstolos. Por último de todos, apareceu também a mim, como a um abortivo. Porque eu sou o mínimo dos Apóstolos, e não sou digno de ser chamado Apóstolo, porque persegui a Igreja de Deus. Pela graça de Deus, no entanto, sou o que sou, e a sua graça não ficou sem efeito em mim. 

Gradual (Sl 27, 7 e 1 | Sl 80, 2-3) (Vídeo) (Vídeo-aleluia)

In Deo sperávit cor meum, et adiútus sum: et reflóruit caro mea, et ex voluntáte mea confitébor illi. ℣. Ad te, Dómine, clamávi: Deus meus, ne síleas, ne discédas a me. 

 

Allelúia, allelúia. ℣. Exsultáte Deo, adiutóri nostro, iubiláte Deo Iacob: súmite psalmum iucúndum cum cíthara. Allelúia.

Em Deus confiou meu coração, e fui socorrido: e minha carne refloresceu. Eis porque, com toda a minha alma eu O louvarei. ℣. A Vós, Senhor, eu clamo: não silencieis à minha voz, nem Vos afasteis de mim.

 

Aleluia, aleluia. ℣. Exultai em Deus, nosso protetor: cantai jubilosos ao Deus de Jacó; cantai um alegre salmo com a cítara. Aleluia.

Evangelho (Mc 7, 31-37)

Sequéntia sancti Evangélii secúndum Marcum.

In illo témpore: Exiens Iesus de fínibus Tyri, venitper Sidónem ad mare Galilǽæ, inter médios fines Decapóleos. Et addúcunt ei surdum et mutum, et deprecabántur eum, ut impónat illi manum. Et apprehéndens eum de turba seórsum, misit dígitos suos in aurículas eius: et éxspuens, tétigit linguam eius: et suspíciens in cœlum, ingémuit, et ait illi: Ephphetha, quod est adaperíre. Et statim apértæ sunt aures eius, et solútum est vínculum linguæ eius, et loquebátur recte. Et præcépit illis, ne cui dícerent. Quanto autem eis præcipiébat, tanto magis plus prædicábant: et eo ámplius admirabántur, dicéntes: Bene ómnia fecit: et surdos fecit audíre et mutos loqui. 

Sequência do Santo Evangelho segundo Marcos.

Naquele tempo, saindo Jesus da região de Tiro, veio por Sidon ao mar de Galileia, atravessando o território da Decápole. E trouxeram-Lhe um surdo-mudo e Lhe rogaram impusesse as mãos sobre ele. Jesus, tomando-o dentre o povo, de parte, meteu os dedos em seus ouvidos e tocou-lhe a língua com a saliva. Depois ergueu os olhos para o céu, suspirou, e disse-lhe: Ephphetha, isto é, abre-te. E imediatamente se lhe abriram os ouvidos e se lhe soltou a prisão da língua, e ele falou distintamente. Então Jesus lhes ordenou que a ninguém o dissessem. Não obstante, quanto mais o proibia, tanto mas o divulgavam, e mais admirados, diziam: Tudo tem feito bem; fez os surdos ouvirem e os mudos falarem. 

Ofertório (Sl 39, 2-3) (Vídeo)

Exaltábo te, Dómine, quóniam suscepísti me, nec delectásti inimícos meos super me: Dómine, clamávi ad te, et sanásti me. Eu Vos exaltarei, Senhor, porque me atendestes e não deixastes que os meus inimigos se rissem de mim. Senhor, por Vós clamei, e me curastes.

Secreta

Réspice, Dómine, quǽsumus, nostram propítius servitútem: ut, quod offérimus, sit tibi munus accéptum, et sit nostræ fragilitátis subsidium. Per D. N. Nós Vos pedimos, Senhor, olhai propício a nossa condição servil, a fim de que a nossa oferta mereça ser aceita por Vós e sirva de amparo à nossa fraqueza. Por N. S.

2ª Secreta (de S. Agapito)

Súscipe, Dómine, múnera, quæ in eius tibi sollemnitáte deférimus: cuius nos confídimus patrocínio liberári. Per D.N. Recebei, Senhor, os dons que Vos oferecemos na festividade deste Santo, pela proteção de quem esperamos a liberdade. Por N.S.

Prefácio (Comum)

℣. Dóminus vobíscum.
℞. Et cum spíritu tuo.
℣. Sursum corda.
℞. Habémus ad Dóminum.
℣. Grátias agámus Dómino Deo nostro.
℞. Dignum et iustum est.
.
Vere dignum et justum est, aequum et salutare, nos Tibi simper, et ubique gratias agere: Domine sancte, Pater omnipotens, aeterne Deus: per Christum Dominum nostrum. Per quem majestatem Tuam laudant Angeli, adorant Dominationes, tremunt Potestates, Coeli, Coelorumque Virtutes, ac beata Seraphim socia exultatione concelebrant. Cum quibus et nostras voces, ut admitti, jubeas, supplici confessione dicentes: Sanctus, Sanctus, Sanctus…
℣. O Senhor seja convosco.
℞. E com o vosso espírito,
℣. Para o alto os corações.
℞. Já os temos para o Senhor,
℣. Demos graças ao Senhor, nosso Deus.
℞. É digno e justo.
.
Verdadeiramente é digno e justo, razoável e salutar, que, sempre e em todo o lugar, Vos demos graças, ó Senhor santo, Paí onipotente, eterno Deus, por Jesus Cristo, Nosso Senhor. É por Ele que os Anjos louvam a vossa Majestade, as Dominações a adoram, tremem as Potestades. Os Céus, as virtudes dos Céus, e os bem-aventurados Serafins a celebram com recíproca alegria. Às suas vozes, nós Vos rogamos, mandeis que se unam as nossas, quando em humilde confissão Vos dizemos: Santo, Santo, Santo…

Comunhão (Prov 3, 9-10) (Áudio)

Hónora Dóminum de tua substántia, et de prímitiis frugum tuárum: et implebúntur hórrea tua saturitáte, et vino torculária redundábunt. Honra ao Senhor, oferecendo-Lhe os teus bens e as primícias de teus frutos: os teus celeiros se encherão de trigo, e de vinho transbordarão os teus lagares.

Pós-comunhão

Sentiámus, quǽsumus, Dómine, tui perceptióne sacraménti, subsídium mentis et córporis: ut, in utróque salváti, cæléstis remédii plenitúdine gloriémur. Per D.N. Fazei, Senhor, que pela recepção deste Sacramento, sintamos conforto na alma e no corpo, e numa e noutro curados, possamos gozar da plenitude do remédio celestial.. Por N. S.

2ª Pós-comunhão (de S. Agapito)

Satiásti, Dómine, famíliam tuam munéribus sacris: eius, quǽsumus, semper interventióne nos réfove, cuius sollémnia celebrámus. Per D.N. Saciastes, Senhor, a vossa família com os vossos Dons sagrados e por isso Vos rogamos nos favoreçais sempre por intercessão do Santo cuja festa hoje celebramos. Por N. S.

Traduções e comentários extraídos do Missal Quotidiano de D. Beda (1962).

Liturgia Diária- Festa da Transfiguração de Nosso Senhor

Festa de 2ª Classe- Missa Própria, com comemoração dos Ss. Sixto II, Papa e Felicíssimo e Agapito, Mártires – Missa “Sapientiam”

Para fortalecer os seus Apóstolos na fé, mostrou lhes Jesus, antes de sua Paixão, os esplendores da Transfiguração (Evangelho). S. Pedro, testemunha ocular, nos anima a esperarmos o dia da transfiguração final (Epístola). Os Cânticos põem diante de nós a imagem fulgurante do Cristo, e na Comunhão recebemos o penhor de nossa própria transfiguração. Também em nossos altares vemos a sua glória, e, compreendendo o valor do Santo Sacrifício da Missa, podemos exclamar: Como são amáveis os vossos tabernáculos, Senhor!


Páginas 1210 a 1212 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Missa às 07:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes.


PRÓPRIO DO DIA

Introito (Sl 76, 19 | Sl 83, 2-3) (Áudio)

Illuxérunt coruscatiónes tuæ orbi terræ: commóta est et contrémuit terra. Ps. Quam dilécta tabernácula tua, Dómine virtútum! concupíscit, et déficit ánima mea in átria Dómini. ℣. Glória Patri… Vossos raios iluminaram o orbe; abalou-se e estremeceu a terra. Sl. Como são amáveis os vossos tabernáculos, Senhor dos exércitos! Desfalece a minha alma, suspirando pelos átrios do Senhor. ℣. Glória ao Pai…

Coleta

Deus, qui fídei sacraménta in Unigéniti tui gloriósa Transfiguratióne patrum testimónio roborásti, et adoptiónem filiórum perféctam, voce delápsa in nube lúcida, mirabíliter præsignásti: concéde propítius; ut ipsíus Regis glóriæ nos coherédes effícias, et eiúsdem glóriæ tríbuas esse consórtes. Per eúndem D.N. Ó Deus, que na gloriosa Transfiguração do vosso Filho Unigênito confirmastes os mistérios da fé pelo testemunho dos patriarcas e, pela voz saída da nuvem resplendente, maravilhosamente proclamastes a adoção perfeita de vossos filhos, concedei benigno, a graça de nos tornarmos co-herdeiros deste Rei da glória, fazendo-nos participar da mesma glória. Pelo mesmo J. C.

2ª Coleta (dos santos mártires)

Deus, qui nos concédis sane in Mártyrum tuórum Xysti Felicíssimi et Agapíti natalítia cólere: da nobis in ætérna beatitúdine de eórum societáte gaudére. Per D.N. Ó Deus, que nos permitis celebrar o natalício de vossos santos Mártires Sixto, Felicíssimo e Agapito, concedei- nos que na eterna bem-aventurança gozemos de sua presença. Por N. S.

Epístola (II Pe 1, 16-19)

Léctio Epístolæ beáti Petri Apóstoli.

 

Caríssimi: Non doctas fábulas secúti notam fecimus vobis Dómini nostri Iesu Christi virtútem et præséntiam: sed speculatores facti illíus magnitudinis. Accipiens enim a Deo Patre honórem et glóriam, voce delapsa ad eum huiuscemodi a magnifica glória: Hic est Fílius meus diléctus, in quo mihi complacui, ipsum audíte. Et hanc vocem nos audivimus de coelo allatam, cum essemus cum ipso in monte sancto. Et habémus firmiórem propheticum sermónem: cui bene facitis attendentes, quasi lucérnæ lucénti in caliginóso loco, donec dies elucescat et lucifer oriátur in córdibus vestris.

Leitura da Epístola de São Pedro Apóstolo.

 

Caríssimos: Não foi seguindo fábulas engenhosas, que vos fizemos conhecer o poder e a vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo, mas depois de havermos sido espectadores de sua grandeza. Com efeito, Ele recebeu de Deus Pai, honra e glória quando da excelsa glória desceu sobre Ele esta voz: Este é o meu Filho amado, em quem pus as minhas complacências: escutai-O. Também nós ouvimos esta voz, vinda do céu, quando estávamos com Ele na montanha sagrada. Por isso ainda mais segura se tornou a palavra dos Profetas, à qual fazeis bem em atender, como se fora uma lâmpada acesa em um lugar escuro até que venha o dia, e a estréia da manhã se levante em vossos corações. 

Gradual (Sl 44, 3 e 2 | Sab 7, 26) 

Speciosus forma præ fíliis hóminum: diffúsa est grátia in lábiis tuis. ℣. Eructávit cor meum verbum bonum: dico ego ópera mea Regi. 

 

Allelúia, allelúia. ℣. Candor est lucis ætérnæ, spéculum sine mácula, et imágo bonitátis illíus. Allelúia.

Ultrapassais em formosura os filhos dos homens; a graça expande-se em vossos lábios. ℣. Exulta meu coração em alegre canto; ao Rei dedico as minhas obras.

 

Aleluia, aleluia. ℣. Este é o Esplendor da Luz eterna, o espelho sem mancha [da majestade de Deus] e a imagem de sua bondade. Aleluia.

Evangelho (Mt 17, 1-9)

Sequéntia sancti Evangélii secúndum Matthaeum.

In illo témpore: Assúmpsit Jesus Petrum, et Jacóbum, et Joánnem fratrem eius, et duxit illos in montem excélsum seórsum: et transfigurátus est ante eos. Et resplénduit fácies ejus sicut sol: vestiménta autem ejus facta sunt alba sicut nix. Et ecce, apparuérunt illis Móyses et Elías cum eo loquéntes. Respóndens autem Petrus, dixit ad Jesum: Dómine, bonum est nos hic esse: si vis, faciámus hic tria tabernácula, tibi unum, Móysi unum et Elíæ unum. Adhuc eo loquénte, ecce, nubes lúcida obumbrávit eos. Et ecce vox de nube, dicens: Hic est Fílius meus diléctus, in quo mihi bene complácui: ipsum audíte. Et audiéntes discípuli, cecidérunt in fáciem suam, et timuérunt valde. Et accéssit Jesus, et tétigit eos, dixítque eis: Súrgite, et nolíte timére. Levántes autem óculos suos, néminem vidérunt nisi solum Jesum. Et descendéntibus illis de monte, præcépit eis Jesus, dicens: Némini dixéritis visiónem, donec Fílius hóminis a mórtuis resúrgat. — CREDO…

Sequência do Santo Evangelho segundo Mateus.

Naquele tempo, tomou Jesus consigo a Pedro, Tiago e João, seu irmão, e levou-os de parte a um monte muito alto. E transfigurou-se diante deles Seu rosto resplandeceu como o sol, e suas vestes tornaram-se brancas como a neve. E eis que apareceram Moisés e Elias, falando com Ele. Então Pedro, tomando a palavra, disse a Jesus: Senhor, bom é estarmos aqui; se quiserdes, faremos aqui três tabernáculos, um para Vós, outro para Moisés e o terceiro para Elias. Ainda falava ele, quando uma nuvem brilhante os envolveu, e da nuvem soou uma voz que dizia: Este é o meu Filho muito amado. N’Ele pus toda a minha complacência; escutai-O. Ouvindo isto, os discípulos caíram com a face em terra e ficaram muito atemorizados. Aproximou-se, porém, Jesus, e, tocando-os, disse-lhes: Levantai-vos e não temais. E erguendo eles os olhos, não viram ninguém, senão a Jesus só. E enquanto descia com eles do monte, ordenou-lhes Jesus, dizendo: A ninguém digais o que vistes, até que o Filho do homem ressuscite dos mortos. — CREIO…

Ofertório (Sl 111, 3)

Glória et divítiæ in domo eius: et iustítia eius manet in sǽculum sǽculi, allelúia. A glória e as riquezas estão em sua casa, e a sua justiça subsistirá nos séculos. Aleluia.

Secreta

Obláta, quǽsumus, Dómine, múnera gloriósa Unigéniti tui Transfiguratióne sanctífica: nosque a peccatórum máculis, splendóribus ipsíus illustratiónis emunda. Per eúndem D. N. Santificai, Senhor, pela gloriosa Transfiguração do vosso Filho Unigênito as dádivas que Vos oferecemos, e pelos esplendores de sua luz, purificai-nos das manchas de nossos pecados. Pelo mesmo J.C.

2ª Secreta (dos ss. mártires)

Múnera tibi, Dómine, nostræ devotiónis offérimus: quæ et pro tuórum tibi grata sint honóre Iustórum, et nobis salutária, te miseránte, reddántur. Per D. N. Senhor, nós Vos oferecemos os dons de nossa devoção; fazei que eles Vos agradem sendo apresentados em honra de vossos Justos, e por vossa misericórdia se tornem úteis para a nossa salvação. Por N. S.

Prefácio (do Natal)

℣. Dóminus vobíscum.
℞. Et cum spíritu tuo.
℣. Sursum corda.
℞. Habémus ad Dóminum.
℣. Grátias agámus Dómino Deo nostro.
℞. Dignum et iustum est.
.
Vere dignum et justum est, æqum et salutáre, nos tibi semper, et ubique grátias ágere: Dómine sancte, Pater omnípotens, ætérne Deus. Quia per incarnáti Verbi mystérium nova mentis nostræ óculis lux tuæ claritátis infúlsit: ut dum visibíliter Deum cognóscimus, per hunc invisibílium amórem rapiámur. Et ídeo cum Angelis et Archángelis, cum Thronis et Dóminatiónibus, cumque omni milítia coeléstis exércitus, hymnum glóriæ tuæ cánimus sine fine dicéntes: Sanctus, Sanctus, Sanctus…
℣. O Senhor seja convosco.
℞. E com o vosso espírito,
℣. Para o alto os corações.
℞. Já os temos para o Senhor,
℣. Demos graças ao Senhor, nosso Deus.
℞. É digno e justo.
.
Verdadeiramente é digno e Justo, razoável e salutar, que, sempre e em todo o lugar, Vos demos graças, ó Senhor santo, Pai onipotente, eterno Deus: Porque pelo Mistério do Verbo Encarnado, um novo clarão de vosso esplendor iluminou os olhos de nossa alma, para que conhecendo a Deus visivelmente, ao mesmo tempo por Ele sejamos transportados ao amor das coisas invisíveis. E por isso, com os Anjos e os Arcanjos, com os Tronos e as Dominações, e com toda a milícia do exército celestial, cantamos hinos à vossa glória, dizendo sem fim: Santo, Santo, Santo…

Comunhão (Mt 17, 9) (Áudio)

Visiónem, quam vidístis, némini dixéritis, donec a mórtuis resúrgat Fílius hóminis. A ninguém digais a visão que tivestes até que o Filho do homem ressuscite dentre os mortos.

Pós-comunhão

Præsta, quǽsumus, omnípotens Deus: ut sacrosáncta Fílii tui Transfiguratiónis mystéria, quæ sollemni celebrámus offício, purificáta mentis intellegéntia consequámur. Per eúndem D.N. Concedei-nos, ó Deus onipotente, Vos suplicamos, que as nossas almas purificadas compreendam os sacrossantos mistérios da transfiguração de vosso Filho, que hoje solenemente celebramos neste ofício. Pelo mesmo J. C.

2ª Pós-comunhão (dos ss. mártires)

Præsta nobis, quǽsumus, Dómine: intercedéntibus sanctis Martyribus tuis Xysto, Felicíssimo et Agapíto; ut, quod ore contíngimus, pura mente capiámus. Per D.N. Concedei-nos, Senhor, por intercessão de vossos santos Mártires Sixto, Felicíssimo e Agapito, guardemos com o coração puro o que em nossa boca recebemos. Por N.S.

Traduções e comentários extraídos do Missal Quotidiano de D. Beda (1962).

Liturgia Diária- Festa da Transfiguração de Nosso Senhor

Festa de 2ª Classe- Missa Própria, com comemoração dos Ss. Sixto II, Papa e Felicíssimo e Agapito, Mártires – Missa “Sapientiam”

Para fortalecer os seus Apóstolos na fé, mostrou lhes Jesus, antes de sua Paixão, os esplendores da Transfiguração (Evangelho). S. Pedro, testemunha ocular, nos anima a esperarmos o dia da transfiguração final (Epístola). Os Cânticos põem diante de nós a imagem fulgurante do Cristo, e na Comunhão recebemos o penhor de nossa própria transfiguração. Também em nossos altares vemos a sua glória, e, compreendendo o valor do Santo Sacrifício da Missa, podemos exclamar: Como são amáveis os vossos tabernáculos, Senhor!


Páginas 1210 a 1212 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Missa às 19 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes.


Liturgia Diária- 18/08/2018

SANTO AGAPITO, Mártir

Comemoração- Missa “Laetabitur” com orações e evangelho próprios e 2ªs orações da Féria 

agapito de palestrina (1)

Santo Agapito é um mártir de Preneste (Palestrina), não longe de Roma. O seu culto, muito antigo, foi muito popular na cidade eterna, onde o papa Félix III (492) mandou construir uma igreja em sua honra. Inscrições antigas mostram toda a confiança que se punha na intercessão do santo mártir; a oração da missa conservou-nos a expressão bem vincada desta firme confiança.