Instrução – As aparições de Lurdes

O Evangelho nos conta a aparição do Arcanjo Gabriel à Virgem Santíssima para comunicar-lhe que havia sido escolhida para ser a Mãe de Deus. Por sua vez, a Virgem Santa vem de vez em quando, transmitir-nos as mensagens do céu, aparecendo neste mundo para aproximá-lo de seu Jesus.

Entre estas numerosas aparições merecem lugar de destaque as de Lurdes, tanto pelos ensinamentos que nos trazem, como pelos numerosos milagres, que continuam a operar-se neste lugar. Contemplemos hoje esta maravilha da ternura da Mãe de Jesus, considerando:
      I. A sua aparição tão bela
      II. Os seus ensinamentos.

Liturgia da Festa: clique aqui e confira

I – A APARIÇÃO

As aparições da Virgem Imaculada em Lurdes, constituem como que o centro milagroso do reino de Maria no mundo. Nenhum lugar foi testemunha de tantos e tamanhos favores, de tantas conversões e tantas curas milagrosas como esse lugar bendito.

Em 1858 a Mãe de Jesus manifestou-se, ali 18 vezes, à feliz vidente Bernardette, hoje. Santa Bernarda. As aparições sucederam-se, desde o dia 11 de fevereiro até o dia 16 de julho.

Bernardette, tendo ido recolher lenha à margem do rio Gave, perto de Lurdes, e chegando-se perto de uma gruta natural, cavada no rochedo dos Pirineus, ouviu de repente um sussurro semelhante ao ruído dum vento bravio, e levantando a cabeça caiu de joelhos, como que ofuscada pelo que tinha diante dos olhos.

No fundo e em cima da gruta, numa espécie de escavação no rochedo, estava em pé, em meio dum clarão fulgurante, uma mulher de incomparável beleza. A visão nada tinha de indeciso: era um verdadeiro corpo humano, uma pessoa viva, que não se diferençava em nada de uma pessoa ordinária, sinão pela auréola luminosa, que a cercava, e por sua beleza sobre-humana.

Era de estatura média; parecia muito jovem, reunindo a candura da criança à pureza da Virgem, a gravidade terna da mãe à majestade da Soberana. O seu semblante era de um encanto irresistível.

Seus olhos azuis tinham uma suavidade, que parecia derreter o coração. Seus lábios tinham uma expressão de imensa bondade e doçura. As vestes da aparição, de um tecido desconhecido na terra, eram mais alvas e mais resplandecentes que a neve das montanhas. O vestido longo e flutuante deixava ver, apenas, os pés, de uma alvura virginal, pousados no rochedo. Sobre cada um deles brilhava uma rosa cor de ouro. Uma cinta, azul como o céu, pendia em suas faixas, acompanhando o vestido até em baixo. Um véu branco encobria-lhe a cabeça, envolvendo os ombros.

Um rosário, de contas alvas como gotas de leite, cuja corrente dourada parecia luminosa, pendia das mãos postas da aparição misteriosa. Ela se conservara silenciosa nas primeiras aparições, e nas subsequentes, falava pouco e com poucas palavras. As primeiras aparições são uma espécie de identificação, nas quais a Virgem Santa convida a menina a voltar a este lugar, a convocar o povo, a dizer aos padres que ali quer se edifique uma igreja, que se reze, que se faça penitência pela conversão dos pecadores, beijando a terra em sinal de humilhação. A aparição mais importante deu-se no dia da Anunciação, ( 25 de março) . O resplendor que, em cada aparição precedia e seguia a chegada da Virgem, cercando-a de raios celestiais, projetava nesse dia um clarão mais refulgente. Ela se mostrou em toda a beleza da candura de Virgem, em todo o fulgor da dignidade de Mãe e de Rainha. Bernadette, como em êxtase, levantou a cabeça para ver melhor a celeste aparição. e conforme as indicações do Vigário de Lurdes. dirigiu-lhe a pergunta: ó minha Senhora. queira ter a fineza de dizer-me quem é e qual o seu nome?

Tendo repetido quatro vezes a mesma pergunta a Virgem separou as mãos e abaixando-as à terra elevou-as de novo para o céu. Juntou-as diante do peito e disse com uma expressão de inefável ternura: – EU SOU A IMACULADA CONCEIÇÃO! No dia 7 de abril. a Virgem Imaculada mostrou-se de
novo a Bernadette, tão bela, tão radiante, que a feliz vidente entrou imediatamente em êxtase. Neste estado ela inclinou as mãos meio juntas. acima do círio que havia trazido, e depositado por terra. de modo que a chama passava através de seus dedos, levemente separados uns dos outros. Um médico presente observou o fato que durou 15 minutos, e a extática tendo voltado a si, ele lhe tomou a mão para observar o efeito do fogo: a chama não lhe havia ocasionado nenhuma queimadura.

Enfim, em 16 de julho, festa de N. Sra. do Carmo, Bernadette viu, pela última vez, à radiosa aparição, que não lhe disse palavra, mas saudou-a com um leve sorriso, como para dizer-lhe adeus, antes de voltar ao reino da glória. A Virgem de Lurdes era tão bela, dizia Bernadette, como nunca se viu beleza igual – bela, ajuntou ela sorrindo, como deve sê-lo no céu.

Um dia, interrogada por uma das suas companheiras sobre a beleza da aparição, não pôde responder senão por meio de uma espécie de êxtase, e exclamou tristemente: – Para se ter uma ideia da beleza de Maria, precisava-se ir ao céu.

Sobre seu leito de agonia, uma criancinha de uns 6 anos perguntou-lhe com meiguice: Minha Irmã, a Senhora viu Nossa Senhora?
     – Sim, respondeu baixinho a enferma.
     – Era bela? continuou a criança.
     – Oh! tão bela, exclamou Bernadette, com vivacidade, que depois de tê-la visto, a gente deseja morrer para vê-la de novo.

II – OS ENSINAMENTOS DE LURDES

São numerosos os ensinamentos da Virgem Imaculada, tanto no ponto de vista dogmático, quanto no ponto de vista moral . É uma confirmação da infalibilidade do Soberano Pontífice . Em dezembro de 1854, o Santo Padre Pio IX proclamou o dogma da Imaculada Conceição. Apenas três anos depois desta solene proclamação, eis que a Virgem Santíssima, em 11 de fevereiro de 1858, vem confirmar pessoalmente este glorioso privilégio, dando a si mesmo o nome de Imaculada Conceição.

O Papa havia dito: Ela é Imaculada em sua Conceição; a Virgem Santa lhe respondeu: Eu sou a Imaculada Conceição.

* * *

Na 6ª aparição, tendo Bernadette perguntado à Virgem Ssma. o que era preciso fazer, ela respondeu: Rezar pelos pecadores.

É uma das verdades por demais esquecidas e uma das obrigações da vida cristã, muito descuidada: Deus quer salvar os pecadores, mas como eles mesmos, estando em estado de pecado, não podem merecer a graça da conversão, esta deve ser pedida pelas almas justas, donde urge o dever de rezar por eles para que se convertam. Aparece, tendo tendo nas mãos o rosário, entregue por ela, a primeira vez, a São Domingos, como instrumento eficaz da conversão dos albigenses, o qual quer ver recitado hoje para a salvação da sociedade, em perigo de dissolução.

* * *

Na 8.ª aparição, a Virgem Santa exclamou por três vezes: Penitência! Penitência! Penitência! É a lição do espírito de penitência ou de sacrifício, tão necessário em nossos tempos.

O mundo naufraga no gozo dos sentidos; o antídoto é a penitência: o afastamento dos perigos, a fuga das ocasiões, a mortificação das paixões e das faculdades da nossa alma: Se não fizerdes penitência, havia dito o Salvador, todos perecereis (Lucas XIII 5).

III – CONCLUSÃO

Desde esse dia, Lurdes tem sido a cidade dos milagres.

Conforme o desejo da Imaculada, construiu-se ali um majestoso santuário, aonde o povo cristão, em piedosa romaria, acorre de todas as partes do mundo. Milhares de enfermos, do corpo ou da alma, têm encontrado ali, na gruta de Massabielle, na procissão do Santíssimo Sacramento, a saúde, a fé, o fervor e a generosidade. Lurdes é a cidade da Imaculada, é também a cidade da Eucaristia.

A Mãe e o Filho estão ali reunidos nas homenagens, que recebem do povo cristão, como na realização dos milagres, que diariamente, se verificam. É como a renovação da cena de Caná: Et erat Mater Jesu ibi, vocatus est autem et Jesus (Joannes II. 1, 2)

A Virgem Santa pede: o Filho atende. Maria intercede: Jesus concede.

Todas as noites, o Santíssimo Sacramento é levado processionalmente em redor da esplanada da Basílica, sendo nesta ocasião, que os numerosos enfermos, deitados ao lado do caminho, que Jesus deve percorrer, imploram com mais fé: “Jesus, Filho de Davi, socorrei-nos!”

É nesta ocasião que são alcançados a maior parte dos milagres. Maria Ssma. é ali de modo especial a Virgem do Santíssimo Sacramento. Lurdes é como o berço do título aprovado pela Igreja: Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento.

Em meio das nossas ocupações, durante as nossas orações, representemos-nos, às vezes, a doce aparição da Imaculada, tal qual se mostrou a Bernadette, recolhendo os ensinamentos: de rezar pelos pecadores; de fazer penitência e de aproximar-nos, frequentemente, da Sagrada Eucaristia. 


Fonte: O Evangelho das Festas Litúrgicas e dos Santos mais populares. 2ª Edição: Manhumirim: O Lutador, 1952. pp. 105-109. (saiba mais sobre a obra e as postagens)

um comentário

Comente o post

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: