Instrução – A Ressurreição Gloriosa

A Páscoa é a mais antiga e a mais solene das festas do ano eclesiástico. A nota dominante da liturgia é uma intensa alegria e gratidão pelo benefício da Redenção que se traduz pela repetição do “Aleluia”.

A celebração da Páscoa não tem dia fixo no Calendário, mas se celebra no primeiro Domingo depois da lua cheia, de março.

Jesus Cristo morreu a 14 do mês de Nisan, mês judaico lunar, correspondente mais ou menos ao nosso 22 de março a 25 de abril.

Os meses atuais sendo solares, e pelo fato sendo mais longos, há necessariamente incompatibilidade nas datas.

Em 325 o Concílio de Niceia adotou como data da ressurreição o primeiro Domingo depois da lua cheia de março. É o que faz com que a Páscoa ocorra de 22 de março a 25 de abril.

A Páscoa é pois uma data fixa, Lunar, que difere da data fixa Solar do nosso atual calendário. 

Liturgia da Vigília Pascal (clique aqui); Liturgia do Domingo da Páscoa (clique aqui).


Instrução – As tristezas e alegrias de Maria

Maria Santíssima havia bebido, até ao fundo, o cálice da amargura, sofrendo tudo o que uma criatura humana é capaz de sofrer. Este sofrimento, entretanto, tinha a sua consolação: a certeza da ressurreição, a certeza que a primeira visita de Jesus glorioso seria a sua Mãe. É certo, a aparição de Jesus a Maria Santíssima não está mencionada no Evangelho, mas pouco importa. Sabemos que os Evangelhos não relataram todas as ações do Salvador, e sabemos, também, que eles não contêm nada de inútil. Para que assinalar um fato evidente, de que não se pode duvidar?

Além disso, a humildade da Virgem Santa não permitiu aos Evangelistas que relatassem o que era unicamente para a sua exaltação, sem ser uma base para qualquer verdade dogmática. Meditemos, um instante, para terminar na alegria, a Semana dolorosa que acabamos de percorrer, vendo:
I – O fundamento desta verdade.
II – A aparição de Jesus ressuscitado.

Liturgia Diária- Sábado “De vigilia paschali”

Féria de 1ª Classe- Missa Própria – Estação em S. João do Latrão

(Paramentos roxos durante os ritos da Vigília; após, paramentos brancos)

O Sábado Santo para a primitiva Igreja era um dia de silêncio e recolhimento. Tal como na Sexta-feira Santa, não se celebrava o santo Sacrifício da Missa. Só ao escurecer começava-se a celebrar a Vigília da Páscoa, que muitas vezes, se prolongava até a madrugada do domingo, terminando com a Missa da Ressurreição.

No ano de 1951 o Santo Padre o Papa Pio XII consentiu que as cerimônias do Sábado fossem restituídas à sua hora primitiva, na noite que medeia entre sábado e domingo.

As cerimônias, que devem começar por volta das 22 horas, compreendem as seguintes partes: Bênção do fogo novo; Bênção do Círio pascal; Precônio pascal; as Leituras; Primeira parte das Ladainhas; Bênção da água batismal; Renovação das promessas do Batismo; Segunda parte das Ladainhas e a solene Missa da Vigília pascal.

Instrução – A Ressurreição Gloriosa – Pe. Júlio Maria de Lombaerde – clique aqui e leia


Páginas 436 a 470 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- Sábado “De vigilia paschali”

Féria de 1ª Classe- Missa Própria – Estação em S. João do Latrão

O Sábado Santo para a primitiva Igreja era um dia de silêncio e recolhimento. Tal como na Sexta-feira Santa, não se celebrava o santo Sacrifício da Missa. Só ao escurecer começava-se a celebrar a Vigília da Páscoa, que muitas vezes, se prolongava até a madrugada do domingo, terminando com a Missa da Ressurreição.

No ano de 1951 o Santo Padre o Papa Pio XII consentiu que as cerimônias do Sábado fossem restituídas à sua hora primitiva, na noite que medeia entre sábado e domingo.

As cerimônias, que devem começar por volta das 22 horas, compreendem as seguintes partes: Bênção do fogo novo; Bênção do Círio pascal; Precônio pascal; as Leituras; Primeira parte das Ladainhas; Bênção da água batismal; Renovação das promessas do Batismo; Segunda parte das Ladainhas e a solene Missa da Vigília pascal.


Páginas 436 a 470 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Vigília Pascal às 22 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes.


Liturgia Diária- 05/04/2018

QUINTA-FEIRA DA OITAVA DA PÁSCOA

Oitava de 1ª Classe- Missa Própria

Por muito diferentes que sejamos, o batismo e a graça de Cristo fazem de nós uma só família estreitamente unida (coleta). A conversão e batismo do eunuco etíope sublinham este duplo caráter de unidade e universalidade da Igreja, que se afirma, logo de início, como expressa vontade do Espírito Santo (epístola). 

A comovente aparição de Jesus a Maria Madalena, mostra outro aspecto da vida cristã, não menos querido ao nosso coração de crentes: pertencemos a Cristo, e o seu amor cerca a cada um de nós.

LEITURAS

Epístola (At 8, 26-40)

Leitura dos Atos dos Apóstolos. 

Naqueles dias: Um anjo do Senhor dirigiu-se a Filipe e disse: Levanta-te e vai para o sul, em direção do caminho que desce de Jerusalém a Gaza, a Deserta. Filipe levantou-se e partiu. Ora, um etíope, eunuco, ministro da rainha Candace, da Etiópia, e superintendente de todos os seus tesouros, tinha ido a Jerusalém para adorar. Voltava sentado em seu carro, lendo o profeta Isaías. O Espírito disse a Filipe: Aproxima-te para bem perto deste carro. Filipe aproximou-se e ouviu que o eunuco lia o profeta Isaías, e perguntou-lhe: Porventura entendes o que estás lendo? Respondeu-lhe: Como é que posso, se não há alguém que mo explique? E rogou a Filipe que subisse e se sentasse junto dele. A passagem da Escritura, que ia lendo, era esta: Como ovelha, foi levado ao matadouro; e como cordeiro mudo diante do que o tosquia, ele não abriu a sua boca. Na sua humilhação foi consumado o seu julgamento. Quem poderá contar a sua descendência? Pois a sua vida foi tirada da terra (Is 53,7s.). O eunuco disse a Filipe: Rogo-te que me digas de quem disse isto o profeta: de si mesmo ou de outrem? Começou então Filipe a falar, e, principiando por essa passagem da Escritura, anunciou-lhe Jesus. Continuando o caminho, encontraram água. Disse então o eunuco: Eis aí a água. Que impede que eu seja batizado? [Filipe respondeu: Se crês de todo o coração, podes sê-lo. Eu creio, disse ele, que Jesus Cristo é o Filho de Deus.] E mandou parar o carro. Ambos desceram à água e Filipe batizou o eunuco. Mal saíram da água, o Espírito do Senhor arrebatou Filipe dos olhares do eunuco, que, cheio de alegria, continuou o seu caminho. Filipe, entretanto, foi transportado a Azoto. Passando além, pregava o Evangelho em todas as cidades, até que chegou a Cesareia.

Evangelho (Jo 20, 11-18)

Sequência do Santo Evangelho segundo João.

Naquele tempo: Entretanto, Maria se conservava do lado de fora perto do sepulcro e chorava. Chorando, inclinou-se para olhar dentro do sepulcro. Viu dois anjos vestidos de branco, sentados onde estivera o corpo de Jesus, um à cabeceira e outro aos pés. Eles lhe perguntaram: Mulher, por que choras? Ela respondeu: Porque levaram o meu Senhor, e não sei onde o puseram. Ditas estas palavras, voltou-se para trás e viu Jesus em pé, mas não o reconheceu. Perguntou-lhe Jesus: Mulher, por que choras? Quem procuras? Supondo ela que fosse o jardineiro, respondeu: Senhor, se tu o tiraste, dize-me onde o puseste e eu o irei buscar. Disse-lhe Jesus: Maria! Voltando-se ela, exclamou em hebraico: Rabôni! (que quer dizer Mestre). Disse-lhe Jesus: Não me retenhas, porque ainda não subi a meu Pai, mas vai a meus irmãos e dize-lhes: Subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus. Maria Madalena correu para anunciar aos discípulos que ela tinha visto o Senhor e contou o que ele lhe tinha falado.

 

Liturgia Diária- 04/04/2018

QUARTA-FEIRA DA OITAVA DA PÁSCOA

Oitava de 1ª Classe- Missa Própria

Pela terceira vez aparece Jesus aos seus discípulos e renova sobre as águas do lago de Tiberíades o prodígio da pesca milagrosa. Os Santos Padres não deixaram de ver nos 153 corpulentos peixes, que Pedro arrasta para a praia, os neófitos nascidos para a vida sobrenatural nas águas do batismo, e conduzidos por Pedro aos pés de Jesus ressuscitado. 

Toda a missa deste dia canta ao mesmo tempo a ressurreição do Salvador e a vida nova dos batizados. A entrada na Igreja simboliza já o acolhimento de Deus no seu reino (introito) e a Eucaristia é o alegre presságio do banquete celeste (ofertório). Toda a Igreja se sente rejuvenescer e vai haurir, na recepção dos sacramentos, as graças de vida sobrenatural, que a preparam para as alegrias da eternidade. 

LEITURAS

Leitura (At 3, 13-15; e 17-19)

Leitura dos Atos dos Apóstolos. 

Naqueles dias Pedro tomando a palavra disse: O Deus de Abraão, de Isaac, de Jacó, o Deus de nossos pais glorificou seu servo Jesus, que vós entregastes e negastes perante Pilatos, quando este resolvera soltá-lo. Mas vós renegastes o Santo e o Justo e pedistes que se vos desse um homicida. Matastes o Príncipe da vida, mas Deus o ressuscitou dentre os mortos: disso nós somos testemunhas. Agora, irmãos, sei que o fizestes por ignorância, como também os vossos chefes. Deus, porém, assim cumpriu o que já antes anunciara pela boca de todos os profetas: que o seu Cristo devia padecer. Arrependei-vos, portanto, e convertei-vos para serem apagados os vossos pecados.

Evangelho (Jo 21, 1-14)

Sequência do Santo Evangelho segundo João. 

Naquele tempo: Depois disso, tornou Jesus a manifestar-se aos seus discípulos junto ao lago de Tiberíades. Manifestou-se deste modo: Estavam juntos Simão Pedro, Tomé (chamado Dídimo), Natanael (que era de Caná da Galiléia), os filhos de Zebedeu e outros dois dos seus discípulos. Disse-lhes Simão Pedro: Vou pescar. Responderam-lhe eles: Também nós vamos contigo. Partiram e entraram na barca. Naquela noite, porém, nada apanharam.
Chegada a manhã, Jesus estava na praia. Todavia, os discípulos não o reconheceram. Perguntou-lhes Jesus: Amigos, não tendes acaso alguma coisa para comer? Não, responderam-lhe. Disse-lhes ele: Lançai a rede ao lado direito da barca e achareis. Lançaram-na, e já não podiam arrastá-la por causa da grande quantidade de peixes. Então aquele discípulo, que Jesus amava, disse a Pedro: É o Senhor! Quando Simão Pedro ouviu dizer que era o Senhor, cingiu-se com a túnica (porque estava nu) e lançou-se às águas. Os outros discípulos vieram na barca, arrastando a rede dos peixes (pois não estavam longe da terra, senão cerca de duzentos côvados). Ao saltarem em terra, viram umas brasas preparadas e um peixe em cima delas, e pão. Disse-lhes Jesus: Trazei aqui alguns dos peixes que agora apanhastes.
Subiu Simão Pedro e puxou a rede para a terra, cheia de cento e cinqüenta e três peixes grandes. Apesar de serem tantos, a rede não se rompeu. Disse-lhes Jesus: Vinde, comei. Nenhum dos discípulos ousou perguntar-lhe: Quem és tu?, pois bem sabiam que era o Senhor. Jesus aproximou-se, tomou o pão e lhos deu, e do mesmo modo o peixe.
Era esta já a terceira vez que Jesus se manifestava aos seus discípulos, depois de ter ressuscitado.

 

Liturgia Diária- 03/04/2018

TERÇA-FEIRA DA OITAVA DA PÁSCOA

Oitava de 1ª Classe- Missa Própria

Ontem em São Pedro, hoje em São Paulo “extra muros”, a Igreja dirige aos seus filhos mais novos, reunidos à sua volta, o testemunho do grande apóstolo, acerca da Ressurreição de Cristo. É sempre o mesmo apelo para as Escrituras, postas em confronto com os acontecimentos que marcaram o fim da carreira do Salvador: a sua Paixão, morte e Ressurreição. O evangelho narra a aparição, em que Jesus dá aos seus discípulos, reunidos no Cenáculo, no próprio dia da Páscoa, as provas palpáveis aparições do Senhor.

 


Páginas 481 a 484 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre,1963).


LEITURAS

Epístola (At 13,16 e 26-33)

Leitura dos Atos dos Apóstolos.

Naqueles dias: Paulo levantou-se, fez um sinal com a mão e falou: Homens de Israel e vós que temeis a Deus, ouvi. Irmãos, filhos de Abraão, e os que entre vós temem a Deus: a nós é que foi dirigida a mensagem de salvação. Com efeito, os habitantes de Jerusalém e os seus magistrados não conheceram Jesus, e, sentenciando-o, cumpriram os oráculos dos profetas, que cada sábado são lidos. Embora não achassem nele culpa alguma de morte, pediram a Pilatos que lhe tirasse a vida. Depois de realizarem todas as coisas que dele estavam escritas, tirando-o do madeiro, puseram-no num sepulcro. Mas Deus o ressuscitou dentre os mortos. Durante muitos dias apareceu àqueles que com ele subiram da Galiléia a Jerusalém, os quais até agora são testemunhas dele junto ao povo. Nós vos anunciamos: a promessa feita a nossos pais, Deus a tem cumprido diante de nós, seus filhos, suscitando Jesus, como também está escrito no Salmo segundo: Tu és meu Filho, eu hoje te gerei (Sl 2,7).

Evangelho (Lc 24, 36-47)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas.

Naquele tempo: Jesus apresentou-se no meio dos apóstolos e disse-lhes: A paz esteja convosco! Perturbados e espantados, pensaram estar vendo um espírito. Mas ele lhes disse: Por que estais perturbados, e por que essas dúvidas nos vossos corações? Vede minhas mãos e meus pés, sou eu mesmo; apalpai e vede: um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que tenho. E, dizendo isso, mostrou-lhes as mãos e os pés. Mas, vacilando eles ainda e estando transportados de alegria, perguntou: Tendes aqui alguma coisa para comer? Então ofereceram-lhe um pedaço de peixe assado. Ele tomou e comeu à vista deles. Depois lhes disse: Isto é o que vos dizia quando ainda estava convosco: era necessário que se cumprisse tudo o que de mim está escrito na Lei de Moisés, nos profetas e nos Salmos. Abriu-lhes então o espírito, para que compreendessem as Escrituras, dizendo: Assim é que está escrito, e assim era necessário que Cristo padecesse, mas que ressurgisse dos mortos ao terceiro dia. E que em seu nome se pregasse a penitência e a remissão dos pecados a todas as nações, começando por Jerusalém.

 

Liturgia Diária- 02/04/2018

SEGUNDA-FEIRA DA OITAVA DA PÁSCOA

Festa de 1ª Classe- Missa Própria

A oitava da Páscoa, outrora de preceito, era uma festa contínua. A missa estacional dava ensejo aos neófitos de se reunirem todos os dias ostentando as vestes brancas, símbolo de vida nova.

Neste primeiro dia da semana, a estação é em São Pedro, no túmulo do chefe da Igreja, o primeiro apóstolo que viu o Senhor na manhã de Páscoa. A epístola faz-nos ouvir a sua voz. Depois de haver resumido a carreira de Jesus, Pedro dá testemunho da Ressurreição e apela para as profecias: é do Senhor que elas falavam; é a fé em Cristo ressuscitado que outorga aos homens a remissão dos pecados. Na aparição aos discípulos de Emaús, o próprio Jesus, “começando por Moisés e percorrendo todos os profetas”, havia de lembrar-lhes tudo o que a Ele se referia. Este duplo testemunho das Escrituras e dos Apóstolos confere à fé cristã um fundamento sólido, em que poderá apoiar-se sempre.

 

Obs.: Durante toda a semana, até o Sábado in Albis se cantará também a Sequência do Domingo: V”ictimae Paschali laudes”.


Páginas 476 a 481 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963). 


LEITURAS

Leitura (At 10,37-43)

Leitura dos Atos dos Apóstolos.

Naqueles dias, Pedro, estando no meio do povo disse: Vós sabeis como tudo isso aconteceu na Judéia, depois de ter começado na Galiléia, após o batismo que João pregou. Vós sabeis como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com o poder, como ele andou fazendo o bem e curando todos os oprimidos do demônio, porque Deus estava com ele. E nós somos testemunhas de tudo o que fez na terra dos judeus e em Jerusalém. Eles o mataram, suspendendo-o num madeiro. Mas Deus o ressuscitou ao terceiro dia e permitiu que aparecesse, não a todo o povo, mas às testemunhas que Deus havia predestinado, a nós que comemos e bebemos com ele, depois que ressuscitou. Ele nos mandou pregar ao povo e testemunhar que é ele quem foi constituído por Deus juiz dos vivos e dos mortos. Dele todos os profetas dão testemunho, anunciando que todos os que nele crêem recebem o perdão dos
pecados por meio de seu nome.

Evangelho (Lc 24, 13-35)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas.  

Naquele tempo: Dois discípulos caminhavam para uma aldeia chamada Emaús, distante de Jerusalém sessenta estádios. Iam falando um com o outro de tudo o que se tinha passado. Enquanto iam conversando e discorrendo entre si, o mesmo Jesus aproximou-se deles e caminhava com eles. Mas os olhos estavam-lhes como que vendados e não o reconheceram. Perguntou-lhes, então: De que estais falando pelo caminho, e por que estais tristes? Um deles, chamado Cléofas, respondeu-lhe: És tu acaso o único forasteiro em Jerusalém que não sabe o que nela aconteceu estes dias? Perguntou-lhes ele: Que foi? Disseram: A respeito de Jesus de Nazaré… Era um profeta poderoso em obras e palavras, diante de Deus e de todo o povo. Os nossos sumos sacerdotes e os nossos magistrados o entregaram para ser condenado à morte e o crucificaram. Nós esperávamos que fosse ele quem havia de restaurar Israel e agora, além de tudo isto, é hoje o terceiro dia que essas coisas sucederam. É verdade que algumas mulheres dentre nós nos alarmaram. Elas foram ao sepulcro, antes do nascer do sol; e não tendo achado o seu corpo, voltaram, dizendo que tiveram uma visão de anjos, os quais asseguravam que está vivo. Alguns dos nossos foram ao sepulcro e acharam assim como as mulheres tinham dito, mas a ele mesmo não viram. Jesus lhes disse: Ó gente sem inteligência! Como sois tardos de coração para crerdes em tudo o que anunciaram os profetas! Porventura não era necessário que Cristo sofresse essas coisas e assim entrasse na sua glória? E começando por Moisés, percorrendo todos os profetas, explicava-lhes o que dele se achava dito em todas as Escrituras. Aproximaram-se da aldeia para onde iam e ele fez como se quisesse passar adiante. Mas eles forçaram-no a parar: Fica conosco, já é tarde e já declina o dia. Entrou então com eles. Aconteceu que, estando sentado conjuntamente à mesa, ele tomou o pão, abençoou-o, partiu-o e serviu-lho. Então se lhes abriram os olhos e o reconheceram… mas ele desapareceu. Diziam então um para o outro: Não se nos abrasava o coração, quando ele nos falava pelo caminho e nos explicava as Escrituras? Levantaram-se na mesma hora e voltaram a Jerusalém. Aí acharam reunidos os Onze e os que com eles estavam. Todos diziam: O Senhor ressuscitou verdadeiramente e apareceu a Simão. Eles, por sua parte, contaram o que lhes havia acontecido no caminho e como o tinham reconhecido ao partir o pão.

 

Liturgia Diária- Domingo da Ressurreição de Nosso Senhor

Domingo de 1ª Classe- Missa Própria

A Páscoa é a festa por excelência, a alegria sem sombras dos cristãos. A missa, na grande oração de ação de graças, dirá, logo às primeiras palavras do prefácio, o motivo desta incomparável alegria: Se é justo louvar a Deus a todo momento, quanto mais o é neste dia em que Cristo, nossa Páscoa, foi imolado para expiar os pecados do mundo, nos comunicando a vida pela sua morte e ressurreição. A Páscoa é a destruição do pecado, a vitória sobre a morte, a recuperação da vida divina, a promoção do nosso próprio corpo à imortalidade. Perante tantas certezas, toda tristeza deve ceder.

“Haec dis quam fecit Dominus”: Eis o dia que o Senhor fez. Durante toda a oitava, cantaremos a alegria desta solenidade sem par, que nos franqueia as portas da eternidade. Cada domingo é como que a sua lembrança, e, de domingo a domingo, ano a ano, as páscoas desta Terra conduzir-nos-ão ao dia feliz, em que Cristo há de voltar, resplandecente de glória, para nos introduzir conSigo no reino do pai. 

OBS.: “Em toda a América Latina, em virtude de especial indulto concedido pelo Santo Padre João XXIII, em 8 de agosto de 1959 (Faculdade Decenal sob n. 11), todos os fiéis podem cumprir o preceito da Santa Comunhão Pascal [3º mandamento da Igreja], desde o domingo da Setuagésima até a Festa de Nossa Senhora do Carmo (16 de julho), inclusive.” (Missal Quotidiano, D. Beda Keckeisen OSB, 1962, p. 43). 


Páginas 471 a 476 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963).


Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Santa Terezinha. (Não haverá Missa de manhã)


PRÓPRIO DO DIA

Introito (Salmo 138, 5-6;1-2)

Ressurgi e ainda estou convosco, aleluia: colocastes sobre mim a vossa mão, admirável se manifestou a vossa ciência, aleluia, aleluia. Sl. Vós, Senhor, me provastes e conhecestes. Vós conheceis o dia da minha morte e da minha ressurreição. Glória ao Pai. 

Coleta

Ó Deus, que pelo triunfo do vosso Filho Unigênito sobre a morte, nos abristes hoje de novo o caminho da eternidade, fazei que realizemos com a vossa ajuda os desejos que a vossa graça nos inspira. Pelo mesmo Nosso Senhor Jesus Cristo.

Epístola (ICor 5,7-8)


Se ressuscitamos com Cristo, a nossa vida tem necessariamente de ser outra. Os judeus só podiam comer o cordeiro pascal com pão ázimo; comamos nós também Cristo “nossa páscoa”, com o pão sem fermento duma vida sem mancha, isenta de todo o fermento de pecado.


Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Coríntios.

Naqueles dias: Purificai-vos do velho fermento, para que sejais massa nova, porque sois pães ázimos, porquanto Cristo, nossa Páscoa, foi imolado. Celebremos, pois, a festa, não com o fermento velho nem com o fermento da malícia e da corrupção, mas com os pães não fermentados de pureza e de verdade.

Gradual (Salmo 117, 24;1)

Este é o dia que o Senhor fez. Exultemos nele e rejubilemos nele. Glorificai o Senhor, porque Ele é bom e é eterna a sua misericórdia.

Aleluia (I Coríntios 5,7)

Aleluia, aleluia. Cristo foi imolado como nossa Páscoa.

Sequência

À Vítima pascal ofereçam
Os cristãos sacrifícios de louvor.
O Cordeiro resgatou as ovelhas:
Cristo o Inocente
Reconciliou com o Pai os pecadores.
A morte e a vida
Travaram um admirável combate:
Depois de morto,
Vive e reina o Autor da vida.
Diz-nos, Maria,
Que viste no caminho?
Vi o sepulcro de Cristo vivo
E a glória do Ressuscitado.
Vi as testemunhas dos Anjos,
Vi o sudário e a mortalha.
Ressuscitou Cristo, minha esperança:
Precederá os seus discípulos na Galileia.
Sabemos e acreditamos
Cristo ressuscitou dos mortos:
Ó Rei vitorioso,
Tende piedade de nós.
Amém. Alleluia.


Victimae paschali laudes immolent Christiani. Agnus redemit oves: Christus innocens Patri reconciliavit peccatores. Mors et vita duello conflixere mirando: dux vitae mortuus, regnat vivus. Dic nobis Maria, quid vidisti in via? Sepulcrum Christi viventis, et gloriam vidi resurgentis: Angelicos testes, sudarium, et vestes. Surrexit Christus spes mea: praecedet suos in Galilaeam. Scimus Christum surrexisse a mortuis vere: tu nobis, victor Rex, miserere. Amen. Alleluia.


Evangelho (Mc 16, 1-7)


Ao lado do túmulo vazio, um anjo anuncia às santas mulheres a Ressurreição de Jesus. É a nós que ele se dirige por intermédio da Igreja. A narrativa evangélica das aparições, que vamos ler durante esta semana, deve firmar a nossa fé, do mesmo modo que a visão de Cristo ressuscitado foi uma âncora para a fé de seus discípulos.


Sequência do Santo Evangelho segundo Marcos.

Naquele tempo: Passado o sábado, Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago, e Salomé compraram aromas para ungir Jesus. E no primeiro dia da semana, foram muito cedo ao sepulcro, mal o sol havia despontado. E diziam entre si: Quem nos há de remover a pedra da entrada do sepulcro? Levantando os olhos, elas viram removida a pedra, que era muito grande. Entrando no sepulcro, viram, sentado do lado direito, um jovem, vestido de roupas brancas, e assustaram-se. Ele lhes falou: Não tenhais medo. Buscais Jesus de Nazaré, que foi crucificado. Ele ressuscitou, já não está aqui. Eis o lugar onde o depositaram. Mas ide, dizei a seus discípulos e a Pedro que ele vos precede na Galiléia. Lá o vereis como vos disse.

Ofertório (Salmo 75, 9-10*)

A terra estremeceu e ficou em paz, quando Cristo por sua virtude ressuscitou, aleluia.

Secreta

Dignai-Vos receber, Senhor, as preces do vosso povo e juntamente a oblação deste sacrifício, para que, santificados com estes mistérios pascais, nos conciliem, por vossa graça, remédios de vida eterna. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Comunhão (I Coríntios 5, 7-8)

Cristo, nossa Páscoa, foi imolado, aleluia. Por isso celebramo-la com ázimos de pureza e de verdade, aleluia, aleluia, aleluia.

Pós Comunhão

Derramai sobre nós, Senhor, o espírito da vossa caridade e fazei, por vossa misericórdia, que vivam concordes aqueles que saciastes com estes mistérios pascais. Por Nosso Senhor Jesus Cristo Vosso Filho, que convosco vive e reina em unidade do mesmo Espírito. 


PARTITURAS E ÁUDIOS