Liturgia Diária- Festa do Preciosíssimo Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo

Festa de 1ª Classe- Missa própria

Juntamente com o Corpo de Nosso Senhor, adoramos na santa Missa o seu preciosíssimo Sangue. Se a Igreja celebra ainda uma festa especial em honra do preciosíssimo Sangue, é porque quer pôr diante dos nossos olhos as graças que o Salvador nos comunicou, derramando-o em nosso favor (Epístola). Pelo Sangue que correu do seu lado, perdoou Deus ao mundo (Introito e Oração). A água e o Sangue nos comunicam a salvação e os frutos da Redenção pelos Sacramentos do Batismo e da Eucaristia. No santo Sacrifício corre este mesmo Sangue em nossos altares (Ofertório), e dele participamos, enquanto esperamos a sua vinda, para nossa salvação (Communio).


Páginas 1145 a 1148 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- Natividade de S. João Batista

Festa de 1ª Classe- Missa própria

É o próprio Salvador quem chama S. João, o maior dentre os que nasceram de mulher. Grande ele é pelos milagres e fatos extraordinários que acompanham o seu nascimento. Grande por sua vocação de Precursor do Salvador do mundo. Grande ainda por sua vida e seu martírio glorioso.

Pela boca do Profeta Isaías, S. João anuncia a sua vocação sublime (Introito e Epístola). Seu nascimento foi motivo de grande regozijo no seio da família e por isso também toda a família cristã pede esta alegria espiritual (Oração). O Evangelho nos conta os acontecimentos bíblicos. Alegremo-nos na festa de hoje, pois aquele que neste dia nasceu — seis meses antes do Salvador — nos prepara para o nosso próprio renascimento, em Jesus Cristo para uma vida nova (Postcommunio).


Páginas 1126 a 1129 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Liturgia Diária- Festa do Preciosíssimo Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo

Festa de 1ª Classe- Missa própria

Juntamente com o Corpo de Nosso Senhor, adoramos na santa Missa o seu preciosíssimo Sangue. Se a Igreja celebra ainda uma festa especial em honra do preciosíssimo Sangue, é porque quer pôr diante dos nossos olhos as graças que o Salvador nos comunicou, derramando-o em nosso favor (Epístola). Pelo Sangue que correu do seu lado, perdoou Deus ao mundo (Introito e Oração). A água e o Sangue nos comunicam a salvação e os frutos da Redenção pelos Sacramentos do Batismo e da Eucaristia. No santo Sacrifício corre este mesmo Sangue em nossos altares (Ofertório), e dele participamos, enquanto esperamos a sua vinda, para nossa salvação (Communio).


Páginas 1145 a 1148 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Missa às 18 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes.


Liturgia Diária- Natividade de S. João Batista

Festa de 1ª Classe- Missa própria

É o próprio Salvador quem chama S. João, o maior dentre os que nasceram de mulher. Grande ele é pelos milagres e fatos extraordinários que acompanham o seu nascimento. Grande por sua vocação de Precursor do Salvador do mundo. Grande ainda por sua vida e seu martírio glorioso.

Pela boca do Profeta Isaías, S. João anuncia a sua vocação sublime (Introito e Epístola). Seu nascimento foi motivo de grande regozijo no seio da família e por isso também toda a família cristã pede esta alegria espiritual (Oração). O Evangelho nos conta os acontecimentos bíblicos. Alegremo-nos na festa de hoje, pois aquele que neste dia nasceu — seis meses antes do Salvador — nos prepara para o nosso próprio renascimento, em Jesus Cristo para uma vida nova (Postcommunio).


Páginas 1126 a 1129 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Missa às 18 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes.


Liturgia Diária- 15/08/2018

FESTA DA ASSUNÇÃO DE MARIA SANTÍSSIMA

Festa de 1ª Classe- Missa Própria

Maria, levada até ao Céu, recebe, no seio da Santíssima Trindade, a coroa real, das mãos do seu Filho, no meio das aclamações da corte angélica.

No dia 1 de novembro de 1950, Pio XII definia o dogma da Assunção. Proclamava assim solenemente que a crença segunda a qual a Santíssima Virgem Maria ao terminal a sua vida terrestre, foi elevada em corpo e alma para a glória do Céu, faz realmente parte do depósito da fé recebida dos Apóstolos. “Bendita entre todas as mulheres” em razão da sua maternidade divina, a Virgem imaculada que tivera desde a sua Conceição o privilégio de ser isenta do pecado original, não devia jamais conhecer a corrupção do túmulo. Para evitar dado incerto, o papa absteve-se de precisar o modo e as circunstâncias de tempo e lugar em que a Assunção se teria dado: apenas o fato da Assunção de Maria em corpo e alma à glória do Céu foi objeto da definição. 

A nova missa da festa põe em evidência a própria Assunção e as suas conveniências teológicas. Maria aparece glorificada na mulher descrita no Apocalipse (introito), na filha do rei revestida de manto de ouro, do salmo 44 (gradual), na mulher que com seu filho será inimiga vitoriosa do demônio (ofertório). São-lhe aplicados os louvores dirigidos a Judite triunfante (epístola); e sobretudo considera a Assunção o coroamento de todas as glórias que derivam da maternidade divina e que a própria Virgem cantou no seu Magnificar (evangelho). As orações fazem-nos pedir a Deus que possamos, como a Santíssima Virgem, estar continuamente atentos às coisas do alto, atingir a ressurreição bem-aventurada, e partilhar da sua glória no Céu.

Na liturgia encontra-se o culto da Assunção desde o século VI no Oriente; em Roma desde o VII. EM Jerusalém, em Constantinopla e em Roma, organizava-se uma procissão em honra da Virgem. Na França a procissão que se faz em 15 de agosto no fim das vésperas, recorda a consagração do país à Santíssima Virgem por Luís XIII em 1638. 


Páginas 1230 a 1233 do Missal Quotidiano.


Missa Cantada às 9:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes.


Liturgia Diária- Festa do Preciosíssimo Sangue de Nosso Senhor

Festa de 1ª Classe- Missa Própria

0107
Sangue preciosíssimo do Salvador, fonte de vida para sempre aberta pela cruz redentora, Vós, que lavais a mancha de todo o universo, fazei desabrochar a santidade na Igreja, paraíso reencontrado.

Instituída em 1849 por Pio IX, esta festa foi elevada à categoria de 1ª Classe, por Pio XI, por ocasião do XIXº centenário da morte do Salvador. 

A liturgia da festa, recordando a cena do Calvário com a lançada que abriu o lado do divino crucificado, detém-se a comentar a significação e o alcance infinito do sacrifício do Calvário. o evangelho é o da festa do Coração de Jesus, e a epístola a do domingo da Paixão: sao os grandes temas da redenção operada simultaneamente pelo sangue e pelo amor de Cristo. “Terra, oceano, céus, universo, tudo foi purificado neste rio”. 

OBS.: Por ser festa do Senhor, hoje não se faz comemoração do domingo.


Páginas 1145 a 1148 do Missal Quotidiano.


Missa Rezada às 9:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Santa Terezinha.


Liturgia Diária- 29/06/2018

SÃO PEDRO E SÃO PAULO, Apóstolos

Festa de 1ª Classe- Missa Própria

Peter_Paul_Pic
Entre a cruz e a espada que os martirizou, um segura as chaves do poder, o outro rolos das suas epístolas. Com as suas mãos unidas, ambos sustentam a Igreja fundada sobre eles, em que Cristo, inquebrável pedra angular, une os pagãos evangelizados por Paulo aos Judeus convertidos por Pedro.

O culto dos dois grandes Apóstolos, Pedro e Paulo, tem como raízes os próprios alicerces da Igreja. Estando na origem da sua fé, ficarão para sempre seus patronos e seus guias. Roma deve-lhes a sua verdadeira grandeza. Foi a providência divina que os conduziu a ambos para fazer da capital do império, santificada pelo seu martírio, o centro do mundo cristão, donde irradiaria a pregação do Evangelho. 

São Pedro sofreu o martírio na perseguição de Nero, no ano 66 ou 67. Foi sepultado na colina do Vaticano, onde escavações recentes acabam de encontrar o seu túmulo no próprio lugar da basílica construída em sua honra por Constantino. São Paulo foi decapitado na Vila Óstia no local onde se ergue a basílica do seu nome. No decurso dos séculos, as multidões cristãs jamais cessaram de ir em peregrinação aos túmulos dos grandes Apóstolos. Nos séculos II e III vinham já retemperar a sua fé ao contato com a Igreja de Roma, constatar a sua apostolicidade, confrontar a sua doutrina infalível com a das outras Igrejas, honrar a memória de São Pedro e de São Paulo. A missa deste dia atesta a confiança da Igreja na intercessão daqueles “por quem recebeu as premissas da fé” (orações). Dá particular relevo às prerrogativas de São Pedro (evangelho), à proteção especial de Deus sobre a sua pessoa (introito, epístola); e os cristãos sabem que, quando cantam o “Tu es Petrus”, as prerrogativas do Príncipe dos Apóstolos se transmitiram aos papas, sucessores de Pedro na cátedra de Roma, como sabem também que a Providência especial de Deus continua até ao fim dos séculos a dirigir o Vigário de Cristo nas funções de chefe da Igreja. 


Páginas 1136 a 1140 do Missal Quotidiano.


Missa às 18:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes.


Liturgia Diária- Natividade de S. João Batista

FESTA DA NATIVIDADE DE SÃO JOÃO BATISTA

Festa de 1ª Classe- Missa Própria com Comemoração do Domingo

Celebrando o nascimento de São João Batista, a Igreja festeja a aurora da Redenção; seis meses antes do Natal, o nascimento do Precursor anuncia o mistério da Incarnação e participa da sua grandeza. Na Idade Média era considerado como que uma espécie de Natal do verão, com três missas como o Natal; a liturgia realça a afinidade das duas festas: basta ler a secreta e a pós-comunhão, bem como a antífona do Magnificat das 2ªs vésperas. 

“Profeta do Altíssimo”, S.João Batista é figurado por Isaías e Jeremias. Como eles e melhor que eles, foi santificado desde o ventre de sua mãe, em virtude da missão que o esperava (introito, epístola, gradual). O evangelho recorda os prodígios que assinalaram o seu nascimento: este devia ser causa de grande alegria para muitos: ainda hoje o é, e a Igreja convida todos os anos os fiéis a pedir a Deus, com a graça das alegrias sobrenaturais, a de sermos sempre guiados pelo caminho da eterna salvação (coleta).

O nome de São João Batista vem no cânon da Missa, à cabeça da segunda lista. 


Páginas 1126 a 1129 615 a 617 do Missal Quotidiano.


Missa Rezada às 9:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Diocesana. 


Liturgia Diária- 08/06/2018

FESTA DO SACRATÍSSIMO CORAÇÃO DE JESUS

Festa de 1ª Classe- Missa Própria

digitalizar0001

O calvinismo no século XVI e o jansenismo no XVII, pregaram um cristianismo desfigurado. Em vez do amor universal de Deus, que entrega o seu Filho para a salvação dos homens, semearam o temor e a angústia, resultantes do pensamento duma exclusão inexorável, a plicar a uma grande parte da humanidade. 

A Igreja contrapôs sempre a estas afirmações, o amor infinito do Salvador, que morre na cruz pelos homens. A instituição da festa do Sagrado Coração de jesus contribui para criar rapidamente entre os fiéis uma poderosa corrente de devoção, que, desde então, grandemente se tem desenvolvido. Foi São João Eudes o primeiro a compor um ofício e missa em honra do Sagrado Coração de Jesus. Mas só depois da aparição de Nosso Senhor a Santa Margarida Maria, em 1675, a festa foi instituída. Pio IX estendeu-a em 1856 à Igreja universal e Pio XI, em 1928, elevou-a à categoria de festa de 1ª classe, com oitava e missa própria. Em 1955, Pio XII suprimiu a oitava, em virtude das medidas gerais de simplificação. 

“Eis o Coração que tanto amou os homens”, dissera Nosso Senhor. Os textos da missa evocam admiravelmente a profundeza e extensão do amor do Salvador. Na epístola é São Paulo que irrompe num hino de ação de graças pelos esplendores do plano divino, de dimensões infinitas. No evangelho temos o próprio símbolo do amor de Jesus – a lançada no Coração, donde brota a água (batismo) e o sangue (Eucaristia). 


Páginas 600 a 605 do Missal Quotidiano.


Missa às 18:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes.


LEITURAS

Epístola (Ef 3,8- 19)


O plano divino da Redenção do mundo em Cristo e por Cristo revela-nos o amor que Deus nos tem, dando-nos o seu Filho.


Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Efésios.

Irmãos: A mim, o mais insignificante dentre todos os santos, coube-me a graça de anunciar entre os pagãos a inexplorável riqueza de Cristo, e a todos manifestar o desígnio salvador de Deus, mistério oculto desde a eternidade em Deus, que tudo criou. Assim, de ora em diante, as dominações e as potestades celestes podem conhecer, pela Igreja, a infinita diversidade da sabedoria divina, de acordo com o desígnio eterno que Deus realizou em Jesus Cristo, nosso Senhor. Pela fé que nele depositamos, temos plena confiança de aproximar-nos junto de Deus. Por isso vos rogo que não desfaleçais nas minhas tribulações que sofro por vós: elas são a vossa glória. Por esta causa dobro os joelhos em presença do Pai, ao qual deve a sua existência toda família no céu e na terra, para que vos conceda, segundo seu glorioso tesouro, que sejais poderosamente robustecidos pelo seu Espírito em vista do crescimento do vosso homem interior. Que Cristo habite pela fé em vossos corações, arraigados e consolidados na caridade, a fim de que possais, com todos os cristãos, compreender qual seja a largura, o comprimento, a altura e a profundidade, isto é, conhecer a caridade de Cristo, que desafia todo o conhecimento, e sejais cheios de toda a plenitude de Deus.

Evangelho (Jo 19, 31-37)


Cristo é o verdadeiro Cordeiro pascal, imolado para salvação do mundo. Em cumprimento das profecias, morre na cruz por amor de nós.


Sequência do Santo Evangelho segundo João.

Naquele tempo: Os judeus temeram que os corpos ficassem na cruz durante o sábado, porque já era a Preparação e esse sábado era particularmente solene. Rogaram a Pilatos que se lhes quebrassem as pernas e fossem retirados.
Vieram os soldados e quebraram as pernas do primeiro e do outro, que com ele foram crucificados. Chegando, porém, a Jesus, como o vissem já morto, não lhe quebraram as pernas, mas um dos soldados abriu-lhe o lado com uma lança e, imediatamente, saiu sangue e água. O que foi testemunha desse fato o atesta (e o seu testemunho é digno de fé, e ele sabe que diz a verdade), a fim de que vós creiais. Assim se cumpriu a Escritura: Nenhum dos seus ossos será quebrado (Ex 12,46). E diz em outra parte a Escritura: Olharão para aquele que transpassaram (Zc 12,10).

Liturgia Diária- Festa de Corpus Christi

FESTA DO SANTÍSSIMO CORPO DE NOSSO SENHOR

Festa de 1ª Classe- Missa Própria – Festa de Preceito

A festa do Corpo de Deus remonta ao século XIII. Instituiu-a, em 1246, o bispo de Liége, na sua diocese, a pedido instante da bem-aventurada Juliana, prioresa dum convento sito às portas da cidade, no monte Cornillon. Passados anos, Urbano IV, antigo arcediago de Liege, estendeu-a à Igreja universal. A procissão do Santíssimo, que dela faz parte, tornou a festa do Corpo de Deus, em pouco tempo, uma das mais queridas do povo. Com a sua fé na presença real, canta a Deus, nesta solenidade, o reconhecimento de todos os benefícios auferidos neste sacramento. A Eucaristia liga-se intimamente à vida da Igreja e dos fiéis. Pode-se dizer que é na Eucaristia que esta vida se vai haurir e que nela se exprime continuamente. Na Santa Missa, a Igreja atualiza sobre os nossos altares o sacrifício de Cristo, fonte da Redenção, e oferece-o incessantemente a Deus, em união com o próprio Cristo. Na Sagrado Comunhão, é a união íntima dos fiéis com Cristo, por eles imolado, que se opera, e a transformação de suas vidas pela d’Ele: nascidos para a vida da graça, nas águas batismais, alimentam-se da Eucaristia, como dum pão celeste. 

A missa e o ofício foram compostos por São Tomás. Aí se encontra, com a alma do Santo, a precisão de doutrina do grande Teólogo. 


FESTA DE NOSSA SENHORA RAINHA

Comemoração- Missa da Festa do Corpo de Deus, com 2ªs orações próprias

O povo cristão, com sua segura intuição, reconheceu sempre a dignidade real da mãe do “Rei dos reis e senhos dos senhores”. Os santos padres, doutores e papas foram os intérpretes autorizados desta tradição; e o triunfal testemunho desta crença comum resplandece na arte e na penetrante ctequese da liturgia. Por sua vez, os teólogos mostraram com sucesso quanto o título real convinha à Mãe de Deus, intimamente associada à obra redentora de seu Filho, e mediadora de todas as graças. 

Respondendo ao voto unânime dos fiéis e pastores, S.S. Pio XII instituiu, pela encíclica de 11 de Outubro de 1954 [“Ad Caeli Reginam”], a festa de Maria Rainha, sancionando assim o culto que já todos os cristãos prestavam, no seu coração, à soberana do Céu e da Terra. 


Páginas 584 a 584 e 1084 a 1086 do Missal Quotidiano.


Missa Cantada e Procissão Canônica às 9:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes.


PRÓPRIO DO DIA

Introito (Sl 80, 17*, 2)


O trigo e o mel evocam a entrado dos Hebreus na terra prometida, depois das privações do deserto. Figuram a Eucaristia, alimento da nossa vida sobrenatural.


Deu-lhes a comer da flor do trigo, aleluia, e inebriou-os com o mel dos rochedos, aleluia, aleluia, aleluia. Sl. Cantai ao Senhor com alegria, que Ele é o nosso auxílio. Cantai ao Deus de Jacó. Glória ao Pai.

Coleta

Ó Deus, que neste sacramento admirável nos deixastes o memorial da vossa Paixão, fazei, nós Vo-lo supricamos, que veneremos o vosso Corpo e Sangue de tal modo que mereçamos sentir constantemente os efeitos da vossa Redenção. Vós que viveis e reinais. 

Epístola (I Cor 11, 23-29)


Esta epístola, tirada da de Quinta-feira Santa, vem aqui para lembrar-nos a instituição da Eucaristia, fato que São Paulo e os evangelistas sinóticos nos transmitiram.


Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Coríntios.

Irmãos: Eu recebi do Senhor o que vos transmiti: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão e, depois de ter dado graças, partiu-o e disse: Isto é o meu corpo, que é entregue por vós; fazei isto em memória de mim. Do mesmo modo, depois de haver ceado, tomou também o cálice, dizendo: Este cálice é a Nova Aliança no meu sangue; todas as vezes que o beberdes, fazei-o em memória de mim. Assim, todas as vezes que comeis desse pão e bebeis desse cálice lembrais a morte do Senhor, até que venha. Portanto, todo aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor indignamente será culpável do corpo e do sangue do Senhor. Que cada um se examine a si mesmo, e assim coma desse pão e beba desse cálice. Aquele que o come e o bebe sem distinguir o corpo do Senhor, come e bebe a sua própria condenação.

Gradual (Sl 144, 15-16)

Os olhos de todos esperam em Vós, Senhor, e Vós dais-lhes de comer a seu tempo. Abris as mãos e inundais de bençãos todo o vivente.

Aleluia (Jo 6,56-57)

Aleluia, aleluia. A minha carne é verdadeiramente alimento e o meu sangue é verdadeiramente bebida. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue fica em Mim e Eu nele. 

Sequência (S.Tomás de Aquino – 1274)

Sião, exulta de alegria, louva teu pastor e guia com teus hinos, tua voz!

Tanto possas, tanto ouses, em louvá-lo não repouses: sempre excede o teu louvor!

Hoje a Igreja te convida: ao pão vivo que dá vida vem com ela celebrar!

Este Pão, que o mundo creia! por Jesus, na Santa Ceia, foi entregue aos que escolheu.

Nosso júbilo cantemos, nosso amor manifestemos, pois transborda o coração!

Quão solene a festa, o dia, que da santa Eucaristia nos recorda a instituição!

Novo Rei e nova mesa, nova Páscoa e realeza, foi-se a Páscoa dos judeus.

Era sombra o antigo povo, o que é velho cede ao novo: foge a noite, chega a luz.

O que o Cristo fez na ceia, manda à Igreja que o rodeia repeti-lo até voltar.

Seu preceito conhecemos: pão e vinho consagremos para nossa salvação.

Deve-o crer todo cristão: faz-se carne o pão de trigo, faz-se sangue o vinho amigo.

Se não vês nem compreendes, gosto e vista tu transcendes, elevado pela fé.

Pão e vinho, eis o que vemos; mas ao Cristo é que nós temos em tão ínfimos sinais.

Alimento verdadeiro, permanece o Cristo inteiro quer no vinho, quer no pão.

É por todos recebido, não em parte ou dividido, pois inteiro é que se da!

Um ou mil comungam dele, tanto este quanto aquele: multiplica-se o Senhor.

Eis a hóstia dividida… Quem hesita, quem duvida? Como é toda o autor da vida, a partícula também.

Jesus não é atingido: o sinal que é partido: mas não é diminuído, nem se muda o que contém.

Eis o pão que os anjos comem, transformado em pão do homem; só os filhos o consomem: não será lançado aos cães!

Em sinais prefigurado, por Abrão foi imolado, no cordeiro aos pais foi dado, no deserto foi maná…

Bom Pastor, pão de verdade, piedade, Jesus, piedade, conservai-nos na unidade, extingui nossa orfandade, transportai-nos para o Pai!

Aos mortais dando comida, dais também o pão da vida; que a família assim nutrida seja um dia reunida aos convivas lá do céu!

Amém! Aleluia!

Evangelho (Jo, 55-59)


Alimento de nossas almas, a carne de Cristo comunica-nos a vida divina, que Ele mesmo recebe do Pai; Ele é o pão descido do Céu, que nos dá a vida eterna. 


Sequência do Santo Evangelho segundo Mateus.

Naquele tempo, disse Jesus às multidões dos Judeus: a minha carne é verdadeiramente uma comida e o meu sangue, verdadeiramente uma bebida. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele. Assim como o Pai que me enviou vive, e eu vivo pelo Pai, assim também aquele que comer a minha carne viverá por mim. Este é o pão que desceu do céu. Não como o maná que vossos pais comeram e morreram. Quem come deste pão viverá eternamente. Tal foi o ensinamento de Jesus na sinagoga de Cafarnaum.

Ofertório (Lv 21,6)

Os sacerdotes do Senhor oferecem a Deus o pão e o incenso. E é por este motivo que se conservam santos diante de Deus e não desonram o seu nome.

Secreta

Concedei, Senhor, à vossa Igreja a graça da união e da paz, misticamente simbolizadas nos dons que Vos oferecemos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Comunhão (I Cor 11, 26-27)

Todas as vezes que comerdes deste pão e beberdes deste cálice, anunciareis a morte do Senhor, até que Ele venha. Por isso todo aquele que comer deste ´pão e beber do cálice do Senhor indignamente, será réu do corpo e do sangue do Senhor, aleluia.

Pós-comunhão

Fazei-nos, Senhor, transbordar do gozo eterno da vossa divindade que está prefigurado na recepção temporal do vosso corpo e sangue. Vós que viveis e reinais. 


PARTITURAS E ÁUDIOS

 

Liturgia Diária- Festa da Santíssima Trindade

Festa de 1ª Classe- Missa Própria

O Dogma fundamental com que toda a religião cristã se relaciona é o da Santíssima Trindade, em nome da qual todos os fiéis são batizados.

A festa da Santíssima Trindade deve ser entendida e celebrada como prolongamento dos mistérios de Cristo, como expressão solene da nossa fé na vida trinitária das Pessoas divinas, na qual fomos introduzidos pelo batismo e plea Redenção de Cristo. Só no Céu poderemos compreender como, em Cristo, nos é possível ter lugar de filhos na própria vida de Deus!

Estabelecida no século IX, a festa da Santíssima Trindade só se estendeu à Igreja universal no século XIV. Mas o culto à Santíssima Trindade enche toda a liturgia. É em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, que começa e acaba a missa, os ofícios divinos, e se conferem os sacramentos. Todos os salmos terminam pelo Gloria Patri, os hinos pela doxologia, e as orações por uma conclusão em honra das três Pessoas divinas. A Igreja faz-nos constantemente louvar e adorar o Deus três vezes Santo, que usou conosco de tal misericórdia que nos tornou partícipes da sua própria vida.


Páginas 576 a 579 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963).


APENAS Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Diocesana.


Liturgia Diária- 26/05/2018

SÁBADO DAS TÊMPORAS DE PENTECOSTES

Oitava de 1ª Classe- Missa Própria

The-Pentecost

As ordenações do sábado das Quatro-Têmporas de Pentecostes enquadram-se admiravelmente na missa de hoje, em que quase todas as partes cantáveis são apelos veementes e glorificação emocionante da ação do Espírito Santo. Este mesmo acento apaixonado de Pentecostes se encontra na primeira leitura, na epístola e nas duas primeiras coletas. A missa, porém, no seu conjunto, cede lugar de primazia à ideia de jejum, comum às Quatro-Têmporas (notar as três coletas e a secreta) e à oferta das colheitas, particularidade da festa de Pentecostes tanto para o antigo povo judeu, como para os cristãos.

A estrutura da Missa dos Catecúmenos, com as seis leituras entrecortadas de cânticos, lembra a antiga velada noturna, durante a qual se conferiam as ordenações.


Páginas 564 a 572 do Missal Quotidiano.


Missa às 18:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes.


LEITURAS

I Leitura (Joel 2, 28-32)


Eis a profecia de Joel, citada por São Pedro no seu discurso à multidão, depois do prodígio de Pentecostes (epístola da quarta-feira passada).


Leitura do profeta Joel.

Eis o que diz o Senhor Deus: Derramarei o meu Espírito sobre todo ser vivo: vossos filhos e vossas filhas profetizarão; vossos anciãos terão sonhos, e vossos jovens terão visões. Naqueles dias, derramarei também o meu Espírito sobre os escravos e as escravas. Farei aparecer prodígios no céu e na terra, sangue, fogo e turbilhões de fumo. O sol converter-se-á em trevas e a lua, em sangue, ao se aproximar o grandioso e temível dia do Senhor. Mas todo o que invocar o nome do Senhor será poupado, porque, sobre o monte Sião e em Jerusalém, haverá um resto, como o Senhor disse, e entre os sobreviventes estarão os que o Senhor tiver chamado.

II Leitura (Lv 23, 9-11; 15-17 e 21)


O Pentecostes era entre os Judeus a festa das colheitas. Depois das primícias oferecidas na Páscoa, contavam-se cinquenta dias para a oferta dum segundo sacrifício ao Senhor. A festa atual de Pentecostes vai buscar ali as suas remotas origens.


Leitura do Livro do Levítico.

Naqueles dias, o Senhor disse a Moisés: “Dize aos israelitas o seguinte: quando tiverdes entrado na terra que vos hei de dar, e fizerdes a ceifa, trareis ao sacerdote um molho de espigas como primícias de vossa ceifa. O sacerdote agitará esse molho de espigas diante do Senhor, para que ele vos seja favorável: fará isso no dia seguinte ao sábado. “A partir do dia seguinte ao sábado, desde o dia em que tiverdes trazido o molho para ser agitado, contareis sete semanas  completas. Contareis cinqüenta dias até o dia seguinte ao sétimo sábado, e apresentareis ao Senhor uma nova oferta. Trareis de vossa casa dois pães feitos de dois décimos de flor de farinha, cozidos com fermento, para agitá-los como oferta; são as primícias do Senhor. Nesse mesmo dia anunciareis a festa e convocareis uma santa assembléia: não fareis trabalho algum servil. Esta é uma lei perpétua para vossos descendentes, em qualquer lugar onde habitardes.

III Leitura (Dt 26,1-11)


Festa das fartas colheitas da Palestina, o Pentecostes lembrava aos judeus que deviam ao Senhor o país fértil onde os havia conduzido, depois de os arrancar à terra da escravidão. Presságios da Igreja e de suas colheitas espirituais, realizadas nos santos mistérios da Páscoa e do Pentecostes cristãos.


Leitura do Livro do Deuteronômio.

Naqueles dias, disse Moisés aos filhos de Israel: Ouvi Israel, Quando tiveres entrado na terra que o Senhor, teu Deus, te dá em herança, e ali te tiveres estabelecido, tomarás as primícias de todos os frutos do solo, que colheres na terra que te dá o Senhor, teu Deus, e, pondo-as num cesto, irás ao lugar escolhido pelo Senhor, teu Deus, para aí habitar seu nome. Apresentar-te-ás diante do sacerdote, que estiver em serviço naquele momento, e lhe dirás: reconheço hoje, diante do Senhor, meu Deus, que entrei na terra que o Senhor tinha jurado a nossos pais nos dar. O sacerdote, recebendo o cesto de tua mão depô-lo-á diante. do altar do Senhor, teu Deus. Dirás então em presença do Senhor, teu Deus: meu pai era um arameu prestes a morrer, que desceu ao Egito com um punhado de gente para ali viverem como forasteiros, mas tornaram-se ali um povo grande, forte e numeroso. Os egípcios afligiram-nos e oprimiram-nos, impondo-nos uma penosa servidão. Clamamos então ao Senhor, o Deus de nossos pais, e ele ouviu nosso clamor, e viu nossa aflição, nossa miséria e nossa angústia. O Senhor tirou-nos do Egito com sua mão poderosa e o vigor de seu braço, operando prodígios e portentosos milagres. Conduziu-nos a esta região e deu-nos esta terra que mana leite mel. Por isso trago agora as primícias dos frutos do solo que me destes, ó Senhor. Dito isto, deporás o cesto diante do Senhor, teu Deus, prostrando-te em sua presença. Depois, alegrar-te-ás por todos os bens que o Senhor, teu Deus, te tiver dado, a ti e à tua casa, tu e o levita, e o estrangeiro que mora no meio de ti.

IV Leitura (Lv 26, 3-12)


A fidelidade a Deus é condição da Aliança Nova, como o fora da Antiga, e fonte de bençãos celestes.


Leitura do Livro de Levítico. 

Naqueles dias disse o Senhor a Moisés: Falarás aos filhos de Israel e lhes dirá: Se seguirdes minhas leis e guardardes os meus preceitos e os praticardes, eu vos darei as chuvas nos seus tempos. A terra dará o seu produto e as árvores da terra se carregarão de frutos. A debulha do trigo prolongar-se-á até a vindima, e a vindima até a sementeira; comereis o vosso pão à saciedade, e habitareis em segurança na vossa terra. Darei paz à vossa terra, e vosso sono não será perturbado. Afastarei da terra os animais nocivos, e a espada não passará pela vossa terra. Quando perseguirdes os vossos inimigos, cairão sob vossa espada. Cinco dentre vós perseguirão um cento, e cem dos vossos perseguirão dez mil, e os vossos inimigos cairão sob vossa espada. Eu me voltarei para vós, e vos farei crescer; multiplicar-vos-ei e ratificarei a minha aliança convosco. Comereis as colheitas antigas, bem conservadas, e lançareis fora as velhas, para dar lugar às novas. Porei o meu tabernáculo no meio de vós, e a minha alma não vos rejeitará. Andarei entre vós: serei o vosso Deus e vós sereis o meu povo.

V Leitura (Dn 3, 47-51)

Leitura do profeta Daniel.

Naqueles dias: O anjo do Senhor havia descido com Azarias e seus companheiros à fornalha e afastava o fogo. Fez do centro da fogueira como um lugar onde soprasse uma brisa matinal: o fogo nem mesmo os tocava, nem lhes fazia mal algum, nem lhes causava a menor dor. Então os três jovens elevaram suas vozes em uníssono para louvar, glorificar e bendizer a Deus dentro da fornalha, neste cântico:

Epístola (Rm 5, 1-5)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Romanos.

Irmãos: Justificados, pois, pela fé temos a paz com Deus, por meio de nosso Senhor Jesus Cristo. Por ele é que tivemos acesso a essa graça, na qual estamos firmes, e nos gloriamos na esperança de possuir um dia a glória de Deus. Não só isso, mas nos gloriamos até das tribulações. Pois sabemos que a tribulação produz a paciência, a paciência prova a fidelidade e a fidelidade, comprovada, produz a esperança. E a esperança não engana. Porque o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado.

Evangelho (Lc 4, 38-44)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas.

Naquele tempo: Saindo Jesus da sinagoga, entrou na casa de Simão. A sogra de Simão estava com febre alta; e pediram-lhe por ela. Inclinando-se sobre ela, ordenou ele à febre, e a febre deixou-a. Ela levantou-se imediatamente e pôs-se a servi-los. Depois do pôr-do-sol, todos os que tinham enfermos de diversas moléstias lhos traziam. Impondo-lhes a mão, os sarava. De muitos saíam os demônios, aos gritos, dizendo: Tu és o Filho de Deus. Mas ele repreendia-os severamente, não lhes permitindo falar, porque sabiam que ele era o Cristo. Ao amanhecer, ele saiu e retirou-se para um lugar afastado. As multidões o procuravam e foram até onde ele estava e queriam detê-lo, para que não as deixasse. Mas ele disse-lhes: É necessário que eu anuncie a boa nova do Reino de Deus também às outras cidades, pois essa é a minha missão. E andava pregando nas sinagogas da Galiléia.

Liturgia Diária- 25/05/2018

SEXTA-FEIRA DAS TÊMPORAS DE PENTECOSTES

Oitava de 1ª Classe- Missa Própria

7_icone_de_la_pentecote

Joel anunciara a vinda dos tempos messiânicos e o regresso a uma era de excepcional prosperidade. A abundância das colheitas seria o sinal palpável da proteção divina e da presença de Deus no meio do seu povo (epístola). Nas Têmporas do Verão, a Igreja invoca as bençãos de Deus para a próxima colheita. Mas, ultrapassando os limites dos interesses meramente terrenos, o seu pensamento reporta-se principalmente aos dons sobrenaturais, que o Espírito Santo, nela presente, derrama sobre os fiéis. A mesma sobreposição dos dois planos – natural e sobrenatural -, como no evangelho, onde nos aparece o paralítico curado de alma e corpo. A segunda cura fornece a prova da primeira, e mais profundamente, da presença de Deus entre o seu povo.


Páginas 561 a 564 do Missal Quotidiano.


Hoje não haverá Missa.


LEITURAS

Epístola (Joel 2,13-24 e 26-27)

Leitura do profeta Joel. 

Eis o que diz o Senhor Deus:  Alegrai-vos, filhos de Sião, e rejubilai no Senhor, vosso Deus, porque ele vos dá as chuvas do outono no tempo oportuno, e faz cair chuvas copiosas sobre vós, as chuvas do outono e da primavera, como dantes. As eiras se encherão de trigo, os lagares transbordarão de vinho e de óleo novo. Comereis abundantemente e vos fartareis, e louvareis o nome do Senhor, vosso Deus, que fez maravilhas em vosso favor; e jamais meu povo será confundido. Sabereis então que estou no meio de Israel, que sou o Senhor, vosso Deus, e que não há outro. E jamais meu povo será confundido.

Evangelho (Lc 5,17-26)

Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo Segundo São Lucas:

Naquele tempo, estava Jesus ensinando, estando sentados ao seu redor  fariseus e doutores da lei, vindos de todas as localidades da Galiléia, da Judéia e de Jerusalém. E o poder do Senhor fazia-o realizar várias curas. Apareceram algumas pessoas trazendo num leito um homem paralítico; e procuravam introduzi-lo na casa e pô-lo diante dele. Mas não achando por onde o introduzir, por causa da multidão, subiram ao telhado e por entre as telhas o arriaram com o leito ao meio da assembléia, diante de Jesus. Vendo a fé que tinham, disse Jesus: Meu amigo, os teus pecados te são perdoados. Então os escribas e os fariseus começaram a pensar e a dizer consigo mesmos: Quem é este homem que profere blasfêmias? Quem pode perdoar pecados senão unicamente Deus? Jesus, porém, penetrando nos seus pensamentos, replicou-lhes: Que pensais nos vossos corações? Que é mais fácil dizer: Perdoados te são os pecados; ou dizer: Levanta-te e anda? Ora, para que saibais que o Filho do Homem tem na terra poder de perdoar pecados (disse ele ao paralítico), eu te ordeno: levanta-te, toma o teu leito e vai para tua casa.
No mesmo instante, levantou-se ele à vista deles, tomou o leito e partiu para casa, glorificando a Deus. Todos ficaram transportados de entusiasmo e glorificavam a Deus; e tomados de temor, diziam: Hoje vimos coisas maravilhosas.

Liturgia Diária- 24/05/2018

QUINTA-FEIRA DA OITAVA DE PENTECOSTES

Oitava de 1ª Classe- Missa do Domingo com Leituras próprias

Anthonis_van_Dyck3ph (1)

Tardiamente introduzida, a missa de quinta-feira de Pentecostes limita-se a repetir os textos da festa, com exceção da epístola e do evangelho.

Apoiados no nome de Jesus, os Apóstolos garantem a autenticidade da sua pregação, fazendo os mesmos portentosos milagres que Ele operou: as expulsões dos demônios significam, aqui, de modo particular, que o reino de Deus já chegou. Jesus havia anunciado a rápida extensão da Igreja pela pregação dos Apóstolos, que, de aldeia em aldeia, iriam levar a “Boa-nova” aos que quisessem ouvi-la.

LEITURAS

Epístola (At 8, 5-8)

Leitura dos Atos dos Apóstolos.

Naquele tempo: Filipe desceu à cidade de Samaria, pregando-lhes Cristo. A multidão estava atenta ao que Filipe lhe dizia, escutando-o unanimemente e presenciando os prodígios que fazia. Pois os espíritos imundos de muitos possessos saíam, levantando grandes brados. Igualmente foram curados muitos paralíticos e coxos. Por esse motivo, naquela cidade reinava grande alegria…

Evangelho (Lc 9, 1-6)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas. 

Naquele tempo: Reunindo Jesus os doze apóstolos, deu-lhes poder e autoridade sobre todos os demônios, e para curar enfermidades. Enviou-os a pregar o Reino de Deus e a curar os enfermos. Disse-lhes: Não leveis coisa alguma para o caminho, nem bordão, nem mochila, nem pão, nem dinheiro, nem tenhais duas túnicas. Em qualquer casa em que entrardes, ficai ali até que deixeis aquela localidade. Onde ninguém vos receber, deixai aquela cidade e em testemunho contra eles sacudi a poeira dos vossos pés. Partiram, pois, e percorriam as aldeias, pregando o Evangelho e fazendo curas por toda parte.

Liturgia Diária- 22/05/2018

TERÇA-FEIRA DA OITAVA DE PENTECOSTES

Missa de 1ª Classe- Missa Própria

HS Icon New

A Igreja continua a dirigir-se aos filhos mais novos, que adquiriu no batismo do Sábado Santo e da vigília de Pentecostes.

Convida-os a render graças a Deus pelo benefício imenso da vocação cristã (introito). Participam já dos dons do seu Espírito (epístola), que purifica e santifica os corações, esclarece as inteligências, e lhes dá o vigor indispensável para rebaterem as potências adversas (oração). Andam à sombra do cajado do Pastor divino, que, após haver dado a vida por suas ovelhas, continua, vigilante, junto delas, defendendo-as, conduzindo-as às melhores pastagens da sua Igreja (evangelho). 

LEITURAS

Epístola (At 8, 14-17 )


Aos novos convertidos da Samaria, batizados pelo diácono Filipe, a oração dos Apóstolos e a imposição das mãos confere o dom do Espírito Santo. É o sacramento da confirmação.


Leitura dos Atos dos Apóstolos.

Naquele tempo: Os apóstolos que se achavam em Jerusalém, tendo ouvido que a Samaria recebera a palavra de Deus, enviaram-lhe Pedro e João. Estes, assim que chegaram, fizeram oração pelos novos fiéis, a fim de receberem o Espírito Santo, visto que não havia descido ainda sobre nenhum deles, mas tinham sido somente batizados em nome do Senhor Jesus. Então os dois apóstolos lhes impuseram as mãos e receberam o Espírito Santo.

Evangelho (Jo 10, 1-10)


Comentando este evangelho, Santo Agostinho, que se havia perdido por tantas escolas de filósofos, tem intuições pessoalíssimas e lembra que, se muitos pretendem o cargo de pastores, só há, contudo, um Pastor, que pode dar a vida, porque só Ele é a vida eterna de suas ovelhas.


Sequência do Santo Evangelho segundo João. 

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: Em verdade, em verdade vos digo: quem não entra pela porta no aprisco das ovelhas, mas sobe por outra parte, é ladrão e salteador. Mas quem entra pela porta é o pastor das ovelhas. A este o porteiro abre, e as ovelhas ouvem a sua voz. Ele chama as ovelhas pelo nome e as conduz à pastagem. Depois de conduzir todas as suas ovelhas para fora, vai adiante delas; e as ovelhas seguem-no, pois lhe conhecem a voz.Mas não seguem o estranho; antes fogem dele, porque não conhecem a voz dos estranhos.
Jesus disse-lhes essa parábola, mas não entendiam do que ele queria falar. Jesus tornou a dizer-lhes: Em verdade, em verdade vos digo: eu sou a porta das ovelhas. Todos quantos vieram antes de mim foram ladrões e salteadores, mas as ovelhas não os ouviram. Eu sou a porta. Se alguém entrar por mim será salvo; tanto entrará como sairá e encontrará pastagem. O ladrão não vem senão para furtar, matar e destruir. Eu vim para que as ovelhas tenham vida e para que a tenham em abundância.

Liturgia Diária- 21/05/2018

SEGUNDA-FEIRA DA OITAVA DE PENTECOSTES

1ª Classe- Missa Própria

Holy Spirit

A oitava de Pentecostes lembra a oitava da Páscoa. A Igreja manifesta aos batizados a sublimidade da vida em que ingressaram, e os benefícios abundantes de que é fonte.

A epístola e o evangelho da missa revelam que a salvação da humanidade repousa na fé de Cristo ressuscitado. É preciso acreditar n’Ele para ser salvo, mas, donde quer que se venha, do judaísmo ou do mundo pagão, aquele que acreditar em Jesus Cristo, pode receber o batismo e a remissão dos pecados. A proclamação da universalidade da salvação é um dos pontos de doutrina essenciais da festa de Pentecostes. Mais vezes a ela se há de aludir no decurso desta semana.

LEITURAS

Leitura (At 10, 34 e 42-48 )


Toda a gente, sem exceção, se pode salvar. Desde os primórdios da Igreja, foram transpostas as fronteiras do judaísmo. À pregação de Pedro, o Espírito Santo desce sobre os pagãos, que recebem o batismo.


Leitura dos Atos dos Apóstolos.

Naquele tempo, Pedro tomou a palavra e disse: Em verdade, reconheço que Deus não faz distinção de pessoas, Ele nos mandou pregar ao povo e testemunhar que é ele quem foi constituído por Deus juiz dos vivos e dos mortos. Dele todos os profetas dão testemunho, anunciando que todos os que nele crêem recebem o perdão dos pecados por meio de seu nome. Estando Pedro ainda a falar, o Espírito Santo desceu sobre todos os que ouviam a (santa) palavra. Os fiéis da circuncisão, que tinham vindo com Pedro, profundamente se admiraram, vendo que o dom do Espírito Santo era derramado também sobre os pagãos; pois eles os ouviam falar em outras línguas e glorificar a Deus. Então Pedro tomou a palavra: Porventura pode-se negar a água do batismo a estes que receberam o Espírito Santo como nós? E mandou que fossem batizados em nome de Jesus Cristo. Rogaram-lhe então que ficasse com eles por alguns dias.

Evangelho (Jo 3, 16-21)


A fé em Jesus, Salvador do mundo, é condição essencial de salvação. O que recusa mudar de vida, para creditar n’Ele, está julgado de antemão.


Sequência do Santo Evangelho segundo João. 

Naquele tempo disse Jesus a seus discípulos: De tal modo Deus amou o mundo, que lhe deu seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. Pois Deus não enviou o Filho ao mundo para condená-lo, mas para que o mundo seja salvo por ele. Quem nele crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado; por que não crê no nome do Filho único de Deus. Ora, este é o julgamento: a luz veio ao mundo, mas os homens amaram mais as trevas do que a luz, pois as suas obras eram más. Porquanto todo aquele que faz o mal odeia a luz e não vem para a luz, para que as suas obras não sejam reprovadas. Mas aquele que pratica a verdade, vem para a luz. Torna-se assim claro que as suas obras são feitas em Deus.

Liturgia Diária- Domingo de Pentecostes

Festa de 1ª Classe- Missa Própria

O dom do Espírito Santo fora anunciado pelos profetas para os tempos messiânicos. A sua descida sobre os Apóstolos é o pórtico desta era nova. Funda-se então a Igreja, e lhe é conferido o espírito de Cristo, “para renovar a face da terra”. A narrativa dos Atos recorda os acontecimentos do dia de Pentecostes: a descida do Espírito Santo sobre os Apóstolos e os fenômenos que a acompanham, particularmente o milagre das línguas, símbolo da Missão universal dos Apóstolos. Todas as nações são chamadas a ouvir a proclamação da Boa-Nova.

A esta presença do Espírito Santo, que inspira e dirige a Igreja, na sua missão de pregar o Evangelho até aos confins do mundo, acresce uma outra presença mais íntima e mais pessoal, que faz dos Apóstolos homens novos, transformando-lhes a própria natureza. A sequência da missa e o hino de vésperas descrevem e evocam esta ação penetrante do Espírito Santo no coração dos fiéis. A leitura do livro dos Atos durante toda a oitava, mostrará esta dupla ação do Espírito Santo na Igreja e na alma dos crentes.


Páginas 542 a 549 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963).


Missa APENAS às 15:30 horas na Catedral Santa Terezinha. 


PRÓPRIO DO DIA

Introito (Sb 1,7*; Sl 67,2)

O Espírito do Senhor encheu toda a Terra, aleluia, e porque encerra todas as coisas, possui a ciência da palavra, aleluia, aleluia, aleluia. Sl. Levante-se Deus e pereçam os seus inimigos; fujam da sua presença os que O odeiam. Glória ao Pai.

Coleta


“Recta sapere! Consolatione gaudere!” A presença do Espírito na alma é fonte de retidão e alegria.


Ó Deus, que Vos dignastes ilustrar neste dia o coração dos vossos fiéis pela efusão do Espírito Santo, fazei pelo mesmo Espírito que obremos o que é reto, e nos alegremos sempre com a proteção da sua presença. Por Nosso Senhor… que vive e reina na unidade do mesmo Espírito Santo.

Epístola (At 2, 1-11 )


Realiza-se a promessa de Cristo: os Apóstolos recebem o Espírito Santo, e, fortificados com Ele, partem até aos confins do mundo, a pregar o Evangelho e a dar testemunho de Cristo.


Leitura dos Atos dos Apóstolos.

Naquele tempo: Chegando o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar. De repente, veio do céu um ruído, como se soprasse um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam sentados. Apareceu-lhes então uma espécie de línguas de fogo que se repartiram e pousaram sobre cada um deles. Ficaram todos cheios do Espírito Santo e começaram a falar em línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem. Achavam-se então em Jerusalém judeus piedosos de todas as nações que há debaixo do céu. Ouvindo aquele ruído, reuniu-se muita gente e maravilhava-se de que cada um os ouvia falar na sua própria língua. Profundamente impressionados, manifestavam a sua admiração: Não são, porventura, galileus todos estes que falam? Como então todos nós os ouvimos falar, cada um em nossa própria língua materna? Partos, medos, elamitas; os que habitam a Macedônia, a Judeia, a Capadócia, o Ponto, a Ásia, a Frígia, a Panfília, o Egito e as províncias da Líbia próximas a Cirene; peregrinos romanos,  judeus ou prosélitos, cretenses e árabes; ouvimo-los publicar em nossas línguas as maravilhas de Deus!

1º Aleluia (Sl 103,30*)


O Espírito que, no princípio criou o mundo, renova agora a face da terra. É uma segunda criação, que, na ordem sobrenatural, refaz todas as coisas, segundo os planos de Deus.


Aleluia, aleluia. Enviai, Senhor, o vosso Espírito e eles renascerão em corpo e alma e então renovar-se-á a face da terra.

2º Aleluia

Aleluia (Ajoelha-se). Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor.

Sequência  (Estevão Langton, arcebispo de Cantunária, 1228)

Veni, Sancte Spiritus,                               Vinde Santo Espírito
et emitte caelitus,                                 e mandai-nos, lá do céu
lucis tuae radium.                               um raio da Vossa Luz

Veni, pater pauperum,                               Vinde até nós, Pai dos pobres,
veni, dator munerum,                               caudal de todos os dons,
veni, lumen cordium.                               e fulgor dos corações.

Consolator optime,                               Ó Consolador supremo,
dulcis hospes animae,                               hóspede santo das almas,
dulce refrigerium.                               refrigério dulcíssimo.

In labore requies,                               No trabalho sois descanso,
in aestu temperies,                               a calma na turbação,
in fletu solatium.                               sois bálsamo no pranto.

O lux beatissima,                               inundai, ó luz santíssima,
reple cordis intima,                               os lugares mais profundos,
tuorum fidelium.                               das vossas almas fiéis.

Sine tuo numine,                               Sem a Vossa proteção,
nihil est in homine,                               nada subsiste no homem,
nihil est innoxium.                               sem a jaça do pecado.

Lava quod est sordidum,                               Lavai toda a impureza
riga quod est aridum,                               fecundai toda a aridez,
sana quod est saucium.                               curai todas as feridas.

Flecte quod est rigidum,                               Curvai-nos o nosso orgulho,
fove quod est frigidum,                               fundi-nos o nosso gelo,
rege quod est devium.                               velai o nosso extravio.

Da tuis fidelibus,                               Dá a Vossos fiéis,
in te confidentibus,                               que em Vós confiam,
sacrum septenarium.                               os sete dons sagrados.

Da virtutis meritum,                               Coroai-lhes a virtude,
da salutis exitum,                               dai-lhes o porto da glória,
da perenne gaudium,                                e a alegria que não finda. 

Amen. Aleluia. 

Evangelho  (Jo 14, 23-31)


Tirado do discurso depois da Ceia, o evangelho da festa de Pentecostes é uma das mais belas perícopes do ensino de Jesus respeitante à missão do Espírito Santo. 


Sequência do Santo Evangelho segundo João.

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: Se me amais, guardareis os meus mandamentos. E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Paráclito, para que fique eternamente convosco. É o Espírito da Verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece, mas vós o conhecereis, porque permanecerá convosco e estará em vós. Não vos deixarei órfãos. Voltarei a vós. Ainda um pouco de tempo e o mundo já não me verá. Vós, porém, me tornareis a ver, porque eu vivo e vós vivereis. Naquele dia conhecereis que estou em meu Pai, e vós em mim e eu em vós. Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é que me ama. E aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu o amarei e manifestar-me-ei a ele.

Ofertório (Sl 67, 29-30)

Ratificai isto, Senhor, que fizeste conosco. Do vosso templo que está em Jerusalém, os reis oferecer-vos-ão presentes, aleluia.

Secreta

Dignai-Vos, santificar, Senhor, este sacrifício que Vos oferecemos e lavai os nossos corações com a luz do Espírito Santo. Por Nosso Senhor…. que vive e reina na unidade do mesmo Espírito Santo.

Comunhão (Atos 2, 2;4)

Ouviu-se de repente um ruído vindo do céu, como um vento impetuoso que passasse, no lugar onde estavam sentados, aleluia. E ficaram todos cheios do Espírito Santo, a falar das grandezas de Deus, aleluia, aleluia.

Pós-comunhão

Que a efusão do Espírito Santo, Senhor, nos lave os corações e os fecunde com o orvalho da vossa graça. Por Nosso Senhor… que vive e reina na unidade do mesmo Espírito Santo. 


PARTITURAS E AÚDIOS

 

Liturgia Diária- 19/05/2018

VIGÍLIA DE PENTECOSTES

1ª Classe- Missa Própria

Antigamente batizavam-se no dia de Pentecostes, os catecúmenos, que o não tinham podido ser na noite da Páscoa. É por essa razão que toda a missa canta a renovação batismal pela ação do Espírito Santo. Ao contrário das outras vigílias, a liturgia é toda festiva, como na vigília pascal.

Páginas 538 a 541 do Missal Quotidiano.


Missa às 18:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes.


LEITURAS

Leitura (At 19, 1-8)


João batizava com água; o batismo cristão confere-se “pela água e pelo Espírito Santo”; purifica do pecado e infunde a vida divina aos que o recebem.


Leitura dos Atos dos Apóstolos. 

Naquele tempo: Enquanto Apolo estava em Corinto, Paulo atravessou as províncias superiores e chegou a Éfeso, onde achou alguns discípulos e indagou deles:  Recebestes o Espírito Santo, quando abraçastes a fé? Responderam-lhe: Não, nem sequer ouvimos dizer que há um Espírito Santo! Então em que batismo fostes batizados?, perguntou Paulo. Disseram: No batismo de João. Paulo então replicou: João só dava um batismo de penitência, dizendo ao povo que cresse naquele que havia de vir depois dele, isto é, em Jesus. Ouvindo isso, foram batizados em nome do Senhor Jesus. E quando Paulo lhes impôs as mãos, o Espírito Santo desceu sobre eles, e falavam em línguas estranhas e profetizavam. Eram ao todo uns doze homens. Paulo entrou na sinagoga e falou com desassombro por três meses, disputando e persuadindo-os acerca do Reino de Deus.

Evangelho (Jo 14, 15-21)


Ser batizado é entrar nas relações de intimidade espiritual das três Pessoas Divinas. É este o privilégio dos cristãos.


Sequência do Santo Evangelho segundo João. 

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: Se me amais, guardareis os meus mandamentos. E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Paráclito, para que fique eternamente convosco. É o Espírito da Verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece, mas vós o conhecereis, porque permanecerá convosco e estará em vós. Não vos deixarei órfãos. Voltarei a vós. Ainda um pouco de tempo e o mundo já não me verá. Vós, porém, me tornareis a ver, porque eu vivo e vós vivereis.  Naquele dia conhecereis que estou em meu Pai, e vós em mim e eu em vós. Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é que me ama. E aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu o amarei e manifestar-me-ei a ele.

Liturgia Diária- Domingo depois da Ascensão

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

Há vários domingos já, os evangelhos vêm-nos lembrando a promessa de Jesus aos Apóstolos, na última ceia. Não os deixaria órfãos, mas havia de lhes enviar o Espírito Santo, que junto deles seria o representante de Jesus até o fim dos tempos. A Igreja sabe o que a presença do Espírito Santo representa para ela e para os fiéis; na expectativa do regresso glorioso do Senhor, implora incessantemente a assistência do Paráclito, seu defensor, seu consolador e amparo. 


Páginas 535 a 538 do Missal Quotidiano.


Missa Rezada às 9:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Santa Terezinha.


PRÓPRIO DO DIA

Introito (Sl 26, 7-9,1)


Aspiração profunda da alma para Deus. No dia seguinte à Ascensão, arde no desejo de rever o Senhor.


Ouvi, Senhor, o clamor com que Vos imploro, aleluia. O meu coração falou, Senhor, e disse: procurei o vosso rosto e procurá-lo-ei, Senhor, sem cessar. Nas afasteis de mim a vossa face, aleluia, aleluia. Sl. O Senhor é a minha luz e a minha salvação, de quem hei de ter medo? Glória ao Pai.

Coleta

Fazei, Senhor eterno e onipotente, que conservemos sempre sujeita a Vós a nossa vontade, e procuremos servir, de coração puro, a vossa majestade. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Epístola (I Pe 4,7-11)


“Para que em tudo Deus seja glorificado”: transformada pela caridade, a vida do cristão presta continuamente testemunho à presença e à ação de Deus nela. 


Leitura da Epístola de São Pedro Apóstolo. 

Caríssimos: O fim de todas as coisas está próximo. Sede, portanto, prudentes e vigiai na oração. Antes de tudo, mantende entre vós uma ardente caridade, porque a caridade cobre a multidão dos pecados (Pr 10,12). Exercei a hospitalidade uns para com os outros, sem murmuração. Como bons dispensadores das diversas graças de Deus, cada um de vós ponha à disposição dos outros o dom que recebeu: a palavra, para anunciar as mensagens de Deus; um ministério, para exercê-lo com uma força divina, a fim de que em todas as coisas Deus seja glorificado por Jesus Cristo. A ele seja dada a glória e o poder por toda a eternidade! Amém.

Aleluia (Salmo 46, 9 | João 14,18)

Aleluia, aleluia. [1] O Senhor reina sobre todos os povos; Deus está sentado no seu trono santo, aleluia. [2] Não vos deixarei órfãos. Vou e volto para vós e o vosso coração se alegrará. Aleluia. 

Evangelho (Jo 15, 26-27; 16, 1-4)


A Igreja tem a certeza de que sempre há de encontrar no Espírito Santo a força, que lhe é necessária para dar testemunho de Cristo.


Sequência do Santo Evangelho segundo João.

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: Quando vier o Paráclito, que vos enviarei da parte do Pai, o Espírito da Verdade, que procede do Pai, ele dará testemunho de mim. Também vós dareis testemunho, porque estais comigo desde o princípio. Disse-vos essas coisas para vos preservar de alguma queda. Expulsar-vos-ão das sinagogas, e virá a hora em que todo aquele que vos tirar a vida julgará prestar culto a Deus. Procederão deste modo porque não conheceram o Pai, nem a mim. Disse-vos, porém, essas palavras para que, quando chegar a hora, vos lembreis de que vo-lo anunciei. E não vo-las disse desde o princípio, porque estava convosco.

Ofertório (Salmo 46,6)

Deus subiu entre aclamações de júbilo e o Senhor ao clangor da trombeta, aleluia. 

Secreta

Que este sacrifício imaculado, Senhor nos purifique e comunique à nossa alma o vigor da graça divina. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Comunhão (Jo 17,12,13,15)

Pai, quando Eu estava com eles, Eu guardava os que Me deste, aleluia. Agora que vou para Ti, não Te peço que os tires do mundo, mas que os guardes do mal, aleluia, aleluia.

Pós-comunhão

Saciados, Senhor, com estes sagrados mistérios, humildemente Vos pedimos a mercê de viver em contínua ação de graças. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. 


PARTITURAS E ÁUDIOS

 

Liturgia Diária- 10/05/2018

FESTA DA ASCENSÃO DE NOSSO SENHOR

Festa de 1ª Classe- Missa Própria

Ao terminar sua vida terrestre, Jesus sobre ao Céu como triunfador. A Igreja aclama-O na sua humanidade santa, chamada a sentar-se à direita do Pai e a partilhar a sua glória. Mas a Ascensão de Jesus é o penhor da nossa. Animada de imensa esperança, a Igreja ergue os olhos para o seu Chefe, que a precedeu na pátria celeste e nela a introduziu em sua pessoa, “porque o Filho de Deus, tendo incorporado a Si aqueles que a inveja do demônio expulsara do paraíso terrestre, os leva consigo, na sua Ascensão, para o Pai” (São Leão, em matinas).

Toda a vida da Igreja se enquadra entre a Ascensão do Senhor e a sua segunda vinda, no fim dos tempos. Segura de não ser iludida em sua esperança, propaga a mensagem do Senhor e difunde, por toda parte, a sua graça, até ao dia em que Ele há de voltar para introduzir, definitivamente, na glória de Seu Pai, todos aqueles que veio arrancar ao poder de Satanás.


Páginas 530 a 534 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Missa às 18:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes.


LEITURAS

Epístola (Atos 1, 1-11)


Nos Atos dos Apóstolos, a descrição da Ascensão é um anúncio da missa da Igreja, obra essencialmente divina, realizada inteiramente sob os auspícios do Espírito Santo.


Leitura dos Atos dos Apóstolos. 

Em minha primeira narração, ó Teófilo, contei toda a seqüência das ações e dos ensinamentos de Jesus, desde o princípio até o dia em que, depois de ter dado pelo Espírito Santo suas instruções aos apóstolos que escolhera, foi arrebatado (ao céu). E a eles se manifestou vivo depois de sua Paixão, com muitas provas, aparecendo-lhes durante quarenta dias e falando das coisas do Reino de Deus. E comendo com eles, ordenou-lhes que não se afastassem de Jerusalém, mas que esperassem o cumprimento da promessa de seu Pai, que ouvistes, disse ele, da minha boca; porque João batizou na água, mas vós sereis batizados no Espírito Santo daqui há poucos dias. Assim reunidos, eles o interrogavam: Senhor, é porventura agora que ides instaurar o reino de Israel? Respondeu-lhes ele: Não vos pertence a vós saber os tempos nem os momentos que o Pai fixou em seu poder, mas descerá sobre vós o Espírito Santo e vos dará força; e sereis minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria e até os confins do mundo. Dizendo isso elevou-se da (terra) à vista deles e uma nuvem o ocultou aos seus olhos… Enquanto o acompanhavam com seus olhares, vendo-o afastar-se para o céu, eis que lhes apareceram dois homens vestidos de branco, que lhes disseram: Homens da Galiléia, por que ficais aí a olhar para o céu? Esse Jesus que acaba de vos ser arrebatado para o céu voltará do mesmo modo que o vistes subir para o céu.

Evangelho (Mc 16, 14-20)


Como na epístola, também aqui se afirma a conexão entre a partida de Jesus e a missão da Igreja incipiente; é sempre a obra do Senhor. 


Sequência do Santo Evangelho segundo Marcos

Naquele tempo: Jesus apareceu aos Onze, quando estavam sentados à mesa, e censurou-lhes a incredulidade e dureza de coração, por não acreditarem nos que o tinham visto ressuscitado. E disse-lhes: Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado. Estes milagres acompanharão os que crerem: expulsarão os demônios em meu nome, falarão novas línguas, manusearão serpentes e, se beberem algum veneno mortal, não lhes fará mal; imporão as mãos aos enfermos e eles ficarão curados. Depois que o Senhor Jesus lhes falou, foi levado ao céu e está sentado à direita de Deus. Os discípulos partiram e pregaram por toda parte. O Senhor cooperava com eles e confirmava a sua palavra com os milagres que a acompanhavam.

 

Liturgia Diária- V Domingo depois da Páscoa

Domingo de 2ª Classe- Missa Própria

Neste último domingos depois da Páscoa, os cantos da missão são ainda, como no começo do Tempo pascal, de triunfo e de alegria. A Igreja não se cansa de celebrar a Ressurreição de Cristo e as graças de Redenção que nos transformaram a vida. 

Mas o homem esquece, com facilidade desconcertante, o que em si mesmo tem de mais nobre. A epístola exorta-nos à seriedade da vida cristã, e a coleta convida-nos a pedir a graça de evitar os desvios da inteligência e de conformar a nossa conduta ao ideal que nos foi traçado. Este duplo convite ao constante esforço pessoal e ao recurso à oração, leva-nos ao perfeito equilíbrio da ascese cristã. A exortação à prece é frequente nos evangelhos do Tempo, e não raro se mistura com referências à vinda do Espírito Santo e à oração do mesmo Cristo pelos seus. Torna-se mais insistente nas Rogações desta semana. 


Páginas 518 a 521 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963).


Missa Rezada às 9:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Diocesana.


LEITURAS

Introito (Is 48,20; Sl 65, 1-2)

Entoai um cântico de alegria, que se faça ouvir, aleluia, e ressoe até aos confins da Terra: o Senhor libertou o seu povo, aleluia, aleluia. Sl. Rejubilai diante de Deus com gritos de alegria e cantai um salmo ao seu nome. Ponde a vossa glória em celebrá-Lo. Glória ao pai.

Coleta


A necessidade absoluta da graça, convida à oração; pensamentos e obras, tudo deve vir de Deus, para ser ser bom.


Ó Deus, de quem todo o bem procede, escutai as nossas preces e concedei que por vossa inspiração pensemos o que é é reto e, dirigidos por Vós, o realizemos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. 

Epístola (Tg 1, 22-27)


O cristão que se debruça sobre a Lei, pela qual norteia a vida, encontra, em suas obras, a felicidade. De outro modo, a religião é vã.


Leitura da Epístola de São Tiago Apóstolo.

Caríssimos: Sede cumpridores da palavra e não apenas ouvintes; isto equivaleria a vos enganardes a vós mesmos. Aquele que escuta a palavra sem a realizar  assemelha-se a alguém que contempla num espelho a fisionomia que a natureza lhe deu: contempla-se e, mal sai dali, esquece-se de como era. Mas aquele que procura meditar com atenção a lei perfeita da liberdade e nela persevera – não como ouvinte que facilmente se esquece, mas como cumpridor fiel do preceito -, este será feliz no seu proceder. Se alguém pensa ser piedoso, mas não refreia a sua língua e engana o seu coração, então é vã a sua religião. A religião pura e sem mácula aos olhos de Deus e nosso Pai é esta: visitar os órfãos e as viúvas nas suas aflições, e conservar-se puro da corrupção deste mundo.

Aleluia (Jo 16,28)

Aleluia, aleluia. [1] Cristo ressuscitou e iluminou os que redimiu com o seu sangue. Aleluia. [2] Saí do Pai e vim ao mundo; agora deixo o mundo e volto para o Pai. Aleluia.

Evangelho (Jo 16, 23-20)


A união dos discípulos com Jesus é tão estreita que a prece deles é a sua, e o Pai os ama e ouve, como ama e ouve a seu Filho.


Sequência do Santo Evangelho segundo São João.

Naquele tempo disse Jesus a seus discípulos: Em verdade, em verdade vos digo: o que pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo dará. Até agora não pedistes nada em meu nome. Pedi e recebereis, para que a vossa alegria seja perfeita. Disse-vos essas coisas em termos figurados e obscuros. Vem a hora em que já não vos falarei por meio de comparações e parábolas, mas vos falarei abertamente a respeito do Pai. Naquele dia pedireis em meu nome, e já não digo que rogarei ao Pai por vós. Pois o mesmo Pai vos ama, porque vós me amastes e crestes que saí de Deus. Saí do Pai e vim ao mundo. Agora deixo o mundo e volto para junto do Pai. Disseram-lhe os seus discípulos: Eis que agora falas claramente e a tua linguagem já não é figurada e obscura. Agora sabemos que conheces todas as coisas e que não necessitas que alguém te pergunte. Por isso, cremos que saíste de Deus.

Ofertório (Sl 65, 8-9;20)

Bendizei, ó povos, o nosso Deus, e acreditai a voz do seu louvor. É Ele que sustenta na vida a minha alma e que não permite que os meus pés vacilem. Bendito seja o Senhor que não rejeitou a minha súplica, nem me privou da sua misericórdia, aleluia. 

Secreta

Recebei, Senhor, as preces e as oblações dos vossos fiéis e fazei que, por meio do ofício de piedade, alcancemos a glória celeste. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. 

Comunhão (Sl 95, 2)

Cantai ao Senhor, aleluia, cantai ao Senhor e bendizei o seu nome; proclamai de dia em dia a sua obra de salvação, aleluia, aleluia.

Pós-comunhão

Fazei, Senhor, que, saciados com a virtude deste banquete divino, desejemos o que é reto e justo e realizemos o objeto de tão caros desejos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. 


PARTITURAS E ÁUDIOS

 

*A segunda parte do aleluia, tanto a partitura quanto o áudio, não estão disponíveis. 

Liturgia Diária- 01/05/2018

SÃO JOSÉ OPERÁRIO

Festa de 1ª Classe- Missa Própria

A Igreja batizava outrora as festas pagãs, usando com soberana liberdade das datas e cerimônias para lhes dar um conteúdo cristão.

Foi inspirando-se nesta tradição que a Igreja colocou a festa civil do trabalho, no primeiro dia de maio, sob o poderoso patrocínio de São José, o humilde artífice que Deus escolheu para velar sobre a infância do Verbo Encarnado. Quem, melhor do que ele, com o trabalho quotidiano, deu graças a Deus Pai pelo Senhor Jesus (epístola), seu aprendiz dócil e obediente, Aquele a quem chamavam “filho do carpinteiro”(evangelho) ? Possa São José cobrir com sua vigilante proteção o mundo do trabalho que partilhou a austera sorte. Possa ele guiar e sustentar os esforços deste mundo do trabalho para fazer que reinem sobre o mundo a justiça e a caridade, sob a lei do amor a Cristo.  

LEITURAS

Epístola (Col 3,14-24)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Colossenses.

Irmãos: revesti-vos da caridade, que é o vínculo da perfeição. Triunfe em vossos corações a paz de Cristo, para a qual fostes chamados a fim de formar um único corpo. E sede agradecidos. A palavra de Cristo permaneça entre vós em toda a sua riqueza, de sorte que com toda a sabedoria vos possais instruir e exortar mutuamente. Sob a inspiração da graça cantai a Deus de todo o coração salmos, hinos e cânticos espirituais. Tudo quanto fizerdes, por palavra ou por obra, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai. Mulheres, sede submissas a vossos maridos, porque assim convém, no Senhor. Maridos, amai as vossas mulheres e não as trateis com aspereza. Filhos, obedecei em tudo a vossos pais, porque isto agrada ao Senhor. Pais, deixai de irritar vossos filhos, para que não se tornem desanimados. Servos, obedecei em tudo a vossos senhores terrenos, servindo não por motivo de que estais sendo vistos, como quem busca agradar a homens, mas com sinceridade de coração, por temor a Deus. Tudo o que fizerdes, fazei-o de bom coração, como para o Senhor e não para os homens, certos de que recebereis, como recompensa, a herança das mãos do Senhor. Servi a Cristo, Senhor.

Evangelho (Mt 13,54-58)

Sequência do Santo Evangelho segundo Mateus.

Naquele tempo, tendo Jesus chegado a sua cidade, pôs-se a ensinar na sinagoga, de modo que todos diziam admirados: Donde lhe vem esta sabedoria e esta força miraculosa? Não é este o filho do carpinteiro? Não é Maria sua mãe? Não são seus irmãos Tiago, José, Simão e Judas? E suas irmãs, não vivem todas entre nós? Donde lhe vem, pois, tudo isso? E não sabiam o que dizer dele. Disse-lhes, porém, Jesus: É só em sua pátria e em sua família que um profeta é menosprezado. E, por causa da falta de confiança deles, operou ali poucos milagres.

Liturgia Diária- Domingo in Albis

Domingo de 1ª Classe- Missa Própria

“Meu Senhor e meu Deus!” – “Porque me viste, Tomé, acreditaste; pois bem-aventurados os que não me viram e acreditaram!”

Domingo “Quasimodo”, Domingo “In albis”, Domingo de “Pascoela” – três nomes por que é conhecido este domingo. O primeiro, em virtude do introito; o segundo, por alusão às vestes brancas dos neófitos; o terceiro, porque este dia oitavo da Ressurreição é uma Páscoa em ponto pequeno.

Os neófitos conservaram, toda a semana, as vestes brancas do batismo. Depuseram-na ontem, mas a Igreja exorta-os a prolongar, em suas almas, a festa da Páscoa, permanecendo fiéis à graça, de que foram enriquecidos (coleta). A celebração pascal deve significar também para nós uma renovação da vida de batizados; e é por essa razão que a Igreja se dirige, instantemente, não só aos que acabam de entrar na milícia cristã, mas também a nós.


Páginas 500 a 504 do Missal Quotidiano.


Missa Cantada APENAS às 9:30 horas na Capela São Judas Tadeu.


PRÓPRIO DO DIA

Introito (I Pedro, 2,2; Sl 80,2)

Como crianças recém-nascidas, aleluia, mas já com uso da razão, desejai sinceramente o leite espiritual, aleluia, aleluia. Sl. Exultai de alegria e louvai o nosso Deus e Salvador, cantai um cântico de júbilo ao Deus de Jacob. Glória ao Pai. 

Coleta


O povo, que Deus para si gerou, nas águas do batismo é um povo de homens puros; que Ele gaurde, pois, sem mancha a brancura da sua vida nova” (São Clemente de Alexandria).


Fazei, Senhor onipotente, que, tendo já celebrado as festas da Páscoa, as continuemos por vossa graça em nossa vida e costumes. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. 

Epístola (I Jo 5, 4-10)


A vitória sobre o pecado e sobre a morte, que se afirma na Ressurreição do Senhor, torna-se, para o cristão que vive na fé do seu batismo, um penhor de glória.


Leitura da Epístola de São João Apóstolo.

Meus Irmãos: Todo o que nasce de Deus vence o mundo. E esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé. Quem é o vencedor do mundo senão aquele que crê que Jesus é o Filho de Deus? Ei-lo, Jesus Cristo, aquele que veio pela água e pelo sangue; não só pela água, mas pela água e pelo sangue. E o Espírito é quem dá testemunho dele, porque o Espírito é a verdade. São, assim, três os que dão testemunho: o Espírito, a água e o sangue; estes três dão o mesmo testemunho. Aceitamos o testemunho dos homens. Ora, maior é o testemunho de Deus, porque se trata do próprio testemunho de Deus, aquele que ele deu do seu próprio Filho. Aquele que crê no Filho de Deus tem em si o testemunho de Deus. Aquele que não crê em Deus, o faz mentiroso, porque não crê no testemunho que Deus deu a respeito de seu Filho.

Aleluia (Mateus 28,7; João 20,26)

Aleluia, aleluia. [1º] No dia da minha ressurreição, diz o Senhor, preceder-vos-ei na Galileia, aleluia. [2º] Oito dias depois, estando fechadas as portas, o Senhor apareceu no meio dos discípulos e disse: a paz seja convosco, aleluia.

Evangelho (Jo 20, 19-31)


É o próprio Senhor que consolida, com as suas aparições aos discípulos, a nossa fé, e diz a Tomé o apreço em que a tem. Bem-aventurados os que têm fé! Ingressam na vida autêntica, a do Espírito, que Jesus insufla, e lhes merece a indefectível paz de Deus.


Sequência do Santo Evangelho segundo João. 

Naquele tempo: Na tarde do mesmo dia, que era o primeiro da semana, os discípulos tinham fechado as portas do lugar onde se achavam, por medo dos judeus. Jesus veio e pôs-se no meio deles. Disse-lhes ele: A paz esteja convosco! Dito isso, mostrou-lhes as mãos e o lado. Os discípulos alegraram-se ao ver o Senhor.  Disse-lhes outra vez: A paz esteja convosco! Como o Pai me enviou, assim também eu vos envio a vós. Depois dessas palavras, soprou sobre eles dizendo-lhes: Recebei o Espírito Santo. Àqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos. Tomé, um dos Doze, chamado Dídimo, não estava com eles quando veio Jesus. Os outros discípulos disseram-lhe: Vimos o Senhor. Mas ele replicou-lhes: Se não vir nas suas mãos o sinal dos pregos, e não puser o meu dedo no lugar dos pregos, e não introduzir a minha mão no seu lado, não acreditarei! Oito dias depois, estavam os seus discípulos outra vez no mesmo lugar e Tomé com eles. Estando trancadas as portas, veio Jesus, pôs-se no meio deles e disse: A paz esteja convosco! Depois disse a Tomé: Introduz aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos. Põe a tua mão no meu lado. Não sejas incrédulo, mas homem de fé. Respondeu-lhe Tomé: Meu Senhor e meu Deus! Disse-lhe Jesus: Creste, porque me viste. Felizes aqueles que crêem sem ter visto! Fez Jesus, na presença dos seus discípulos, ainda muitos outros milagres que não estão escritos neste livro. Mas estes foram escritos, para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais a vida em seu nome.

Ofertório (Mt 28, 2.5.6)

Um Anjo do Senhor desceu do céu e disse às mulheres: Aquele a quem buscais ressuscitou como disse, aleluia.

Secreta

Aceitai, Senhor, os dons da vodda Igreja, que anda exultante de júbilo, e pois que lhe destes tantos motivos para isso, não lhe negueis os frutos da alegria perpétua. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Comunhão (João 20, 27)

Põe aqui a mão e reconhece o lugar dos cravos, aleluia; e não sejas mais incrédulo, mas fiel, aleluia, aleluia.

Pós-Comunhão

Nós Vos suplicamos, Senhor e nosso Deus, que estes sagrados mistérios que instituístes em penhor da nossa Redenção nos sirvam de remédio nesta vida e de garantia na outra. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.


PARTITURAS E ÁUDIOS

 

Liturgia Diária- 07/04/2018

SÁBADO IN ALBIS

Oitava de 1ª Classe- Missa Própria

Ao sair da pia batismal, os neófitos haviam recebido vestes brancas, símbolo da regeneração de suas almas, que São Paulo comentou em termos impressionantes: “Vós todos, que fostes batizados em Cristo, revesti-vos de Cristo”. Neste dia, depois da celebração da missa, depunham os neófitos essas vestes brancas, e daí o nome: sábado “in albis”. 

Todavia, depor as vestes brancas não podia significar abandono da vida de santidade, que encetaram no batismo: “Conservai em vossos corações a brancura resplandecente, que vos foi conferida”, pregava Santo Agostinho. Na epístola, São Pedro exalta a magnífica nobreza dos batizados, povo santo, sacerdócio real, templo de pedras vivas, que Deus escolheu para proclamar, no fim dos tempos, as suas misericórdias. Mostrem-se os cristãos dignos de nobreza, da graça insigne, que Deus lhes fez, convidando-os a trocar as trevas pela admirável luz do seu Reino.


Páginas 496 a 499 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963).


Missa às 18:30 horas na Capela São Judas Tadeu.


LEITURAS

Epístola (I Ped 2, 1-10)

Leitura da Epístola de São Pedro Apóstolo.

Caríssimos Irmãos: Deponde, toda malícia, toda astúcia, fingimentos, invejas e toda espécie de maledicência. Como crianças recém-nascidas desejai com ardor o leite espiritual que vos fará crescer para a salvação, se é que tendes saboreado quão suave é o Senhor (Sl 33,9). Achegai-vos a ele, pedra viva que os homens rejeitaram, mas escolhida e preciosa aos olhos de Deus; e quais outras pedras vivas, vós também vos tornais os materiais deste edifício espiritual, um sacerdócio santo, para oferecer vítimas espirituais, agradáveis a Deus, por Jesus Cristo. Por isso lê-se na Escritura: Eis que ponho em Sião uma pedra angular, escolhida, preciosa: quem nela puser sua confiança não será confundido (Is 28,16). Para vós, portanto, que tendes crido, cabe a honra. Mas, para os incrédulos, a pedra que os edificadores rejeitaram tornou-se a pedra angular, uma pedra de tropeço, uma pedra de escândalo (Sl 117,22; Is 8,14). Nela tropeçam porque não obedecem à palavra; e realmente era tal o seu destino. Vós, porém, sois uma raça escolhida, um sacerdócio régio, uma nação santa, um povo adquirido para Deus, a fim de que publiqueis as virtudes daquele que das trevas vos chamou à sua luz maravilhosa. Vós que outrora não éreis seu povo, mas agora sois povo de Deus; vós que outrora não tínheis alcançado misericórdia (Os 2,25), mas agora alcançastes misericórdia.

Evangelho (Jo 20, 1-9)

Sequência do Santo Evangelho segundo João.

Naquele tempo: No primeiro dia que se seguia ao sábado, Maria Madalena foi ao sepulcro, de manhã cedo, quando ainda estava escuro. Viu a pedra removida do sepulcro. Correu e foi dizer a Simão Pedro e ao outro discípulo a quem Jesus amava: Tiraram o Senhor do sepulcro, e não sabemos onde o puseram! Saiu então Pedro com aquele outro discípulo, e foram ao sepulcro. Corriam juntos, mas aquele outro discípulo correu mais depressa do que Pedro e chegou primeiro ao sepulcro. Inclinou-se e viu ali os panos no chão, mas não entrou. Chegou Simão Pedro que o seguia, entrou no sepulcro e viu os panos postos no chão. Viu também o sudário que estivera sobre a cabeça de Jesus. Não estava, porém, com os panos, mas enrolado num lugar à parte. Então entrou também o discípulo que havia chegado primeiro ao sepulcro. Viu e creu. Em verdade, ainda não haviam entendido a Escritura, segundo a qual Jesus devia ressuscitar dentre os mortos.

 

Liturgia Diária- 06/04/2018

SEXTA-FEIRA DA OITAVA DA PÁSCOA

Oitava de 1ª Classe- Missa Própria

 

O evangelho de São Mateus fecha com a primeira aparição de Jesus a seus discípulos, na qual lhes confia a missão de evangelizar o mundo inteiro. A Igreja recorda-nos hoje esta missão salvífica, que se tornou sua, e em virtude d qual recebeu o poder de batizar e ensinar. Daí a possibilidade de realizar, em seu seio, essa obra de liberalidade divina, prefigurada na arca de Noé, de cujos benefícios fruem os justos de todos os tempos, por um processo superior à nossa compreensão.


Páginas 493 a 495 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963).


Missa às 18:30 horas na Capela São Judas Tadeu.


LEITURAS

Epístola (IPed 3,18-22)

Leitura da Epístola de São Pedro Apóstolo.

Caríssimos Irmãos: Cristo morreu uma vez pelos nossos pecados – o Justo pelos injustos – para nos conduzir a Deus. Padeceu a morte em sua carne, mas foi vivificado quanto ao espírito. É neste mesmo espírito que ele foi pregar aos espíritos que eram detidos no cárcere, àqueles que outrora, nos dias de Noé, tinham sido rebeldes, quando Deus aguardava com paciência, enquanto se edificava a arca, na qual poucas pessoas, isto é, apenas oito se salvaram através da água. Esta água prefigurava o batismo de agora, que vos salva também a vós, não pela purificação das impurezas do corpo, mas pela que consiste em pedir a Deus uma consciência boa, pela ressurreição de Jesus Cristo. Esse Jesus Cristo, tendo subido ao céu, está assentado à direita de Deus, depois de ter recebido a submissão dos anjos, dos principados e das potestades.

Evangelho (Mt 28, 16-20)

Sequência do Santo Evangelho segundo Mateus.

Naquele tempo: Os onze discípulos foram para a Galileia, para a montanha que Jesus lhes tinha designado. Quando o viram, adoraram-no; entretanto, alguns hesitavam ainda. Mas Jesus, aproximando-se, lhes disse: Toda autoridade me foi dada no céu e na terra. Ide, pois, e ensinai a todas as nações; batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Ensinai-as a observar tudo o que vos prescrevi. Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo.

 

Liturgia Diária- 05/04/2018

QUINTA-FEIRA DA OITAVA DA PÁSCOA

Oitava de 1ª Classe- Missa Própria

Por muito diferentes que sejamos, o batismo e a graça de Cristo fazem de nós uma só família estreitamente unida (coleta). A conversão e batismo do eunuco etíope sublinham este duplo caráter de unidade e universalidade da Igreja, que se afirma, logo de início, como expressa vontade do Espírito Santo (epístola). 

A comovente aparição de Jesus a Maria Madalena, mostra outro aspecto da vida cristã, não menos querido ao nosso coração de crentes: pertencemos a Cristo, e o seu amor cerca a cada um de nós.

LEITURAS

Epístola (At 8, 26-40)

Leitura dos Atos dos Apóstolos. 

Naqueles dias: Um anjo do Senhor dirigiu-se a Filipe e disse: Levanta-te e vai para o sul, em direção do caminho que desce de Jerusalém a Gaza, a Deserta. Filipe levantou-se e partiu. Ora, um etíope, eunuco, ministro da rainha Candace, da Etiópia, e superintendente de todos os seus tesouros, tinha ido a Jerusalém para adorar. Voltava sentado em seu carro, lendo o profeta Isaías. O Espírito disse a Filipe: Aproxima-te para bem perto deste carro. Filipe aproximou-se e ouviu que o eunuco lia o profeta Isaías, e perguntou-lhe: Porventura entendes o que estás lendo? Respondeu-lhe: Como é que posso, se não há alguém que mo explique? E rogou a Filipe que subisse e se sentasse junto dele. A passagem da Escritura, que ia lendo, era esta: Como ovelha, foi levado ao matadouro; e como cordeiro mudo diante do que o tosquia, ele não abriu a sua boca. Na sua humilhação foi consumado o seu julgamento. Quem poderá contar a sua descendência? Pois a sua vida foi tirada da terra (Is 53,7s.). O eunuco disse a Filipe: Rogo-te que me digas de quem disse isto o profeta: de si mesmo ou de outrem? Começou então Filipe a falar, e, principiando por essa passagem da Escritura, anunciou-lhe Jesus. Continuando o caminho, encontraram água. Disse então o eunuco: Eis aí a água. Que impede que eu seja batizado? [Filipe respondeu: Se crês de todo o coração, podes sê-lo. Eu creio, disse ele, que Jesus Cristo é o Filho de Deus.] E mandou parar o carro. Ambos desceram à água e Filipe batizou o eunuco. Mal saíram da água, o Espírito do Senhor arrebatou Filipe dos olhares do eunuco, que, cheio de alegria, continuou o seu caminho. Filipe, entretanto, foi transportado a Azoto. Passando além, pregava o Evangelho em todas as cidades, até que chegou a Cesareia.

Evangelho (Jo 20, 11-18)

Sequência do Santo Evangelho segundo João.

Naquele tempo: Entretanto, Maria se conservava do lado de fora perto do sepulcro e chorava. Chorando, inclinou-se para olhar dentro do sepulcro. Viu dois anjos vestidos de branco, sentados onde estivera o corpo de Jesus, um à cabeceira e outro aos pés. Eles lhe perguntaram: Mulher, por que choras? Ela respondeu: Porque levaram o meu Senhor, e não sei onde o puseram. Ditas estas palavras, voltou-se para trás e viu Jesus em pé, mas não o reconheceu. Perguntou-lhe Jesus: Mulher, por que choras? Quem procuras? Supondo ela que fosse o jardineiro, respondeu: Senhor, se tu o tiraste, dize-me onde o puseste e eu o irei buscar. Disse-lhe Jesus: Maria! Voltando-se ela, exclamou em hebraico: Rabôni! (que quer dizer Mestre). Disse-lhe Jesus: Não me retenhas, porque ainda não subi a meu Pai, mas vai a meus irmãos e dize-lhes: Subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus. Maria Madalena correu para anunciar aos discípulos que ela tinha visto o Senhor e contou o que ele lhe tinha falado.

 

Liturgia Diária- 04/04/2018

QUARTA-FEIRA DA OITAVA DA PÁSCOA

Oitava de 1ª Classe- Missa Própria

Pela terceira vez aparece Jesus aos seus discípulos e renova sobre as águas do lago de Tiberíades o prodígio da pesca milagrosa. Os Santos Padres não deixaram de ver nos 153 corpulentos peixes, que Pedro arrasta para a praia, os neófitos nascidos para a vida sobrenatural nas águas do batismo, e conduzidos por Pedro aos pés de Jesus ressuscitado. 

Toda a missa deste dia canta ao mesmo tempo a ressurreição do Salvador e a vida nova dos batizados. A entrada na Igreja simboliza já o acolhimento de Deus no seu reino (introito) e a Eucaristia é o alegre presságio do banquete celeste (ofertório). Toda a Igreja se sente rejuvenescer e vai haurir, na recepção dos sacramentos, as graças de vida sobrenatural, que a preparam para as alegrias da eternidade. 

LEITURAS

Leitura (At 3, 13-15; e 17-19)

Leitura dos Atos dos Apóstolos. 

Naqueles dias Pedro tomando a palavra disse: O Deus de Abraão, de Isaac, de Jacó, o Deus de nossos pais glorificou seu servo Jesus, que vós entregastes e negastes perante Pilatos, quando este resolvera soltá-lo. Mas vós renegastes o Santo e o Justo e pedistes que se vos desse um homicida. Matastes o Príncipe da vida, mas Deus o ressuscitou dentre os mortos: disso nós somos testemunhas. Agora, irmãos, sei que o fizestes por ignorância, como também os vossos chefes. Deus, porém, assim cumpriu o que já antes anunciara pela boca de todos os profetas: que o seu Cristo devia padecer. Arrependei-vos, portanto, e convertei-vos para serem apagados os vossos pecados.

Evangelho (Jo 21, 1-14)

Sequência do Santo Evangelho segundo João. 

Naquele tempo: Depois disso, tornou Jesus a manifestar-se aos seus discípulos junto ao lago de Tiberíades. Manifestou-se deste modo: Estavam juntos Simão Pedro, Tomé (chamado Dídimo), Natanael (que era de Caná da Galiléia), os filhos de Zebedeu e outros dois dos seus discípulos. Disse-lhes Simão Pedro: Vou pescar. Responderam-lhe eles: Também nós vamos contigo. Partiram e entraram na barca. Naquela noite, porém, nada apanharam.
Chegada a manhã, Jesus estava na praia. Todavia, os discípulos não o reconheceram. Perguntou-lhes Jesus: Amigos, não tendes acaso alguma coisa para comer? Não, responderam-lhe. Disse-lhes ele: Lançai a rede ao lado direito da barca e achareis. Lançaram-na, e já não podiam arrastá-la por causa da grande quantidade de peixes. Então aquele discípulo, que Jesus amava, disse a Pedro: É o Senhor! Quando Simão Pedro ouviu dizer que era o Senhor, cingiu-se com a túnica (porque estava nu) e lançou-se às águas. Os outros discípulos vieram na barca, arrastando a rede dos peixes (pois não estavam longe da terra, senão cerca de duzentos côvados). Ao saltarem em terra, viram umas brasas preparadas e um peixe em cima delas, e pão. Disse-lhes Jesus: Trazei aqui alguns dos peixes que agora apanhastes.
Subiu Simão Pedro e puxou a rede para a terra, cheia de cento e cinqüenta e três peixes grandes. Apesar de serem tantos, a rede não se rompeu. Disse-lhes Jesus: Vinde, comei. Nenhum dos discípulos ousou perguntar-lhe: Quem és tu?, pois bem sabiam que era o Senhor. Jesus aproximou-se, tomou o pão e lhos deu, e do mesmo modo o peixe.
Era esta já a terceira vez que Jesus se manifestava aos seus discípulos, depois de ter ressuscitado.

 

Liturgia Diária- 03/04/2018

TERÇA-FEIRA DA OITAVA DA PÁSCOA

Oitava de 1ª Classe- Missa Própria

Ontem em São Pedro, hoje em São Paulo “extra muros”, a Igreja dirige aos seus filhos mais novos, reunidos à sua volta, o testemunho do grande apóstolo, acerca da Ressurreição de Cristo. É sempre o mesmo apelo para as Escrituras, postas em confronto com os acontecimentos que marcaram o fim da carreira do Salvador: a sua Paixão, morte e Ressurreição. O evangelho narra a aparição, em que Jesus dá aos seus discípulos, reunidos no Cenáculo, no próprio dia da Páscoa, as provas palpáveis aparições do Senhor.

 


Páginas 481 a 484 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre,1963).


LEITURAS

Epístola (At 13,16 e 26-33)

Leitura dos Atos dos Apóstolos.

Naqueles dias: Paulo levantou-se, fez um sinal com a mão e falou: Homens de Israel e vós que temeis a Deus, ouvi. Irmãos, filhos de Abraão, e os que entre vós temem a Deus: a nós é que foi dirigida a mensagem de salvação. Com efeito, os habitantes de Jerusalém e os seus magistrados não conheceram Jesus, e, sentenciando-o, cumpriram os oráculos dos profetas, que cada sábado são lidos. Embora não achassem nele culpa alguma de morte, pediram a Pilatos que lhe tirasse a vida. Depois de realizarem todas as coisas que dele estavam escritas, tirando-o do madeiro, puseram-no num sepulcro. Mas Deus o ressuscitou dentre os mortos. Durante muitos dias apareceu àqueles que com ele subiram da Galiléia a Jerusalém, os quais até agora são testemunhas dele junto ao povo. Nós vos anunciamos: a promessa feita a nossos pais, Deus a tem cumprido diante de nós, seus filhos, suscitando Jesus, como também está escrito no Salmo segundo: Tu és meu Filho, eu hoje te gerei (Sl 2,7).

Evangelho (Lc 24, 36-47)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas.

Naquele tempo: Jesus apresentou-se no meio dos apóstolos e disse-lhes: A paz esteja convosco! Perturbados e espantados, pensaram estar vendo um espírito. Mas ele lhes disse: Por que estais perturbados, e por que essas dúvidas nos vossos corações? Vede minhas mãos e meus pés, sou eu mesmo; apalpai e vede: um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que tenho. E, dizendo isso, mostrou-lhes as mãos e os pés. Mas, vacilando eles ainda e estando transportados de alegria, perguntou: Tendes aqui alguma coisa para comer? Então ofereceram-lhe um pedaço de peixe assado. Ele tomou e comeu à vista deles. Depois lhes disse: Isto é o que vos dizia quando ainda estava convosco: era necessário que se cumprisse tudo o que de mim está escrito na Lei de Moisés, nos profetas e nos Salmos. Abriu-lhes então o espírito, para que compreendessem as Escrituras, dizendo: Assim é que está escrito, e assim era necessário que Cristo padecesse, mas que ressurgisse dos mortos ao terceiro dia. E que em seu nome se pregasse a penitência e a remissão dos pecados a todas as nações, começando por Jerusalém.

 

Liturgia Diária- 02/04/2018

SEGUNDA-FEIRA DA OITAVA DA PÁSCOA

Festa de 1ª Classe- Missa Própria

A oitava da Páscoa, outrora de preceito, era uma festa contínua. A missa estacional dava ensejo aos neófitos de se reunirem todos os dias ostentando as vestes brancas, símbolo de vida nova.

Neste primeiro dia da semana, a estação é em São Pedro, no túmulo do chefe da Igreja, o primeiro apóstolo que viu o Senhor na manhã de Páscoa. A epístola faz-nos ouvir a sua voz. Depois de haver resumido a carreira de Jesus, Pedro dá testemunho da Ressurreição e apela para as profecias: é do Senhor que elas falavam; é a fé em Cristo ressuscitado que outorga aos homens a remissão dos pecados. Na aparição aos discípulos de Emaús, o próprio Jesus, “começando por Moisés e percorrendo todos os profetas”, havia de lembrar-lhes tudo o que a Ele se referia. Este duplo testemunho das Escrituras e dos Apóstolos confere à fé cristã um fundamento sólido, em que poderá apoiar-se sempre.

 

Obs.: Durante toda a semana, até o Sábado in Albis se cantará também a Sequência do Domingo: V”ictimae Paschali laudes”.


Páginas 476 a 481 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963). 


LEITURAS

Leitura (At 10,37-43)

Leitura dos Atos dos Apóstolos.

Naqueles dias, Pedro, estando no meio do povo disse: Vós sabeis como tudo isso aconteceu na Judéia, depois de ter começado na Galiléia, após o batismo que João pregou. Vós sabeis como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com o poder, como ele andou fazendo o bem e curando todos os oprimidos do demônio, porque Deus estava com ele. E nós somos testemunhas de tudo o que fez na terra dos judeus e em Jerusalém. Eles o mataram, suspendendo-o num madeiro. Mas Deus o ressuscitou ao terceiro dia e permitiu que aparecesse, não a todo o povo, mas às testemunhas que Deus havia predestinado, a nós que comemos e bebemos com ele, depois que ressuscitou. Ele nos mandou pregar ao povo e testemunhar que é ele quem foi constituído por Deus juiz dos vivos e dos mortos. Dele todos os profetas dão testemunho, anunciando que todos os que nele crêem recebem o perdão dos
pecados por meio de seu nome.

Evangelho (Lc 24, 13-35)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas.  

Naquele tempo: Dois discípulos caminhavam para uma aldeia chamada Emaús, distante de Jerusalém sessenta estádios. Iam falando um com o outro de tudo o que se tinha passado. Enquanto iam conversando e discorrendo entre si, o mesmo Jesus aproximou-se deles e caminhava com eles. Mas os olhos estavam-lhes como que vendados e não o reconheceram. Perguntou-lhes, então: De que estais falando pelo caminho, e por que estais tristes? Um deles, chamado Cléofas, respondeu-lhe: És tu acaso o único forasteiro em Jerusalém que não sabe o que nela aconteceu estes dias? Perguntou-lhes ele: Que foi? Disseram: A respeito de Jesus de Nazaré… Era um profeta poderoso em obras e palavras, diante de Deus e de todo o povo. Os nossos sumos sacerdotes e os nossos magistrados o entregaram para ser condenado à morte e o crucificaram. Nós esperávamos que fosse ele quem havia de restaurar Israel e agora, além de tudo isto, é hoje o terceiro dia que essas coisas sucederam. É verdade que algumas mulheres dentre nós nos alarmaram. Elas foram ao sepulcro, antes do nascer do sol; e não tendo achado o seu corpo, voltaram, dizendo que tiveram uma visão de anjos, os quais asseguravam que está vivo. Alguns dos nossos foram ao sepulcro e acharam assim como as mulheres tinham dito, mas a ele mesmo não viram. Jesus lhes disse: Ó gente sem inteligência! Como sois tardos de coração para crerdes em tudo o que anunciaram os profetas! Porventura não era necessário que Cristo sofresse essas coisas e assim entrasse na sua glória? E começando por Moisés, percorrendo todos os profetas, explicava-lhes o que dele se achava dito em todas as Escrituras. Aproximaram-se da aldeia para onde iam e ele fez como se quisesse passar adiante. Mas eles forçaram-no a parar: Fica conosco, já é tarde e já declina o dia. Entrou então com eles. Aconteceu que, estando sentado conjuntamente à mesa, ele tomou o pão, abençoou-o, partiu-o e serviu-lho. Então se lhes abriram os olhos e o reconheceram… mas ele desapareceu. Diziam então um para o outro: Não se nos abrasava o coração, quando ele nos falava pelo caminho e nos explicava as Escrituras? Levantaram-se na mesma hora e voltaram a Jerusalém. Aí acharam reunidos os Onze e os que com eles estavam. Todos diziam: O Senhor ressuscitou verdadeiramente e apareceu a Simão. Eles, por sua parte, contaram o que lhes havia acontecido no caminho e como o tinham reconhecido ao partir o pão.

 

Liturgia Diária- Domingo da Ressurreição de Nosso Senhor

Domingo de 1ª Classe- Missa Própria

A Páscoa é a festa por excelência, a alegria sem sombras dos cristãos. A missa, na grande oração de ação de graças, dirá, logo às primeiras palavras do prefácio, o motivo desta incomparável alegria: Se é justo louvar a Deus a todo momento, quanto mais o é neste dia em que Cristo, nossa Páscoa, foi imolado para expiar os pecados do mundo, nos comunicando a vida pela sua morte e ressurreição. A Páscoa é a destruição do pecado, a vitória sobre a morte, a recuperação da vida divina, a promoção do nosso próprio corpo à imortalidade. Perante tantas certezas, toda tristeza deve ceder.

“Haec dis quam fecit Dominus”: Eis o dia que o Senhor fez. Durante toda a oitava, cantaremos a alegria desta solenidade sem par, que nos franqueia as portas da eternidade. Cada domingo é como que a sua lembrança, e, de domingo a domingo, ano a ano, as páscoas desta Terra conduzir-nos-ão ao dia feliz, em que Cristo há de voltar, resplandecente de glória, para nos introduzir conSigo no reino do pai. 

OBS.: “Em toda a América Latina, em virtude de especial indulto concedido pelo Santo Padre João XXIII, em 8 de agosto de 1959 (Faculdade Decenal sob n. 11), todos os fiéis podem cumprir o preceito da Santa Comunhão Pascal [3º mandamento da Igreja], desde o domingo da Setuagésima até a Festa de Nossa Senhora do Carmo (16 de julho), inclusive.” (Missal Quotidiano, D. Beda Keckeisen OSB, 1962, p. 43). 


Páginas 471 a 476 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963).


Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Santa Terezinha. (Não haverá Missa de manhã)


PRÓPRIO DO DIA

Introito (Salmo 138, 5-6;1-2)

Ressurgi e ainda estou convosco, aleluia: colocastes sobre mim a vossa mão, admirável se manifestou a vossa ciência, aleluia, aleluia. Sl. Vós, Senhor, me provastes e conhecestes. Vós conheceis o dia da minha morte e da minha ressurreição. Glória ao Pai. 

Coleta

Ó Deus, que pelo triunfo do vosso Filho Unigênito sobre a morte, nos abristes hoje de novo o caminho da eternidade, fazei que realizemos com a vossa ajuda os desejos que a vossa graça nos inspira. Pelo mesmo Nosso Senhor Jesus Cristo.

Epístola (ICor 5,7-8)


Se ressuscitamos com Cristo, a nossa vida tem necessariamente de ser outra. Os judeus só podiam comer o cordeiro pascal com pão ázimo; comamos nós também Cristo “nossa páscoa”, com o pão sem fermento duma vida sem mancha, isenta de todo o fermento de pecado.


Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Coríntios.

Naqueles dias: Purificai-vos do velho fermento, para que sejais massa nova, porque sois pães ázimos, porquanto Cristo, nossa Páscoa, foi imolado. Celebremos, pois, a festa, não com o fermento velho nem com o fermento da malícia e da corrupção, mas com os pães não fermentados de pureza e de verdade.

Gradual (Salmo 117, 24;1)

Este é o dia que o Senhor fez. Exultemos nele e rejubilemos nele. Glorificai o Senhor, porque Ele é bom e é eterna a sua misericórdia.

Aleluia (I Coríntios 5,7)

Aleluia, aleluia. Cristo foi imolado como nossa Páscoa.

Sequência

À Vítima pascal ofereçam
Os cristãos sacrifícios de louvor.
O Cordeiro resgatou as ovelhas:
Cristo o Inocente
Reconciliou com o Pai os pecadores.
A morte e a vida
Travaram um admirável combate:
Depois de morto,
Vive e reina o Autor da vida.
Diz-nos, Maria,
Que viste no caminho?
Vi o sepulcro de Cristo vivo
E a glória do Ressuscitado.
Vi as testemunhas dos Anjos,
Vi o sudário e a mortalha.
Ressuscitou Cristo, minha esperança:
Precederá os seus discípulos na Galileia.
Sabemos e acreditamos
Cristo ressuscitou dos mortos:
Ó Rei vitorioso,
Tende piedade de nós.
Amém. Alleluia.


Victimae paschali laudes immolent Christiani. Agnus redemit oves: Christus innocens Patri reconciliavit peccatores. Mors et vita duello conflixere mirando: dux vitae mortuus, regnat vivus. Dic nobis Maria, quid vidisti in via? Sepulcrum Christi viventis, et gloriam vidi resurgentis: Angelicos testes, sudarium, et vestes. Surrexit Christus spes mea: praecedet suos in Galilaeam. Scimus Christum surrexisse a mortuis vere: tu nobis, victor Rex, miserere. Amen. Alleluia.


Evangelho (Mc 16, 1-7)


Ao lado do túmulo vazio, um anjo anuncia às santas mulheres a Ressurreição de Jesus. É a nós que ele se dirige por intermédio da Igreja. A narrativa evangélica das aparições, que vamos ler durante esta semana, deve firmar a nossa fé, do mesmo modo que a visão de Cristo ressuscitado foi uma âncora para a fé de seus discípulos.


Sequência do Santo Evangelho segundo Marcos.

Naquele tempo: Passado o sábado, Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago, e Salomé compraram aromas para ungir Jesus. E no primeiro dia da semana, foram muito cedo ao sepulcro, mal o sol havia despontado. E diziam entre si: Quem nos há de remover a pedra da entrada do sepulcro? Levantando os olhos, elas viram removida a pedra, que era muito grande. Entrando no sepulcro, viram, sentado do lado direito, um jovem, vestido de roupas brancas, e assustaram-se. Ele lhes falou: Não tenhais medo. Buscais Jesus de Nazaré, que foi crucificado. Ele ressuscitou, já não está aqui. Eis o lugar onde o depositaram. Mas ide, dizei a seus discípulos e a Pedro que ele vos precede na Galiléia. Lá o vereis como vos disse.

Ofertório (Salmo 75, 9-10*)

A terra estremeceu e ficou em paz, quando Cristo por sua virtude ressuscitou, aleluia.

Secreta

Dignai-Vos receber, Senhor, as preces do vosso povo e juntamente a oblação deste sacrifício, para que, santificados com estes mistérios pascais, nos conciliem, por vossa graça, remédios de vida eterna. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Comunhão (I Coríntios 5, 7-8)

Cristo, nossa Páscoa, foi imolado, aleluia. Por isso celebramo-la com ázimos de pureza e de verdade, aleluia, aleluia, aleluia.

Pós Comunhão

Derramai sobre nós, Senhor, o espírito da vossa caridade e fazei, por vossa misericórdia, que vivam concordes aqueles que saciastes com estes mistérios pascais. Por Nosso Senhor Jesus Cristo Vosso Filho, que convosco vive e reina em unidade do mesmo Espírito. 


PARTITURAS E ÁUDIOS

Liturgia Diária- 31/03/2018

SOLENE VIGÍLIA DA RESSURREIÇÃO DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO

A liturgia da noite pascal era, noutros tempos, das mais importantes do ano.

Durante a tarde do Sábado Santo, reunia-se a assembleia cristã na igreja de São João de Latrão, para o último escrutínio dos catecúmenos. Depois, à noite, começava a “vigília” ou “velada” pascal, que terminava ao romper da alva, com o batismo solene: submergidos ou sepultados com Cristo nas águas batismais, os neófitos nasciam para a vida da graça, à hora em que o Salvador saíra triunfante do túmulo, ao alvorecer do dia da Páscoa. Seguia-se a missa: toda a comunidade dos fiéis celebrava o sacrifício da Redenção, em ação de graças e na alegria da Ressurreição. 

No século XIII, começou a celebração da vigília pascal a ser antecipada para a manhã de sábado. Foi preciso esperar pela segunda metade do século XX para a ver reposta no seu verdadeiro lugar. Celebra-se a hora que permita começar a missa à meia-noite; mas, por motivos pastorais, podem os bispos autorizá-la desde o crepúsculo ou o pôr do Sol. A ausência de toda a função litúrgica da parte de manhã, sublinha o caráter alitúrgico deste dia inteiramente voltado ao luto, em memória da sepultura de Jesus. É somente em plena noite, à hora em que o Salvador venceu a morte que explode a alegria dos fiéis, empunhando uma vela, que se acendeu na chama do círio pascal, figura d’Aquele que é a luz do mundo. Renovando, nesse momento, as promessas do batismo, renascem todos para uma vida nova com o divino Ressuscitado. A comunhão pascal vai uni-los ainda mais intimamente ao Primogênito de entre os mortos, que os conduzirá consigo para o Pai, nesta “passagem”, cujo aniversário festivamente celebram. 


Páginas 436 a 470 (Vigília e Missa) do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963).


Vigília e Missa Cantada às 22 horas na Capela São Judas Tadeu.


LEITURAS

I Leitura (Gn 1, 1-31 e 2, 1-2)


Assim como, pairando sobre as águas do caos primordial, dele fez sair todos os seres, o Espírito de Deus fecunda as águas batismais, das quais surge a nova criação, cujo chefe é Cristo, segundo Adão, o qual, pela Redenção por Ele operada, faz de nós homens novos.


Leitura do Livro do Gênesis.

No princípio, Deus criou os céus e a terra. A terra estava informe e vazia; as trevas cobriam o abismo e o Espírito de Deus pairava sobre as águas. Deus disse: “Faça-se a luz!” E a luz foi feita. Deus viu que a luz era boa, e separou a luz das trevas. Deus chamou à luz DIA, e às trevas NOITE. Sobreveio a tarde e depois a manhã: foi o primeiro dia. Deus disse: “Faça-se um firmamento entre as águas, e separe ele umas das outras”. Deus fez o firmamento e separou as águas que estavam debaixo do firmamento daquelas que estavam por cima. E assim se fez. Deus chamou ao firmamento CÉUS. Sobreveio a tarde e depois a manhã: foi o segundo dia. Deus disse: “Que as águas que estão debaixo dos céus se ajuntem num mesmo lugar, e apareça o elemento árido.” E assim se fez. Deus chamou ao elemento árido TERRA, e ao ajuntamento das águas MAR. E Deus viu que isso era bom. Deus disse: “Produza a terra plantas, ervas que contenham semente e árvores frutíferas que dêem fruto segundo a sua espécie e o fruto contenha a sua semente.” E assim foi feito. A terra produziu plantas, ervas que contêm semente segundo a sua espécie, e árvores que produzem fruto segundo a sua espécie, contendo o fruto a sua semente. E Deus viu que isso era bom. Sobreveio a tarde e depois a manhã: foi o terceiro dia. Deus disse: “Façam-se luzeiros no firmamento dos céus para separar o dia da noite; sirvam eles de sinais e marquem o tempo, os dias e os anos, e resplandeçam no firmamento dos céus para iluminar a terra”. E assim se fez. Deus fez os dois grandes luzeiros: o maior para presidir ao dia, e o menor para presidir à noite; e fez também as estrelas. Deus colocou-os no firmamento dos céus para que iluminassem a terra, presidissem ao dia e à noite, e separassem a luz das trevas. E Deus viu que isso era bom. Sobreveio a tarde e depois a manhã: foi o quarto dia. Deus disse: “Pululem as águas de uma multidão de seres vivos, e voem aves sobre a terra, debaixo do firmamento dos céus.” Deus criou os monstros marinhos e toda a multidão de seres vivos que enchem as águas, segundo a sua espécie, e todas as aves segundo a sua espécie. E Deus viu que isso era bom. E Deus os abençoou: “Frutificai, disse ele, e multiplicai-vos, e enchei as águas do mar, e que as aves se multipliquem sobre a terra.” Sobreveio a tarde e depois a manhã: foi o quinto dia. Deus disse: “Produza a terra seres vivos segundo a sua espécie: animais domésticos, répteis e animais selvagens, segundo a sua espécie.” E assim se fez. Deus fez os animais selvagens segundo a sua espécie, os animais domésticos igualmente, e da mesma forma todos os animais, que se arrastam sobre a terra. E Deus viu que isso era bom. Então Deus disse: “Façamos o homem à nossa imagem e semelhança. Que ele reine sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus, sobre os animais domésticos e sobre toda a terra, e sobre todos os répteis que se arrastem sobre a terra.” Deus criou o homem à sua imagem; criou-o à imagem de Deus, criou o homem e a mulher. Deus os abençoou: “Frutificai, disse ele, e multiplicai-vos, enchei a terra e submetei-a. Dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus e sobre todos os animais que se arrastam sobre a terra.” Deus disse: “Eis que eu vos dou toda a erva que dá semente sobre a terra, e todas as árvores frutíferas que contêm em si mesmas a sua semente, para que vos sirvam de alimento. E a todos os animais da terra, a todas as aves dos céus, a tudo o que se arrasta sobre a terra, e em que haja sopro de vida, eu dou toda erva verde por alimento.” E assim se fez. Deus contemplou toda a sua obra, e viu que tudo era muito bom. Sobreveio a tarde e depois a manhã: foi o sexto dia. Assim foram acabados os céus, a terra e todo seu exército. Tendo Deus terminado no sétimo dia a obra que tinha feito, descansou do seu trabalho.

II Leitura (Ex 14,24-31 e 15,1)


Libertados do cativeiro do Egito e guiados por Moisés para a Terra Prometida, o povo de Israel atravessa o Mar Vermelho, cujas águas se separam pelo sopro do Senhor. Através das águas do batismo, fecundadas pelo sopro do Espírito divino, a Igreja, novo Israel libertado da escravidão do pecado, marcha, guiada por Cristo, novo moisés, para a pátria eterna dos santos.


Leitura do Livro do Êxodo.

Naqueles dias: À vigília da manhã, o Senhor, do alto da coluna de fogo e da de nuvens, olhou para o acampamento dos egípcios e semeou o pânico no meio deles. Embaraçou-lhes as rodas dos carros de tal sorte que, só dificilmente, conseguiam avançar. Disseram então os egípcios: “Fujamos diante de Israel, porque o Senhor combate por eles contra o Egito.” O Senhor disse a Moisés: “Estende tua mão sobre o mar, e as águas voltar-se-ão sobre os egípcios, seus carros e seus cavaleiros.” Moisés estendeu a mão sobre o mar, e este, ao romper da manhã, voltou ao seu nível habitual. Os egípcios que fugiam foram de encontro a ele, e o Senhor derribou os egípcios no meio do mar. As águas voltaram e cobriram os carros, os cavaleiros e todo o exército do faraó que havia descido no mar ao encalço dos israelitas. Não ficou um sequer. Mas os israelitas tinham andado a pé enxuto no leito do mar, enquanto as águas formavam uma muralha à direita e à esquerda. Foi assim que naquele dia o Senhor livrou Israel da mão dos egípcios. E Israel viu os cadáveres dos egípcios na praia do mar. Viu Israel o grande poder que o Senhor tinha exercido contra os egípcios. Por isso, o povo temeu o Senhor e confiou nele e em seu servo Moisés. Então Moisés e os israelitas entoaram em honra do Senhor o seguinte cântico:

Cântico (Ex 15: 1-3)

Cantarei ao Senhor, porque ele manifestou sua glória. Precipitou no mar cavalos e cavaleiros. O Senhor é a minha força e o objeto do meu cântico; foi ele quem me salvou. Ele é o meu Deus – eu o celebrarei; o Deus de meu pai – eu o exaltarei. O Senhor é o herói dos combates. Senhor é o seu nome.

III Leitura (Is 4, 2-6)


A Igreja, lugar da presença divina, é a vinha escolhida do Senhor, em que cresce o “resto santo” dos batizados, lavados na água regeneradora e inscritos na vida eterna, na nova Jerusalém. 


Leitura do profeta Isaías.

Naquele tempo, aquilo que o Senhor fizer crescer será o ornamento e a glória, e o fruto da terra será o orgulho e o ornato daqueles de Israel que foram salvos. O que restar de Sião, os sobreviventes de Jerusalém, serão chamados santos, e todos os que estiverem computados entre os vivos em Jerusalém. Quando o Senhor tiver lavado a imundície das filhas de Sião, e apagado de Jerusalém as manchas de sangue pelo sopro do direito e pelo vento devastador, o Senhor virá estabelecer-se sobre todo o monte Sião e em suas assembleias: de dia como uma nuvem de fumaça, e de noite como um fogo flamejante. Porque sobre todos se estenderá a glória do Senhor, como a cobertura de uma tenda, à guisa de sombra contra o calor do dia, e de refúgio e abrigo contra a procela e a chuva.

Cântico (Is 5, 1,2,7a)

Meu amado possuía uma vinha num outeiro fértil. Ele a cavou e tirou dela as pedras; plantou-a de cepas escolhidas. Edificou-lhe uma torre no meio, e construiu aí um lagar. A vinha do Senhor dos exércitos é a casa de Israel

IV Leitura (Dt 31, 22-30)


No momento em que o povo da Aliança divina ia entrar, chefiado por Josué, na Terra Prometida, Moisés recorda-lhes os seus graves deveres. Assim a Igreja, para com o novo povo de Deus, o povo da Aliança batismal, em marcha, seguindo a Jesus, novo Josué, para a Jerusalém celeste. 


Leitura do Livro do Deuteronômio.

Naqueles dias:Nesse mesmo dia, Moisés redigiu o cântico e o ensinou aos israelitas. O Senhor deu a Josué, filho de Nun, as seguintes ordens: Mostra-te varonil e corajoso, porque tu introduzirás os israelitas na terra que lhes jurei dar; e estarei contigo. Quando Moisés acabou de escrever todo o texto dessa lei, deu aos levitas, que levavam a arca da aliança do Senhor, esta ordem: Tomai este livro da lei e colocai-o ao lado da arca da aliança do Senhor, vosso Deus, para aí servir de testemunho contra ti, porque conheço teu espírito de revolta e sei que tens a cerviz dura. Se hoje, que ainda estou vivo no meio de vós, sois rebeldes ao Senhor, quanto mais o sereis depois de minha morte. Reuni junto de mim todos os anciães de vossas tribos e vossos magistrados: dirigir-lhes-ei estas palavras e tomarei o céu e a terra como testemunhas contra eles. Pois sei que depois de minha morte vos corrompereis certamente e vos desviareis do caminho que vos tracei; sei que virão males sobre vós no decorrer dos tempos, porque fareis o mal aos olhos do Senhor, irritando-o com o vosso proceder. Então pronunciou Moisés até o fim este cântico, em presença da assembléia:

Cântico (Dt 32, 1-4)

Estai atentos, ó céus, eu vou falar. E a terra ouça as palavras de minha boca. Derrame-se como chuva a minha doutrina, espalhe-se como orvalho a minha palavra, como aguaceiro sobre os campos verdejantes, como chuvarada sobre a relva. Porque vou proclamar o nome do Senhor, dar glória ao nosso Deus! Ele é o rochedo, perfeita é a sua obra, justos, todos os seus caminhos; é Deus de lealdade, não de iniqüidade, ele é justo, ele é reto.


MISSA DA NOITE DE PÁSCOA

A Santa Igreja, depois de nos ter feito reviver a graça do batismo, convida-nos a oferecer com ela o santo sacrifício da missa. É a ação de graças dos redimidos: no mistério da celebração eucarística, oferece a Deus o sacrifício do Calvário, em que o Cordeiro pascal, imolado para salvação do mundo, nos obteve a Redenção.

Esta missa canta a alegria da Ressurreição. Entoando o “Glória in Excelsis”, tocam o órgão e os sinos, que se tinham calado desde Quinta-feira Santa. Depois da epístola, sente-se a alegria transbordar, à tríplice entoação do “Alleluia”, cantado pelo celebrante e repetido pela assembleia, seguido logo pelo entusiástico “Confitémini” e salmo “Laudáte”, em que a alegria pascal não conhece limites.


Epístola (Col 3, 1-4)


Epístola breve, mas rica de sentido: afirmação da vida nova e exortação instante à fidelidade cristã. Vivamos como ressuscitados, na radiosa esperança da glória celeste. 


Leitura da Epístola de São Apóstolo aos Colossenses.

Naqueles dias: Se, portanto, ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas lá do alto, onde Cristo está sentado à direita de Deus. Afeiçoai-vos às coisas lá de cima, e não às da terra. Porque estais mortos e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus. Quando Cristo, vossa vida, aparecer, então também vós aparecereis com ele na glória.

Terminada a Epístola o celebrante entoa, elevando a voz gradualmente:

ALELUIA!

ALELUIA!

ALELUIA!

O coro responde no mesmo tom do celebrante e depois continua: 

Salmo 117,1

Louvai ao Senhor, porque ele é bom; porque eterna é a sua misericórdia.

Prossegue-se com o Trato. 

Evangelho (Mt 28, 1-7)


Na aurora do dia de Páscoa, diante do túmulo vazio, um ajo resplandecente de luz anuncia às santas mulheres a Ressurreição do Senhor.


Sequência do Santo Evangelho segundo Mateus. 

Naquele Tempo: Depois do sábado, quando amanhecia o primeiro dia da semana, Maria Madalena e a outra Maria foram ver o túmulo. E eis que houve um violento tremor de terra: um anjo do Senhor desceu do céu, rolou a pedra e sentou-se sobre ela. Resplandecia como relâmpago e suas vestes eram brancas como a neve. Vendo isto, os guardas pensaram que morreriam de pavor. Mas o anjo disse às mulheres: Não temais! Sei que procurais Jesus, que foi crucificado. Não está aqui: ressuscitou como disse. Vinde e vede o lugar em que ele repousou. Ide depressa e dizei aos discípulos que ele ressuscitou dos mortos. Ele vos precede na Galiléia. Lá o haveis de rever, eu vo-lo disse.

 

Liturgia Diária- 30/03/2018

SEXTA-FEIRA SANTA DA PAIXÃO E MORTE DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO

A função litúrgica, em que a Igreja celebra, à tarde, a Redenção do mundo, devia ser cara a todos os cristãos. Neste dia, o canto solene da Paixão, as grandes orações solenes, em que a Igreja pede confiadamente pela salvação dos homens, a adoração da Cruz e o canto dos impropérios são algo mais que simples ritos emocionantes; são a oração de ação de graças dos resgatados que, em comum, reconsideram diante de Deus tudo o que o mistério da Cruz para eles representa. 


Páginas 407 a 435 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963).


Vigília Eucarística às 12 horas e Ação Litúrgica às 15 horas na Capela São Judas Tadeu. Logo após Via-Sacra nas ruas do Bairro Roosevelt.


LEITURAS

I Leitura (Os 6, 1-6)


Para garantir a nossa salvação é preciso algo mais que um superficial e inconstante regresso a Deus.


Leitura do profeta Oseias.

É isto que diz o Senhor: Vinde, voltemos ao Senhor, ele feriu-nos, ele nos curará; ele causou a ferida, ele a pensará. Dar-nos-á de novo a vida em dois dias; ao terceiro dia levantar-nos-á, e viveremos em sua presença. Apliquemo-nos a conhecer o Senhor; sua vinda é certa como a da aurora; ele virá a nós como a chuva, como a chuva da primavera que irriga a terra. Que te farei, Efraim? Que te farei, Judá? Vosso amor é como a nuvem da manhã, como o orvalho que logo se dissipa. Por isso é que os castiguei pelos profetas, e os matei pelas palavras de minha boca, e meu juízo resplandece como o relâmpago, porque eu quero o amor mais que os sacrifícios, e o conhecimento de Deus mais que os holocaustos.

II Leitura (Ex 12, 1-11)


Eis a instituição da antiga páscoa. Todos os anos, celebravam os Judeus, nesta data, a sua saída do Egito e o fim da sua escravidão, imolando e comendo “o cordeiro da passagem”, memorial daquele cordeio, cujo sangue tinha preservado os seus antepassados, na passagem do anjo exterminador.


Leitura do Livro do Êxodo.

Naqueles dias: O Senhor disse a Moisés e a Aarão: “Este mês será para vós o princípio dos meses: tê-lo-eis como o primeiro mês do ano. Dizei a toda a assembléia de Israel: no décimo dia deste mês cada um de vós tome um cordeiro por família, um cordeiro por casa. Se a família for pequena demais para um cordeiro, então o tomará em comum com seu vizinho mais próximo, segundo o número das pessoas, calculando-se o que cada um pode comer. O animal será sem defeito, macho, de um ano; podereis tomar tanto um cordeiro como um cabrito. E o guardareis até o décimo quarto dia deste mês; então toda a assembléia de Israel o imolará no crepúsculo. Tomarão do seu sangue e pô-lo-ão sobre as duas ombreiras e sobre a verga da porta das casas em que o comerem. Naquela noite comerão a carne assada no fogo com pães sem fermento e ervas amargas. Nada comereis dele que seja cru, ou cozido, mas será assado no fogo completamente com a cabeça, as pernas e as entranhas. Nada deixareis dele até pela manhã; se sobrar alguma coisa, queimá-la-eis no fogo. Eis a maneira como o comereis: tereis cingidos os vossos rins, vossas sandálias nos pés e vosso cajado na mão. Comê-lo-eis apressadamente: é a Páscoa do Senhor.

Paixão segundo João. (Jo 18: 1-40; 19: 1-42)


Na narrativa de São João, enquadrada como está na celebração da Páscoa dos Judeus, a Paixão aparece-nos como um mistério de salvação, mistério cujo significado é sugerido pelo golpe de lança, que trespassou o peito de Jesus: a morte de jesus deu origem ao nascimento da Igreja, tal como a imolação do cordeiro da antiga páscoa, relativamente ao povo eleito. Jesus vai corajosamente ao encontro da Paixão, sabendo que vai coroar a sua missão. Mostra que é Rei, mas de um reino espiritual, que não é deste mundo. Domina os adversários e sabe que a sua morte vai ser o sinal do seu triunfo e da derrocada de Satanás.


Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João. 

No Getsemani. Prisão de Jesus.

Naquele Tempo: Jesus saiu com os seus discípulos para além da torrente de Cedron, onde havia um jardim, no qual entrou com os seus discípulos. Judas, o traidor, conhecia também aquele lugar, porque Jesus ia freqüentemente para lá com os seus discípulos.Tomou então Judas a coorte e os guardas de serviço dos pontífices e dos fariseus, e chegaram ali com lanternas, tochas e armas. Como Jesus soubesse tudo o que havia de lhe acontecer, adiantou-se e perguntou-lhes: A quem buscais? Responderam: A Jesus de Nazaré. Sou eu, disse-lhes. (Também Judas, o traidor, estava com eles.) Quando lhes disse Sou eu, recuaram e caíram por terra. Perguntou-lhes ele, pela segunda vez: A quem buscais? Disseram: A Jesus de Nazaré. Replicou Jesus: Já vos disse que sou eu. Se é, pois, a mim que buscais, deixai ir estes. Assim se cumpriu a palavra que disse: Dos que me deste não perdi nenhum (Jo 17,12). Simão Pedro, que tinha uma espada, puxou dela e feriu o servo do sumo sacerdote, decepando-lhe a orelha direita. (O servo chamava-se Malco.) Mas Jesus disse a Pedro: Enfia a tua espada na bainha! Não hei de beber eu o cálice que o Pai me deu? 

Jesus conduzido a Anás e Caifás. 

Conduziram-no primeiro a Anás, por ser sogro de Caifás, que era o sumo sacerdote daquele ano. Caifás fora quem dera aos judeus o conselho: Convém que um só homem morra em lugar do povo. Simão Pedro seguia Jesus, e mais outro discípulo. Este discípulo era conhecido do sumo sacerdote e entrou com Jesus no pátio da casa do sumo sacerdote, porém Pedro ficou de fora, à porta. Mas o outro discípulo (que era conhecido do sumo sacerdote) saiu e falou à porteira, e esta deixou Pedro entrar. A porteira perguntou a Pedro: Não és acaso também tu dos discípulos desse homem? Não o sou, respondeu ele. Os servos e os guardas acenderam um fogo, porque fazia frio, e se aqueciam. Com eles estava também Pedro, de pé, aquecendo-se. O sumo sacerdote indagou de Jesus acerca dos seus discípulos e da sua doutrina. Jesus respondeu-lhe: Falei publicamente ao mundo. Ensinei na sinagoga e no templo, onde se reúnem os judeus, e nada falei às ocultas. Por que me perguntas? Pergunta àqueles que ouviram o que lhes disse. Estes sabem o que ensinei. A estas palavras, um dos guardas presentes deu uma bofetada em Jesus, dizendo: É assim que respondes ao sumo sacerdote? Replicou-lhe Jesus: Se falei mal, prova-o, mas se falei bem, por que me bates? (Anás enviou-o preso ao sumo sacerdote Caifás.) Simão Pedro estava lá se aquecendo. Perguntaram-lhe: Não és porventura, também tu, dos seus discípulos? Negou-o, dizendo: Não! Disse-lhe um dos servos do sumo sacerdote, parente daquele a quem Pedro cortara a orelha: Não te vi eu com ele no horto? Mas Pedro negou-o outra vez, e imediatamente o galo cantou.

Jesus diante de Pilatos.

Da casa de Caifás conduziram Jesus ao pretório. Era de manhã cedo. Mas os judeus não entraram no pretório, para não se contaminarem e poderem comer a Páscoa. Saiu, por isso, Pilatos para ter com eles, e perguntou: Que acusação trazeis contra este homem? Responderam-lhe: Se este não fosse malfeitor, não o teríamos entregue a ti. Disse, então, Pilatos: Tomai-o e julgai-o vós mesmos segundo a vossa lei. Responderam-lhe os judeus: Não nos é permitido matar ninguém. Assim se cumpria a palavra com a qual Jesus indicou de que gênero de morte havia de morrer (Mt 20,19).
Pilatos entrou no pretório, chamou Jesus e perguntou-lhe: És tu o rei dos judeus? Jesus respondeu: Dizes isso por ti mesmo, ou foram outros que to disseram de mim? Disse Pilatos: Acaso sou eu judeu? A tua nação e os sumos sacerdotes entregaram-te a mim. Que fizeste? Respondeu Jesus: O meu Reino não é deste mundo. Se o meu Reino fosse deste mundo, os meus súditos certamente teriam pelejado para que eu não fosse entregue aos judeus. Mas o meu Reino não é deste mundo. Perguntou-lhe então Pilatos: És, portanto, rei? Respondeu Jesus: Sim, eu sou rei. É para dar testemunho da verdade que nasci e vim ao mundo. Todo o que é da verdade ouve a minha voz. Disse-lhe Pilatos: Que é a verdade?… Falando isso, saiu de novo, foi ter com os judeus e disse-lhes: Não acho nele crime algum.
Mas é costume entre vós que pela Páscoa vos solte um preso. Quereis, pois, que vos solte o rei dos judeus? Então todos gritaram novamente e disseram: Não! A este não! Mas a Barrabás! (Barrabás era um salteador.)

Ultrajes e coroação de espinhos

Pilatos mandou então flagelar Jesus. Os soldados teceram de espinhos uma coroa e puseram-lha sobre a cabeça e cobriram-no com um manto de púrpura. Aproximavam-se dele e diziam: Salve, rei dos judeus! E davam-lhe bofetadas.

Jesus de novo diante de Pilatos

Pilatos saiu outra vez e disse-lhes: Eis que vo-lo trago fora, para que saibais que não acho nele nenhum motivo de acusação. Apareceu então Jesus, trazendo a coroa de espinhos e o manto de púrpura. Pilatos disse: Eis o homem!
Quando os pontífices e os guardas o viram, gritaram: Crucifica-o! Crucifica-o! Falou-lhes Pilatos: Tomai-o vós e crucificai-o, pois eu não acho nele culpa alguma. Responderam-lhe os judeus: Nós temos uma lei, e segundo essa lei ele deve morrer, porque se declarou Filho de Deus. Estas palavras impressionaram Pilatos. Entrou novamente no pretório e perguntou a Jesus: De onde és tu? Mas Jesus não lhe respondeu. Pilatos então lhe disse: Tu não me respondes? Não sabes que tenho poder para te soltar e para te crucificar? Respondeu Jesus: Não terias poder algum sobre mim, se de cima não te fora dado. Por isso, quem me entregou a ti tem pecado maior. Desde então Pilatos procurava soltá-lo. Mas os judeus gritavam: Se o soltares, não és amigo do imperador, porque todo o que se faz rei se declara contra o imperador. Ouvindo estas palavras, Pilatos trouxe Jesus para fora e sentou-se no tribunal, no lugar chamado Lajeado, em hebraico Gábata. (Era a Preparação para a Páscoa, cerca da hora sexta.) Pilatos disse aos judeus: Eis o vosso rei! Mas eles clamavam: Fora com ele! Fora com ele! Crucifica-o! Pilatos perguntou-lhes: Hei de crucificar o vosso rei? Os sumos sacerdotes responderam: Não temos outro rei senão César! Entregou-o então a eles para que fosse crucificado.

Crucifixão

Levaram então consigo Jesus. Ele próprio carregava a sua cruz para fora da cidade, em direção ao lugar chamado Calvário, em hebraico Gólgota. Ali o crucificaram, e com ele outros dois, um de cada lado, e Jesus no meio.
Pilatos redigiu também uma inscrição e a fixou por cima da cruz. Nela estava escrito: Jesus de Nazaré, rei dos judeus. Muitos dos judeus leram essa inscrição, porque Jesus foi crucificado perto da cidade e a inscrição era redigida em hebraico, em latim e em grego. Os sumos sacerdotes dos judeus disseram a Pilatos: Não escrevas: Rei dos judeus, mas sim: Este homem disse ser o rei dos judeus. Respondeu Pilatos: O que escrevi, escrevi.

Seus vestidos deitados à sorte

Depois de os soldados crucificarem Jesus, tomaram as suas vestes e fizeram delas quatro partes, uma para cada soldado. A túnica, porém, toda tecida de alto a baixo, não tinha costura. Disseram, pois, uns aos outros: Não a rasguemos, mas deitemos sorte sobre ela, para ver de quem será. Assim se cumpria a Escritura: Repartiram entre si as minhas vestes e deitaram sorte sobre a minha túnica (Sl 21,19). Isso fizeram os soldados.

Últimos momentos e morte de Jesus

Junto à cruz de Jesus estavam de pé sua mãe, a irmã de sua mãe, Maria, mulher de Cléofas, e Maria Madalena. Quando Jesus viu sua mãe e perto dela o discípulo que amava, disse à sua mãe: Mulher, eis aí teu filho. Depois disse ao discípulo: Eis aí tua mãe. E dessa hora em diante o discípulo a levou para a sua casa. Em seguida, sabendo Jesus que tudo estava consumado, para se cumprir plenamente a Escritura, disse: Tenho sede. Havia ali um vaso cheio de vinagre. Os soldados encheram de vinagre uma esponja e, fixando-a numa vara de hissopo, chegaram-lhe à boca. Havendo Jesus tomado do vinagre, disse: Tudo está consumado. Inclinou a cabeça e rendeu o espírito.

(Aqui se ajoelha por um tempo.)

Depois da morte de Jesus

Os judeus temeram que os corpos ficassem na cruz durante o sábado, porque já era a Preparação e esse sábado era particularmente solene. Rogaram a Pilatos que se lhes quebrassem as pernas e fossem retirados.
Vieram os soldados e quebraram as pernas do primeiro e do outro, que com ele foram crucificados. Chegando, porém, a Jesus, como o vissem já morto, não lhe quebraram as pernas, mas um dos soldados abriu-lhe o lado com uma lança e, imediatamente, saiu sangue e água. O que foi testemunha desse fato o atesta (e o seu testemunho é digno de fé, e ele sabe que diz a verdade), a fim de que vós creiais. Assim se cumpriu a Escritura: Nenhum dos seus ossos será quebrado (Ex 12,46).E diz em outra parte a Escritura: Olharão para aquele que transpassaram (Zc 12,10).

Sepultura

Depois disso, José de Arimatéia, que era discípulo de Jesus, mas ocultamente, por medo dos judeus, rogou a Pilatos a autorização para tirar o corpo de Jesus. Pilatos permitiu. Foi, pois, e tirou o corpo de Jesus. Acompanhou-o Nicodemos (aquele que anteriormente fora de noite ter com Jesus), levando umas cem libras de uma mistura de mirra e aloés. Tomaram o corpo de Jesus e envolveram-no em panos com os aromas, como os judeus costumam sepultar. No lugar em que ele foi crucificado havia um jardim, e no jardim um sepulcro novo, em que ninguém ainda fora depositado.Foi ali que depositaram Jesus por causa da Preparação dos judeus e da proximidade do túmulo.

 

Liturgia Diária- 29/03/2018

MISSA COMEMORATIVA DA CEIA DO SENHOR, LAVA-PÉS OU MANDATO

Féria de 1ª Classe- Missa Própria

Precisamente no momento em que os inimigos Lhe maquinavam a morte, o Salvador institui um meio de perpetuar o seu sacrifício redentor e de imortalizar a sua presença. Em recordação da Última Ceia, celebra hoje a Igreja o santo Sacrifício, no meio de radiante alegria: ministros com paramentos de festa, canto do Glória ao som do órgão e dos sinos. 

A princípio, há uma só missa em cada Igreja. No dia de aniversário da instituição da Eucaristia, isto tem por fim recordar que h´um só sacerdócio, a quem Jesus confiou o múnus de renovar perpetuamente o seu sacrifício (epístola). Nas orações do cânon da missa, no “Communicantes” e no momento mesmo da consagração, a Igreja evoca, com emoção, a memória de Jesus, ao instituir e celebrar o sacrifício de ação de graças, na véspera da sua Paixão. 


Páginas 396 a 406 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963).


Missa Cantada às 20 horas na Capela São Judas Tadeu, com adoração do Santíssimo Sacramento após a Missa.


LEITURAS

Epístola (I Cor 11, 20-32)


A descrição que São Paulo nos faz na última Ceia apresenta-se, no contexto, enquadrada entre várias prescrições, concernentes à caridade fraterna. Não foi esse, com efeito, o mandamento novo, que Jesus legou aos seus discípulos, precisamente neste dia? E o sacrifício da missa, realização sacramental (como a Ceia), do sacrifício da Cruz, não é, ele também, fator supremo da unidade cristã?


Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Coríntios.

Irmãos: Quando vos reunis, já não é para comer a ceia do Senhor, porquanto, mal vos pondes à mesa, cada um se apressa a tomar sua própria refeição; e enquanto uns têm fome, outros se fartam. Porventura não tendes casa onde comer e beber? Ou menosprezais a Igreja de Deus, e quereis envergonhar aqueles que nada têm? Que vos direi? Devo louvar-vos? Não! Nisto não vos louvo… Eu recebi do Senhor o que vos transmiti: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão e, depois de ter dado graças, partiu-o e disse: Isto é o meu corpo, que é entregue por vós; fazei isto em memória de mim. Do mesmo modo, depois de haver ceado, tomou também o cálice, dizendo: Este cálice é a Nova Aliança no meu sangue; todas as vezes que o beberdes, fazei-o em memória de mim. Assim, todas as vezes que comeis desse pão e bebeis desse cálice lembrais a morte do Senhor, até que venha. Portanto, todo aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor indignamente será culpável do corpo e do sangue do Senhor. Que cada um se examine a si mesmo, e assim coma desse pão e beba desse cálice. Aquele que o come e o bebe sem distinguir o corpo do Senhor, come e bebe a sua própria condenação. Esta é a razão por que entre vós há muitos adoentados e fracos, e muitos mortos. Se nos examinássemos a nós mesmos, não seríamos julgados. Mas, sendo julgados pelo Senhor, ele nos castiga para não sermos condenados com o mundo.

Evangelho (Jo 13, 1-15)


A instituição da Eucaristia foi descrita na epístola. O evangelho transmite-nos a grande lição de caridade fraterna, de que Jesus quis deixar um exemplo inolvidável, curvando-se diante dos discípulos, para lhes lavar os pés. 


Sequência do Santo Evangelho segundo João.

Antes da festa da Páscoa, sabendo Jesus que chegara a sua hora de passar deste mundo ao Pai, como amasse os seus que estavam no mundo, até o extremo os amou. Durante a ceia, – quando o demônio já tinha lançado no coração de Judas, filho de Simão Iscariotes, o propósito de traí-lo -, sabendo Jesus que o Pai tudo lhe dera nas mãos, e que saíra de Deus e para Deus voltava, levantou-se da mesa, depôs as suas vestes e, pegando duma toalha, cingiu-se com ela. Em seguida, deitou água numa bacia e começou a lavar os pés dos discípulos e a enxugá-los com a toalha com que estava cingido. Chegou a Simão Pedro. Mas Pedro lhe disse: Senhor, queres lavar-me os pés!… Respondeu-lhe Jesus: O que faço não compreendes agora, mas compreendê-lo-ás em breve. Disse-lhe Pedro: Jamais me lavarás os pés!… Respondeu-lhe Jesus: Se eu não tos lavar, não terás parte comigo. Exclamou então Simão Pedro: Senhor, não somente os pés, mas também as mãos e a cabeça. Disse-lhe Jesus: Aquele que tomou banho não tem necessidade de lavar-se; está inteiramente puro. Ora, vós estais puros, mas nem todos!… Pois sabia quem o havia de trair; por isso, disse: Nem todos estais puros. Depois de lhes lavar os pés e tomar as suas vestes, sentou-se novamente à mesa e perguntou-lhes: Sabeis o que vos fiz? Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, porque eu o sou. Logo, se eu, vosso Senhor e Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar-vos os pés uns aos outros. Dei-vos o exemplo para que, como eu vos fiz, assim façais também vós.


PARTITURAS E ÁUDIOS

 

Liturgia Diária- 27/03/2018

TERÇA-FEIRA DA SEMANA SANTA

Féria de 1ª Classe- Missa Própria

A salvação, a vida e ressurreição dos cristãos encontram-se na cruz do Salvador, como o lembra o introito, num canto cheio de alegria, que abrirá, igualmente, a missa de Quinta-feira Santa. Nas orações, o mesmo pensamento: a celebração dos mistérios da nossa Redenção deve alcançar-nos perdão e cura, renovação da vida sobrenatural e será penhor da eternidade.

A epístola, tirada de Jeremias, anuncia a imolação do Cordeiro e sublinha a inocência de Jesus e a sua serenidade, posta em relevo igualmente na narração da Paixão segundo São Marcos.


Páginas 353 a 364 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963).


Missa às 18:30 horas na Capela São Judas Tadeu.


LEITURAS

Leitura (Jr 11, 18-20)


Pela sua serenidade no meio das conjuras, que se tramam à sua volta, Jeremias é a figura do Cordeiro inocente, que se deixa imolar, sem um queixume. 


Leitura do profeta Jeremias.

Naqueles dias: Instruído pelo Senhor, eu o desvendei. Vós me fizestes conhecer seus intentos. E eu, qual manso cordeiro conduzido à matança, ignorava as maquinações tramadas contra mim: destruamos a árvore em seu vigor. Arranquemo-la da terra dos vivos, e que seu nome caia no esquecimento. Vós sois, porém, Senhor dos exércitos, justo juiz que sondais os rins e os corações. Serei testemunha da vingança que tomarei deles e a vós confio minha causa.

Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos (Mc 14, 1-72; 15, 1-46)


A narrativa de São Marcos salienta o encarniçamento dos cabecilhas do povo judeu, que buscam a perda de Jesus e, como contraste, a serenidade do Salvador e a liberdade, com que espontaneamente vai ao encontro da morte. Acompanha a morte do Senhor uma série de prodígios, cujo sentido se revela na profissão de fé do centurião: “Verdadeiramente, este homem era Filho de Deus!”. Ao escrever o seu Evangelho, São Marcos tem particularmente em vista os pagãos, aos quais procura inculcar a fé na divindade do Salvador.


Naquele tempo, Jesus, com seus discípulos, dirigiu-se para o lugar chamado Getsêmani, e disse a seus discípulos: Sentai-vos aqui, enquanto vou orar. Levou consigo Pedro, Tiago e João; e começou a ter pavor e a angustiar-se.
Disse-lhes: A minha alma está numa tristeza mortal; ficai aqui e vigiai. Adiantando-se alguns passos, prostrou-se com a face por terra e orava que, se fosse possível, passasse dele aquela hora. Aba! (Pai!), suplicava ele. Tudo te é possível; afasta de mim este cálice! Contudo, não se faça o que eu quero, senão o que tu queres. Em seguida, foi ter com seus discípulos e achou-os dormindo. Disse a Pedro: Simão, dormes? Não pudeste vigiar uma hora! Vigiai e orai, para que não entreis em tentação. Pois o espírito está pronto, mas a carne é fraca. Afastou-se outra vez e orou, dizendo as mesmas palavras. Voltando, achou-os de novo dormindo, porque seus olhos estavam pesados; e não sabiam o que lhe responder. Voltando pela terceira vez, disse-lhes: Dormi e descansai. Basta! Veio a hora! O Filho do homem vai ser entregue nas mãos dos pecadores. Levantai-vos e vamos! Aproxima-se o que me há de entregar.
Ainda falava, quando chegou Judas Iscariotes, um dos Doze, e com ele um bando armado de espadas e cacetes, enviado pelos sumos sacerdotes, escribas e anciãos. Ora, o traidor tinha-lhes dado o seguinte sinal: Aquele a quem eu beijar é ele. Prendei-o e levai-o com cuidado.Assim que ele se aproximou de Jesus, disse: Rabi!, e o beijou.
Lançaram-lhe as mãos e o prenderam. Um dos circunstantes tirou da espada, feriu o servo do sumo sacerdote e decepou-lhe a orelha. Mas Jesus tomou a palavra e disse-lhes: Como a um bandido, saístes com espadas e cacetes para prender-me!Entretanto, todos os dias estava convosco, ensinando no templo, e não me prendestes. Mas isso acontece para que se cumpram as Escrituras.Então todos o abandonaram e fugiram. Seguia-o um jovem coberto somente de um pano de linho; e prenderam-no. Mas, lançando ele de si o pano de linho, escapou-lhes despido.  Conduziram Jesus à casa do sumo sacerdote, onde se reuniram todos os sacerdotes, escribas e anciãos. Pedro o foi seguindo de longe até dentro do pátio. Sentou-se junto do fogo com os servos e aquecia-se. Os sumos sacerdotes e todo o conselho buscavam algum testemunho contra Jesus, para o condenar à morte, mas não o achavam.Muitos diziam falsos testemunhos contra ele, mas seus depoimentos não concordavam.Levantaram-se, então, alguns e deram esse falso testemunho contra ele: Ouvimo-lo dizer: Eu destruirei este templo, feito por mãos de homens, e em três dias edificarei outro, que não será feito por mãos de homens.Mas nem neste ponto eram coerentes os seus testemunhos. O sumo sacerdote levantou-se no meio da assembléia e perguntou a Jesus: Não respondes nada? O que é isto que dizem contra ti? Mas Jesus se calava e nada respondia. O sumo sacerdote tornou a perguntar-lhe: És tu o Cristo, o Filho de Deus bendito? Jesus respondeu: Eu o sou. E vereis o Filho do Homem sentado à direita do poder de Deus, vindo sobre as nuvens do céu. O sumo sacerdote rasgou então as suas vestes. Para que desejamos ainda testemunhas?!, exclamou ele. Ouvistes a blasfêmia! Que vos parece? E unanimemente o julgaram merecedor da morte. Alguns começaram a cuspir nele, a tapar-lhe o rosto, a dar-lhe socos e a dizer-lhe: Adivinha! Os servos igualmente davam-lhe bofetadas. Estando Pedro embaixo, no pátio, veio uma das criadas do sumo sacerdote.
Ela fixou os olhos em Pedro, que se aquecia, e disse: Também tu estavas com Jesus de Nazaré. Ele negou: Não sei, nem compreendo o que dizes. E saiu para a entrada do pátio; e o galo cantou. A criada, que o vira, começou a dizer aos circunstantes: Este faz parte do grupo deles. Mas Pedro negou outra vez. Pouco depois, os que ali estavam diziam de novo a Pedro: Certamente tu és daqueles, pois és galileu. Então ele começou a praguejar e a jurar: Não conheço esse homem de quem falais. E imediatamente cantou o galo pela segunda vez. Pedro lembrou-se da palavra que Jesus lhe havia dito: Antes que o galo cante duas vezes, três vezes me negarás. E, lembrando-se disso, rompeu em soluços. Logo pela manhã se reuniram os sumos sacerdotes com os anciãos, os escribas e com todo o conselho. E tendo amarrado Jesus, levaram-no e entregaram-no a Pilatos. Este lhe perguntou: És tu o rei dos judeus? Ele lhe respondeu: Sim.Os sumos sacerdotes acusavam-no de muitas coisas.Pilatos perguntou-lhe outra vez: Nada respondes? Vê de quantos delitos te acusam! Mas Jesus nada mais respondeu, de modo que Pilatos ficou admirado.
Ora, costumava ele soltar-lhes em cada festa qualquer dos presos que pedissem. Havia na prisão um, chamado Barrabás, que fora preso com seus cúmplices, o qual na sedição perpetrara um homicídio. O povo que tinha subido começou a pedir-lhe aquilo que sempre lhes costumava conceder. Pilatos respondeu-lhes: Quereis que vos solte o rei dos judeus? (Porque sabia que os sumos sacerdotes o haviam entregue por inveja.) Mas os pontífices instigaram o povo para que pedissem de preferência que lhes soltasse Barrabás. Pilatos falou-lhes outra vez: E que quereis que eu faça daquele a quem chamais o rei dos judeus? Eles tornaram a gritar: Crucifica-o! Pilatos replicou: Mas que mal fez ele? Eles clamavam mais ainda: Crucifica-o! Querendo Pilatos satisfazer o povo, soltou-lhes Barrabás e entregou Jesus, depois de açoitado, para que fosse crucificado. Os soldados conduziram-no ao interior do pátio, isto é, ao pretório, onde convocaram toda a coorte.Vestiram Jesus de púrpura, teceram uma coroa de espinhos e a colocaram na sua cabeça. E começaram a saudá-lo: Salve, rei dos judeus! Davam-lhe na cabeça com uma vara, cuspiam nele e punham-se de joelhos como para homenageá-lo. Depois de terem escarnecido dele, tiraram-lhe a púrpura, deram-lhe de novo as vestes e conduziram-no fora para o crucificar. Passava por ali certo homem de Cirene, chamado Simão, que vinha do campo, pai de Alexandre e de Rufo, e obrigaram-no a que lhe levasse a cruz. Conduziram Jesus ao lugar chamado Gólgota, que quer dizer lugar do crânio. Deram-lhe de beber vinho misturado com mirra, mas ele não o aceitou. Depois de o terem crucificado, repartiram as suas vestes, tirando a sorte sobre elas, para ver o que tocaria a cada um. Era a hora terceira quando o crucificaram. A inscrição que motivava a sua condenação dizia: O rei dos judeus. Crucificaram com ele dois bandidos: um à sua direita e outro à esquerda. [Cumpriu-se assim a passagem da Escritura que diz: Ele foi contado entre os malfeitores (Is 53,12).] Os que iam passando injuriavam-no e abanavam a cabeça, dizendo: Olá! Tu que destróis o templo e o reedificas em três dias, salva-te a ti mesmo! Desce da cruz! Desta maneira, escarneciam dele também os sumos sacerdotes e os escribas, dizendo uns para os outros: Salvou a outros e a si mesmo não pode salvar! Que o Cristo, rei de Israel, desça agora da cruz, para que vejamos e creiamos! Também os que haviam sido crucificados com ele o insultavam. Desde a hora sexta até a hora nona, houve trevas por toda a terra. E à hora nona Jesus bradou em alta voz: Elói, Elói, lammá sabactáni?, que quer dizer: Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste? Ouvindo isto, alguns dos circunstantes diziam: Ele chama por Elias!
Um deles correu e ensopou uma esponja em vinagre e, pondo-a na ponta de uma vara, deu-lho para beber, dizendo: Deixai, vejamos se Elias vem tirá-lo. Nisto, Jesus deu um grande brado e expirou. (Aqui ajoelha-se e faz-se uma breve pausa). O véu do templo rasgou-se então de alto a baixo em duas partes. O centurião que estava diante de Jesus, ao ver que ele tinha expirado assim, disse: Este homem era realmente o Filho de Deus. Achavam-se ali também umas mulheres, observando de longe, entre as quais Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago, o Menor, e de José, e Salomé, que o tinham seguido e o haviam assistido, quando ele estava na Galileia; e muitas outras que haviam subido juntamente com ele a Jerusalém. Quando já era tarde – era a Preparação, isto é‚ é a véspera do sábado -, veio José de Arimatéia, ilustre membro do conselho, que também esperava o Reino de Deus; ele foi resoluto à presença de Pilatos e pediu o corpo de Jesus. Pilatos admirou-se de que ele tivesse morrido tão depressa. E, chamando o centurião, perguntou se já havia muito tempo que Jesus tinha morrido. Obtida a resposta afirmativa do centurião, mandou dar-lhe o corpo. Depois de ter comprado um pano de linho, José tirou-o da cruz, envolveu-o no pano e depositou-o num sepulcro escavado na rocha, rolando uma pedra para fechar a entrada.

 

Liturgia Diária- 26/03/2017

SEGUNDA-FEIRA DA SEMANA SANTA 

Féria de 1ª Classe- Missa Própria

A Igreja convida-nos a reviver, em espírito, os últimos dias de vida do Divino Mestre, e os sentimentos que o animaram ao aproximar-se da Paixão.Isaías descreve antecipadamente a atitude do Justo sofredor, que confia a Deus a sua defesa; certo do triunfo, entrega-se aos adversários por amor de seus irmãos. O evangelho mostra-nos Jesus durante uma refeição em Betânia, seis dias antes da Páscoa. Tudo indica o próximo desenlace: o gesto de Maria evoca a sepultura, os sentimentos de Judas fazem prever o crime do traidor, a presença de Lázaro ressuscitado pressagia a ressurreição do Senhor.


Páginas 350 a 353 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963).


Missa às 18:30 horas na Capela São Judas Tadeu.


LEITURAS

Leitura (Is 50, 5-10)


Profecia impressionante da flagelação. A vários séculos de distância, Isaías descreve o Messias sofredor: consciente da sua missão, seguro do seu triunfo final, abandona-se a Deus, e aceita as presentes humilhações, para salvação dos homens. 


Leitura do profeta Isaías.

Naqueles dias, disse Isaías: O Senhor Deus abriu-me o ouvido e eu não relutei, não me esquivei. Aos que me feriam, apresentei as espáduas, e as faces àqueles que me arrancavam a barba; não desviei o rosto dos ultrajes e dos escarros. Mas o Senhor Deus vem em meu auxílio: eis por que não me senti desonrado; enrijeci meu rosto como uma pedra, convicto de não ser desapontado. Aquele que me fará justiça aí está. Quem ousará atacar-me? Vamos medir-nos! Quem será meu adversário? Que se apresente! O Senhor Deus vem em meu auxílio: quem ousaria condenar-me? Cairão em frangalhos como um manto velho; a traça os roerá. Que aqueles dentre vós que temem o Senhor ouçam a voz de seu Servo! Que aqueles que caminham no escuro, privados de luz, confiem no nome do Senhor e contem com o seu Deus!

Evangelho (Jo 12, 1-9)


“Ante sex dies paschae”. São João salienta a relação que existe entre a morte de Jesus e a celebração da Páscoa. Dentre os fatos marcantes desta semana de preparação para a Páscoa, notou esta refeição e frisou todos os pormenores, que pressagiam a morte de Jesus.


Sequência do Santo Evangelho segundo João.

Seis dias antes da Páscoa, foi Jesus a Betânia, onde vivia Lázaro, que ele ressuscitara. Deram ali uma ceia em sua honra. Marta servia e Lázaro era um dos convivas. Tomando Maria uma libra de bálsamo de nardo puro, de grande preço, ungiu os pés de Jesus e enxugou-os com seus cabelos. A casa encheu-se do perfume do bálsamo. Mas Judas Iscariotes, um dos seus discípulos, aquele que o havia de trair, disse: Por que não se vendeu este bálsamo por trezentos denários e não se deu aos pobres? Dizia isso não porque ele se interessasse pelos pobres, mas porque era ladrão e, tendo a bolsa, furtava o que nela lançavam. Jesus disse: Deixai-a; ela guardou este perfume para o dia da minha sepultura. Pois sempre tereis convosco os pobres, mas a mim nem sempre me tereis. Uma grande multidão de judeus veio a saber que Jesus lá estava; e chegou, não somente por causa de Jesus, mas ainda para ver Lázaro, que ele ressuscitara. Mas os príncipes dos sacerdotes resolveram tirar a vida também a Lázaro, porque muitos judeus, por causa dele, se afastavam e acreditavam em Jesus. No dia seguinte, uma grande multidão que tinha vindo à festa em Jerusalém ouviu dizer que Jesus se ia aproximando.

Liturgia Diária- 19/03/2018

SÃO JOSÉ, Esposo de Maria e Patrono da Santa Igreja

Festa de 1ª Classe- Missa Própria com Comemoração do dia

 

O esposo da Virgem e pai adotivo do Menino jesus, fiel e humilde no cumprimento da bela e delicada missão que Deus lhe confiou, tornou-se modelo de virtudes familiares e das humildes tarefas cotidianas, guardião das almas puras e protetor dos lares cristãos. Seu culto litúrgico é tardio. No século XV fixou-se-lhe a festa a 19 de março, depois de ter sido celebrada em diferentes dias; em 1621 passou a ser celebrada por toda a Igreja como festa de preceito. Pio IX declarou-o padroeiro da Igreja universal em 1847. As antífonas de vésperas e o evangelho da missa são tirados das narrativas evangélicas sobre a infância de Jesus; o essencial do que os evangelistas nos contam sobre São José reduz-se a estes poucos fatos em que o santo aparece profundamente discreto e cheio de fidelidade. A epístola evoca a seu respeito a figura do justo cuja alma, toda voltada para Deus e cumulada de bençãos, se eleva, forte e poderosa, glorificada pelo Senhor e abençoada pelos homens.


Páginas 1009 a 1012 300 a 303 do Missal Quotidiano.


Missa às 18:30 horas na Capela São Judas Tadeu.


LEITURAS

Leitura (Eclo 45,1-6)


Aplicando a São José o elogia de Moisés feito pelo Eclesiástico, a liturgia convida-nos a reencontrar nos homens escolhidos por Deus, os caminhos da Providência divina, que prossegue através dos séculos a realização dos seus desígnios para a salvação do mundo.


Leitura do Livro da Sabedoria. 

Amado por Deus e pelos homens: sua memória é abençoada. O Senhor deu-lhe uma glória semelhante à dos santos; tornou-se poderoso e temido por seus inimigos. Glorificou-o na presença dos reis, prescreveu-lhe suas ordens diante do seu povo, e mostrou-lhe a sua glória. Santificou-o pela sua fé e mansidão, escolheu-o entre todos os homens. Pois (Deus) atendeu-o, ouviu sua voz e o introduziu na nuvem. Deu-lhe seus preceitos perante (seu povo) e a lei da vida e da ciência, para ensinar a Jacó sua aliança e a Israel seus decretos.

Evangelho (Mt 1, 18-21)


Os grandes desígnios de Deus realizam-se com aquela simplicidade de que esta página do evangelho nos dá comovente testemunho. São José age com retidão do justo dócil a Deus.


Sequência do Santo Evangelho segundo Mateus:

Eis como nasceu Jesus Cristo: Maria, sua mãe, estava desposada com José. Antes de coabitarem, aconteceu que ela concebeu por virtude do Espírito Santo. José, seu esposo, que era homem de bem, não querendo difamá-la, resolveu rejeitá-la secretamente. Enquanto assim pensava, eis que um anjo do Senhor lhe apareceu em sonhos e lhe disse: José, filho de Davi, não temas receber Maria por esposa, pois o que nela foi concebido vem do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo de seus pecados.

Liturgia Diária- I Domingo da Paixão

Domingo de 1ª Classe- Missa Própria

“Pai, se for possível, afaste-se de Mim este cálice. Todavia, faça-se a vossa vontade, e não a minha!”.

Os últimos dias, que nos separam da prisão de Jesus, mostram-no constantemente como objeto de ódio de seus inimigos. Mas, que grandeza divina no modo como Ele próprio vai ao encontro da Paixão, senhor dos acontecimentos, dominando os adversários, seguro da “sua hora”, aquele em que, pela obediência ao Pai e pela efusão do sangue, vai realizar-se a Redenção!

“Avançam os estandartes do Rei: é o mistério da Cruz, em que a Vida sofreu a morte, e pela morte restaurou a vida” (hino das vésperas). No limiar destas augustas semanas, a Igreja mostra-nos, em Jesus, a vítima imaculada do sacrifício, que se preparara, e também o vencedor da morte – o príncipe da vida.

Os pensamentos da Igreja vão exclusivamente para Jesus. Ela continua a oferecer a Deus a penitência quaresmal dos fiéis, mas a sua atenção concentra-se na Paixão do Senhor, de quem nos vem a salvação. Isto é particularmente sensível nas partes cantadas das missas desta semana e da Semana Santa. Os textos, em vez de estarem no plural, estão, o mais das vezes, na primeira pessoa do singular; Cristo fala só. Toma sobre si a prece a angústia de todos. Ele é o justo perseguido, que a morte atemoriza, que os pecadores ameaçam, que implora graça e justiça. 


Páginas 295 a 299 do Missal Quotidiano.


Missa Rezada às 9:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes (Rua Mário Paganini, 220, Roosevelt) e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Santa Terezinha.  


PRÓPRIO DO DIA

Intróito (Salmo 42, 1-2;3)


Cristo encarregou-se da nossa causa e advoga-a junto de Deus.


Fazei-me justiça, Senhor, e apoiai a minha causa contra um povo infiel: livrai-me do homem perverso e enganador, já que sois o meu Deus e a minha fortaleza. Sl. Enviai, Senhor, lá do Céu, a vossa luz e a vossa verdade, para que me conduzam ao vosso monte santo, e à vossa morada -Fazei-me justiça, Senhor. 

Coleta

Dignai-Vos olhar benignamente, Senhor, para o vosso povo, governando-o com a vossa graça, quanto ao corpo, e defendendo-o, com a vossa assistência, quanto à alma. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Epístola (Heb 9, 11-15)


Substituindo todos os sacrifícios da antiga Lei, o sacrifício de Cristo é de tal perfeição, que basta para expiar, duma vez para sempre, os nossos pecados e para franquear-nos, de novo, a porta do Céu.


Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Hebreus. 

Irmãos: Veio Cristo, Sumo Sacerdote dos bens vindouros. E através de um tabernáculo mais excelente e mais perfeito, não construído por mãos humanas (isto é, não deste mundo), sem levar consigo o sangue de carneiros ou novilhos, mas com seu próprio sangue, entrou de uma vez por todas no santuário, adquirindo-nos uma redenção eterna. Pois se o sangue de carneiros e de touros e a cinza de uma vaca, com que se aspergem os impuros, santificam e purificam pelo menos os corpos, quanto mais o sangue de Cristo, que pelo Espírito eterno se ofereceu como vítima sem mácula a Deus, purificará a nossa consciência das obras mortas para o serviço do Deus vivo? Por isso ele é mediador do novo testamento. Pela sua morte expiou os pecados cometidos no decorrer do primeiro testamento, para que os eleitos recebam a herança eterna que lhes foi prometida.

Gradual (Salmo 142, 9.10; 14, 48-49)

Arrancai-me, Senhor, das mãos dos meus inimigos, e ensinai-me a fazer a vossa vontade. Porque Vós sois Quem me salva da fúria do povo, e Quem me exalta sobre aqueles que investem contra mim: arrancai-me-eis das mãos do homem perverso. 

Trato (Salmo 128, 1-4)

Muitas vezes me têm combatido desde a minha juventude. Israel que o diga: muitas vezes me combateram, desde a minha juventude. Todavia, nada puderam comigo os pecadores, que se atiravam às minhas costas. Alongaram os seus sulcos fundos, mas Deus, que é justo, abaterá a cerviz dos pecadores.

Evangelho (Jo 8, 46-59)


Jesus afirma a sua divindade cada vez com mais insistência. É isso mesmo que os seus inimigos Lhe censuram e que Lhe merecerá a condenação. Mas aqueles que acolherem as suas palavras, como enviado e Deus, segui-Lo-ão na vida eterna.


Sequência do Santo Evangelho segundo João.

Naquele tempo, disse Jesus à multidão dos judeus: Quem de vós me acusará de pecado? Se vos falo a verdade, por que me não credes? Quem é de Deus ouve as palavras de Deus, e se vós não as ouvis é porque não sois de Deus. Responderam então os judeus: Não dizemos com razão que és samaritano, e que estás possesso de um demônio? Respondeu-lhes Jesus: Eu não estou possesso de demônio, mas honro a meu Pai. Vós, porém, me ultrajais! Não busco a minha glória. Há quem a busque e ele fará justiça. Em verdade, em verdade vos digo: se alguém guardar a minha palavra, não verá jamais a morte. Disseram-lhe os judeus: Agora vemos que és possuído de um demônio. Abraão morreu, e também os profetas. E tu dizes que, se alguém guardar a tua palavra, jamais provará a morte… És acaso maior do que nosso pai Abraão? E, entretanto, ele morreu… e os profetas também. Quem pretendes ser? Respondeu Jesus: Se me glorifico a mim mesmo, a minha glória não é nada; meu Pai é quem me glorifica, aquele que vós dizeis ser o vosso Deus e, contudo, não o conheceis. Eu, porém, o conheço e, se dissesse que não o conheço, seria mentiroso como vós. Mas conheço-o e guardo a sua palavra. Abraão, vosso pai, exultou com o pensamento de ver o meu dia. Viu-o e ficou cheio de alegria. Os judeus lhe disseram: Não tens ainda cinqüenta anos e viste Abraão!… Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: antes que Abraão fosse, eu sou. A essas palavras, pegaram então em pedras para lhas atirar. Jesus, porém, se ocultou e saiu do templo.

Ofertório (Salmo 110, 1; 118, 17. 107)

Louvar-Vos-ei, Senhor, com toda a minha alma. Abençoai o vosso servo. Viverei e porei prática a vossa palavra. Dai-me a vida, segundo a  vossa palavra, Senhor.

Secreta

Fazei, Senhor, que estes dons nos libertem dos laços da nossa maldade, e nos alcancem a graça da vossa misericórdia. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Comunhão (I Cor 11, 24-25)

Isto é o meu corpo, que será entregue por vós. Este é o cálice do Novo Testamento, fundado no meu sangue, diz o Senhor. Todas as vezes que o receberdes, fazei isto em memória de mim.

Pós-Comunhão

Assisti-nos, Senhor, e defendei, com a vossa eterna proteção, aqueles que reanimastes com estes santos mistérios. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. 


PARTITURAS E ÁUDIOS

Liturgia Diária- IV Domingo da Quaresma

Domingo de 1ª Classe- Missa Própria

“Laetare”. É o grito de júbilo, ao chegar o meio da Quaresma, antecipação da alegria pascal, que há de jorrar da Cruz. Em Roma, a estação congregava-se na igreja de Santa Cruz de Jerusalém, escolhida, propositadamente, para cantar as alegrias e as grandezas da nova Jerusalém, a Igreja terrestre e a Cidade celeste. 

No breviário, a Igreja propõe-nos a leitura da história de Moisés, que se resume em dois grandes acontecimentos. Por um lado, Moisés liberta o povo de Deus do cruel cativeiro do Egito, e fá-lo atravessar o Mar Vermelho. É a libertação, o termo da escravatura. Por outro lado, sustenta-o com maná, no deserto, dá-lhe a Lei do Sinai e o conduz para a terra prometida, onde se erguerá, um dia, a Cidade Santa de Jerusalém, à qual todas as tribos se dirigiam anualmente, para cantar a alegria de serem o povo privilegiado, escolhido por Deus.

A missa mostra a realização destas figuras. O verdadeiro Moisés é Cristo, que, tendo-nos libertado da escravidão de Satanás e do pecado, nos faz atravessar as águas do batismo, nos alimenta com a Eucaristia, nos introduz na sua Igreja, a verdadeira Jerusalém e antecipação do Céu, onde os eleitos entoarão, eternamente, o cântico dos resgatados. 

A Igreja sente-se imensamente feliz de possuir estas riquezas, de as ver renovadas incessantemente e de poder comunicá-las. É com este pensamento que, a meio caminho, olhos fitos na Páscoa, a mesma Santa Igreja nos convida a respirar a aragem refrigerante da graça. 

Os paramentos cor-de-rosa, o órgão, as flores do altar, são sinais da sua alegria, que as jubilosas melodias gregorianas vêm, ainda, sublimar. 


Páginas 259 a 264 do Missal Quotidiano.


Missa Rezada às 9:30 horas na Capela São Judas Tadeu e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Diocesana.


PRÓPRIO DO DIA

Intróito (Isaías 66, 10.11; Salmo 121, 1)

Rejubila, Jerusalém, e vós todos os que a amais, reuni-vos para partilhar do seu júbilo. Regozijai-vos com ela de prazer, vós que tendes vivido na tristeza, porque sereis saciados de consolações abundantes. Sl. Alegrei-me naquilo que me foi dito: Iremos para a casa do Senhor. Glória ao Pai.

Coleta

Concedei, Senhor onipotente, que nós, que somos merecidamente castigados pela nossa má conduta, encontremos refrigério na paz da vossa graça. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Epístola (Gl 4, 22-31)


Em linguagem alegórica, em que Agar prefigura a Sinagoga, e Sara, a Igreja, São Paulo dá-nos a interpretação duma célebre do Gênesis (16;21,1-21), demostrando que, na economia da salvação, tudo depende do dom de Deus – “a Promessa”. Os herdeiros desta promessa são os que creem em Jesus, que é a sua realização.


Leitura da Epístola de São Paulo aos Gálatas.

Irmãos: A Escritura diz que Abraão teve dois filhos, um da escrava e outro da livre. O da escrava, filho da natureza; e o da livre, filho da promessa. Nestes fatos há uma alegoria, visto que aquelas mulheres representam as duas alianças: uma, a do monte Sinai, que gera para a escravidão, é Agar. (O monte Sinai está na Arábia.) Corresponde à Jerusalém atual, que é escrava com seus filhos. Mas a Jerusalém lá do alto é livre e esta é a nossa mãe, porque está escrito: Alegra-te, ó estéril, que não davas à luz; rejubila e canta, tu que não tinhas dores de parto, pois são mais numerosos os filhos da abandonada do que daquela que tem marido (Is 54,1). Como Isaac, irmãos, vós sois filhos da promessa. Como naquele tempo o filho da natureza perseguia o filho da promessa, o mesmo se dá hoje. Que diz, porém, a Escritura? Lança fora a escrava e seu filho, porque o filho da escrava não será herdeiro com o filho da livre (Gn 21,10). Pelo que, irmãos, não somos filhos da escrava, mas sim da que é livre.

Gradual (Salmo 121, 1.7)

Alegrei-me com aquilo que me foi dito: Iremos para a casa do Senhor. Haja paz nas tuas muralhas, e abundância nos teus palácios.

Trato (Salmo 124, 1-2)

Aqueles que confiam no Senhor são como a montanha de Sião, porque não vacilará jamais o que habita em Jerusalém. Está cingida de montanhas, e o Senhor vela em volta do seu povo, agora e sempre. 

Evangelho (Jo 6,1-15)


A multiplicação dos pães é anúncio e símbolo da Eucaristia, que é, por excelência, o sacramento pascal, prometido aos batizados. “Os vossos pais comeram o maná, no deserto, e morreram. Eu sou o pão vivo, descido do céu; todo aquele que comer deste pão, viverá eternamente. E o pão, que Eu darei, é a minha carne, para a vida ao mundo”.


Sequência do Santo Evangelho segundo João.

Naquele tempo, Jesus atravessou o lago da Galiléia (que é o de Tiberíades.) Seguia-o uma grande multidão, porque via os milagres que fazia em beneficio dos enfermos. Jesus subiu a um monte e ali se sentou com seus discípulos. Aproximava-se a Páscoa, festa dos judeus. Jesus levantou os olhos sobre aquela grande multidão que vinha ter com ele e disse a Filipe: Onde compraremos pão para que todos estes tenham o que comer? Falava assim para o experimentar, pois bem sabia o que havia de fazer. Filipe respondeu-lhe: Duzentos denários de pão não lhes bastam, para que cada um receba um pedaço. Um dos seus discípulos, chamado André, irmão de Simão Pedro, disse-lhe: Está aqui um menino que tem cinco pães de cevada e dois peixes… mas que é isto para tanta gente? Disse Jesus: Fazei-os assentar. Ora, havia naquele lugar muita relva. Sentaram-se aqueles homens em número de uns cinco mil. Jesus tomou os pães e rendeu graças. Em seguida, distribuiu-os às pessoas que estavam sentadas, e igualmente dos peixes lhes deu quanto queriam. Estando eles saciados, disse aos discípulos: Recolhei os pedaços que sobraram, para que nada se perca. Eles os recolheram e, dos pedaços dos cinco pães de cevada que sobraram, encheram doze cestos. À vista desse milagre de Jesus, aquela gente dizia: Este é verdadeiramente o profeta que há de vir ao mundo. Jesus, percebendo que queriam arrebatá-lo e fazê-lo rei, tornou a retirar-se sozinho para o monte.

Ofertório (Salmo 134, 3.6)

Louvai o Senhor, porque é bom; cantai ao seu nome um salmo, porque é suave, e fez no Céu e na Terra tudo o que quis.

Secreta

Dignai-Vos olhar, Senhor, com bondade, para este sacrifício, e fazei que nos aproveite ao nosso progresso e à nossa salvação espiritual. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Comunhão (Salmo 121, 3-4)

A Jerusalém, cidade santa, cujas partes formam um todo admirável; lá sobem as tribos do Senhor para louvar o seu nome. 

Pós-comunhão

Concedei-nos, Deus de misericórdia, que celebremos com piedade sincera, e recebamos, de coração pura, aqueles santos mistérios, de que sem cessar nos alimentamos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. 


PARTITURAS E ÁUDIOS

Liturgia Diária- III Domingo da Quaresma

Domingo de 1ª Classe- Missa Própria

A missa deste domingo apresenta-nos Jesus a contas com Satanás. Fulmina-o e expulsa-o do corpo dum possesso (evangelho). Logo ao principiar o seu ministério, Jesus teve de medir-se com o demônio. Quando chegar a Paixão travará o combate supremo, mas a vitória está-lhe assegurada. “Vem aí o príncipe deste mundo, mas não tem nenhum poder sobre mim.” O próprio Jesus resume a sua obra como uma vitória definitiva sobre Satanás: “Vai agora ser lançado fora o príncipe deste mundo; quanto a mim, quando for erguido da terra, atrairei todos os homens”.

É, pois, toda a missão de Jesus que nos apresenta, como um combate e um triunfo sobre o demônio. No decurso da Quaresma, a Igreja não podia deixar de o sublinhar. Apresentou-nos, já no primeiro domingo, o evangelho da tentação, cujo sentido foi então explanado. Expulso, hoje, do corpo dum possesso, o demônio vê escapar-se-lhe o domínio que havia usurpado. Estamos a caminho da Paixão e do batismo da noite pascal: depois do exorcismo dos catecúmenos,  Jesus tomará plena posse das almas que resgatou.

A luta contra Satanás prossegue-se na vida dos batizados. Enquanto não reconhecer a Cristo, a humanidade, muda e cega, é presa fácil do demônio; abrindo os olhos para a luz, fixa o Salvador, e, fortalecida com a sua graça, envereda por caminhos novos, longe das trevas do pecado (epístola).


Páginas 225 a 229 do Missal Quotidiano.


Missa Rezada às 9:30 horas na Capela São Judas Tadeu e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral.


PRÓPRIO DO DIA

Introito (Salmo 24, 15-16. 1-2)

Os meus olhos estão sempre voltados para o Senhor, porque Ele desembaraçará dos laços os meus pés. Olhai, Senhor, para mim, e tende compaixão, porque sou sozinho e fraco. Sl. A Vós, Senhor, levantei a minha alma. Tenho confiança em Vós, ó meu Deus, e não serei confundido. Glória ao Pai. 

Coleta

Dignai-Vos satisfazer, Senhor onipotente, as aspirações humildes, e estendei, em nossa defesa, a destra da vossa majestade. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Epístola (Ef 5, 1-9)


Arrancados ao jugo de Satanás, príncipe das trevas, enveredamos pelas pegadas de Cristo, isto é, por caminhos de caridade e de pureza, aluminados pelo seu celeste fulgor. 


Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Efésios.

Irmãos: Sede imitadores de Deus, como filhos muito amados. Progredi na caridade, segundo o exemplo de Cristo, que nos amou e por nós se entregou a Deus como oferenda e sacrifício de agradável odor. Quanto à fornicação, à impureza, sob qualquer forma, ou à avareza, que disto nem se faça menção entre vós, como convém a santos. Nada de obscenidades, de conversas tolas ou levianas, porque tais coisas não convêm; em vez disto, ações de graças. Porque sabei-o bem: nenhum dissoluto, ou impuro, ou avarento – verdadeiros idólatras! – terá herança no Reino de Cristo e de Deus. E ninguém vos seduza com vãos discursos. Estes são os pecados que atraem a ira de Deus sobre os rebeldes. Não vos comprometais com eles. Outrora éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor: comportai-vos como verdadeiras luzes. Ora, o fruto da luz é bondade, justiça e verdade.

Gradual (Salmo 9, 20.4)

Levantai-Vos, Senhor, e não deixeis que os homens levem a melhor: Chamai os povos a juízo. Vós fizestes recuar os meus inimigos, porque diante da vossa face se sentem todos fracos e perecem.

Trato (Salmo 122, 1-3)

A Vós, Senhor, que habitais nos Céus, levantei os meus olhos. Assim como os olhos do servo se fixam nas mãos do senhor. E os da escrava nas mãos da senhora; assim o nosso olhar se fixa no nosso Deus, até que se compadeça de nós. Tende compaixão de nós, Senhor, tende compaixão de nós. 

Evangelho (Lc 11, 14-28)


“Se é pelo poder de Deus que expulso os demônios, é que o Reino de Deus chegou.” Toda e qualquer vitória sobre o demônio é uma projeção do Reino de Deus. Quer se trate de nós, quer dos que nos rodeiam, é isto uma verde incontestável e consoladora.


Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas.

Naquele tempo: Jesus expulsava um demônio que era mudo. Tendo o demônio saído, o mudo pôs-se a falar e a multidão ficou admirada. Mas alguns deles disseram: Ele expele os demônios por Beelzebul, príncipe dos demônios. E para pô-lo à prova, outros lhe pediam um sinal do céu. Penetrando nos seus pensamentos, disse-lhes Jesus: Todo o reino dividido contra si mesmo será destruído e seus edifícios cairão uns sobre os outros. Se, pois, Satanás está dividido contra si mesmo, como subsistirá o seu reino? Pois dizeis que expulso os demônios por Beelzebul. Ora, se é por Beelzebul que expulso os demônios, por quem o expulsam vossos filhos? Por isso, eles mesmos serão os vossos juízes! Mas se expulso os demônios pelo dedo de Deus, certamente é chegado a vós o Reino de Deus. Quando um homem forte guarda armado a sua casa, estão em segurança os bens que possui. Mas se sobrevier outro mais forte do que ele e o vencer, este lhe tirará todas as armas em que confiava, e repartirá os seus despojos. Quem não está comigo, está contra mim; quem não recolhe comigo, espalha. Quando um espírito imundo sai do homem, anda por lugares áridos, buscando repouso; não o achando, diz: Voltarei à minha casa, donde saí. Chegando, acha-a varrida e adornada. Vai então e toma consigo outros sete espíritos piores do que ele e entram e estabelecem-se ali. E a última condição desse homem vem a ser pior do que a primeira. Enquanto ele assim falava, uma mulher levantou a voz do meio do povo e lhe disse: Bem-aventurado o ventre que te trouxe, e os peitos que te amamentaram! Mas Jesus replicou: Antes bem-aventurados aqueles que ouvem a palavra de Deus e a observam!

Ofertório (Salmo 18, 9-12)

Os preceitos do Senhor são retos e alegram o coração; e os juízos do Senhor são mais suaves que o mel dos favos: E o vosso servo guarda-os fielmente.

Secreta

Que esta vítima, Senhor, nos lave da mácula do pecado, e nos santifique na alma e no corpo, para celebrar dignamente este sacrifício. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Comunhão (Salmo 83, 4-5)

A ave encontrou ninho, e a rola morada, para colocar os seus filhos: São os vossos altares, Senhor dos exércitos, meu Rei e meu Deus! Felizes os que habitam na vossa casa: Eles Vos louvarão eternamente. 

Pós-Comunhão

Dignai-Vos, Senhor, livrar de todo o pecado e perigo aqueles que admitistes à participação dos vossos excelsos mistérios. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. 


PARTITURAS E ÁUDIOS

Liturgia Diária- II Domingo da Quaresma

Domingo de 1ª Classe- Missa Própria

Continuando a leitura das sublimes paginas da Bíblia, iniciadas na Septuagésima, o oficio de matinas chega, hoje, à benção do patriarca Isaac a seu filho Jacó. Os Santos Padres viram no patriarca Jacó, que suplanta o irmão, para ser, em vez dele, o objeto dos favores divinos, uma figura de Cristo, segundo Adão e novo chefe da humanidade regenerada, “no qual todas as nações serão abençoadas”. O evangelho da transfiguração pareceu-lhes realizar o que a narrativa bíblica havia anunciado: Deus abençoa seu Filho “revestido da nossa carne”, como Isaac abençoara Jacó, oculto nas vestes de seu irmão. Foi por se haver solidarizado conosco, ao ponto de levar ao alto da cruz “uma carne semelhante à nossa carne de pecado”, como diz S. Paulo, que fomos constituídos co-herdeiros de Cristo, único objeto das complacências do Pai. Antes de seguir a Cristo na glória, é mister sofrer as provações desta vida. Na presente condição de fragilidade, que exige o constante socorro da graça, devemos manter corpos e almas na pratica duma vida santa, capaz de agradar a Deus.


Missa Rezada às 9:30 horas na Capela São Judas e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Diocesana.


LEITURAS

Epístola (I Tes 4, 1-7)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Tessalonicenses : 

Irmãos: Aprendestes de nós a maneira como deveis proceder para agradar a Deus – e já o fazeis. Rogamo-vos, pois, e vos exortamos no Senhor Jesus a que progridais sempre mais. Pois conheceis que preceitos vos demos da parte do Senhor Jesus. Esta é a vontade de Deus: a vossa santificação; que eviteis a impureza; que cada um de vós saiba possuir o seu corpo santa e honestamente, sem se deixar levar pelas paixões desregradas, como os pagãos que não conhecem a Deus; e que ninguém, nesta matéria, oprima nem defraude a seu irmão, porque o Senhor faz justiça de todas estas coisas, como já antes vo-lo temos dito e asseverado. Pois Deus não nos chamou para a impureza, mas para a santidade.

Evangelho (Mt 17, 1-9)

Sequência do Santo Evangelho segundo Mateus.

Naquele tempo: Seis dias depois, Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, seu irmão, e conduziu-os à parte a uma alta montanha. Lá se transfigurou na presença deles: seu rosto brilhou como o sol, suas vestes tornaram-se resplandecentes de brancura. E eis que apareceram Moisés e Elias conversando com ele. Pedro tomou então a palavra e disse-lhe: Senhor, é bom estarmos aqui. Se queres, farei aqui três tendas: uma para ti, uma para Moisés e outra para Elias. Falava ele ainda, quando veio uma nuvem luminosa e os envolveu. E daquela nuvem fez-se ouvir uma voz que dizia: Eis o meu Filho muito amado, em quem pus toda minha afeição; ouvi-o. Ouvindo esta voz, os discípulos caíram com a face por terra e tiveram medo. Mas Jesus aproximou-se deles e tocou-os, dizendo: Levantai-vos e não temais. Eles levantaram os olhos e não viram mais ninguém, senão unicamente Jesus. E, quando desciam, Jesus lhes fez esta proibição: Não conteis a ninguém o que vistes, até que o Filho do Homem ressuscite dos mortos. 


Por motivos técnicos, a disponibilização do próprio do dia, bem como das partituras e respectivos áudios, não foi possível. 

Liturgia Diária- I Domingo da Quaresma

Domingo de 1ª Classe- Missa Própria

A cena da tentação, no limiar da vida pública de Jesus, proclama, de maneira impressionante, a inversão de situações, que a Redenção vai operar no mundo. Naquilo mesmo, em que Adão havia sucumbido, Cristo, o novo chefe da humanidade, triunfará sobre o poder de Satanás: na hora da paixão será destronado o “príncipe deste mundo”. O evangelho da tentação é prenúncio da vitória de Cristo. Colocando este evangelho no princípio da Quaresma, a Igreja proclama que esta vitória há de ser a nossa. Dentro de nós e à nossa volta, é a tentação, o combate, a vitória de Cristo que continua: o nosso esforço e o seu; as nossas forças, as suas; e o nosso triunfo no dia de Páscoa será também o seu. Lancemo-nos, por conseguinte e confiadamente, no combate, cujo programa de São Paulo nos traçou na epístola da missa. É uma revisão de toda a vida cristã. Enchamo-nos de coragem, considerando que o progresso da vida cristã em nós, é a continuação do triunfo de Cristo. 

A liturgia quaresmal é uma liturgia de confiança. O salmo 90, que é essencialmente o salmo da confiança, fornece o trato e todas as partes cantáveis da missa deste dia. Dele serão também os versículos do ofício até o Tempo da Paixão . São dias de salvação os dias da Quaresma, “o tempo propício” por excelência, para emendarmos a nossa vida. A Igreja insiste neste ponto, para que, ao chegar a Páscoa, possamos celebrar, purificados de corpo e alma, o mistério da Paixão e da Ressurreição do Senhor.


Páginas 159 a 164 do Missal Quotidiano.


Missa Rezada às 9:30 horas na Capela São Judas Tadeu e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Santa Terezinha. 


PRÓPRIO DO DIA

Introito (Salmo 90, 15-16.1)

Invocar-me-á , e Eu ouvi-lo-ei: Salvá-lo-ei e glorificá-lo-eu, e enchê-lo-ei de largos dias. Sl. O que habita à sombra do Altíssimo descansará sob a proteção do Deus dos céus. Glória ao Pai. 

Coleta

Ó Deus, que purificais anualmente a vossa Igreja com a observância do jejum quaresmal, fazei que a vossa família alcance, por boas obras, o que porfia merecer pela abstinência. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. 

Epístola (II Cor 6, 1-10)


Exortação premente a que não recebamos em vão a graça de Deus. Ao dirigir-no-la, São Paulo descreve o seu combate pessoal e mostra que a vitória de Cristo se manifesta numa vida como a sua. 


Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Coríntios.

Irmãos: Exortamo-vos a que não recebais a graça de Deus em vão. Pois ele diz: Eu te ouvi no tempo favorável e te ajudei no dia da salvação (Is 49,8). Agora é o tempo favorável, agora é o dia da salvação. A ninguém damos qualquer motivo de escândalo, para que o nosso ministério não seja criticado. Mas em todas as coisas nos apresentamos como ministros de Deus, por uma grande constância nas tribulações, nas misérias, nas angústias, nos açoites, nos cárceres, nos tumultos populares, nos trabalhos, nas vigílias, nas privações; pela pureza, pela ciência, pela longanimidade, pela bondade, pelo Espírito Santo, por uma caridade sincera, pela palavra da verdade, pelo poder de Deus; pelas armas da justiça ofensivas e defensivas, através da honra e da desonra, da boa e da má fama. Tidos por impostores, somos, no entanto, sinceros; por desconhecidos, somos bem conhecidos; por agonizantes, estamos com vida; por condenados e, no entanto, estamos livres da morte. Somos julgados tristes, nós que estamos sempre contentes; indigentes, porém enriquecendo a muitos; sem posses, nós que tudo possuímos!

Gradual (Salmo 90, 11-12)

O Senhor incumbiu os seus anjos de velar por ti, e que te guardassem em todos os teus caminhos. Levar-te-ão em suas mãos, para que não tropeces.

Trato (Salmo 90, 1-7. 11-16)


Cântico pleno de certezas. Aquele que confia no Senhor, nada tem a recear.


O que habita à sobra do Altíssimo, na proteção do Deus do Céu descansará. Dirá ao Senhor: TU és o meu defensor e o meu refúgio; o meu Deus em Quem esperei. Porque Ele livrou-me do laço dos caçadores e das palavras venenosas. Cobrir-te-á com as suas asas , e debaixo das suas penas viverás na esperança. A sua verdade cercar-te-á como um escudo, e não recearás os terrores da noite, nem a seta que voa de dia, nem o inimigo que anda nas trevas nem os assaltos do demônio do meio-dia. Cairão mil ao teu lado, e dez mil à tua direita. a ti, porém, nada te atingirá. Porque Ele incumbiu os seus anjos de velar por ti, e que te guardassem em todos os seus caminhos. Eles te levarão nas suas mãos, para que não tropeces nas pedras do caminho. Sobre o áspide e o basilisco andarás, e calcarás aos pés o leão e o dragão. Por que esperou em Mim, livrá-lo-ei; protegê-lo-e, porque conheceu o meu Nome. Clamará a Mim, e Eu ouvi-lo-e: com ele estou na tribulação. Livrá-lo-ei, e glorificá-lo-ei: enchê-lo-ei  de dias, e mostrar-lhe-ei a minha salvação.

Evangelho (Mt 4, 1-11)


“Não é indigno do nosso Redentor permitir que fosse tentado, Ele que viera entregar-se à morte. Convinha, porém, que pelas suas tentações, triunfasse das nossas, pois que viera com sua morte vencer a nossa” (São Gregório, em matinas).


Sequência do Santo Evangelho segundo Mateus.

Naquele tempo, Jesus foi conduzido pelo Espírito ao deserto para ser tentado pelo demônio. Jejuou quarenta dias e quarenta noites. Depois, teve fome. O tentador aproximou-se dele e lhe disse: Se és Filho de Deus, ordena que estas pedras se tornem pães. Jesus respondeu: Está escrito: Não só de pão vive o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus (Dt 8,3). O demônio transportou-o à Cidade Santa, colocou-o no ponto mais alto do templo e disse-lhe: Se és Filho de Deus, lança-te abaixo, pois está escrito: Ele deu a seus anjos ordens a teu respeito; proteger-te-ão com as mãos, com cuidado, para não machucares o teu pé em alguma pedra (Sl 90,11s). Disse-lhe Jesus: Também está escrito: Não tentarás o Senhor teu Deus (Dt 6,16). O demônio transportou-o uma vez mais, a um monte muito alto, e lhe mostrou todos os reinos do mundo e a sua glória, e disse-lhe: Dar-te-ei tudo isto se, prostrando-te diante de mim, me adorares. Respondeu-lhe Jesus: Para trás, Satanás, pois está escrito: Adorarás o Senhor teu Deus, e só a ele servirás (Dt 6,13). Em seguida, o demônio o deixou, e os anjos aproximaram-se dele para servi-lo.

Ofertório (Salmo 90, 4-5)

O Senhor cobrir-te-á com as suas asas, e debaixo das suas penas viverás na esperança. A sua verdade cercar-te-á como um escudo.

Secreta

Oferecendo-Vos solenemente, Senhor, este sacrifício no princípio da Quaresma, humildemente Vos pedimos que, pela restrição dos alimentos corporais nos leveis a não cair nos prazeres pecaminosos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. 

Comunhão (Salmo 90, 4-5)

O Senhor cobrir-te-á com as suas asas, e debaixo das suas penas viverás na esperança. A sua verdade cercar-te-á como um escudo.

Pós-comunhão

Fazei, Senhor, que este divino sacramento nos renove as forças, e, purificando-nos dos erros do homem velho, nos faça entrar na posse do mistério da salvação. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.


PARTITURAS E ÁUDIOS

Liturgia Diária- 14/02/2018

QUARTA-FEIRA DE CINZAS

Féria de 1ª Classe- Missa Própria

Dia de Jejum e Abstinência

A Igreja abre a Quaresma com a imposição das cinzas, lembrando assim aos fiéis a sua condição de mortais e vincando bem a necessidade da penitência. 

Na primitiva Igreja, a programação duma penitência coletiva para os pecadores culpados de faltas graves e públicas, acompanhava  trabalho de preparação do catecúmeno para receber o batismo, no dia de Páscoa. Ao principiar a Quaresma, o bispo benzia os cilícios e as cinzas, e impunha-os aos penitentes, que durante quarenta dias expiavam suas faltas “in cinere et cilicio”, na expectativa da reconciliação sacramental da Quinta-feira Santa. A imposição das cinzas, como hoje a conhecemos, é uma extensão e transposição da antiga penitência pública: aquilo que, inicialmente, dizia respeito somente a uma categoria de fiéis, acabou por se aplicar a todos, perdendo, em consequência, o rigor primitivo. Foi o papa Urbano VI, no Concílio de Benevento (1091), que prescreveu a imposição das cinzas a todos os fiéis. 

A expiação tem a sua parte no esforço de purificação, a que a Igreja nos instiga; porém, maior ainda a da misericórdia divina. Leituras, cânticos e orações da imposição das cinzas, como as da Missa que se lhe segue, convidam-nos a implorá-la confiadamente. Este esforço prosseguirá toda a Quaresma, na esperança da Páscoa e da alegria dos resgatados. 


Páginas 139 a 146 do Missal Quotidiano.


Missa às 18:30 horas na Capela São Judas Tadeu.


PRÓPRIO DO DIA- MISSA

Introito (Sabedoria 11, 24-27; Salmo 56,2)

Senhor, Vós tendes compaixão de todos, e nada do que criaste Vos desgosta. Dissimulais os pecados dos homens, para que façam penitência e lhes perdoeis: porque Vós sois o Senhor nosso Deus. Sl. Tende compaixão de mim, Senhor, tende compaixão de mim, porque a minha alma confia em Vós. Glória ao Pai. 

Coleta

Fazei, Senhor, que os vossos fiéis entrem com a conveniente piedade nesta venerável solenidade dos jejuns, e a levem ao fim com devoção sincera. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. 

Epístola (Joel 2, 12-19)


Apelo ao jejum e à verdadeira penitência, que brota dum coração contrito. Como outrora o profeta Joel, a Igreja dirige-se, em nome de Cristo, a todo o seu povo, sem excluir ninguém; é toda a família cristã que se deve empenhar na emenda de vida, na presença de Deus.


Leitura da Profecia de Joel.

É isto o que diz o Senhor: Voltai-vos a mim de todo o vosso coração, com jejuns, lágrimas e gemidos de luto. Rasgai vossos corações e não vossas vestes; voltai ao Senhor vosso Deus, porque ele é bom e compassivo, longânime e indulgente, pronto a arrepender-se do castigo que inflige. Quem sabe se ele mudará de parecer e voltará atrás, deixando após si uma bênção, ofertas e libações para o Senhor, vosso Deus? Tocai a trombeta em Sião: publicai o jejum, convocai a assembléia, reuni o povo; santificai a assembléia, agrupai os anciãos, congregai as crianças e os meninos de peito; saia o recém-casado de seus aposentos, e a esposa de sua câmara nupcial. Chorem os sacerdotes, servos do Senhor, entre o pórtico e o altar, e digam: Tende piedade de vosso povo, Senhor, não entregueis à ignomínia vossa herança, para que não se torne ela o escárnio dos pagãos! Por que diriam eles: onde está o seu Deus? O Senhor afeiçoou-se à sua terra, teve compaixão de seu povo; o Senhor respondeu ao seu povo: Vou mandar-vos trigo, vinho e óleo, e deles sereis fartos, e não vos farei mais objeto de opróbrio diante dos pagãos.

Gradual (Salmo 56, 2.4)

Tende compaixão de mim, Senhor, tende compaixão de mim, porque a minha alma confia em Vós. Veio do Céu, e libertou-me; e condenou ao opróbrio os que me espezinhavam. 

Trato (Salmo 102, 10; 78, 8-9)


Três vezes por semana, na segunda, na quarta e na sexta-feira, as missas da Quaresma, com exceção das Têmporas, repetem este instante apelo à misericórdia divina. O último versículo diz-se de joelhos.


Senhor, não nos trateis conforme merecem os pecados que fizemos, nem segundo a ignomínia das nossas iniquidades. Senhor, não Vos lembreis dos nossos crimes passados, mas mandai-nos a vossa misericórdia, porque somos muito pobres, Senhor. (Aqui todos se ajoelham) Ajudai-nos, ó Deus, nossa salvação; e livrai-nos, Senhor, que assim pede a glória do vosso nome. Pelo vosso nome, sede indulgente com os nossos pecados. 

Evangelho (Mt 6, 16-21)


Jejuar sem ostentação, dar esmola secretamente, com o fervor daqueles que, para se aproximar de Deus, se desprendem das coisas terrenas. As práticas quaresmais valem o que forem as nossas disposições interiores. 


Sequência do Santo Evangelho segundo Mateus.

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: Quando jejuardes, não tomeis um ar triste como os hipócritas, que mostram um semblante abatido para manifestar aos homens que jejuam. Em verdade eu vos digo: já receberam sua recompensa. Quando jejuares, perfuma a tua cabeça e lava o teu rosto. Assim, não parecerá aos homens que jejuas, mas somente a teu Pai que está presente ao oculto; e teu Pai, que vê num lugar oculto, recompensar-te-á. Não ajunteis para vós tesouros na terra, onde a ferrugem e as traças corroem, onde os ladrões furtam e roubam. Ajuntai para vós tesouros no céu, onde não os consomem nem as traças nem a ferrugem, e os ladrões não furtam nem roubam. Porque onde está o teu tesouro, lá também está teu coração.

Ofertório (Salmo 29,2-3)

Louvar-Vos-ei, Senhor, porque me tomastes sob a vossa proteção, e não deixastes que os inimigos motejassem de mim. Senhor, gritei por Vós, e curastes-me. 

Secreta


A Quaresma é aqui apresentada como um “sacramento”, instituição estabelecida para nos santificar.


Fazei, Senhor, que Vos ofereçamos, devidamente dispostos, estes dons, com os quais celebramos o exórdio da mesma venerável instituição. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Comunhão (Salmo 1, 2-3)

Aquele que medita dia e noite na lei do Senhor, dará a seu tempo fruto abundante. 

Pós-comunhão

Fazei, Senhor, que a recepção deste sacramento Vos torne agradável o nosso jejum, e o faça redundar na cura dos nossos males. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. 

Oração


Durante toda a Quaresma, nas missas feriais, depois da pós-comunhão, o celebrante diz uma “oração sobre o povo”. Nas missas estacionais, antes de despedir os fiéis, o papa abençoava, com uma oração final, a assembleia cristã. Outrora mais frequente, a oração sobre o povo só existe na Quaresma. 


Oremos. Curvai as vossas cabeças diante de Deus.

Dignai-Vos olhar, Senhor, com bondade, aqueles que se humilham na vossa presença, e fazei que, reanimados com estes dons divinos, se alimentem sempre com o socorro celeste. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.


PARTITURAS E ÁUDIOS

 

Liturgia Diária- 01/01/2018

OITAVA DO NATAL DO SENHOR

Circuncisão do Senhor

Festa de 1ª Classe- Missa Própria

circumcision of OLA liturgia deste dia celebra três festas. A primeira é que os antigos sacramentários designavam sob o título de Oitava do Senhor. É realmente, na sua maior parte uma missa de oitava a missa celebrada hoje.

Celebrava-se outrora na basílica de Santa Maria Maior uma segunda missa em honra da Mãe de Deus. Resta dela um vestígio nas orações da missa, retiradas da missa votiva de Nossa Senhora. São particularmente belas as antífonas de vésperas e a preferência por elas dadas a Santíssima Virgem revela a delicada atenção da Igreja em reconhecer quanto deve a mãe do Senhor. Finalmente a terceira festa é a da Circuncisão celebrada desde o século VI. 

Oito dias depois do seu nascimento, Cristo submete-se, como todos os judeus, a este rito imposto por Deus a Abraão, como selo de fé, e recebe o nome de Jesus.


Páginas 76 a 78 do Missal Quotidiano.


Missa às 18:30 horas na Capela São Judas Tadeu.


LEITURAS

Epístola (Tt 2, 11-15)


A prática duma vida ilibada encontra força e apoio na primeira vinda do Salvador e na certeza do seu regresso glorioso, no fim dos tempos.


Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo a Tito.

Irmãos: Manifestou-se, com efeito, a graça de Deus, fonte de salvação para todos os homens. Veio para nos ensinar a renunciar à impiedade e às paixões mundanas e a viver neste mundo com toda sobriedade, justiça e piedade, na expectativa da nossa esperança feliz, a aparição gloriosa de nosso grande Deus e Salvador, Jesus Cristo, que se entregou por nós, a fim de nos resgatar de toda a iniqüidade, nos purificar e nos constituir seu povo de predileção, zeloso na prática do bem. Eis o que deves ensinar, pregar e defender com toda a autoridade. E que ninguém te menospreze!

 Evangelho (Lc 2,21)


Impondo a Abrão o preceito da Circuncisão, Deus dera-lhe um nome novo: Abraão. Desde aí, a imposição do nome guardou, entre os judeus, um significado espiritual: tal como a própria Circuncisão, ele indicava filiação no povo de Israel. A imposição do nome de Jesus tem um significado ainda mais elevado: afirma a missão de Salvador do Mundo.


Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas. 

Naquele Tempo: Depois que se completaram os oito dias para ser circuncidado o Menino, foi-lhe posto o nome de Jesus, como lhe tinha chamado o anjo, antes que fosse concebido no ventre materno.

 

Liturgia Diária- 25/12/2017- Missa do Dia

FESTA DA NATIVIDADE DE NOSSO SENHOR

Festa de 1ª Classe- Missa Própria


MISSA DO DIA

Ter-se-á notado já que a liturgia do Natal insiste mais sobre as grandezas divinas do Verbo encarnado do que sobre a humilde condição do seu nascimento humano. Os textos da missa do dia acentuam ainda mais esta nota. 

O introito canta o nascimento dum menino, mas sobre os seus ombros assenta uma realeza universal e a Ele está confiada a salvação do mundo , Depois, a introdução da epístola aos Hebreus, um belíssimo capítulo dogmático sobre a grandeza incomparável do Filho de Deus. Com o prólogo de São João, como evangelho, não se podiam escolher textos mais vigorosos para mostrar a transcendência divina de Cristo e da missão que o trouxe à terra. 

Saibamos reconhecer no presépio o próprio Filho de Deus. “Tendo outrora, por muitas vezes e de vários modos, falado a nossos pais pela voz dos profetas, Deus, nestes tempos que são os últimos, falou-nos por meio de seu Filho, que constituiu herdeiro universal e por quem criou todas as coisas”. Nada melhor do que a lembrança destas grandes realidades para nos inculcar o verdadeiro significado do mistério do Natal. 

A estação, que outrora era em São Pedro, é agora em Santa Maria Maior, fulcro das recordações de Belém.


Páginas 52 a 56 do Missal Quotidiano.


Missa às 18:30 horas  na Capela São Judas Tadeu.


LEITURAS

Epístola (Heb 1, 1-12)


Superior aos anjos, anterior ao mundo por Ele criado, Cristo, Filho de Deus, tendo-nos purificado dos nossos pecados, e dado livre acesso a Deus, subsiste agora eternamente na glória do Pai.


Epístola de São Paulo Apóstolo aos Hebreus.

Deus, tendo falado outrora, muitas vezes e de muitos modos, a nossos pais, pelos profetas; ultimamente, nos nossos dias, falou-nos por meio de seu Filho, a Quem constituiu herdeiro de todas as coisas, por Quem criou também os séculos; o qual, sendo, como é, resplendor da sua glória e imagem da sua substância; e sustentando tudo com a sua palavra poderosa, depois de ter feito a purificação dos pecados, foi-se sentar à· direita da majestade de Deus, no mais alto dos Céus, feito tanto mais superior aos Anjos, quanto herdou um nome superior ao deles. Com efeito, a qual dos Anjos disse Ele alguma vez: ‘Tu és meu Filho: Hoje mesmo Te gerei’?! E noutra passagem: ‘Eu serei para Ele um Pai, e Ele será para Mim um Filho’?! E novamente, quando introduzir o seu primogênito no Mundo, dirá: Que todos os Anjos de Deus O adorem. Falando dos Anjos, diz: Ele fez seus Anjos os ventos, e seus ministros a chama de fogo. Porém, acerca do Filho, diz: “O teu trono, Ó Deus, subsistirá pelos séculos dos séculos; é um cetro de equidade o cetro do teu reino. Amaste a justiça, e aborreceste a iniquidade: por isso, ó Deus, o teu Deus ungiu-Te com o óleo da alegria, de preferência aos teus pares.” E ainda: “Tu; Senhor, no princípio, fundaste a Terra, e os. Céus são obra das tuas mãos. Eles perecerão, mas Tu permanecerás; todos envelhecerão como. um vestido: Tu os enrolarás como a uma capa, e, [tal qual um vestido], serão mudados. Tu, porém, és sempre o mesmo, e os teus anos nunca terão termo”.

Evangelho (Jo 1, 1-14)


São João pôs à cabeça do seu evangelho este maravilhoso prólogo, que a Igreja recorda a cada passo, preceituando-nos a sua leitura todos os dias, no fim da missa. O dia de Natal dá-nos e ensejo de melhor lhe saborear toda a riqueza doutrinal. O Verbo de Deus que subsiste desde toda a eternidade fez-se revelador do Pai e a luz dos homens. Todos aqueles que O recebem e se deixam por Ele iluminar, arranca-os às trevas do pecado e os faz renascer, pela graça, à vida nova dos filhos de Deus. 


Início do Santo Evangelho segundo João.

No princípio era o Verbo, e o Verbo estava em Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio em Deus. Tudo foi feito por Ele, e nada de quanto se fez foi feito sem Ele. N’Ele estava a vida, e a vida era a luz dos homens; esta luz brilhou nas trevas, e as trevas não a sufocaram. Surgiu um homem enviado por Deus, chamado João, o qual veio como testemunho, para dar testemunho da luz, a fim de que todos acreditassem por intermédio dele. Não era ele a luz, mas devia dar testemunho da luz. Ele [o Verbo] era a luz verdadeira, que a todo homem ilumina, vindo ao Mundo. Estava no Mundo, e o Mundo foi feito por Ele, mas o Mundo não O reconheceu. Veio para o que era seu, e os seus não O acolheram. A todos, porém, quantos O receberam, deu Ele o poder de se tornarem filhos de Deus: isto é, àqueles que creem no seu nome; que nasceram, não do sangue, nem do desejo da carne, nem da vontade do homem, mas só de Deus. (Aqui se ajoelha) E O VERBO SE FEZ CARNE, e habitou entre nós; e nós vimos a sua glória, glória como de Filho Único do Pai, cheio de graça e de verdade.

 

Liturgia Diária- 25/12/2017- Missa da Aurora

FESTA DA NATIVIDADE DE NOSSO SENHOR

Festa de 1ª Classe- Missa Própria


MISSA DA AURORA

nascimento-de-jesus-08

A Missa da Aurora canta a aparição de Cristo luz, que vem arrancar-nos às trevas do pecado, transformar, pela graça, a nossa vida e aureolá-la com os clarões da sua divindade. Tirado da profecia de Isaías, cantada durante a Vigília, o introito anuncia a grandeza divina e a missão eterna do Menino reclinado no Presépio. 

Em Roma, esta segunda missa do Natal celebrava-se em Santa Anastásia, no sopé do Palatino, única paróquia situada no centro da velha Roma, no bairro dos patrícios. Santa Anastásia foi martirizada no começo do século IV, sendo lançada às chamas em Sirmium (Mitrowitz, Jugoslávia) durante a perseguição de Diocleciano. Vem no cânon da missa.


Missa do Dia do Natal às 18:30 horas  na Capela São Judas Tadeu.


LEITURAS

Epístola (Tt 3, 4-7)


Tendo escutado a voz da misericórdia, a obra de Cristo, que veio ao mundo para transformar a nossa vida, é essencialmente obra de amor. 


Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo a Tito.

Caríssimo: Apareceu-nos a bondade de Deus, nosso Salvador, e o seu amor pelos homens; não foi pelas obras de justiça, que nós tivéssemos feito; mas foi pela sua misericórdia que Ele nos salvou, mediante o Batismo da regeneração e renovação do Espírito Santo, que Ele difundiu sobre nós abundantemente por Jesus Cristo, nosso Salvador; a fim de que, justificados pela sua graça, sejamos herdeiros da vida eterna, segundo a esperança que temos de a possuir um dia, em Jesus Cristo, Nosso Senhor.

Evangelho (Lc 2, 15-20)


Os pastores no Presépio! Quantos pintores representaram esta cena tão querida da sensibilidade cristã! Todavia, a narrativa evangélica explana ainda melhor, na sua singeleza, o mistério do Recém-Nascido. 


Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas.

Naquele tempo: Os pastores diziam entre si: Vamos a Belém e vejamos o que lá aconteceu, e o que o Senhor nos manifestou. Partiram, pois, a toda pressa, e encontraram Maria e José, e o Menino deitado na manjedoura. Ao verem isto, reconheceram que era o que lhes tinha sido dito acerca do Menino. E todos os que os ouviram, se admiraram das coisas que lhes diziam os pastores. Maria, por seu lado, conservava todas estas coisas, meditando-as no seu coração. Então, os pastores voltaram, glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham ouvido e visto, conforme lhes tinha sido anunciado.

Liturgia Diária- 25/12/2017- Missa do Galo

FESTA DA NATIVIDADE DE NOSSO SENHOR

Festa de 1ª Classe- Missa Própria


MISSA DO GALO (À MEIA-NOITE)

Nesta santa noite de Natal, a Igreja celebra o nascimento humano de Jesus, Filho de Deus, Salvador do mundo, em Belém. Gerado desde a eternidade pelo pai, o Verbo assumiu nossa natureza humana no seio da Virgem Maria, que lhe transmitiu , realmente, a sua carne. Nasceu num presépio. Ele, que vem partilhar de nossa vida humana, é Filho de Deus antes de o ser de Maria e agora fica a ser, rigorosamente, uma e outra coisa. A missa da noite sublinha este duplo aspecto de grandeza divina e humilde humanidade que constitui a própria essência do mistério natalício. O primeiro é particularmente vincado no introito, epístola, gradual e aleluia, ofertório e comunhão; o segundo, na admirável simplicidade do evangelho. 

A estação tem ligar em Santa Maria Maior, em homenagem à Virgem Mãe, e como preito de veneração pelo presépio de Belém. Com efeito, cinco pedaços de madeira carunchosa, considerados como fragmentos daquela manjedoura que serviu de berço ao Salvador, são, desde remotos tempos, objeto da devoção dos fiéis. 


Páginas 45 a 48 do Missal Quotidiano.


Missa às 20 horas na Capela São Judas Tadeu.


LEITURAS

Epístola (Tt 2, 11-15)


Transformado pela graça, o cristão deve levar vida santa, signa daquele que se fez homem para o arrancar do pecado, e que há de voltar glorioso, no fim dos tempos, para recompensar, com prêmio eterno, a sua fidelidade.


Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo a Tito.

Irmãos: Manifestou-se, com efeito, a graça de Deus, fonte de salvação para todos os homens. Veio para nos ensinar a renunciar à impiedade e às paixões mundanas e a viver neste mundo com toda sobriedade, justiça e piedade, na expectativa da nossa esperança feliz, a aparição gloriosa de nosso grande Deus e Salvador, Jesus Cristo, que se entregou por nós, a fim de nos resgatar de toda a iniquidade, nos purificar e nos constituir seu povo de predileção, zeloso na prática do bem. Eis o que deves ensinar, pregar e defender com toda a autoridade. E que ninguém te menospreze!

Evangelho (Lc 2, 1-14)


Eis que o Céu se une à Terra, Deus ao homem. A sóbria e comovedora descrição do nascimento em Belém é nimbada das claridades celestes e exaltada pelos coros angélicos. 


Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas. 

Naquele tempo apareceu um decreto de César Augusto, ordenando o recenseamento de toda a terra. Este recenseamento foi feito antes do governo de Quirino, na Síria. Todos iam alistar-se, cada um na sua cidade. Também José subiu da Galileia, da cidade de Nazaré, à Judeia, à Cidade de Davi, chamada Belém, porque era da casa e família de Davi, para se alistar com a sua esposa Maria, que estava grávida. Estando eles ali,  completaram-se os dias dela. E deu à luz seu filho primogênito, e, envolvendo-o em faixas, reclinou-o num presépio; porque não havia lugar para eles na hospedaria. Havia nos arredores uns pastores, que vigiavam e guardavam seu rebanho nos campos durante as vigílias da noite. Um anjo do Senhor apareceu-lhes e a glória do Senhor refulgiu ao redor deles, e tiveram grande temor. O anjo disse-lhes: Não temais, eis que vos anuncio uma boa nova que será alegria para todo o povo: hoje vos nasceu na Cidade de Davi um Salvador, que é o Cristo Senhor. Isto vos servirá de sinal: achareis um recém-nascido envolto em faixas e posto numa manjedoura. E subitamente ao anjo se juntou uma multidão do exército celeste, que louvava a Deus e dizia: Glória a Deus no mais alto dos céus e na terra paz aos homens, objetos da benevolência (divina).

 

Liturgia Diária- 24/12/2017- Vigília

VIGÍLIA DO NATAL DE NOSSO SENHOR

Festa de 1ª Classe- Missa Própria


A presente Missa é celebrado no dia 24 até as primeiras Vésperas, quando já se inicia o Tempo do Natal. Não se confunda com a Missa do Galo.


A vigília do Natal está impregnada de santa alegria. O “Hodie scietis”, repetido com insistência, traduz a alegria da Igreja. O magno acontecimento, que ela se prepara para celebrar, situa-se, é certo, no passado, mas a vinda do Salvador é sempre atual pela Redenção que oferece aos homens de todos os tempos. 

“Filho de Davi… Filho de Deus… restabelecido pela Ressurreição no seu poder de Filho de Deus”: eis como São Paulo evoca sucintamente o que Cristo é para nós. O seu nascimento em Belém, levá-lo-á à Paixão, À Ressurreição e a comunicar aos homens a sua graça e a sua glória. A vinda do Redentor anuncia a sua volta como juiz e vencedor: faz-se um de nós para nos levar conSigo para o Reino. 

É somente nesta ampla perspectiva que se pode compreender a liturgia do Natal, a qual, tomada no seu conjunto, é um hino à obra da Redenção, iniciada por Cristo no dia de seu aparecimento no mundo. A missa da vigília é impressionante, sobretudo vista esta luz. Quase todos os textos repisam a mesma ideia. Repare-se na coleta: o acolhimento que fizermos a Cristo, que vem nos resgatar, condicionará o que Ele nos reserva, quando vier julgar-nos. 


Missa da Noite de Natal (Missa do Galo) às 20 horas na Capela São Judas Tadeu. Não haverá Missa nos horários de costume.


LEITURAS

Epístola (Rm 1, 1-6)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Romanos.

Irmãos: Paulo, servo de Jesus Cristo, escolhido para ser apóstolo, reservado para anunciar o Evangelho de Deus; este Evangelho Deus prometera outrora pelos seus profetas na Sagrada Escritura, acerca de seu Filho Jesus Cristo, nosso Senhor, descendente de Davi quanto à carne, que, segundo o Espírito de santidade, foi estabelecido Filho de Deus no poder por sua ressurreição dos mortos; e do qual temos recebido a graça e o apostolado, a fim de levar, em seu nome, todas as nações pagãs à obediência da fé, entre as quais também vós sois os eleitos de Jesus Cristo.

Evangelho (Mt 1, 18-21)

Sequência do Santo Evangelho segundo Mateus

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: Eis como nasceu Jesus Cristo: Maria, sua mãe, estava desposada com José. Antes de coabitarem, aconteceu que ela concebeu por virtude do Espírito Santo. José, seu esposo, que era homem de bem, não querendo difamá-la, resolveu rejeitá-la secretamente. Enquanto assim pensava, eis que um anjo do Senhor lhe apareceu em sonhos e lhe disse: José, filho de Davi, não temas receber Maria por esposa, pois o que nela foi concebido vem do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo de seus pecados.

Liturgia Diária- III Domingo do Advento

Domingo de 1ª Classe- Missa Própria

“Alegrai-vos, que o Senhor está perto!” Com a aproximação do Natal, a Igreja deseja salientar a alegria que nos deve aquecer os corações perante a perspectiva do nascimento do Salvador. No decurso desta semana evocará os evangelhos da Anunciação e da Visitação – mistérios plenos de alegria.

São Paulo deriva a alegria cristã da certeza da salvação que Jesus nos veio trazer. A quer de tal modo esfuziante, que nenhuma razão humana de inquietação ou tristeza possa jamais empaná-la, já que, doravante, a magnífica paz de Deus supera qualquer outro sentimento. Todavia, segundo um pensamento de São Paulo, esta vinda do Salvador não é já o seu nascimento em Belém, mas a sua segunda vinda. Come efeito, a grande alegria dos cristãos reside no fato de verem aproximar-se o dia em que o Senhor há de voltar glorioso, para introduzir a todos no Reino. E desta maneira, como eco do epílogo do Apocalipse de São João, vêm-se juntar aos apelos dos profetas, os VENI do Advento: “Vem, Senhor Jesus!” – derradeiras palavras do Novo Testamento.

O evangelho deste domingo, completando o do anterior, apresenta-nos o testemunho que São João Batista deu de Jesus. O Precursor apaga-se na presença do único que conta – o Messias.


Páginas 17 a 20 do Missal Quotidiano.


Missa APENAS às 15:30 horas, na Catedral Santa Terezinha. Na mesma, será celebrado ainda o Santo Sacramento do Crisma a quatro jovens da Irmandade.


LEITURAS

Epístola (Fil 4, 4-7)


A certeza da salvação, que se avizinha, deve conferir aos cristãos, em face das contingências deste mundo, uma paz e moderação, cuja nota dominante seja uma alegria profunda.


Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Filipenses.

Irmãos: Seja conhecida de todos os homens a vossa bondade. O Senhor está próximo. Não vos inquieteis com nada! Em todas as circunstâncias apresentai a Deus as vossas preocupações, mediante a oração, as súplicas e a ação de graças. E a paz de Deus, que excede toda a inteligência, haverá de guardar vossos corações e vossos pensamentos, em Cristo Jesus.

Evangelho (Jo 1, 19-28)


A expectativa do Messias tornara-se impaciente e João Batista teve de se defender do rumor que fazia crer que era ele mesmo o Salvador. Isso deu lhe ensejo de revelar às multidões o Cristo que ignoravam e desligá-las da sua pessoa para as conduzir a Ele.


Sequência do Santo Evangelho segundo João.

Naquele tempo, os judeus enviaram de Jerusalém sacerdotes e levitas para perguntar a João: Quem és tu? Ele fez
esta declaração que confirmou sem hesitar: Eu não sou o Cristo. Pois, então, quem és?, perguntaram-lhe eles. És tu Elias? Disse ele: Não o sou. És tu o profeta? Ele respondeu: Não. Perguntaram-lhe de novo: Dize-nos, afinal, quem
és, para que possamos dar uma resposta aos que nos enviaram. Que dizes de ti mesmo? Ele respondeu: Eu sou a voz que clama no deserto: Endireitai o caminho do Senhor, como o disse o profeta Isaías (40,3). Alguns dos emissários eram fariseus. Continuaram a perguntar-lhe: Como, pois, batizas, se tu não és o Cristo, nem Elias, nem o profeta? João respondeu: Eu batizo com água, mas no meio de vós está quem vós não conheceis. Esse é quem vem depois de mim; e eu não sou digno de lhe desatar a correia do calçado. Este diálogo se passou em Betânia, além do Jordão, onde João estava batizando.

Liturgia Diária- II Domingo do Advento

Domingo de 1ª Classe- Missa Própria

Dominam a liturgia deste domingo duas grandes figuras de profeta, juntamente com a do Messias, que anunciam: Isaías e João Batista. 

Isaías é por excelência o profeta da vinda messiânica. É a sua voz que a Igreja nos faz ouvir no introito. É ainda o eco dessa voz que ressoa na epístola e no evangelho, onde Cristo e São Paulo se referem à sua pregação. O próprio São João Batista, o último dos profetas e o precursor imediato do Salvador, a si mesmo atribuía o papel de Isaías. O lugar que lhe reserva a liturgia do Advento vai, aliás, muito além deste segundo domingo. Não há dia em que a Igreja não faça ler, em Matinas, algum passo das suas profecias. As leituras da missa das Quatro-Têmporas foram dele extraídas e, na noite de Natal, há de ser ainda a sua palavra que irá cantar, no Emanuel nascido da Virgem, as grandezas divinas do Príncipe da paz. 

Duas lições basilares se depreendem da missa deste domingo: Jesus é o Messias dos pobres, de todos aqueles que, conscientes da sua miséria, a Ele recorrem (evangelho); é o Salvador dos gentios assim como do povo de Israel. O povo escolhido será doravante a Igreja inteira, franqueada a todos os povos da terra (epístola).


Páginas 12 a 16 do Missal Quotidiano.


Missa Rezada às 9:30 horas na Capela São Judas Tadeu e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Diocesana.


LEITURAS

Epístola (Rm 15, 4-13)


O chamamento de Deus dirige-se a todos os homens, sem olhar à origem ou ao ambiente em que vivam, a méritos ou privilégios. Lembrando esta verdade aos fiéis, convertidos do paganismo ou do judaísmo, São Paulo dá graças a Deus por esta vocação universal,fundamento da esperança cristã.


Leitura da Carta de São Paulo Apóstolo aos Romanos

Irmãos, tudo quanto outrora foi escrito, foi escrito para a nossa instrução, a fim de que, pela perseverança e pela consolação que dão as Escrituras, tenhamos esperança. O Deus da perseverança e da consolação vos conceda o mesmo sentimento uns para com os outros, segundo Jesus Cristo, para que, com um só coração e uma só voz, glorifiqueis a Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo. Por isso, acolhei-vos uns aos outros, como Cristo nos acolheu para a glória de Deus. Pois asseguro que Cristo exerceu seu ministério entre os incircuncisos para manifestar a veracidade de Deus pela realização das promessas feitas aos patriarcas. Quanto aos pagãos, eles só glorificam a Deus em razão de sua misericórdia, como está escrito: Por isso, eu vos louvarei entre as nações e cantarei louvores ao vosso nome (II Sm 22,50; Sl 17,50). Noutro lugar diz: Alegrai-vos, nações, com o seu povo (Dt 32,43). E ainda diz: Louvai ao Senhor, nações todas, e glorificai-o, todos os povos (Sl 116,1)! Isaías também diz: Da raiz de Jessé surgirá um rebento que governará as nações; nele esperarão as nações (Is 11,10). O Deus da esperança vos encha de toda a alegria e de toda a paz na vossa fé, para que pela virtude do Espírito Santo transbordeis de esperança!

Evangelho (Mt 11, 2-10)


Jesus define-se como Messias, tendo em vista aquilo de Isaías: “A boa nova é anunciada aos pobres”. E ajunta imediatamente: “Feliz aquele para quem Eu não for pedra de escândalo”. Fujamos de criar para nós um Messias e uma religião, segundo a nossa maneira de ver.


Sequência do Santo Evangelho segundo Mateus

Naquele tempo, tendo João, em sua prisão, ouvido falar das obras de Cristo, mandou-lhe dizer pelos seus discípulos: Sois vós aquele que deve vir, ou devemos esperar por outro?Respondeu-lhes Jesus: Ide e contai a João o que ouvistes e o que vistes: os cegos vêem, os coxos andam, os leprosos são limpos, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam, o Evangelho é anunciado aos pobres… Bem-aventurado aquele para quem eu não for ocasião de queda! Tendo eles partido, disse Jesus à multidão a respeito de João: Que fostes ver no deserto? Um caniço agitado pelo vento? Que fostes ver, então? Um homem vestido com roupas luxuosas? Mas os que estão revestidos de tais roupas vivem nos palácios dos reis. Então por que fostes para lá? Para ver um profeta? Sim, digo-vos eu, mais que um profeta. É dele que está escrito: Eis que eu envio meu mensageiro diante de ti para te preparar o caminho (Ml 3,1).

 

Liturgia Diária- 02/11/2017

COMEMORAÇÃO DOS FIÉIS DEFUNTOS

Festa de 1ª Classe- Missa Própria (1ª das 3 missas)

A festa de Todos os Santos anda inteiramente ligada à lembrança das almas ainda detidas no purgatório para expiar as faltas veniais e se purificarem da pena temporal que merecem pelos pecados cometidos, mas que no entanto estão confirmada em graça que hão de entrar no Céu um dia. Depois de celebrar com alegria a Igreja Triunfante do Céu, a Igreja da Terra estende sua solicitude maternal ao lugar de tormentos indivisíveis onde vivem as almas em estado de purificação, as quais pertencem igualmente a Igreja e à comunhão dos justos. Hoje, diz o martirológio romano, comemoração de todos os fiéis defuntos. “A nossa e comum piedosa mãe, a Igreja, depois de celebrar condignamente a memória dos seus filhos que já entraram na glória, procura auxiliar com sua poderosa intercessão junto a Jesus Cristo, seu esposo e Senhor, todos aqueles que gemem ainda nas penas do purgatório, para que se abreviem os dias de exílio e se vão reunir a sociedade dos Santos”. Em nenhum outro lugar da liturgia se afirma, de modo tão realmente e belo, o misterioso vínculo que une num só corpo a Igreja Militante, Padecente e Triunfante. Nunca de certo se cumpriu de modo palpável o duplo dever de caridade que deriva para todo o cristão do fato da sua mesma incorporação no corpo Místico de Cristo. Em virtude do dogma tão consolador da comunhão dos santos, podem os merecimentos e sufrágios de qualquer de nós pode circular nas veias deste corpo santíssimo e afluir em ondas de vida nova e de consolador auxílio aos membros mais distantes e necessitados. De maneira que, sem lesar os direitos invioláveis da justiça divina que será aplicada em todo o rigor após esta vida, a Igreja pode conjugar as preces da terra e do Céu e suprir com elas o que falta às almas do purgatório, aplicando a estas almas santíssimas os merecimentos de Jesus Cristo por meio do Santo Sacrifício da missa, das indulgências, das esmolas e das demais obras de caridade. A liturgia, que tem como centro o Santo sacrifício do Calvário perpetuado nos nossos Altares, foi em todos os tempos o meio principal de que a Santa Igreja se serviu no cumprimento deste dever para com os que nos precederam. Começamos a encontrar nas missas dos defuntos já no século V. A Santo Odilo, IV Abade do mosteiro de Cluny, se deve portanto a celebre comemoração dos fiéis defuntos que ele instituiu no ano de 978 e mandou ser celebrada no dia seguinte a festa de todos os Santos. A influência desta ilustre congregação francesa estendeu em breve esta celebração em todo o mundo cristão. Por concessão de Bento XIV, todos os padres de Portugal, Espanha e Conquistas podem celebrar até três missas no dia 2 de Novembro. Este privilégio fora estendido por bento XV a toda Igreja Universal no ano de 1915. “As almas do purgatório, diz o Concílio de Trento, podem ser socorridas com sufrágio dos fiéis e de modo particularmente eficaz com a celebração da Santa Missa”. E a razão disso reside no fato de que o sacerdote oferece a Deus oficialmente o resgate das almas, quer dizer o sangue de Jesus Cristo, em que o mesmo Senhor Jesus Cristo se oferece ao pai sob as espécies do pão e do vinho no ato do mesmo sacrifício do Senhor. Todos os dias no coração do cânon da missa, o sacerdote, em momento especial, em memória dos que adormeceram no Senhor e pede para eles o refrigério da luz e da paz. Não há pois dia, e missa que a Igreja não ore pelos mortos. Hoje porém, lembra-se particularmente de todos, preocupada com não deixar nenhum dos seu filhos sem o seu maternal socorro. Assistamos a todos a missa do dia 2 de Novembro e peçamos a Deus para os nossos mortos, que nada podem por si, a remissão dos pecados e o repouso eterno. Visitemos também os cemitérios, onde repousam, até que se complete para eles a vitória de Jesus Cristo sob o pecado e ressurjam revestido de glória para cantar os louvores de Deus para sempre.


Páginas 1366 1484 a 1487 do Missal Quotidiano.


Missa às 18:30 na Capela São Judas Tadeu.


LEITURAS

Epístola (I Cor 15, 52-57)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Coríntios .

Irmãos: Eis que vos revelo um mistério: nem todos morreremos, mas todos seremos transformados, num momento, num abrir e fechar de olhos, ao som da última trombeta (porque a trombeta soará). Os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados. É necessário que este corpo corruptível se revista da incorruptibilidade, e que este corpo mortal se revista da imortalidade. Quando este corpo corruptível estiver revestido da incorruptibilidade, e quando este corpo mortal estiver revestido da imortalidade, então se cumprirá a palavra da Escritura: A morte foi tragada pela vitória (Is 25,8). Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão (Os 13,14)? Ora, o aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei. Graças, porém, sejam dadas a Deus, que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo!

Evangelho (Jo 5,25-29)

Sequência do Santo Evangelho segundo João.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: Em verdade, em verdade vos digo: vem a hora, e já está aí, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus; e os que a ouvirem viverão. Pois como o Pai tem a vida em si mesmo, assim também deu ao Filho o ter a vida em si mesmo, e lhe conferiu o poder de julgar, porque é o Filho do Homem. Não vos maravilheis disso, porque vem a hora em que todos os que se acham nos sepulcros sairão deles ao som de sua voz: os que praticaram o bem irão para a ressurreição da vida, e aqueles que praticaram o mal ressuscitarão para serem condenados.

Liturgia Diária- 01/11/2017

FESTA DE TODOS OS SANTOS

Festa de 1ª Classe- Missa Própria

A festa de hoje, segundo a mente da Igreja, é um estímulo e um convite. Na viagem que fazemos para o céu, não raro somos tentados a desanimar, em vista das mil dificuldades que encontramos. A Igreja nos diz hoje: sursum corda! Olhai para o céu. Vede essa multidão sem número de santos, de todas as idades e condições, crianças, jovens, velhos. Lá se acham o bom ladrão, S. Paulo perseguidor do Cristo, S. Agostinho, Maria Madalena. Si isti et illae, cur nom ego? (S. Agost.) . Deus vult omnes homines salvos fieri, a todos chama e dá a sua graça. Depois de nos animar, a Igreja nos convida a trabalhar, a redobrar esforços, para conseguirmos a salvação:magis satágite, ut per bona opera. Mostra-nos o caminho; é o caminho da pobreza: beati pauperes; é o caminho das lágrimas: beati qui lugent; é o caminho dos sofrimentos: beati qui persecutionem patiuntur. Oh! felizes tribulações da vida! exclamam os santos no paraíso: momentaneum et leve tribulationis nostrae, aeternum gloriae pondus (2 cor 4,17) . 
A recompensa dos santos é segura, abundante e eterna. A recompensa da terra é incerta, defeituosa, vazia e caduca.  Sursum corda! Prossigamos a viagem com os olhos fitos no céu. Quando mais pesada se nos afigurar a cruz que levamos, lembremo-nos de que mais pesadas foram as dos viajantes que nos precederam.  

Páginas 1361 a 1365 do Missal Quotidiano.


Missa às 18:30 horas na Capela São Judas Tadeu.


LEITURAS

Epístola (Ap 7, 2-12) 


O número de 144 mil (o quadrado de doze multiplicado por mil) simboliza o conjunto dos fiéis de Cristo; a multidão de que se fala a seguir, vestida com túnicas brancas e de palmas nas mãos, parece representar os mártires.


Leitura do Livro do Apocalipse.

Naqueles dias: Eu João, vi ainda outro anjo subir do oriente; trazia o selo de Deus vivo, e pôs-se a clamar com voz retumbante aos quatro Anjos, aos quais fora dado danificar a terra e o mar, dizendo: Não danifiqueis a terra, nem o mar, nem as árvores, até que tenhamos assinalado os servos de nosso Deus em suas frontes. Ouvi então o número dos assinalados: cento e quarenta e quatro mil assinalados, de toda tribo dos filhos de Israel; da tribo de Judá, doze mil assinalados; da tribo de Rubem, doze mil; da tribo de Gad, doze mil; da tribo de Aser, doze mil; da tribo de Neftali, doze mil; da tribo de Manassés, doze mil; da tribo de Simeão, doze mil; da tribo de Levi, doze mil; da tribo de Issacar, doze mil; da tribo de Zabulon, doze mil; da tribo de José, doze mil; da tribo de Benjamim, doze mil assinalados. Depois disso, vi uma grande multidão que ninguém podia contar, de toda nação, tribo, povo e língua: conservavam-se em pé diante do trono e diante do Cordeiro, de vestes brancas e palmas na mão, e bradavam em alta voz: A salvação é obra de nosso Deus, que está assentado no trono, e do Cordeiro. E todos os Anjos estavam ao redor do trono, dos Anciãos e dos quatro Animais; prostravam-se de face em terra diante do trono e adoravam a Deus, dizendo: Amém, louvor, glória, sabedoria, ação de graças, honra, poder e força ao nosso Deus pelos séculos dos séculos! Amém.

Evangelho (Mt 5, 1-12)


Eis aqui, traçado pelo próprio Cristo, o ideal da perfeição cristã. É agindo em conformidade com este ideal, e com a graça de Deus, que nos dirigimos para o Céu.


Sequência do Santo Evangelho segundo Mateus.  

Naquele tempo, vendo aquelas multidões, Jesus subiu à montanha. Sentou-se e seus discípulos aproximaram-se dele. Então abriu a boca e lhes ensinava, dizendo: Bem-aventurados os que têm um coração de pobre, porque deles é o Reino dos céus! Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados! Bem-aventurados os mansos, porque possuirão a terra! Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados! Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia! Bem-aventurados os puros de coração, porque verão Deus! Bem-aventurados os pacíficos, porque serão chamados filhos de Deus! Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos céus! Bem-aventurados sereis quando vos caluniarem, quando vos perseguirem e disserem falsamente todo o mal contra vós por causa de mim. Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos céus, pois assim perseguiram os profetas que vieram antes de vós. 

Liturgia Diária- 19/10/2017

SÃO PEDRO DE ALCÂNTARA, Confessor

Festa de 1ª Classe (no Brasil)- Padroeiro do Brasil– Missa “Justus”, com Coleta e Epístola próprias

Natural de Alcântara, na Espanha, Pedro tinha dezesseis anos quando entrou, em Valência, na Ordem Franciscana. Fidelíssimo observador da regra primitiva, levou uma vida muito austera. Foi um dos diretores espirituais de Santa Tereza de Ávila, a quem encorajou na reforma do Carmelo. A sua grande devoção à paixão de Cristo fez nascer nele um amor extraordinário pela penitência. Morreu em 1 de outubro de 1562, com sessenta e três anos. 


Páginas 1344 e 864 a 867 do Missal Quotidiano, com comemoração de São Lucas Evangelista (p. 1341 a 1344).


Missa às 18:30 na Capela Nossa Senhora de Lourdes (Rua Mário Paganini, 220, Roosevelt).


LEITURAS

Epístola (Fil 3, 7-12)

Leitura da Epístola de São paulo Apóstolo aos Filipenses.

Irmãos, as coisas que para mim eram vantagens, considerei perda por Cristo. Na verdade, julgo como perda todas as coisas, em comparação com esse bem supremo: o conhecimento de Jesus Cristo, meu Senhor. Por ele tudo desprezei e tenho em conta de esterco, a fim de ganhar Cristo e estar com ele. Não com minha justiça, que vem da lei, mas com a justiça que se obtém pela fé em Cristo, a justiça que vem de Deus pela fé. Anseio pelo conhecimento de Cristo e do poder da sua Ressurreição, pela participação em seus sofrimentos, tornando-me semelhante a ele na morte, com a esperança de conseguir a ressurreição dentre os mortos. Não pretendo dizer que já alcancei (esta meta) e que cheguei à perfeição. Não. Mas eu me empenho em conquistá-la, uma vez que também eu fui conquistado por Jesus Cristo.

Evangelho (Lc 12, 32-34)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas. 

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: Não temais, pequeno rebanho, porque foi do agrado de vosso Pai dar-vos o Reino. Vendei o que possuís e dai esmolas; fazei para vós bolsas que não se gastam, um tesouro inesgotável nos céus, aonde não chega o ladrão e a traça não o destrói. Pois onde estiver o vosso tesouro, ali estará também o vosso coração.

Liturgia Diária- 12/10/2017

FESTA DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO APARECIDA

Padroeira do Brasil

Festa de 1ª Classe- Missa da Imaculada Conceição, com Coleta e Epístola próprias

A história de Nossa Senhora da Conceição Aparecida tem seu início pelos meados de 1717, quando chegou a notícia de que o Conde de Assumar, D. Pedro de Almeida e Portugal, Governador da Província de São Paulo e Minas Gerais, iria passar pela Vila de Guaratinguetá, a caminho de Vila Rica, hoje cidade de Ouro Preto (MG). Convocados pela Câmara de Guaratinguetá, os pescadores Domingos Garcia, Filipe Pedroso e João Alves saíram à procura de peixes no Rio Paraíba. Desceram o rio e nada conseguiram.

Depois de muitas tentativas sem sucesso, chegaram ao Porto Itaguaçu, onde lançaram as redes e apanharam uma imagem sem a cabeça, logo após, lançaram as redes outra vez e apanharam a cabeça, em seguida lançaram novamente as redes e desta vez abundantes peixes encheram a rede. A imagem ficou com Filipe, durante anos, até que presenteou seu filho, o qual usando de amor à Virgem fez um oratório simples, onde passou a se reunir com os familiares e vizinhos, para receber todos os sábados as graças do Senhor por Maria. A fama dos poderes extraordinários de Nossa Senhora foi se espalhando pelas regiões do Brasil.

Por volta de 1734, o Vigário de Guaratinguetá construiu uma Capela no alto do Morro dos Coqueiros, aberta à visitação pública em 26 de julho de 1745. Mas o número de fiéis aumentava e, em 1834, foi iniciada a construção de uma igreja maior (atual Basílica Velha). No ano de 1894, chegou a Aparecida um grupo de padres e irmãos da Congregação dos Missionários Redentoristas, para trabalhar no atendimento aos romeiros que acorriam aos pés da Virgem Maria para rezar com a Senhora “Aparecida” das águas.

O Papa Pio X em 1904 deu ordem para coroar a imagem de modo solene. No dia 29 de abril de 1908, a igreja recebeu o título de Basílica Menor. Grande acontecimento, e até central para a nossa devoção à Virgem, foi quando em 1929 o Papa Pio XI declarou Nossa Senhora Aparecida Padroeira do Brasil, com estes objetivos: o bem espiritual do povo e o aumento cada vez maior de devotos à Imaculada Mãe de Deus. Em 1967, completando-se 250 anos da devoção, o Papa Paulo VI ofereceu ao Santuário de Aparecida a Rosa de Ouro, reconhecendo a importância do Santuário e estimulando o culto à Mãe de Deus.


Páginas 917 a 921 40 a 41 [do Próprio do Brasil] do Missal Quotidiano.


Missa às 18:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes (Rua Mário Paganini, 220, Roosevelt).


LEITURAS

Leitura (Ap 12, 1.5.14. 15-16)  

Leitura do Livro do Apocalipse. 

Apareceu um grande sinal no céu: uma Mulher revestida do sol, a lua debaixo dos seus pés e na cabeça uma coroa de doze estrelas. Ela deu à luz um Filho, um menino, aquele que deve reger todas as nações pagãs com cetro de ferro. Mas seu Filho foi arrebatado para junto de Deus e do seu trono. Mas à Mulher foram dadas duas asas de grande águia, a fim de voar para o deserto, para o lugar de seu retiro, onde é alimentada por um tempo, dois tempos e a metade de um tempo, fora do alcance da cabeça da Serpente. A Serpente vomitou contra a Mulher um rio de água, para fazê-la submergir.

Evangelho (Lc 1,26-28) 

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas.

No sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré, a uma virgem desposada com um homem que se chamava José, da casa de Davi e o nome da virgem era Maria. Entrando, o anjo disse-lhe: Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo.

Liturgia Diária- 15/08/2017

FESTA DA ASSUNÇÃO DE MARIA SANTÍSSIMA

Festa de 1ª Classe- Missa Própria

O Senhor só esteve três dias no sepulcro, logo ressuscitou e subiu aos Céus. A morte da Senhora mais parece como um sono breve. E é por isso que chamamos de “dormitio” dormição. Antes de a corrupção lhe poder tocar o corpo imaculado, Deus a ressuscitou-a e glorificou-a nos Céus. A dormição, ressurreição e assunção da Virgem Santíssima o tríplice objeto da festa de hoje. Não tendo o pecado penetrado nunca na sua alma puríssima, era conveniente que o seu corpo, isento de toda mancha e do qual o Verbo se dignou encarnar, não chegasse a sofrer a corrupção do túmulo.

A 1º de novembro de 1950, o Santo Padre Pio XII definiu o dogma da Assunção da Santíssima Virgem Maria. Proclamava assim solenemente que a crença segundo a qual Maria, ao fim da sua vida terrestre, foi leva em corpo e alma a glória do Céu, faz realmente parte do depósito da fé, recebido dos Apóstolos. “Bendita entre todas as mulheres”, em razão de sua maternidade divina, a Virgem Imaculada, que desde a sua conceição tivera o privilégio de ser isenta do pecado original, não devia conhecer a corrupção do túmulo.

Para evitar qualquer dado impreciso, o Papa absteve-se inteiramente de determinar o modo e as circunstâncias de tempo e lugar em que a Assunção deveria ter-se realizado: somente o fato da Assunção, em corpo e alma, à glória ao Céu, constitui objeto da definição.

Na liturgia encontra-se o culto da Assunção desde o século VI no Oriente. Em Jerusalém, comportava uma procissão ao túmulo da Virgem. Esta procissão estendeu-se a Constantinopla. Em Roma, do século VII ao XVI constituía uma das “procissões ladainhas” e tinha lugar na basílica de Santa Maria Maior.


Páginas 1230 a 1233 do Missal Quotidiano.


LEITURAS

Leitura (Jd 13, 22-25 e 15,10)

Leitura do Livro de Judite .

O Senhor te abençoou com o seu poder, porque ele por ti aniquilou os nossos inimigos. Ozias, príncipe do povo de Israel, acrescentou: Minha filha, tu és bendita do Senhor Deus altíssimo, mais que todas as mulheres da terra. Bendito seja o Senhor, criador do céu e da terra, que te guiou para cortar a cabeça de nosso maior inimigo! Ele deu neste dia tanta glória ao teu nome, que nunca o teu louvor cessará de ser celebrado pelos homens, que se lembrarão eternamente do poder do Senhor. Ante os sofrimentos e a angústia de teu povo, não poupaste a tua vida, mas salvaste-nos da ruína, em presença de nosso Deus. Quando ela lhes veio ao encontro, abençoaram-na todos a uma só voz, dizendo: Tu és a glória de Jerusalém; Tu és a alegria de Israel, tu és a honra de nosso povo.

Evangelho (Lc 1, 41-50)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas.

Naquele tempo: Isabel ficou cheia do Espírito Santo e exclamou em alta voz: Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto de teu ventre. E de onde me vem a dita de que venha até a mim a mãe do meu Senhor? Eis que, logo que me soou aos ouvidos a voz da tua saudação, exultou de alegria o menino no meu seio. Bem-aventurada aquela que acreditaste; porque se cumprirão em ti as coisas que te foram ditas da parte do Senhor. Então Maria disse: A minha alma engrandece o Senhor, e meu espírito se exulta em Deus meu Salvador. Porque olhou para a humildade de sua serva, eis que por isso me proclamarão bem-aventurada todas as gerações. Porque fez em mim grandes coisas o Onipotente, e santo é seu nome. E a sua misericórdia se estende de geração e geração sobre todos os que o temem.

 

Liturgia Diária- 25/12/2016- Missa do Dia

FESTA DA NATIVIDADE DE NOSSO SENHOR

Festa de 1ª Classe- Missa Própria


MISSA DO DIA

f8e34-heilige-nacht

A Missa do dia honra o nascimento eterno do Filho de Deus no seio do Pai, explicado de maneira maravilhosa no Prólogo do Evangelho de São João.

Epístola (Heb 1, 1-12)

Epístola de São Paulo Apóstolo aos Hebreus.

Deus, tendo falado outrora, muitas vezes e de muitos modos, a nossos pais, pelos profetas; ultimamente, nos nossos dias, falou-nos por meio de seu Filho, a Quem constituiu herdeiro de todas as coisas, por Quem criou também os séculos; o qual, sendo, como é, resplendor da sua glória e imagem da sua substância; e sustentando tudo com a sua palavra poderosa, depois de ter feito a purificação dos pecados, foi-se sentar à· direita da majestade de Deus, no mais alto dos Céus, feito tanto mais superior aos Anjos, quanto herdou um nome superior ao deles. Com efeito, a qual dos Anjos disse Ele alguma vez: ‘Tu és meu Filho: Hoje mesmo Te gerei’?! E noutra passagem: ‘Eu serei para Ele um Pai, e Ele será para Mim um Filho’?! E novamente, quando introduzir o seu primogênito no Mundo, dirá: Que todos os Anjos de Deus O adorem. Falando dos Anjos, diz: Ele fez seus Anjos os ventos, e seus ministros a chama de fogo. Porém, acerca do Filho, diz: “O teu trono, Ó Deus, subsistirá pelos séculos dos séculos; é um cetro de equidade o cetro do teu reino. Amaste a justiça, e aborreceste a iniquidade: por isso, ó Deus, o teu Deus ungiu-Te com o óleo da alegria, de preferência aos teus pares.” E ainda: “Tu; Senhor, no princípio, fundaste a Terra, e os. Céus são obra das tuas mãos. Eles perecerão, mas Tu permanecerás; todos envelhecerão como. um vestido: Tu os enrolarás como a uma capa, e, [tal qual um vestido], serão mudados. Tu, porém, és sempre o mesmo, e os teus anos nunca terão termo”.

Evangelho (Jo 1, 1-14)

Início do Santo Evangelho segundo João.

No princípio era o Verbo, e o Verbo estava em Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio em Deus. Tudo foi feito por Ele, e nada de quanto se fez foi feito sem Ele. N’Ele estava a vida, e a vida era a luz dos homens; esta luz brilhou nas trevas, e as trevas não a sufocaram. Surgiu um homem enviado por Deus, chamado João, o qual veio como testemunho, para dar testemunho da luz, a fim de que todos acreditassem por intermédio dele. Não era ele a luz, mas devia dar testemunho da luz. Ele [o Verbo] era a luz verdadeira, que a todo homem ilumina, vindo ao Mundo. Estava no Mundo, e o Mundo foi feito por Ele, mas o Mundo não O reconheceu. Veio para o que era seu, e os seus não O acolheram. A todos, porém, quantos O receberam, deu Ele o poder de se tornarem filhos de Deus: isto é, àqueles que creem no seu nome; que nasceram, não do sangue, nem do desejo da carne, nem da vontade do homem, mas só de Deus. (Aqui se ajoelha) E O VERBO SE FEZ CARNE, e habitou entre nós; e nós vimos a sua glória, glória como de Filho Único do Pai, cheio de graça e de verdade.

In English

Epistle (Heb 1: 1-12)

Lesson from the Epistle of Blessed Paul, the Apostle to the Hebrews.

God, Who at sundry times and in divers manners spoke in times past to the fathers by the prophets, last of all in these days hath spoken to us by His Son, whom He hath appointed heir of all things, by whom also He made the world: Who being the brightness of His glory and the figure of His substance, and upholding all things by the word of His power, making purgation of sins, sitteth on the right hand of the Majesty on high: being made so much better than the angels, as He hath inherited a more excellent name than they. For to which of he angels hath He said at any time: I will be to Him a Father, and He shall be to Me a Son? And again, when He bringeth in the first begotten into the world, He saith: And let all the angels of God adore Him. And to the angels indeed He saith: He that maketh His angels spirits, and His ministers a flame of fire. But to the Son: Thy throne, O God, is for ever and ever: a scepter of justice is the scepter of Thy kingdom. Thou hast loved justice and hated iniquity: therefore God, Thy God, hath anointed Thee with the oil of gladness above Thy fellows. And: Thou in the beginning, O Lord, didst found the earth: and the works of Thy hands are the heavens. They shall perish, but Thou shalt continue: and they shall all grow old as a garment: and as a vesture shalt Thou change them and they shall be changed: but Thou art the self-same, and Thy years shall not fail.

Gospel (John 1: 1-14)

The continuation of the holy Gospel according to John.

In the beginning was the Word, and the Word was with God, and the Word was God. The same was in the beginning with God. All things were made by Him, and without Him was made nothing that was made: in Him was life, and the life was the Light of men; and the Light shineth in darkness, and the darkness did not comprehend it. There was a man sent from God, whose name was John. This man came for a witness, to testify concerning the Light, that all might believe through Him. He was not the Light, be he was to testify concerning the Light. That was the true Light, which enlighteneth every man that cometh into this world. He was in the world, and the world was made by Him, and the world knew Him not. He came unto His own, and His own received Him not. But as many as received Him to them He gave power to become sons of God, to them that believe in His Name, who are born not of blood, nor of the will of the flesh, nor of the will of man, but of God. (Here all kneelAND THE WORD WAS MADE FLESH,
and dwelt among us: and we saw His glory, the glory as of the Only begotten of the Father, full of grace and truth

Liturgia Diária- 25/12/2016- Missa da Aurora

FESTA DA NATIVIDADE DE NOSSO SENHOR

Festa de 1ª Classe- Missa Própria


MISSA DA AURORA

nascimento-de-jesus-08

A Missa da aurora honra o segundo nascimento de Cristo: o nascimento da graça e da misericórdia, que se realiza no coração de cada fiel, como aconteceu no coração dos pastores que foram visitar Jesus.

Epístola (Tt 3, 4-7)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo a Tito.
Caríssimo: Apareceu-nos a bondade de Deus, nosso Salvador, e o seu amor pelos homens; não foi pelas obras de justiça, que nós tivéssemos feito; mas foi pela sua misericórdia que Ele nos salvou, mediante o Batismo da regeneração e renovação do Espírito Santo, que Ele difundiu sobre nós abundantemente por Jesus Cristo, nosso Salvador; a fim de que, justificados pela sua graça, sejamos herdeiros da vida eterna, segundo a esperança que temos de a possuir um dia, em Jesus Cristo, Nosso Senhor.

Evangelho (Lc 2, 15-20)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas.
.
Naquele tempo: Os pastores diziam entre si: Vamos a Belém e vejamos o que lá aconteceu, e o que o Senhor nos manifestou. Partiram, pois, a toda pressa, e encontraram Maria e José, e o Menino deitado na manjedoura. Ao verem isto, reconheceram que era o que lhes tinha sido dito acerca do Menino. E todos os que os ouviram, se admiraram das coisas que lhes diziam os pastores. Maria, por seu lado, conservava todas estas coisas, meditando-as no seu coração. Então, os pastores voltaram, glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham ouvido e visto, conforme lhes tinha sido anunciado.

In English

Epistle (Titus 3: 4-7)

Lesson from the Epistle of Blessed Paul the Apostle to Titus.

Dearly beloved, when the kindness and love of God our Saviour for humanity were revealed, it was not because of any upright actions we had done ourselves; it was for no reason except his own faithful love that he saved us, by means of the cleansing water of rebirth and renewal in the Holy Spirit which he has so generously poured over us through Jesus Christ our Saviour; so that, justified by his grace, we should become heirs in hope of eternal life.

Gospel (Luke 2: 15-20)

The continuation of the holy Gospel according to Luke.

At that time the shepherds said to one another: Let us go over to Bethlehem, and let us see this word that is come to pass, which the Lord hath showed to us. And they came with haste and they found Mary and Joseph, and the Infant lying in the manger. And seeing they understood of the word that had been spoken to them concerning this Child. And all that heard wondered: and at those things that were told them by the shepherds. But Mary kept all these words, pondering them in her heart. And the shepherds returned, glorifying and praising God for all the things they had heard and seen, as it was told unto them.

Liturgia Diária- 25/12/2016- Missa do Galo

FESTA DA NATIVIDADE DE NOSSO SENHOR

Festa de 1ª Classe- Missa Própria


MISSA DO GALO (À MEIA-NOITE)

maxresdefault

A Missa da meia-noite honra o nascimento de Jesus segundo a carne, narrado no Evangelho de São Lucas.

LEITURAS/LESSONS

Epístola (Tt 2, 11-15)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo a Tito.

Irmãos: Manifestou-se, com efeito, a graça de Deus, fonte de salvação para todos os homens. Veio para nos ensinar a renunciar à impiedade e às paixões mundanas e a viver neste mundo com toda sobriedade, justiça e piedade, na expectativa da nossa esperança feliz, a aparição gloriosa de nosso grande Deus e Salvador, Jesus Cristo, que se entregou por nós, a fim de nos resgatar de toda a iniquidade, nos purificar e nos constituir seu povo de predileção, zeloso na prática do bem. Eis o que deves ensinar, pregar e defender com toda a autoridade. E que ninguém te menospreze!

Evangelho (Lc 2, 1-14)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas. 

Naquele tempo apareceu um decreto de César Augusto, ordenando o recenseamento de toda a terra. Este recenseamento foi feito antes do governo de Quirino, na Síria. Todos iam alistar-se, cada um na sua cidade. Também José subiu da Galileia, da cidade de Nazaré, à Judeia, à Cidade de Davi, chamada Belém, porque era da casa e família de Davi, para se alistar com a sua esposa Maria, que estava grávida. Estando eles ali,  completaram-se os dias dela. E deu à luz seu filho primogênito, e, envolvendo-o em faixas, reclinou-o num presépio; porque não havia lugar para eles na hospedaria. Havia nos arredores uns pastores, que vigiavam e guardavam seu rebanho nos campos durante as vigílias da noite. Um anjo do Senhor apareceu-lhes e a glória do Senhor refulgiu ao redor deles, e tiveram grande temor. O anjo disse-lhes: Não temais, eis que vos anuncio uma boa nova que será alegria para todo o povo: hoje vos nasceu na Cidade de Davi um Salvador, que é o Cristo Senhor. Isto vos servirá de sinal: achareis um recém-nascido envolto em faixas e posto numa manjedoura. E subitamente ao anjo se juntou uma multidão do exército celeste, que louvava a Deus e dizia: Glória a Deus no mais alto dos céus e na terra paz aos homens, objetos da benevolência (divina).

In English

Epistle (Titus 2: 11-15)

Lesson from the Epistle of Blessed Paul the Apostle to Titus. 

Dearly beloved, The grace of God our Saviour hath appeared to all men, instructing us, that, denying ungodliness and worldly desires, we should live soberly and justly and godly in this world, looking for the blessed hope and coming of the glory of the great God and our Saviour Jesus Christ: Who gave Himself for us, that He might redeem us from all iniquity, and might cleanse to Himself a people acceptable, a pursuer of good works.These things speak and exhort: in Christ Jesus our Lord.

Gospel (Luke 2: 1-14)

The continuation of the holy Gospel according to Luke. 

At that time there went out a decree from Cæsar Augustus, that the whole world should be enrolled. This enrolling was first made by Cyrinus, the governor of Syria. And all went to be enrolled, every one into his own city. And Joseph also went up from Galilee out of the city of Nazareth, into Judea to the city of David, which is called Bethlehem: because he was of the house and family of David, to be enrolled with Mary, his espoused wife, who was with child. And it came to pass that when they were there, her days were accomplished that she should be delivered. And she brought forth her firstborn Son and wrapped Him in swaddling clothes, and laid Him in a manger: because there was no room for them in the inn. And there were in the same country shepherds watching and keeping the night watches over their flock. And behold an Angel of the Lord stood by them, and the brightness of God shone around about them, and they feared with a great fear. And the Angel said to them: Fear not; for behold I bring you good tidings of great joy, that shall be to all the people: for this day is born to you a Savior, who is Christ the Lord, in the city of David. And this shall be a sign unto you: you shall find the Infant wrapped in swaddling clothes, and laid in a manger. And suddenly there was with the Angel a multitude of the heavenly army, praising God and Saying: Glory to God in the highest, and on earth peace to men of good will.

Liturgia Diária- 15/08/2016

FESTA DA ASSUNÇÃO DE MARIA SANTÍSSIMA

Festa de 1ª Classe- Missa Própria

Assumption of the Virgin, Juan de Valdes Leal

O Senhor só esteve três dias no sepulcro, logo ressuscitou e subiu aos Céus. A morte da Senhora mais parece como um sono breve. E é por isso que chamamos de “dormitio” dormição. Antes de a corrupção lhe poder tocar o corpo imaculado, Deus a ressuscitou-a e glorificou-a nos Céus. A dormição, ressurreição e assunção da Virgem Santíssima o tríplice objeto da festa de hoje. Não tendo o pecado penetrado nunca na sua alma puríssima, era conveniente que o seu corpo, isento de toda mancha e do qual o Verbo se dignou encarnar, não chegasse a sofrer a corrupção do túmulo.

A 1º de novembro de 1950, o Santo Padre Pio XII definiu o dogma da Assunção da Santíssima Virgem Maria. Proclamava assim solenemente que a crença segundo a qual Maria, ao fim da sua vida terrestre, foi leva em corpo e alma a glória do Céu, faz realmente parte do depósito da fé, recebido dos Apóstolos. “Bendita entre todas as mulheres”, em razão de sua maternidade divina, a Virgem Imaculada, que desde a sua conceição tivera o privilégio de ser isenta do pecado original, não devia conhecer a corrupção do túmulo.

Para evitar qualquer dado impreciso, o Papa absteve-se inteiramente de determinar o modo e as circunstâncias de tempo e lugar em que a Assunção deveria ter-se realizado: somente o fato da Assunção, em corpo e alma, à glória ao Céu, constitui objeto da definição.

Na liturgia encontra-se o culto da Assunção desde o século VI no Oriente. Em Jerusalém, comportava uma procissão ao túmulo da Virgem. Esta procissão estendeu-se a Constantinopla. Em Roma, do século VII ao XVI constituía uma das “procissões ladainhas” e tinha lugar na basílica de Santa Maria Maior.

LEITURAS/LESSONS

Leitura (Jd 13, 22-25 e 15,10)

Leitura do Livro de Judite .

O Senhor te abençoou com o seu poder, porque ele por ti aniquilou os nossos inimigos. Ozias, príncipe do povo de Israel, acrescentou: Minha filha, tu és bendita do Senhor Deus altíssimo, mais que todas as mulheres da terra. Bendito seja o Senhor, criador do céu e da terra, que te guiou para cortar a cabeça de nosso maior inimigo! Ele deu neste dia tanta glória ao teu nome, que nunca o teu louvor cessará de ser celebrado pelos homens, que se lembrarão eternamente do poder do Senhor. Ante os sofrimentos e a angústia de teu povo, não poupaste a tua vida, mas salvaste-nos da ruína, em presença de nosso Deus. Quando ela lhes veio ao encontro, abençoaram-na todos a uma só voz, dizendo: Tu és a glória de Jerusalém; Tu és a alegria de Israel, tu és a honra de nosso povo.

Evangelho (Lc 1, 41-50)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas.

Naquele tempo: Isabel ficou cheia do Espírito Santo e exclamou em alta voz: Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto de teu ventre. E de onde me vem a dita de que venha até a mim a mãe do meu Senhor? Eis que, logo que me soou aos ouvidos a voz da tua saudação, exultou de alegria o menino no meu seio. Bem-aventurada aquela que acreditaste; porque se cumprirão em ti as coisas que te foram ditas da parte do Senhor. Então Maria disse: A minha alma engrandece o Senhor, e meu espírito se exulta em Deus meu Salvador. Porque olhou para a humildade de sua serva, eis que por isso me proclamarão bem-aventurada todas as gerações. Porque fez em mim grandes coisas o Onipotente, e santo é seu nome. E a sua misericórdia se estende de geração e geração sobre todos os que o temem.

In English

Lesson (Judith 13:22-25; 15:10)

Lesson from the Book of Judith.

The Lord hath blessed thee by his power, because by thee he hath brought our enemies to nought. Blessed art thou, O daughter, by the Lord the most high God, above all women upon the earth. Blessed be the Lord who made heaven and earth, who hath directed thee to the cutting off the head of the prince of our enemies. Because he hath so magnified thy name this day, that thy praise shall not depart out of the mouth of men who shall be mindful of the power of the Lord for ever, for that thou hast not spared thy life, by reason of the distress and tribulation of thy people, but hast prevented our ruin in the presence of our God. Thou art the glory of Jerusalem, thou art the joy of Israel, thou art the honour of our people.

Gospel (Luke 1:41-50)

The continuation of the Holy Gospel according to Luke. 

At that time, Elizabeth was filled with the Holy Ghost. And she cried out with a loud voice and said: “Blessed art thou among women and blessed is the fruit of thy womb. And whence is this to me that the mother of my Lord should come to me? For behold as soon as the voice of thy salutation sounded in my ears, the infant in my womb leaped for joy. And blessed art thou that hast believed, because those things shall be accomplished that were spoken to thee by the Lord.” And Mary said: “My soul doth magnify the Lord. And my spirit hath rejoiced in God my Saviour.
Because he hath regarded the humility of his handmaid: for behold from henceforth all generations shall call me blessed. Because he that is mighty hath done great things to me: and holy is his name. And his mercy is from generation unto generations, to them that fear him.”