Revista Benedicta – Nº 1 (2021)

O número 01 (volume 02), publicado no mês de janeiro e dedicado a Epifania do Nosso Senhor Jesus Cristo, encontra-se assim constituído:

– Seção FIDES QUAERENS INTELLECTUM, própria para artigos e ensaios:

São José: Filho de Davi, Luz dos Patriarcas: 150 anos após o decreto de São José como Patrono da Igreja de Cristo, a Igreja declara 2021 como o Ano do casto Esposo de Maria. Para comemorá-lo, inauguramos uma série de artigos sobre o Santo, baseada na Ladainha a ele dedicada.

Por que somos católicos?: A Fé em Cristo e Sua religião é, primeiramente, uma graça de Deus Pai; de imediato, ela é também a prova de que nosso intelecto tende à Verdade e precisa romper com o raciocínio lógico para então negá-la e aderir a falsas religiões.

O Homem do Sudário: Embora a cautela da Igreja em declará-lo como o autêntico pano mortuário que envolveu Nosso Senhor após Sua Morte, os católicos sempre veneraram o Santo Sudário. Agora, a ciência também o tem legitimado, confirmando a Ressurreição e a divindade de Cristo.

– Seção CATHOLICAE LITTERAE, dedicada a resenhas:

Filoteia, de S. Francisco de Sales: Em Filoteia (1609), S. Francisco de Sales (1567-1622) ensina os pormenores para a interiorização da devoção a Deus e do reto viver.

– Seção DOMINUS VOBISCUM, própria para homilias e meditações:

Terceiro discurso sobre a solenidade da Epifania: Neste sermão, São Leão Magno (?-461) explica o que os Santos Reis Magos espelham em nossa trajetória enquanto os filhos de Deus pela Fé.

– Seção YSTORIA SANCTI, espaço hagiológico:

São Francisco de Sales: Em 29 de janeiro, a Liturgia lembra de S. Francisco de Sales, bispo francês que combateu o protestantismo e, com S. Joana Francisca de Chantal, fundou a Ordem de Visitação de Santa Maria (1610), o primeiro de monjas não enclausuradas.

– Seção EUTRAPELIAM, de conteúdo lúdico-educativo:

Santos de janeiro: Cruzadinha sobre os santos da Liturgia do mês de janeiro.

NOTA:

Aniversário de sacerdócio: Em 13 de janeiro, os fiéis da Irmandade do Carmo parabenizam o Revmo. Pe. José do Prado Leles pelos 32 anos de sacerdócio.


SEJA MEMBRO ASSINANTE DESTE APOSTOLADO. Acesse já nossa plataforma e garanta sua assinatura. (clique aqui).


Boa leitura!

Que Nossa Senhora, Rainha do Céu e da Terra, olhe sempre por nós e pela Revista Benedicta.

O Tempo do Natal

1. Significação deste Tempo

O Tempo do Natal é o intervalo de quarenta dias, entre 25 de dezembro e 2 de fevereiro. Comparando o Advento à subida de uma montanha, chegamos agora a seu cume — Natal — o ponto mais elevado da primeira parte do Ano eclesiástico.

Durante doze dias permanecemos nesta altura, com a celebração das duas festas principais deste Tempo: Natal e Epifania ou festa dos Reis. A oitava desta última solenidade é seguida de 6 domingos, número este por vezes diminuído pelo tempo da Setuagésima que varia conforme a celebração da Páscoa, mais cedo ou mais tarde: Termina, o tempo do Natal com a festa da Purificação de Nossa Senhora, que é o oferecimento de Jesus, no templo, pelos pecados do mundo e assim esta festa já prepara o Mistério da Redenção que é o assunto do ciclo pascal.

Voltemos à festa de Natal. Seu fim é lembrarmos o nascimento do Salvador e comunicar-nos as graças particulares deste Mistério.

«Propter nos hómines, et propter nostram salútem descéndit de cælis». Por nossa causa e por nossa salvação desceu do céu (Credo). Sendo e permanecendo verdadeiro Deus, tornou-se verdadeiro homem. Não hesitou em se revestir da forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens, e sendo reconhecido pelo exterior como homem. E sendo homem, atrai todo o gênero humano a Si e o faz seu Corpo místico e sua propriedade. Comunica-lhe a filiação de Deus, tornando-se Irmão de todos e dando aos homens a sua vida que é a graça santificante.

«Deus factus est homo ut homo fíeret Deus». Deus se fez homem para que o homem se tornasse Deus, diz admiravelmente Santo Agostinho. 

Enquanto a festa de Natal se ocupa muito mais com o Menino-Deus, no berço, a segunda grande solenidade deste Tempo, a Epifania, descortina novos horizontes. Este Menino é o grande Rei, o Soberano que vem à terra fundar o seu reino na humanidade, na Igreja, na alma humana. Reis desta terra vêm adorar a Criancinha em seu presépio e, neste fato, a humanidade Lhe reconhece a Realeza suprema. Este Menino dominará as nações, pois no fim dos tempos reunirá os seus fiéis num reino celestial, reino de Deus, reino de eterna bem-aventurança. A Igreja procura intensificar estes mesmos sentimentos ainda depois da festa, nos domingos seguintes. Adoramos nos Introitos o poder de Cristo-Rei sobre as criaturas animadas e inanimadas.

2. Quais devem ser as nossas disposições neste Tempo

Para as almas que se unem à vida da Igreja, que jubilosa quarentena! Isaías, que durante todo o tempo do Advento, foi o nosso guia, entoa este cântico de alegria nas suaves Matinas de Natal: « Levanta-te, ó Sião, reveste-te de tua força; compõe-te com os vestidos de tua glória, Jerusalém, cidade do Santo; sacode-te do pó, levanta-te, desata a cadeia do teu pescoço, cativa filha de Sião » (Isaías, LII). E S. Leão, explicando estes brados do profeta, exclama: « Meus caríssimos filhos, nasceu-nos hoje o Salvador: rejubilemo-nos. Para longe todo sentimento de tristeza: eis a aurora da vida. Exulte o Justo, porque a recompensa está perto; o pecador se alegre, eis o perdão; o pagão espere, eis a vida. »

Esta alegria fará nascer em nossos corações profundos sentimentos de gratidão para com Deus pela Incarnação de seu Filho Unigênito, gratidão que se manifestará pelo sincero desejo de desenvolver em nós, pela prática das boas obras, a vida nova que Jesus trouxe ao mundo. Esperemos que ela sempre cresça e também cresça o Cristo em nós. Eis a obra do santo Sacrifício da Missa, pois o que aconteceu há quase dois mil anos, repete-se ainda hoje: a Incarnação do Verbo divino, seu Nascimento no presépio de Belém. Na santa Missa, na santa Comunhão, une-se Jesus às nossas almas, escondido sob os véus das espécies eucarísticas, como outrora ocultou o esplendor de sua Divindade sob o humilde manto de sua humanidade. Nossa Belém é o altar! Nossa gruta é o tabernáculo! Nosso presépio é a nossa alma! Nela, bem longe do tumulto do mundo, Ele quer, no silêncio e na solidão, “tomar nova forma»; quer ocupá-la, imprimir-lhe o selo de filha de Deus, transforma-la em Si próprio. A esta alma Deus predestinou « conformar-se com a imagem do Filho de Deus ». E se somos filhos de Deus, também seremos seus herdeiros e coerdeiros de Jesus Cristo. É assim que não somente comemoramos e celebramos o Natal, como participamos do Nascimento de Jesus Cristo e dos frutos da Redenção da santa Missa, ao pé da Cruz.

3. Particularidades deste Tempo

A alegria deste Tempo manifesta-se por vários modos: a cor violácea dos tempos de penitência é substituída pelos ornamentos brancos, bordados a ouro ou completamente dourados; os órgãos, mudos no Advento, executam as suas mais jubilosas modulações e o Glória in excélsis Deo ressoa de novo, trazendo-nos os ecos pacíficos do presépio. As melodias estão impregnadas de uma doce e comunicativa alegria, que se prolonga em toda a liturgia deste tempo. As multidões, numa satisfação expansiva, reúnem-se nos templos, recordando por sua assistência às Matinas de Natal, a sincera piedade de antanho. 

O Sacerdote celebra três Missas, em memória da tríplice geração do Verbo, que Santo Tomás assim explica: eterna no seio do Pai, temporal no da Virgem Santíssima e espiritual em cada um de nós.


Imagem e texto extraído do Missal Quotidiano de D. Beda Keickeisen, 1962 (pp. 76-78).

Revista Benedicta – Nº 6

O número 06, publicado no mês de dezembro e dedicado ao Advento de Nosso Senhor Jesus Cristo, encontra-se assim constituído:

– Seção FIDES QUAERENS INTELLECTUM, própria para artigos e ensaios:

O Natal do Senhor e o falso natal dos herodianos: Na vigília do dia 24 de dezembro, quando a ansiedade pelo assado do jantar parece maior que o desejo ardente pela Santíssima Eucaristia, é prudente relembrar: o que de fato celebramos no Natal?

O teatro católico medieval: O teatro católico surge na instauração da Festa de Corpus Christi (1264) e sua posterior assertividade no combate à revolta protestante mostra a preocupação da Igreja para que todas as classes sociais reconheçam o reinado de Nosso Senhor.

– Seção CATHOLICAE LITTERAE, dedicada a resenhas:

Exercícios Espirituais, de Santo Inácio de Loiola: Santo Inácio oferece, neste livreto do séc. XVI, um guia de meditação. O método inaciano de exercícios se realiza nas dimensões dos Mistérios de Cristo, sendo recurso para tirar de si as afeições desordenadas e encontrar a vontade de Deus.

– Seção DOMINUS VOBISCUM, própria para homilias e meditações:

As seis circunstâncias características do Advento: Neste sermão, São Bernardo, Abade (1090-1153) nos convida a meditar as realidades ocultas do Advento de Nosso Senhor, a partir de seis questões que demonstram porque esse episódio é objeto de tamanha devoção da Igreja.

– Seção YSTORIA SANCTI, espaço hagiológico:

Santos Inocentes: No dia 28 de dezembro, a Igreja lembra das crianças mortas pela perseguição de Herodes ao Menino Jesus.

– Seção EUTRAPELIAM, de conteúdo lúdico-educativo:

Presépio: No Brasil, a tradição do presépio, criado por São Francisco de Assis, é iniciada por São José de Anchieta como recurso catequético (1552), sendo forte devoção das igrejas e casas católicas no Natal.

– Conto:

O que falavam a mula e o boi há dois mil anos: Este piedoso conto, ambientado na ocasião do nascimento de Nosso Senhor, simboliza como a humildade do agir divino com o Advento emana para as criaturas ali presentes e configura o mote espiritual do cristão de todos os tempos.


SEJA MEMBRO ASSINANTE DESTE APOSTOLADO. Acesse já nossa plataforma e garanta sua assinatura. (clique aqui).


Boa leitura!

Que Nossa Senhora, Rainha do Céu e da Terra, olhe sempre por nós e pela Revista Benedicta.

O Tempo do Natal

1. Significação deste Tempo

O Tempo do Natal é o intervalo de quarenta dias, entre 25 de dezembro e 2 de fevereiro. Comparando o Advento à subida de uma montanha, chegamos agora a seu cume — Natal — o ponto mais elevado da primeira parte do Ano eclesiástico.

Durante doze dias permanecemos nesta altura, com a celebração das duas festas principais deste Tempo: Natal e Epifania ou festa dos Reis. A oitava desta última solenidade é seguida de 6 domingos, número este por vezes diminuído pelo tempo da Setuagésima que varia conforme a celebração da Páscoa, mais cedo ou mais tarde: Termina, o tempo do Natal com a festa da Purificação de Nossa Senhora, que é o oferecimento de Jesus, no templo, pelos pecados do mundo e assim esta festa já prepara o Mistério da Redenção que é o assunto do ciclo pascal.

Voltemos à festa de Natal. Seu fim é lembrarmos o nascimento do Salvador e comunicar-nos as graças particulares deste Mistério.

«Propter nos hómines, et propter nostram salútem descéndit de cælis». Por nossa causa e por nossa salvação desceu do céu (Credo). Sendo e permanecendo verdadeiro Deus, tornou-se verdadeiro homem. Não hesitou em se revestir da forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens, e sendo reconhecido pelo exterior como homem. E sendo homem, atrai todo o gênero humano a Si e o faz seu Corpo místico e sua propriedade. Comunica-lhe a filiação de Deus, tornando-se Irmão de todos e dando aos homens a sua vida que é a graça santificante.

«Deus factus est homo ut homo fíeret Deus». Deus se fez homem para que o homem se tornasse Deus, diz admiravelmente Santo Agostinho. 

Enquanto a festa de Natal se ocupa muito mais com o Menino-Deus, no berço, a segunda grande solenidade deste Tempo, a Epifania, descortina novos horizontes. Este Menino é o grande Rei, o Soberano que vem à terra fundar o seu reino na humanidade, na Igreja, na alma humana. Reis desta terra vêm adorar a Criancinha em seu presépio e, neste fato, a humanidade Lhe reconhece a Realeza suprema. Este Menino dominará as nações, pois no fim dos tempos reunirá os seus fiéis num reino celestial, reino de Deus, reino de eterna bem-aventurança. A Igreja procura intensificar estes mesmos sentimentos ainda depois da festa, nos domingos seguintes. Adoramos nos Introitos o poder de Cristo-Rei sobre as criaturas animadas e inanimadas.

2. Quais devem ser as nossas disposições neste Tempo

Para as almas que se unem à vida da Igreja, que jubilosa quarentena! Isaías, que durante todo o tempo do Advento, foi o nosso guia, entoa este cântico de alegria nas suaves Matinas de Natal: « Levanta-te, ó Sião, reveste-te de tua força; compõe-te com os vestidos de tua glória, Jerusalém, cidade do Santo; sacode-te do pó, levanta-te, desata a cadeia do teu pescoço, cativa filha de Sião » (Isaías, LII). E S. Leão, explicando estes brados do profeta, exclama: « Meus caríssimos filhos, nasceu-nos hoje o Salvador: rejubilemo-nos. Para longe todo sentimento de tristeza: eis a aurora da vida. Exulte o Justo, porque a recompensa está perto; o pecador se alegre, eis o perdão; o pagão espere, eis a vida. »

Esta alegria fará nascer em nossos corações profundos sentimentos de gratidão para com Deus pela Incarnação de seu Filho Unigênito, gratidão que se manifestará pelo sincero desejo de desenvolver em nós, pela prática das boas obras, a vida nova que Jesus trouxe ao mundo. Esperemos que ela sempre cresça e também cresça o Cristo em nós. Eis a obra do santo Sacrifício da Missa, pois o que aconteceu há quase dois mil anos, repete-se ainda hoje: a Incarnação do Verbo divino, seu Nascimento no presépio de Belém. Na santa Missa, na santa Comunhão, une-se Jesus às nossas almas, escondido sob os véus das espécies eucarísticas, como outrora ocultou o esplendor de sua Divindade sob o humilde manto de sua humanidade. Nossa Belém é o altar! Nossa gruta é o tabernáculo! Nosso presépio é a nossa alma! Nela, bem longe do tumulto do mundo, Ele quer, no silêncio e na solidão, “tomar nova forma»; quer ocupá-la, imprimir-lhe o selo de filha de Deus, transforma-la em Si próprio. A esta alma Deus predestinou « conformar-se com a imagem do Filho de Deus ». E se somos filhos de Deus, também seremos seus herdeiros e coerdeiros de Jesus Cristo. É assim que não somente comemoramos e celebramos o Natal, como participamos do Nascimento de Jesus Cristo e dos frutos da Redenção da santa Missa, ao pé da Cruz.

3. Particularidades deste Tempo

A alegria deste Tempo manifesta-se por vários modos: a cor violácea dos tempos de penitência é substituída pelos ornamentos brancos, bordados a ouro ou completamente dourados; os órgãos, mudos no Advento, executam as suas mais jubilosas modulações e o Glória in excélsis Deo ressoa de novo, trazendo-nos os ecos pacíficos do presépio. As melodias estão impregnadas de uma doce e comunicativa alegria, que se prolonga em toda a liturgia deste tempo. As multidões, numa satisfação expansiva, reúnem-se nos templos, recordando por sua assistência às Matinas de Natal, a sincera piedade de antanho. 

O Sacerdote celebra três Missas, em memória da tríplice geração do Verbo, que Santo Tomás assim explica: eterna no seio do Pai, temporal no da Virgem Santíssima e espiritual em cada um de nós.


Imagem e texto extraído do Missal Quotidiano de D. Beda Keickeisen, 1962 (pp. 76-78).

O Tempo do Natal

1. Significação deste Tempo

O Tempo do Natal é o intervalo de quarenta dias, entre 25 de dezembro e 2 de fevereiro.. Comparando o Advento à subida de uma montanha, chegamos agora a seu cume — Natal — o ponto mais elevado da primeira parte do Ano eclesiástico.

Durante doze dias permanecemos nesta altura, com a celebração das duas festas principais deste Tempo: Natal e Epifania ou festa dos Reis. A oitava desta última solenidade é seguida de 6 domingos, número este por vezes diminuído pelo tempo da Setuagésima que varia conforme a celebração da Páscoa, mais cedo ou mais tarde: Termina, o tempo do Natal com a festa da Purificação de Nossa Senhora, que é o oferecimento de Jesus, no templo, pelos pecados do mundo e assim esta festa já prepara o Mistério da Redenção que é o assunto do ciclo pascal.

Voltemos à festa de Natal. Seu fim é lembrarmos o nascimento do Salvador e comunicar-nos as graças particulares deste Mistério.

«Propter nos hómines, et propter nostram salútem descéndit de cælis». Por nossa causa e por nossa salvação desceu do céu (Credo). Sendo e permanecendo verdadeiro Deus, tornou-se verdadeiro homem. Não hesitou em se revestir da forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens, e sendo reconhecido pelo exterior como homem. E sendo homem, atrai todo o gênero humano a Si e o faz seu Corpo místico e sua propriedade. Comunica-lhe a filiação de Deus, tornando-se Irmão de todos e dando aos homens a sua vida que é a graça santificante.

«Deus factus est homo ut homo fíeret Deus». Deus se fez homem para que o homem se tornasse Deus, diz admiravelmente Santo Agostinho. 

Enquanto a festa de Natal se ocupa muito mais com o Menino-Deus, no berço, a segunda grande solenidade deste Tempo, a Epifania, descortina novos horizontes. Este Menino é o grande Rei, o Soberano que vem à terra fundar o seu reino na humanidade, na Igreja, na alma humana. Reis desta terra vêm adorar a Criancinha em seu presépio e, neste fato, a humanidade Lhe reconhece a Realeza suprema. Este Menino dominará as nações, pois no fim dos tempos reunirá os seus fiéis num reino celestial, reino de Deus, reino de eterna bem-aventurança. A Igreja procura intensificar estes mesmos sentimentos ainda depois da festa, nos domingos seguintes. Adoramos nos Introitos o poder de Cristo-Rei sobre as criaturas animadas e inanimadas.

2. Quais devem ser as nossas disposições neste Tempo

Para as almas que se unem à vida da Igreja, que jubilosa quarentena! Isaías, que durante todo o tempo do Advento, foi o nosso guia, entoa este cântico de alegria nas suaves Matinas de Natal: « Levanta-te, ó Sião, reveste-te de tua força; compõe-te com os vestidos de tua glória, Jerusalém, cidade do Santo; sacode-te do pó, levanta-te, desata a cadeia do teu pescoço, cativa filha de Sião » (Isaías, LII). E S. Leão, explicando estes brados do profeta, exclama: « Meus caríssimos filhos, nasceu-nos hoje o Salvador: rejubilemo-nos. Para longe todo sentimento de tristeza: eis a aurora da vida. Exulte o Justo, porque a recompensa está perto; o pecador se alegre, eis o perdão; o pagão espere, eis a vida. »

Esta alegria fará nascer em nossos corações profundos sentimentos de gratidão para com Deus pela Incarnação de seu Filho Unigênito, gratidão que se manifestará pelo sincero desejo de desenvolver em nós, pela prática das boas obras, a vida nova que Jesus trouxe ao mundo. Esperemos que ela sempre cresça e também cresça o Cristo em nós. Eis a obra do santo Sacrifício da Missa, pois o que aconteceu há quase dois mil anos, repete-se ainda hoje: a Incarnação do Verbo divino, seu Nascimento no presépio de Belém. Na santa Missa, na santa Comunhão, une-se Jesus às nossas almas, escondido sob os véus das espécies eucarísticas, como outrora ocultou o esplendor de sua Divindade sob o humilde manto de sua humanidade. Nossa Belém é o altar! Nossa gruta é o tabernáculo! Nosso presépio é a nossa alma! Nela, bem longe do tumulto do mundo, Ele quer, no silêncio e na solidão, “tomar nova forma»; quer ocupá-la, imprimir-lhe o selo de filha de Deus, transforma-la em Si próprio. A esta alma Deus predestinou « conformar-se com a imagem do Filho de Deus ». E se somos filhos de Deus, também seremos seus herdeiros e coerdeiros de Jesus Cristo. É assim que não somente comemoramos e celebramos o Natal, como participamos do Nascimento de Jesus Cristo e dos frutos da Redenção da santa Missa, ao pé da Cruz.

3. Particularidades deste Tempo.

A alegria deste Tempo manifesta-se por vários modos: a cor violácea dos tempos de penitência é substituída pelos ornamentos brancos, bordados a ouro ou completamente dourados; os órgãos, mudos no Advento, executam as suas mais jubilosas modulações e o Glória in excélsis Deo ressoa de novo, trazendo-nos os ecos pacíficos do presépio. As melodias estão impregnadas de uma doce e comunicativa alegria, que se prolonga em toda a liturgia deste tempo. As multidões, numa satisfação expansiva, reúnem-se nos templos, recordando por sua assistência às Matinas de Natal, a sincera piedade de antanho. 

O Sacerdote celebra três Missas, em memória da tríplice geração do Verbo, que Santo Tomás assim explica: eterna no seio do Pai, temporal no da Virgem Santíssima e espiritual em cada um de nós.

Liturgia Diária- 30/12/2017

OITAVA DE NATAL

Festa de 2ª Classe– Missa “Puer Natus”


LEITURAS

Epístola (Tt 3, 4-7)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo a Tito.

Caríssimo: Apareceu-nos a bondade de Deus, nosso Salvador, e o seu amor pelos homens; não foi pelas obras de justiça, que nós tivéssemos feito; mas foi pela sua misericórdia que Ele nos salvou, mediante o Batismo da regeneração e renovação do Espírito Santo, que Ele difundiu sobre nós abundantemente por Jesus Cristo, nosso Salvador; a fim de que, justificados pela sua graça, sejamos herdeiros da vida eterna, segundo a esperança que temos de a possuir um dia, em Jesus Cristo, Nosso Senhor.

Evangelho (Lc 2, 15-20)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas.

Naquele tempo: Os pastores diziam entre si: Vamos a Belém e vejamos o que lá aconteceu, e o que o Senhor nos manifestou. Partiram, pois, a toda pressa, e encontraram Maria e José, e o Menino deitado na manjedoura. Ao verem isto, reconheceram que era o que lhes tinha sido dito acerca do Menino. E todos os que os ouviram, se admiraram das coisas que lhes diziam os pastores. Maria, por seu lado, conservava todas estas coisas, meditando-as no seu coração. Então, os pastores voltaram, glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham ouvido e visto, conforme lhes tinha sido anunciado.

Liturgia Diária- 25/12/2017- Missa do Dia

FESTA DA NATIVIDADE DE NOSSO SENHOR

Festa de 1ª Classe- Missa Própria


MISSA DO DIA

Ter-se-á notado já que a liturgia do Natal insiste mais sobre as grandezas divinas do Verbo encarnado do que sobre a humilde condição do seu nascimento humano. Os textos da missa do dia acentuam ainda mais esta nota. 

O introito canta o nascimento dum menino, mas sobre os seus ombros assenta uma realeza universal e a Ele está confiada a salvação do mundo , Depois, a introdução da epístola aos Hebreus, um belíssimo capítulo dogmático sobre a grandeza incomparável do Filho de Deus. Com o prólogo de São João, como evangelho, não se podiam escolher textos mais vigorosos para mostrar a transcendência divina de Cristo e da missão que o trouxe à terra. 

Saibamos reconhecer no presépio o próprio Filho de Deus. “Tendo outrora, por muitas vezes e de vários modos, falado a nossos pais pela voz dos profetas, Deus, nestes tempos que são os últimos, falou-nos por meio de seu Filho, que constituiu herdeiro universal e por quem criou todas as coisas”. Nada melhor do que a lembrança destas grandes realidades para nos inculcar o verdadeiro significado do mistério do Natal. 

A estação, que outrora era em São Pedro, é agora em Santa Maria Maior, fulcro das recordações de Belém.


Páginas 52 a 56 do Missal Quotidiano.


Missa às 18:30 horas  na Capela São Judas Tadeu.


LEITURAS

Epístola (Heb 1, 1-12)


Superior aos anjos, anterior ao mundo por Ele criado, Cristo, Filho de Deus, tendo-nos purificado dos nossos pecados, e dado livre acesso a Deus, subsiste agora eternamente na glória do Pai.


Epístola de São Paulo Apóstolo aos Hebreus.

Deus, tendo falado outrora, muitas vezes e de muitos modos, a nossos pais, pelos profetas; ultimamente, nos nossos dias, falou-nos por meio de seu Filho, a Quem constituiu herdeiro de todas as coisas, por Quem criou também os séculos; o qual, sendo, como é, resplendor da sua glória e imagem da sua substância; e sustentando tudo com a sua palavra poderosa, depois de ter feito a purificação dos pecados, foi-se sentar à· direita da majestade de Deus, no mais alto dos Céus, feito tanto mais superior aos Anjos, quanto herdou um nome superior ao deles. Com efeito, a qual dos Anjos disse Ele alguma vez: ‘Tu és meu Filho: Hoje mesmo Te gerei’?! E noutra passagem: ‘Eu serei para Ele um Pai, e Ele será para Mim um Filho’?! E novamente, quando introduzir o seu primogênito no Mundo, dirá: Que todos os Anjos de Deus O adorem. Falando dos Anjos, diz: Ele fez seus Anjos os ventos, e seus ministros a chama de fogo. Porém, acerca do Filho, diz: “O teu trono, Ó Deus, subsistirá pelos séculos dos séculos; é um cetro de equidade o cetro do teu reino. Amaste a justiça, e aborreceste a iniquidade: por isso, ó Deus, o teu Deus ungiu-Te com o óleo da alegria, de preferência aos teus pares.” E ainda: “Tu; Senhor, no princípio, fundaste a Terra, e os. Céus são obra das tuas mãos. Eles perecerão, mas Tu permanecerás; todos envelhecerão como. um vestido: Tu os enrolarás como a uma capa, e, [tal qual um vestido], serão mudados. Tu, porém, és sempre o mesmo, e os teus anos nunca terão termo”.

Evangelho (Jo 1, 1-14)


São João pôs à cabeça do seu evangelho este maravilhoso prólogo, que a Igreja recorda a cada passo, preceituando-nos a sua leitura todos os dias, no fim da missa. O dia de Natal dá-nos e ensejo de melhor lhe saborear toda a riqueza doutrinal. O Verbo de Deus que subsiste desde toda a eternidade fez-se revelador do Pai e a luz dos homens. Todos aqueles que O recebem e se deixam por Ele iluminar, arranca-os às trevas do pecado e os faz renascer, pela graça, à vida nova dos filhos de Deus. 


Início do Santo Evangelho segundo João.

No princípio era o Verbo, e o Verbo estava em Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio em Deus. Tudo foi feito por Ele, e nada de quanto se fez foi feito sem Ele. N’Ele estava a vida, e a vida era a luz dos homens; esta luz brilhou nas trevas, e as trevas não a sufocaram. Surgiu um homem enviado por Deus, chamado João, o qual veio como testemunho, para dar testemunho da luz, a fim de que todos acreditassem por intermédio dele. Não era ele a luz, mas devia dar testemunho da luz. Ele [o Verbo] era a luz verdadeira, que a todo homem ilumina, vindo ao Mundo. Estava no Mundo, e o Mundo foi feito por Ele, mas o Mundo não O reconheceu. Veio para o que era seu, e os seus não O acolheram. A todos, porém, quantos O receberam, deu Ele o poder de se tornarem filhos de Deus: isto é, àqueles que creem no seu nome; que nasceram, não do sangue, nem do desejo da carne, nem da vontade do homem, mas só de Deus. (Aqui se ajoelha) E O VERBO SE FEZ CARNE, e habitou entre nós; e nós vimos a sua glória, glória como de Filho Único do Pai, cheio de graça e de verdade.

 

Liturgia Diária- 25/12/2017- Missa da Aurora

FESTA DA NATIVIDADE DE NOSSO SENHOR

Festa de 1ª Classe- Missa Própria


MISSA DA AURORA

nascimento-de-jesus-08

A Missa da Aurora canta a aparição de Cristo luz, que vem arrancar-nos às trevas do pecado, transformar, pela graça, a nossa vida e aureolá-la com os clarões da sua divindade. Tirado da profecia de Isaías, cantada durante a Vigília, o introito anuncia a grandeza divina e a missão eterna do Menino reclinado no Presépio. 

Em Roma, esta segunda missa do Natal celebrava-se em Santa Anastásia, no sopé do Palatino, única paróquia situada no centro da velha Roma, no bairro dos patrícios. Santa Anastásia foi martirizada no começo do século IV, sendo lançada às chamas em Sirmium (Mitrowitz, Jugoslávia) durante a perseguição de Diocleciano. Vem no cânon da missa.


Missa do Dia do Natal às 18:30 horas  na Capela São Judas Tadeu.


LEITURAS

Epístola (Tt 3, 4-7)


Tendo escutado a voz da misericórdia, a obra de Cristo, que veio ao mundo para transformar a nossa vida, é essencialmente obra de amor. 


Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo a Tito.

Caríssimo: Apareceu-nos a bondade de Deus, nosso Salvador, e o seu amor pelos homens; não foi pelas obras de justiça, que nós tivéssemos feito; mas foi pela sua misericórdia que Ele nos salvou, mediante o Batismo da regeneração e renovação do Espírito Santo, que Ele difundiu sobre nós abundantemente por Jesus Cristo, nosso Salvador; a fim de que, justificados pela sua graça, sejamos herdeiros da vida eterna, segundo a esperança que temos de a possuir um dia, em Jesus Cristo, Nosso Senhor.

Evangelho (Lc 2, 15-20)


Os pastores no Presépio! Quantos pintores representaram esta cena tão querida da sensibilidade cristã! Todavia, a narrativa evangélica explana ainda melhor, na sua singeleza, o mistério do Recém-Nascido. 


Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas.

Naquele tempo: Os pastores diziam entre si: Vamos a Belém e vejamos o que lá aconteceu, e o que o Senhor nos manifestou. Partiram, pois, a toda pressa, e encontraram Maria e José, e o Menino deitado na manjedoura. Ao verem isto, reconheceram que era o que lhes tinha sido dito acerca do Menino. E todos os que os ouviram, se admiraram das coisas que lhes diziam os pastores. Maria, por seu lado, conservava todas estas coisas, meditando-as no seu coração. Então, os pastores voltaram, glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham ouvido e visto, conforme lhes tinha sido anunciado.

Liturgia Diária- 25/12/2017- Missa do Galo

FESTA DA NATIVIDADE DE NOSSO SENHOR

Festa de 1ª Classe- Missa Própria


MISSA DO GALO (À MEIA-NOITE)

Nesta santa noite de Natal, a Igreja celebra o nascimento humano de Jesus, Filho de Deus, Salvador do mundo, em Belém. Gerado desde a eternidade pelo pai, o Verbo assumiu nossa natureza humana no seio da Virgem Maria, que lhe transmitiu , realmente, a sua carne. Nasceu num presépio. Ele, que vem partilhar de nossa vida humana, é Filho de Deus antes de o ser de Maria e agora fica a ser, rigorosamente, uma e outra coisa. A missa da noite sublinha este duplo aspecto de grandeza divina e humilde humanidade que constitui a própria essência do mistério natalício. O primeiro é particularmente vincado no introito, epístola, gradual e aleluia, ofertório e comunhão; o segundo, na admirável simplicidade do evangelho. 

A estação tem ligar em Santa Maria Maior, em homenagem à Virgem Mãe, e como preito de veneração pelo presépio de Belém. Com efeito, cinco pedaços de madeira carunchosa, considerados como fragmentos daquela manjedoura que serviu de berço ao Salvador, são, desde remotos tempos, objeto da devoção dos fiéis. 


Páginas 45 a 48 do Missal Quotidiano.


Missa às 20 horas na Capela São Judas Tadeu.


LEITURAS

Epístola (Tt 2, 11-15)


Transformado pela graça, o cristão deve levar vida santa, signa daquele que se fez homem para o arrancar do pecado, e que há de voltar glorioso, no fim dos tempos, para recompensar, com prêmio eterno, a sua fidelidade.


Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo a Tito.

Irmãos: Manifestou-se, com efeito, a graça de Deus, fonte de salvação para todos os homens. Veio para nos ensinar a renunciar à impiedade e às paixões mundanas e a viver neste mundo com toda sobriedade, justiça e piedade, na expectativa da nossa esperança feliz, a aparição gloriosa de nosso grande Deus e Salvador, Jesus Cristo, que se entregou por nós, a fim de nos resgatar de toda a iniquidade, nos purificar e nos constituir seu povo de predileção, zeloso na prática do bem. Eis o que deves ensinar, pregar e defender com toda a autoridade. E que ninguém te menospreze!

Evangelho (Lc 2, 1-14)


Eis que o Céu se une à Terra, Deus ao homem. A sóbria e comovedora descrição do nascimento em Belém é nimbada das claridades celestes e exaltada pelos coros angélicos. 


Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas. 

Naquele tempo apareceu um decreto de César Augusto, ordenando o recenseamento de toda a terra. Este recenseamento foi feito antes do governo de Quirino, na Síria. Todos iam alistar-se, cada um na sua cidade. Também José subiu da Galileia, da cidade de Nazaré, à Judeia, à Cidade de Davi, chamada Belém, porque era da casa e família de Davi, para se alistar com a sua esposa Maria, que estava grávida. Estando eles ali,  completaram-se os dias dela. E deu à luz seu filho primogênito, e, envolvendo-o em faixas, reclinou-o num presépio; porque não havia lugar para eles na hospedaria. Havia nos arredores uns pastores, que vigiavam e guardavam seu rebanho nos campos durante as vigílias da noite. Um anjo do Senhor apareceu-lhes e a glória do Senhor refulgiu ao redor deles, e tiveram grande temor. O anjo disse-lhes: Não temais, eis que vos anuncio uma boa nova que será alegria para todo o povo: hoje vos nasceu na Cidade de Davi um Salvador, que é o Cristo Senhor. Isto vos servirá de sinal: achareis um recém-nascido envolto em faixas e posto numa manjedoura. E subitamente ao anjo se juntou uma multidão do exército celeste, que louvava a Deus e dizia: Glória a Deus no mais alto dos céus e na terra paz aos homens, objetos da benevolência (divina).

 

Liturgia Diária- 25/12/2016- Missa do Dia

FESTA DA NATIVIDADE DE NOSSO SENHOR

Festa de 1ª Classe- Missa Própria


MISSA DO DIA

f8e34-heilige-nacht

A Missa do dia honra o nascimento eterno do Filho de Deus no seio do Pai, explicado de maneira maravilhosa no Prólogo do Evangelho de São João.

Epístola (Heb 1, 1-12)

Epístola de São Paulo Apóstolo aos Hebreus.

Deus, tendo falado outrora, muitas vezes e de muitos modos, a nossos pais, pelos profetas; ultimamente, nos nossos dias, falou-nos por meio de seu Filho, a Quem constituiu herdeiro de todas as coisas, por Quem criou também os séculos; o qual, sendo, como é, resplendor da sua glória e imagem da sua substância; e sustentando tudo com a sua palavra poderosa, depois de ter feito a purificação dos pecados, foi-se sentar à· direita da majestade de Deus, no mais alto dos Céus, feito tanto mais superior aos Anjos, quanto herdou um nome superior ao deles. Com efeito, a qual dos Anjos disse Ele alguma vez: ‘Tu és meu Filho: Hoje mesmo Te gerei’?! E noutra passagem: ‘Eu serei para Ele um Pai, e Ele será para Mim um Filho’?! E novamente, quando introduzir o seu primogênito no Mundo, dirá: Que todos os Anjos de Deus O adorem. Falando dos Anjos, diz: Ele fez seus Anjos os ventos, e seus ministros a chama de fogo. Porém, acerca do Filho, diz: “O teu trono, Ó Deus, subsistirá pelos séculos dos séculos; é um cetro de equidade o cetro do teu reino. Amaste a justiça, e aborreceste a iniquidade: por isso, ó Deus, o teu Deus ungiu-Te com o óleo da alegria, de preferência aos teus pares.” E ainda: “Tu; Senhor, no princípio, fundaste a Terra, e os. Céus são obra das tuas mãos. Eles perecerão, mas Tu permanecerás; todos envelhecerão como. um vestido: Tu os enrolarás como a uma capa, e, [tal qual um vestido], serão mudados. Tu, porém, és sempre o mesmo, e os teus anos nunca terão termo”.

Evangelho (Jo 1, 1-14)

Início do Santo Evangelho segundo João.

No princípio era o Verbo, e o Verbo estava em Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio em Deus. Tudo foi feito por Ele, e nada de quanto se fez foi feito sem Ele. N’Ele estava a vida, e a vida era a luz dos homens; esta luz brilhou nas trevas, e as trevas não a sufocaram. Surgiu um homem enviado por Deus, chamado João, o qual veio como testemunho, para dar testemunho da luz, a fim de que todos acreditassem por intermédio dele. Não era ele a luz, mas devia dar testemunho da luz. Ele [o Verbo] era a luz verdadeira, que a todo homem ilumina, vindo ao Mundo. Estava no Mundo, e o Mundo foi feito por Ele, mas o Mundo não O reconheceu. Veio para o que era seu, e os seus não O acolheram. A todos, porém, quantos O receberam, deu Ele o poder de se tornarem filhos de Deus: isto é, àqueles que creem no seu nome; que nasceram, não do sangue, nem do desejo da carne, nem da vontade do homem, mas só de Deus. (Aqui se ajoelha) E O VERBO SE FEZ CARNE, e habitou entre nós; e nós vimos a sua glória, glória como de Filho Único do Pai, cheio de graça e de verdade.

In English

Epistle (Heb 1: 1-12)

Lesson from the Epistle of Blessed Paul, the Apostle to the Hebrews.

God, Who at sundry times and in divers manners spoke in times past to the fathers by the prophets, last of all in these days hath spoken to us by His Son, whom He hath appointed heir of all things, by whom also He made the world: Who being the brightness of His glory and the figure of His substance, and upholding all things by the word of His power, making purgation of sins, sitteth on the right hand of the Majesty on high: being made so much better than the angels, as He hath inherited a more excellent name than they. For to which of he angels hath He said at any time: I will be to Him a Father, and He shall be to Me a Son? And again, when He bringeth in the first begotten into the world, He saith: And let all the angels of God adore Him. And to the angels indeed He saith: He that maketh His angels spirits, and His ministers a flame of fire. But to the Son: Thy throne, O God, is for ever and ever: a scepter of justice is the scepter of Thy kingdom. Thou hast loved justice and hated iniquity: therefore God, Thy God, hath anointed Thee with the oil of gladness above Thy fellows. And: Thou in the beginning, O Lord, didst found the earth: and the works of Thy hands are the heavens. They shall perish, but Thou shalt continue: and they shall all grow old as a garment: and as a vesture shalt Thou change them and they shall be changed: but Thou art the self-same, and Thy years shall not fail.

Gospel (John 1: 1-14)

The continuation of the holy Gospel according to John.

In the beginning was the Word, and the Word was with God, and the Word was God. The same was in the beginning with God. All things were made by Him, and without Him was made nothing that was made: in Him was life, and the life was the Light of men; and the Light shineth in darkness, and the darkness did not comprehend it. There was a man sent from God, whose name was John. This man came for a witness, to testify concerning the Light, that all might believe through Him. He was not the Light, be he was to testify concerning the Light. That was the true Light, which enlighteneth every man that cometh into this world. He was in the world, and the world was made by Him, and the world knew Him not. He came unto His own, and His own received Him not. But as many as received Him to them He gave power to become sons of God, to them that believe in His Name, who are born not of blood, nor of the will of the flesh, nor of the will of man, but of God. (Here all kneelAND THE WORD WAS MADE FLESH,
and dwelt among us: and we saw His glory, the glory as of the Only begotten of the Father, full of grace and truth

Liturgia Diária- 25/12/2016- Missa da Aurora

FESTA DA NATIVIDADE DE NOSSO SENHOR

Festa de 1ª Classe- Missa Própria


MISSA DA AURORA

nascimento-de-jesus-08

A Missa da aurora honra o segundo nascimento de Cristo: o nascimento da graça e da misericórdia, que se realiza no coração de cada fiel, como aconteceu no coração dos pastores que foram visitar Jesus.

Epístola (Tt 3, 4-7)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo a Tito.
Caríssimo: Apareceu-nos a bondade de Deus, nosso Salvador, e o seu amor pelos homens; não foi pelas obras de justiça, que nós tivéssemos feito; mas foi pela sua misericórdia que Ele nos salvou, mediante o Batismo da regeneração e renovação do Espírito Santo, que Ele difundiu sobre nós abundantemente por Jesus Cristo, nosso Salvador; a fim de que, justificados pela sua graça, sejamos herdeiros da vida eterna, segundo a esperança que temos de a possuir um dia, em Jesus Cristo, Nosso Senhor.

Evangelho (Lc 2, 15-20)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas.
.
Naquele tempo: Os pastores diziam entre si: Vamos a Belém e vejamos o que lá aconteceu, e o que o Senhor nos manifestou. Partiram, pois, a toda pressa, e encontraram Maria e José, e o Menino deitado na manjedoura. Ao verem isto, reconheceram que era o que lhes tinha sido dito acerca do Menino. E todos os que os ouviram, se admiraram das coisas que lhes diziam os pastores. Maria, por seu lado, conservava todas estas coisas, meditando-as no seu coração. Então, os pastores voltaram, glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham ouvido e visto, conforme lhes tinha sido anunciado.

In English

Epistle (Titus 3: 4-7)

Lesson from the Epistle of Blessed Paul the Apostle to Titus.

Dearly beloved, when the kindness and love of God our Saviour for humanity were revealed, it was not because of any upright actions we had done ourselves; it was for no reason except his own faithful love that he saved us, by means of the cleansing water of rebirth and renewal in the Holy Spirit which he has so generously poured over us through Jesus Christ our Saviour; so that, justified by his grace, we should become heirs in hope of eternal life.

Gospel (Luke 2: 15-20)

The continuation of the holy Gospel according to Luke.

At that time the shepherds said to one another: Let us go over to Bethlehem, and let us see this word that is come to pass, which the Lord hath showed to us. And they came with haste and they found Mary and Joseph, and the Infant lying in the manger. And seeing they understood of the word that had been spoken to them concerning this Child. And all that heard wondered: and at those things that were told them by the shepherds. But Mary kept all these words, pondering them in her heart. And the shepherds returned, glorifying and praising God for all the things they had heard and seen, as it was told unto them.

Liturgia Diária- 25/12/2016- Missa do Galo

FESTA DA NATIVIDADE DE NOSSO SENHOR

Festa de 1ª Classe- Missa Própria


MISSA DO GALO (À MEIA-NOITE)

maxresdefault

A Missa da meia-noite honra o nascimento de Jesus segundo a carne, narrado no Evangelho de São Lucas.

LEITURAS/LESSONS

Epístola (Tt 2, 11-15)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo a Tito.

Irmãos: Manifestou-se, com efeito, a graça de Deus, fonte de salvação para todos os homens. Veio para nos ensinar a renunciar à impiedade e às paixões mundanas e a viver neste mundo com toda sobriedade, justiça e piedade, na expectativa da nossa esperança feliz, a aparição gloriosa de nosso grande Deus e Salvador, Jesus Cristo, que se entregou por nós, a fim de nos resgatar de toda a iniquidade, nos purificar e nos constituir seu povo de predileção, zeloso na prática do bem. Eis o que deves ensinar, pregar e defender com toda a autoridade. E que ninguém te menospreze!

Evangelho (Lc 2, 1-14)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas. 

Naquele tempo apareceu um decreto de César Augusto, ordenando o recenseamento de toda a terra. Este recenseamento foi feito antes do governo de Quirino, na Síria. Todos iam alistar-se, cada um na sua cidade. Também José subiu da Galileia, da cidade de Nazaré, à Judeia, à Cidade de Davi, chamada Belém, porque era da casa e família de Davi, para se alistar com a sua esposa Maria, que estava grávida. Estando eles ali,  completaram-se os dias dela. E deu à luz seu filho primogênito, e, envolvendo-o em faixas, reclinou-o num presépio; porque não havia lugar para eles na hospedaria. Havia nos arredores uns pastores, que vigiavam e guardavam seu rebanho nos campos durante as vigílias da noite. Um anjo do Senhor apareceu-lhes e a glória do Senhor refulgiu ao redor deles, e tiveram grande temor. O anjo disse-lhes: Não temais, eis que vos anuncio uma boa nova que será alegria para todo o povo: hoje vos nasceu na Cidade de Davi um Salvador, que é o Cristo Senhor. Isto vos servirá de sinal: achareis um recém-nascido envolto em faixas e posto numa manjedoura. E subitamente ao anjo se juntou uma multidão do exército celeste, que louvava a Deus e dizia: Glória a Deus no mais alto dos céus e na terra paz aos homens, objetos da benevolência (divina).

In English

Epistle (Titus 2: 11-15)

Lesson from the Epistle of Blessed Paul the Apostle to Titus. 

Dearly beloved, The grace of God our Saviour hath appeared to all men, instructing us, that, denying ungodliness and worldly desires, we should live soberly and justly and godly in this world, looking for the blessed hope and coming of the glory of the great God and our Saviour Jesus Christ: Who gave Himself for us, that He might redeem us from all iniquity, and might cleanse to Himself a people acceptable, a pursuer of good works.These things speak and exhort: in Christ Jesus our Lord.

Gospel (Luke 2: 1-14)

The continuation of the holy Gospel according to Luke. 

At that time there went out a decree from Cæsar Augustus, that the whole world should be enrolled. This enrolling was first made by Cyrinus, the governor of Syria. And all went to be enrolled, every one into his own city. And Joseph also went up from Galilee out of the city of Nazareth, into Judea to the city of David, which is called Bethlehem: because he was of the house and family of David, to be enrolled with Mary, his espoused wife, who was with child. And it came to pass that when they were there, her days were accomplished that she should be delivered. And she brought forth her firstborn Son and wrapped Him in swaddling clothes, and laid Him in a manger: because there was no room for them in the inn. And there were in the same country shepherds watching and keeping the night watches over their flock. And behold an Angel of the Lord stood by them, and the brightness of God shone around about them, and they feared with a great fear. And the Angel said to them: Fear not; for behold I bring you good tidings of great joy, that shall be to all the people: for this day is born to you a Savior, who is Christ the Lord, in the city of David. And this shall be a sign unto you: you shall find the Infant wrapped in swaddling clothes, and laid in a manger. And suddenly there was with the Angel a multitude of the heavenly army, praising God and Saying: Glory to God in the highest, and on earth peace to men of good will.