Liturgia Diária- 14/09/2020

EXALTAÇÃO DA SANTA CRUZ

Festa de 2ª Classe- Missa própria

Em 628, o imperador Heráclio reconduziu em triunfo o Santo Lenho para o Calvário, após tê-lo reconquistado das mãos dos Persas. A festa e a Missa de hoje lembram este acontecimento. Adoramos a Santa Cruz que nos trouxe a salvação.


Páginas 1279 a 1282 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Instrução – A Ressurreição Gloriosa

A Páscoa é a mais antiga e a mais solene das festas do ano eclesiástico. A nota dominante da liturgia é uma intensa alegria e gratidão pelo benefício da Redenção que se traduz pela repetição do “Aleluia”.

A celebração da Páscoa não tem dia fixo no Calendário, mas se celebra no primeiro Domingo depois da lua cheia, de março.

Jesus Cristo morreu a 14 do mês de Nisan, mês judaico lunar, correspondente mais ou menos ao nosso 22 de março a 25 de abril.

Os meses atuais sendo solares, e pelo fato sendo mais longos, há necessariamente incompatibilidade nas datas.

Em 325 o Concílio de Niceia adotou como data da ressurreição o primeiro Domingo depois da lua cheia de março. É o que faz com que a Páscoa ocorra de 22 de março a 25 de abril.

A Páscoa é pois uma data fixa, Lunar, que difere da data fixa Solar do nosso atual calendário. 

Liturgia da Vigília Pascal (clique aqui); Liturgia do Domingo da Páscoa (clique aqui).


Instrução – As tristezas e alegrias de Maria

Maria Santíssima havia bebido, até ao fundo, o cálice da amargura, sofrendo tudo o que uma criatura humana é capaz de sofrer. Este sofrimento, entretanto, tinha a sua consolação: a certeza da ressurreição, a certeza que a primeira visita de Jesus glorioso seria a sua Mãe. É certo, a aparição de Jesus a Maria Santíssima não está mencionada no Evangelho, mas pouco importa. Sabemos que os Evangelhos não relataram todas as ações do Salvador, e sabemos, também, que eles não contêm nada de inútil. Para que assinalar um fato evidente, de que não se pode duvidar?

Além disso, a humildade da Virgem Santa não permitiu aos Evangelistas que relatassem o que era unicamente para a sua exaltação, sem ser uma base para qualquer verdade dogmática. Meditemos, um instante, para terminar na alegria, a Semana dolorosa que acabamos de percorrer, vendo:
I – O fundamento desta verdade.
II – A aparição de Jesus ressuscitado.

Instrução – A Adoração da Cruz

A cerimônia de hoje, em sua tocante simplicidade, é de um simbolismo profundo, que convém compreender.

Antes de prostrar-nos diante da imagem de Jesus Crucificado e beijar-lhe os pés sagrados, devemos compreender o que é a adoração.

Adorar é prestar a alguém o culto supremo, reservado a Deus, reconhecendo-o como nosso Criador e Mestre. Só podemos adorar a Deus. Adoramos a Jesus Cristo, prestando-lhe o culto, que a Igreja chama de latria (adoração), porque ele é verdadeiro Deus, como é verdadeiro homem, unindo a natureza divina e a natureza humana numa única pessoa: a pessoa do Verbo Encarnado.

A adoração, como todo ato de culto, é absoluto, quando se dirige ao próprio Filho de Deus, e relativo, quando se dirige à representação do Salvador.

Jesus Cristo deve ser adorado com um culto de latria adoração absoluto e devem ser adorados, com um culto de latria relativo, a sua imagem e a cruz sobre a qual morreu, por ter sido regada pelo seu sangue.

A este culto de adoração relativa, juntaremos o culto de nosso amor, expresso pelo beijo, que depositamos sobre seus pés.

Falemos um instante deste ato de beijar os pés de Jesus Cristo, examinando:
I – A sua significação.
II – A sua aplicação.

Liturgia do dia: clique aqui e leia.

Liturgia Diária- 14/09/2018

EXALTAÇÃO DA SANTA CRUZ

Festa de 2ª Classe- Missa própria

A festa de 14 de setembro teve primeiramente por único objeto o aniversário da descoberta das basílicas constantinas consagradas em Jerusalém a 14 de setembro de 335, no próprio local do santo sepulcro e do calvário. Mais tarde, porém, uma confusão de datas fez passar para este dia a memória doutro acontecimento que suplantou o primeiro: a restituição da Santa Cruz pelos persas em 629. Levada de Jerusalém quinze anos antes, após uma vitória dos persas, fo reconduzida em triunfo para Jerusalém pelo imperador Heráclito, vencedor por sua vez dos exércitos persas. 

A liturgia da Cruz é uma liturgia triunfante: a Igreja celebra nela a vitória de Cristo sobre a morte e o glorioso troféu da nossa redenção. Já a serpente de bronze erguida por Moisés sobre o povo, o anunciava: a salvação havia de nos vir da exaltação de Jesus sobre o madeiro da Cruz.


Páginas 1279 a 1282 do Missal Quotidino.


Missa às 18:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes.


Liturgia Diária- Festa do Preciosíssimo Sangue de Nosso Senhor

Festa de 1ª Classe- Missa Própria

0107
Sangue preciosíssimo do Salvador, fonte de vida para sempre aberta pela cruz redentora, Vós, que lavais a mancha de todo o universo, fazei desabrochar a santidade na Igreja, paraíso reencontrado.

Instituída em 1849 por Pio IX, esta festa foi elevada à categoria de 1ª Classe, por Pio XI, por ocasião do XIXº centenário da morte do Salvador. 

A liturgia da festa, recordando a cena do Calvário com a lançada que abriu o lado do divino crucificado, detém-se a comentar a significação e o alcance infinito do sacrifício do Calvário. o evangelho é o da festa do Coração de Jesus, e a epístola a do domingo da Paixão: sao os grandes temas da redenção operada simultaneamente pelo sangue e pelo amor de Cristo. “Terra, oceano, céus, universo, tudo foi purificado neste rio”. 

OBS.: Por ser festa do Senhor, hoje não se faz comemoração do domingo.


Páginas 1145 a 1148 do Missal Quotidiano.


Missa Rezada às 9:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Santa Terezinha.


Liturgia Diária- 03/05/2018

 INVENÇÃO DA SANTA CRUZ

Santa Cruz

O dia 03 de Maio celebrava primitivamente a recuperação da Santa Cruz que Heráclito obteve dos persas depois da vitória de 628. Mais tarde o objetivo desta festa veio a confundir-se com a da invenção, que devia celebrar-se a 14 de Setembro. Praticamente o dia de Hoje tornou-se  a festas da invenção (descoberta) sem excluir a recuperação levada a efeito por Heráclio. A tradição atribui a Santa Helena, mãe de Constantino, a honra de ter mandado procurar e de ter encontrado a Cruz do Salvador.

Encontrou-se no lugar do Calvário e nesta mesma data provavelmente em que Constantino mandou construir as duas Basílicas, consagradas em 335, uma no sítio do Calvário e outra no Santo Sepulcro. A preciosa relíquia que os persas tinham roubado e que Heráclio recuperou, foi pelo operador reconduzida solenemente a Jerusalém em 03 de Maio do ano 628. A missa celebra as glórias da Cruz do Salvador e a redenção do homens que nela se operou.

LEITURAS

Epístola (Fil 2, 5-11)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Filipenses.

Dedicai-vos mutuamente a estima que se deve em Cristo Jesus. Sendo ele de condição divina, não se prevaleceu de sua igualdade com Deus, mas aniquilou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e assemelhando-se aos homens. E, sendo exteriormente reconhecido como homem, humilhou-se ainda mais, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz. Por isso Deus o exaltou soberanamente e lhe outorgou o nome que está acima de todos os nomes, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho no céu, na terra e nos infernos. E toda língua confesse, para a glória de Deus Pai, que Jesus Cristo é Senhor.

Evangelho (Jo 3, 1-15)

Sequência do Santo Evangelho segundo João.

Naquele tempo, havia um homem entre os fariseus, chamado Nicodemos, príncipe dos judeus. Este foi ter com Jesus, de noite, e disse-lhe: Rabi, sabemos que és um Mestre vindo de Deus. Ninguém pode fazer esses milagres que fazes, se Deus não estiver com ele. Jesus replicou-lhe: Em verdade, em verdade te digo: quem não nascer de novo não poderá ver o Reino de Deus. Nicodemos perguntou-lhe: Como pode um homem renascer, sendo velho? Porventura pode tornar a entrar no seio de sua mãe e nascer pela segunda vez? Respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo: quem não renascer da água e do Espírito não poderá entrar no Reino de Deus. O que nasceu da carne é carne, e o que nasceu do Espírito é espírito. Não te maravilhes de que eu te tenha dito: Necessário vos é nascer de novo. O vento sopra onde quer; ouves-lhe o ruído, mas não sabes de onde vem, nem para onde vai. Assim acontece com aquele que nasceu do Espírito. Replicou Nicodemos: Como se pode fazer isso? Disse Jesus: És doutor em Israel e ignoras estas coisas!… Em verdade, em verdade te digo: dizemos o que sabemos e damos testemunho do que vimos, mas não recebeis o nosso testemunho. Se vos tenho falado das coisas terrenas e não me credes, como crereis se vos falar das celestiais? Ninguém subiu ao céu senão aquele que desceu do céu, o Filho do Homem que está no céu. Como Moisés levantou a serpente no deserto, assim deve ser levantado o Filho do Homem, para que todo homem que nele crer tenha a vida eterna.

 

Liturgia Diária- 14/09/2017

EXALTAÇÃO DA SANTA CRUZ

Festa de 2ª Classe- Missa própria

A festa de hoje teve por objetivo único a invenção da Santa Cruz, levada a efeito por Santa Helena, e a dedicação das basílicas constantinianas, consagradas a 14 de setembro de 335. Mais tarde porém, além da memória destes acontecimentos dos quais referimos, foi a restituição da Santa Cruz feita pelos persas, que apoderara-se de Jerusalém e da relíquia da Vera Cruz. Quatorze anos mais tarde o imperador Heráclito derrotou Cósroas e exigiu dele a entrega da preciosa relíquia. Entrando em Jerusalém, quis levar ele mesmo a Santa Cruz com grande pompa real para a repor no Calvário, se sentiu preso por uma força invisível que o não deixou prosseguir. Zacarias Bispo de Jerusalém e testemunha presencial do fato, advertiu então: “com tais vestes estais longe de imitar a Jesus Cristo e a humildade com que levou consigo a Cruz”. Heráclito despojou-se então das vestes riquíssimas que envergava, descalçou-se, cobriu-se com um manto ordinário e pode sem dificuldade levar a Santa Cruz até o Calvário. A morte do Senhor na cruz foi simultaneamente o seu trunfo e sacrifício. Ele o predissera na véspera da Paixão: “é agora que o príncipe deste mundo será lançado fora: e quando eu me elevar da terra, tudo atrairei a mim”.

São Paulo constata-o por seu lado ao salientar que a exaltação de Cristo assenta no sofrimento e tira para nós a conseqüência: “Devemos gloriar-nos na Cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo”. Unamo-nos em espírito com os fiéis na Basílica da Santa Cruz de Jerusalém em Roma, que veneram hoje as relíquias da Santa Cruz, em que se operou o mistério da redenção dos homens.


Páginas 1279 a 1282 do Missal Quotidino.


Missa às 18:30 na Capela São Judas Tadeu.


LEITURAS

Epístola (Fil 2, 5-11)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Filipenses .

Irmãos: Dedicai-vos mutuamente a estima que se deve em Cristo Jesus. Sendo ele de condição divina, não se prevaleceu de sua igualdade com Deus, mas aniquilou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e assemelhando-se aos homens. E, sendo exteriormente reconhecido como homem, humilhou-se ainda mais, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz. Por isso Deus o exaltou soberanamente e lhe outorgou o nome que está acima de todos os nomes, para que ao nome de Jesus (aqui se ajoelha) se dobre todo joelho no céu, na terra e nos infernos. E toda língua confesse, para a glória de Deus Pai, que Jesus Cristo é Senhor.

Evangelho (Jo 12, 31-36)

Sequência do Santo Evangelho segundo João.

Naquele Tempo: Disse Jesus às turbas do Judeus: Agora é o juízo deste mundo; agora será lançado o príncipe deste mundo. E eu, quando for levantado da terra, atrairei tudo a mim. Dizia isto para designar de que morte havia de morrer. Respondeu-lhe a multidão: Nós aprendemos da lei que Cristo permanece eternamente; e como dizes tu que o filho do homem deve ser levantado? Quem é este filho do homem? Respondeu-lhes então Jesus: Ainda por um pouco de tempo está a luz convosco. Andai enquanto tendes luz, para que não surpreendam as trevas; quem caminha nas trevas não sabe para onde vai. Enquanto tendes luz, crede na luz para que sejais filhos da luz.

Capítulo V – As antibíblicas “Só a Fé”, “Só a Bíblia” e “Livre interpretação” [Os dogmas protestantes]

“Ele (o protestante) não acredita, convencionalmente, no que a Bíblia diz, pela simples razão de que a Bíblia não diz nada. Você não pode colocar um livro no banco das testemunhas e perguntar o que ele quer dizer.”

(Chesterton)

Nosso povo é marcado pela fé, portanto, um povo crédulo, que acredita. Ocorre que a fé sem a caridade, sabedoria e humildade, não raro torna-se fanatismo, crendice e estupidez, por mais boa-fé que se tenha. Como exemplo, vejamos como Cristo responde à nada sábia e humilde boa-fé de Pedro: “Retira-te de mim, Satanás; tu serves-me de escândalo, porque não tens a sabedoria das coisas de Deus, mas das coisas dos homens” (Mt XVI, 23). Não será demais lembrar que Jesus referia-se aqui ao espírito maligno que acabara de dar umas baforadas nos ouvidos do apóstolo sugerindo-lhe uma “boa intenção” para com o Mestre, e isso logo após aquele ter permitido que o Espírito Santo o inspirasse a profissão de fé que lhe granjearia a “… chave do reino dos céus” (v. 18). Nesta mesma linha ensinará S. Paulo ao povo de Corinto: “Portanto, quem julga estar de pé, tome cuidado para não cair” (1 Cor X, 12). Algo a se ter em mente o tempo todo, todo o tempo, sobretudo aos que se con­sideram já salvos apenas por ter “aceitado Jesus”.

Capítulo IV – “Escândalo para os judeus, Loucura para os pagãos” [A Cruz e o Crucificado]

“Prazerosa quietação da minha vida, sê bem-vinda, cruz querida. (…)

Quem não te ama vive atado, e da liberdade alheio

Quem te abraça sem receio não toma caminho errado.

Oh! ditoso o teu reinado, onde o mal não tem cabida!

Sê bem-vinda, cruz querida”

(Do poema À Cruz – S. Tereza de Jesus)

Após abordar nos capítulos anteriores a Igreja em seu aspecto mais geral, adentremos agora especificamente nos pontos em desacordo entre a doutrina católica e a das seitas protestantes, começando por um sumamente emblemático: o da cruz com o Crucificado. Os protestantes, em sua maioria, defendem que porque “Jesus já desceu da cruz” não há porquê de o representar crucificado. Nós, ao contrário, dizemos que justamente por assim ter escolhido morrer por nossos pecados é que a cruz se torna o troféu do qual se orgulhar. Quem tem a razão? É o que veremos neste capítulo. Note-se, antes, que há templos protestantes como, por exemplo, o de luteranos, metodistas e (sic!) batistas que possuem não só a imagem da cruz, mas com ela o Crucificado.