Liturgia Diária- Quarta-feira das Têmporas de Setembro

Féria de 2ª Classe- Missa própria, com comemoração de S. Lino, Papa e Mártir e S. Tecla, Virgem e Mártir – ESTAÇÃO EM S. MARIA MAIOR

DIA DE ABSTINÊNCIA RECOMENDADA

Nos países do sul da Europa, terminam neste tempo as colheitas das frutas e do vinho. Os fiéis, alegrando-se e agradecendo a Deus, ofereciam na igreja as dízimas ao Senhor. Esta prática e a lembrança das grandes festas (Ano novo, Dia de reconciliação e festa dos Tabernáculos, lembrando a saída do Egito) que se celebravam no Antigo Testamento nesta época do ano, são expressas nos textos das Leituras e Cânticos das Missas destes três dias. Aproveitemos também nós estes dias para o silêncio e a penitência. E na alegria de nosso coração, agradeçamos a Deus por seus benefícios. Como as outras Têmporas, também estas são dias de ordenações. Imploremos a Deus que envie bons obreiros à sua messe.

Sobre o santo Papa: Primeiro sucessor de S. Pedro, foi decapitado em Roma.


Páginas 670 a 675 e 1300 a 1301 do Missal Quotidiano. 


Missa às 07:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes. 


PRÓPRIO DO DIA

Introito (Sl 80, 2-5 | ib., 6)

Exsultáte Deo, adiutóri nostro: iubiláte Deo Iacob: súmite psalmum iucúndum cum cíthara: cánite in inítio mensis tuba, quia præcéptum in Israël est, et iudícium Deo Iacob. Ps. Testimónium in Ioseph pósuit illud, cum exíret de terra Ægýpti: linguam, quam non nóverat, audívit.. ℣. Gloria Patri. Exultai em Deus, nosso protetor; cantai jubilosos ao Deus de Jacó; entoai um alegre canto com a cítara. Tocai a trombeta no princípio do mês, porque é preceito em Israel e ordem do Deus de Jacó. Sl. Ele estabeleceu assim como lei para José [povo de Israel] quando, ao sair da terra do Egito, ouviu notícia que não conhecia. ℣. Glória ao Pai.

Depois do Kyrie, eleison: 

Orémus. Flectámus génua. Leváte.

Coleta

Misericórdiæ tuæ remédiis, quǽsumus, Dómine, fragílitas nostra subsístat: ut, quæ sua conditióne attéritur, tua cleméntia reparétur. Per D. N. Nós Vos imploramos, Senhor, socorrei com os remédios de vossa misericórdia a nossa fragilidade para que, oprimida como se acha, seja restaurada por vossa clemência. Por N.S.

Leitura (Amós 9, 13-15)

Léctio Amos Prophétae.

Hæc dicit Dóminus Deus: Ecce, dies véniunt: et comprehéndet arátor messórem, et calcátor uvæ mitténtem semen: et stillábunt montes dulcédinem, et omnes colles culti erunt. Et convértam captivitátem pópuli mei Israël: et ædificábunt civitátes desértas et inhabitábunt: et plantábunt víneas et bibent vinum eárum: et fácient hortos et cómedent fructus eórum. Et plantábo eos super humum suam: et non evéllam eos ultra de terra sua, quam dedi eis: dicit Dóminus, Deus tuus

Leitura da Profecia de Amós.

Assim fala o Senhor, Deus: Eis que vêm dias em que o lavrador seguirá de perto o que sega e o que pisa as uvas estará perto do semeador; os montes distilarão doçura, e todos os outeiros estarão cultivados. Trarei do cativeiro o meu povo de Israel; e reedificarão [os homens] as cidades desertas, e as habitarão: plantarão vinhas, e lhes beberão o vinho farão pomares e comer-lhes-ão os frutos. Fixá-los-ei em seu próprio país, e no futuro não os tornarei a arrancar da terra que lhes dei, diz o Senhor, teu Deus.

Gradual (Sl 112, 5-7)

Quis sicut Dóminus, Deus noster, qui in altis hábitat, et humilia réspicit in cœlo et in terra? ℣. Súscitans a terra ínopem et de stércore érigens páuperem Quem é como o Senhor, nosso Deus, que habita nas alturas e vê o que é humilde no céu e na terra? ℣. A o fraco Ele levanta da terra e ao pobre Ele ergue do pó.

Coleta

Præsta, quǽsumus, Dómine, famíliæ tuæ supplicánti: ut, dum a cibis corporálibus se ábstinet, a vítiis quoque mente jejúnet. Per D. N. Nós Vos rogamos, Senhor, concedei à vossa família suplicante que, com a privação dos alimentos do corpo, se abstenha dos vícios da alma. Por N.S.

2ª Coleta (de S. Lino)

Gregem tuum, Pastor ætérne, placátus inténde: et, per beátum Linum Mártyrem tuum atque Summum Pontíficem, perpétua protectióne custódi; quem totíus Ecclésiæ præstitísti esse pastórem. Per D. N. Olhai propício, Pastor Eterno, para o vosso rebanho e guardai-o sob a vossa constante proteção, pela intercessão do bem-aventurado Lino, vosso Mártir e Pontífice Supremo, a quem estabelecestes como Pastor de toda a Igreja. Por N.S.

3ª Coleta (de S. Tecla)

Da, quǽsumus, omnípotens Deus: ut, qui beátæ Theclæ Vírginis et Mártyris tuæ natalítia cólimus; et ánnua sollemnitáte lætémur, et tantæ fídei proficiámus exémplo. Per D. N. Nós Vos rogamos, ó Deus onipotente, concedei que, celebrando o natalício de Sta. Tecla, vossa Virgem e Mártir, nos alegremos com a sua festa anual e nos aproveitemos do exemplo de tão grande fé. Por N.S.

Epístola (II Esdras 8, 1-10)

Léctio libri Esdræ.

In diébus illis: Congregátus est omnis pópulus quasi vir unus ad platéam, quæ est ante portam aquárum: et dixérunt Esdræ scribæ, ut afférret librum legis Moysi, quam præcéperat Dóminus Israéli. Attulit ergo Esdras sacérdos legem coram multitúdine virórum et mulíerum, cunctísque qui póterant intellégere, in die prima mensis séptimi. Et legit in eo apérte in platéa, quæ erat ante portam aquárum, de mane usque ad médiam diem, in conspéctu virórum et mulíerum et sapiéntium: et aures omnis pópuli erant eréctæ ad librum. Stetit autem Esdras scriba super gradum lígneum, quem fécerat ad loquendum. Et apéruit librum coram omni pópulo: super univérsum quippe pópulum eminébat: et cum aperuísset eum, stetit omnis pópulus. Et benedíxit Esdras Dómino, Deo magno: et respóndit omnis pópulus: Amen, Amen: élevans manus suas: et incurváti sunt et adoravérunt Deum proni in terram. Porro levítæ siléntium faciébant in pópulo ad audiéndam legem: pópulus autem stabat in gradu suo. Et legérunt in libro legis Dei distíncte et apérte ad intellegéndum: et intellexérunt, cum legerétur. Dixit autem Nehemías, et Esdras sacérdos et scriba, et levítæ interpretántes univérso pópulo: Dies sanctificátus est Dómino, Deo nostro, nolíte lugére et nolíte flere. Et dixit eis: Ite, comédite pínguia et bíbite mulsum, et míttite partes his, qui non præparavérunt sibi: quia sanctus dies Dómini est, et nolíte contristári: gáudium étenim Dómini est fortitúdo nostra

Leitura do livro de Esdras.

Naqueles dias, congregou-se todo o povo como um só homem, na praça que está diante da porta das águas. E disseram a Esdras, o escriba, que trouxesse o livro da lei de Moisés que o Senhor deu como preceito a Israel. O sacerdote Esdras trouxe, pois, a lei para diante da multidão dos homens e das mulheres, e de todos os que a podiam entender, no primeiro dia do sétimo mês. E leu nesse livro, claramente, no meio da praça que fica diante da porta das águas, desde a manhã até o meio dia, na presença dos homens e das mulheres, e dos que podiam compreendê-lo; e todo o povo tinha os ouvidos atentos à leitura do livro. E Esdras, o escriba, pôs-se de pé sobre o estrado de madeira, que mandara fazer para falar. Esdras abriu o livro diante de todo o povo, porque dominava a todos, e logo que o abriu, todo o povo se pôs de pé [em sinal de respeito]. Esdras louvou ao Senhor, o grande Deus; e todo o povo respondeu: Amen, amen, elevando as mãos. Inclinaram-se, e prostrados por terra, adoraram a Deus. Entretanto os levitas faziam o povo ficar em silêncio, para ouvir a lei; e o povo estava de pé em seus lugares. E eles leram no livro da lei de Deus, distinta e claramente para se entender; e o povo entendia quanto se estava lendo. Neemias porém e Esdras, sacerdote e escriba, e os levitas, que interpretavam a lei a todo o povo, disseram: Este dia é consagrado ao Senhor, nosso Deus; não estejais tristes, nem choreis. E disse-lhes: Ide, comei alimentos fortes, tomai bebidas doces e partilhai com os que nada têm preparado para si: porque este é o dia santo do Senhor. Não vos entristeçais; porque a alegria do Senhor é a nossa salvação.

Gradual (Sl 32, 12 e 6)

Beáta gens, cuius est Dóminus Deus eórum: pópulus, quem elégit Dóminus in hereditátem sibi. ℣. Verbo Dómini cœli firmáti sunt: et spíritu oris eius omnis virtus eórum. Feliz a nação cujo Senhor é Deus; e o povo que o Senhor escolheu para sua herança. ℣. Pela palavra do Senhor foram criados os céus, e pelo sopro de sua boca todo o exército das estrelas.

Evangelho (Mc 9, 16-28)

Sequéntia sancti Evangélii secúndum Marcum. 

In illo témpore: Respóndens unus de turba, dixit ad Iesum: Magíster, áttuli fílium meum ad te, habéntem spíritum mutum: qui, ubicúmque eum apprehénderit, allídit illum, et spumat et stridet déntibus et aréscit: et dixi discípulis tuis, ut eiícerent illum, et non potúerunt. Qui respóndens eis, dixit: O generátio incrédula, quámdiu apud vos ero? quámdiu vos pátiar? Afférte illum ad me. Et attúlerunt eum. Et cum vidísset eum, statim spíritus conturbávit illum: et elísus in terram, volutabátur spumans. Et interrogávit patrem eius: Quantum témporis est, ex quo ei hoc áccidit? At ille ait: Ab infántia: et frequénter eum in ignem et in aquas misit, ut eum pérderet. Sed si quid potes, ádiuva nos, misértus nostri. Iesus autem ait illi: Si potes credere, ómnia possibília sunt credénti. Et contínuo exclámans pater pueri, cum lácrimis aiébat: Credo, Dómine: ádiuva incredulitátem meam. Et cum vidéret Iesus concurréntem turbam, comminátus est spirítui immundo, dicens illi: Surde et mute spíritus, ego præcípio tibi, exi ab eo: et ámplius ne intróëas in eum. Et exclámans et multum discérpens eum, éxiit ab eo, et factus est sicut mórtuus, ita ut multi dícerent: Quia mórtuus est. Iesus autem tenens manum eius, elevávit eum, et surréxit. Et cum introísset in domum, discípuli eius secréto interrogábant eum: Quare nos non potúimus eiícere eum? Et dixit illis: Hoc genus in nullo potest exíre nisi in oratióne et jejúnio.

Sequência do Santo Evangelho segundo Marcos.

Naquele tempo, um da multidão, tomando a palavra, disse a Jesus: Mestre, eu Vos trouxe o meu filho que está possesso de um espírito mudo. Este, onde quer que se apodere dele, o lança por terra; e o menino espuma, range com os dentes e vai-se mirrando. Roguei a vossos discípulos que o expelissem e não o puderam. E Ele lhes respondeu: Ó geração incrédula, até quando hei de estar convosco? Até quando vos hei de suportar? Trazei-me o menino. E trouxeram-no. E logo que viu Jesus, o espírito imundo agitou o menino com violência; e, caído por terra, revolvia-se, espumando. Jesus perguntou ao pai dele: Há quanto tempo lhe sucede isto? E este respondeu: Desde a infância; e o demônio tem-no lançado muitas vezes no fogo e na água para o matar. Vós, se podeis alguma coisa, valei-nos, tende compaixão de nós. Jesus lhe disse: Se podeis crer, tudo é possível a quem crê. E imediatamente o pai do menino disse por entre lágrimas: Sim, Senhor, eu creio, auxiliai a minha pouca fé. E Jesus viu que o povo afluía em multidão, e ameaçou o espírito imundo, dizendo-lhe: Ordeno-te, espírito surdo e mudo, sai desse menino, e não tornes a entrar nele. Gritando e agitando-o com violência, o espírito saiu e o menino ficou como morto; de sorte que muitos diziam: Está morto. Jesus porém, tomou-o pela mão, levantou-o e ele se ergueu. E depois que entrou em casa, os seus discípulos perguntaram-Lhe, em segredo: Por que não o pudemos nós expelir? Ele lhes disse: A essa espécie não se pode fazer sair, senão pela oração e pelo jejum.

Ofertório (Sl 118, 47 e 48)

Meditábor in mandátis tuis, quæ diléxi valde: et levábo manus meas ad mandáta tua, quæ diléxi. Medito os vossos mandamentos, que muito amo; e levanto as minhas mãos para cumprir vossos preceitos, que muito prezo.

Secreta

Hæc hóstia, Dómine, quǽsumus, emúndet nostra delícta: et ad sacrifícium celebrándum, subditórum tibi córpora mentésque sanctíficet. Per D.N. Nós Vos rogamos, Senhor, que esta hóstia nos purifique de nossos delitos e santifique os corpos e as almas de vossos servos para dignamente celebrarem este Sacrifício. Por N. S.

2ª Secreta (de S. Lino)

Oblátis munéribus, quǽsumus, Dómine, Ecclésiam tuam benígnus illúmina: ut, et gregis tui profíciat ubique succéssus, et grati fiant nómini tuo, te gubernánte, pastóres. Per D.N. Por estas dádivas, Senhor, iluminai benignamente a vossa Igreja, para que, bem sucedida, progrida vosso rebanho em toda a parte e os pastores por Vós governados se tornem gratos ao vosso Nome. Por N. S.

3ª Secreta (de S. Tecla)

Súscipe, Dómine, múnera, quæ in beátæ Theclæ Vírginis et Mártyris tuæ sollemnitáte deférimus: cuius nos confídimus patrocínio liberári. Per D.N. Recebei, Senhor, os dons que Vos oferecemos na festividade de Santa Tecla, vossa Virgem e Mártir, de cuja proteção esperamos a nossa libertação. Por N. S.

Prefácio (Comum)

℣. Dóminus vobíscum.
℞. Et cum spíritu tuo.
℣. Sursum corda.
℞. Habémus ad Dóminum.
℣. Grátias agámus Dómino Deo nostro.
℞. Dignum et iustum est.
.
Vere dignum et justum est, aequum et salutare, nos Tibi simper, et ubique gratias agere: Domine sancte, Pater omnipotens, aeterne Deus: per Christum Dominum nostrum. Per quem majestatem Tuam laudant Angeli, adorant Dominationes, tremunt Potestates, Coeli, Coelorumque Virtutes, ac beata Seraphim socia exultatione concelebrant. Cum quibus et nostras voces, ut admitti, jubeas, supplici confessione dicentes: Sanctus, Sanctus, Sanctus…
℣. O Senhor seja convosco.
℞. E com o vosso espírito,
℣. Para o alto os corações.
℞. Já os temos para o Senhor,
℣. Demos graças ao Senhor, nosso Deus.
℞. É digno e justo.
.
Verdadeiramente é digno e justo, razoável e salutar, que, sempre e em todo o lugar, Vos demos graças, ó Senhor santo, Paí onipotente, eterno Deus, por Jesus Cristo, Nosso Senhor. É por Ele que os Anjos louvam a vossa Majestade, as Dominações a adoram, tremem as Potestades. Os Céus, as virtudes dos Céus, e os bem-aventurados Serafins a celebram com recíproca alegria. Às suas vozes, nós Vos rogamos, mandeis que se unam as nossas, quando em humilde confissão Vos dizemos: Santo, Santo, Santo…

Comunhão (II Esdras 8, 10)

Comédite pínguia et bíbite mulsum, et míttite partes his, qui non præparavérunt sibi: sanctus enim dies Dómini est, nolíte contristári: gáudium étenim Dómini est fortitúdo nostra. Comei alimentos fortes, tomai bebidas doces e partilhai com os que nada prepararam para si; porque este é o dia santo do Senhor. Não vos entristeçais; porque a alegria do Senhor é a nossa fôrça.

Pós-comunhão

Suméntes, Dómine, dona cœléstia, supplíciter deprecámur: ut, quæ sédula servitúte, donánte te, gérimus, dignis sénsibus tuo múnere capiámus. Per D.N. Recebendo nós, Senhor, os vossos dons celestiais, humildemente Vos rogamos, que por vossa graça possamos receber com as devidas disposições os Mistérios que, auxiliados por Vós, celebramos com fervorosa submissão. Por N. S.

2ª Pós-comunhão (de S. Lino)

Refectióne sancta enutrítam gubérna, quǽsumus, Dómine, tuam placátus Ecclésiam: ut, poténti moderatióne dirécta, et increménta libertátis accípiat et in religiónis integritáte persístat. Per D.N. Senhor, governai benignamente a vossa igreja, agora alimentada com a Refeição Sagrada, para que, sustentada por vosso braço poderoso, venha a crescer em liberdade e perseverar na integridade da religião. Por N. S.

3ª Pós-comunhão (de S. Tecla)

Auxiliéntur nobis, Dómine, sumpta mystéria: et, intercedénte beáta Thecla Vírgine et Mártyre tua, sempitérna fáciant protectióne gaudére. Per D.N. Ajudem-nos, Senhor, os Mistérios que acabamos de receber, e pela intercessão de Santa Tecla, vossa Virgem e Mártir, nos façam gozar de vossa constante proteção. Por N. S.

* Textos extraídos do Missal Quotidiano de D. Beda (1962). 

Comente o post

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: