Liturgia Diária- 13/12/2019

SANTA LUZIA, Virgem e Mártir

Festa de 3ª Classe- Missa “Dilexisti”, com próprios e comemoração da féria

DIA DE ABSTINÊNCIA

Nasceu em Siracusa, na Sicília. Preferindo o amor divino ao amor humano, foi decapitada. Pelos muitos milagres que esta Santa operou, seu auxílio é particularmente implorado nas doenças dos olhos. Seu nome está no Cânon da Missa, depois da elevação, prova da grande veneração de que gozava já nos primeiros tempos do Cristianismo.


Páginas 922 a 924 e 13 a 16 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Missa às 19 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes.


PRÓPRIO DO DIA

Introito (Sl 44, 8 | ib., 2)

Dilexísti justítiam, et odísti iniquitátem: proptérea unxit te Deus, Deus tuus, óleo lætítiæ præ consórtibus tuis. Ps.  Eructávit cor meum verbum bonum: dico ego ópera mea Regi. ℣. Glória Patri… Amastes a justiça e odiastes a iniquidade. Por isto, Deus, o vosso Deus, vos ungiu com óleo de alegria, mais que às vossas companheiras. Sl. Exulta o meu coração em alegre canto: ao Rei dedico as minhas obras. ℣. Glória ao Pai…

Coleta

Exáudi nos, Deus salutáris noster: ut, sicut de beátæ Lúciæ Vírginis et Mártyris tuæ festivitáte gaudémus; ita piæ devotiónis erudiámur afféctu. Per D.N. Ouvi-nos, ó Deus, nosso Salvador, e concedei que assim como nos alegramos com a festividade de Santa Luzia, vossa Virgem, assim sejamos por ela instruídos na verdadeira devoção. Por N.S.

2ª Coleta (da Féria)

Excita, Dómine, corda nostra ad præparándas Unigéniti tui vias: ut per ejus advéntum, purificátis tibi méntibus servíre mereámur. Qui vivis et regnas. Excitai, Senhor, os nossos corações para prepararmos os caminhos do vosso Unigênito, a fim de que, por sua vinda, mereçamos servir-Vos, comias nossas almas purificadas. Vós, que, sendo Deus, viveis e reinais.

Epístola (II Cor 10, 17-18; 11, 1-2)

Léctio Epístolæ beáti Paui Apóstoli ad Corínthios.

Fratres: Qui gloriátur, in Dómino gloriétur. Non enim qui seipsum comméndat, ille probátus est; sed quem Deus comméndat. Utinam sustinerétis módicum quid insipiéntiæ meæ, sed et supportáte me: æmulor enim vos Deo æmulatióne. Despóndi enim vos uni viro vírginem castam exhibére Christo.

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Coríntios.

Irmãos: Aquele que se gloria, glorie-se no Senhor. Porque não é o que se recomenda a si mesmo que é aprovado, mas, sim, aquele que Deus recomenda. Ah! se quisésseis suportar um pouco de loucura de minha parte; mas suportai-me ainda. Porque estou zeloso de vós com zelo de Deus. Com efeito, eu vos desposei com um Esposo único, para vos consagrar ao Cristo como virgem pura.

Gradual (Sl 44, 8 | ib., 3)

Dilexísti justítiam, et odisti iniquitátem. ℣. Propterea unxit te Deus, Deus tuus, óleo lætítæ.

Allelúia, allelúia. ℣. Diffúsa est grátia in lábiis tuis: proptérea benedíxit te Deus in ætérnum. Allelúia.

Amastes a justiça e odiastes a iniquidade. ℣. Por isso Deus, o vosso Deus, vos ungiu com óleo de alegria.

Aleluia, aleluia. ℣. A graça expande-se em vossos lábios: eis porque Deus vos abençoou para sempre. Aleluia. 

Evangelho (Mt 25, 1-13)

Sequéntia sancti Evangélii secúndum Matthaeum.

In illo témpore: Dixit Jesus discípulis suis parabolam hanc: Símile erit regnum caelórum thesáuro abscóndito in agro: quem qui invénit homo, abscóndit, et præ gáudio illíus vadit, et vendit univérsa, quæ habet, et emit agrum illum. Iterum símile est regnum coelórum hómini negotiatóri, quærénti bonas margarítas. Invénta autem una pretiósa margaríta, abiit, et véndidit ómnia quæ hábuit, et emit eam. Iterum símile est regnum coelórum sagénæ missæ in mare, et ex omni génere píscium congregánti. Quam, cum impléta esset, educéntes, et secus littus sedéntes, elegérunt bonos in vasa, malos autem foras misérunt. Sic erit in consummatióne sæculi: exíbunt Angeli, et separábunt malos de médio justórum, et mittent eos in camínum ignis: ibi erit fletus, et stridor déntium. Intellexístis hæc ómnia? Dicunt ei: Etiam. Ait illis: Ideo omnis scriba doctus in regno coelórum símilis, est hómini patrifamilias, qui profert de thesáuro suo nova et vétera.

Sequência do Santo Evangelho segundo Mateus.

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos esta parábola: O Reino dos céus será semelhante a um tesouro escondido num campo. Quem o encontra o esconde, e, contente com o achado, vai e vende tudo o que tem, e compra aquele campo. — O Reino dos céus é também semelhante a um mercador que procurava belas pérolas, e tendo achado uma de grande valor,  foi-se, vendeu tudo o que possuía e a comprou. O Reino dos céus é ainda semelhante a uma rede, que, lançada ao mar, colheu peixes de toda espécie. Quando estava cheia, os pescadores a puxaram para a praia, e sentados ali, escolheram os bons peixes para os vasos e lançaram fora os ruins. Assim será no fim do mundo. Virão os Anjos e separarão os maus do meio dos Justos, e os lançarão na fornalha de fogo. E ali haverá choro e ranger de dentes. Compreendestes tudo isto? Responderam-Lhe: Sim. E Ele continuou: Por esta razão todo escriba instruído no Reino dos céus, é semelhante a um pai de família que tira de seu tesouro coisas novas e velhas.

Ofertório (Sl 44, 15 e 16)

Afferéntur regi vírgines post eam: próximæ ejus afferéntur tibi in lætítia, et exsultatióne: adducéntur in templum regi Dómino. Virgens que a seguem são conduzidas até o Rei; suas companheiras são apresentadas no meio da alegria e do júbilo; são levadas ao templo, ao Rei, o Senhor.

Secreta

Acépta tibi sit, Dómine, sacrátæ plebis oblátio pro tuórum honóre Sanctórum: quorum se méritis de tribulatióne percepísse cognóscit auxílium. Per D.N. Seja agradável aos vossos olhos, Senhor, esta oferenda que o vosso povo fiel Vos apresenta em honra de vossos Santos; por seus méritos reconhece ter alcançado socorro na tribulação. Por N.S.

2ª Secreta (da Féria)

Placáre, quæsumus Dómine, humilitátis nostræ précibus et hóstiis: et ubi nulla súppetunt suffrágia meritórum, tuis nobis succúrre præsídiis. Per D. N. Nós Vos suplicamos, Senhor, que Vos aplaqueis com as nossas humildes preces e sacrifícios e que o socorro de vossos auxílios supra a falta de nossos méritos. Por N. S.

Prefácio (Comum)

℣. Dóminus vobíscum.
℞. Et cum spíritu tuo.
℣. Sursum corda.
℞. Habémus ad Dóminum.
℣. Grátias agámus Dómino Deo nostro.
℞. Dignum et iustum est.
.
Vere dignum et justum est, aequum et salutare, nos Tibi simper, et ubique gratias agere: Domine sancte, Pater omnipotens, aeterne Deus: per Christum Dominum nostrum. Per quem majestatem Tuam laudant Angeli, adorant Dominationes, tremunt Potestates, Coeli, Coelorumque Virtutes, ac beata Seraphim socia exultatione concelebrant. Cum quibus et nostras voces, ut admitti, jubeas, supplici confessione dicentes: Sanctus, Sanctus, Sanctus…
℣. O Senhor seja convosco.
℞. E com o vosso espírito,
℣. Para o alto os corações.
℞. Já os temos para o Senhor,
℣. Demos graças ao Senhor, nosso Deus.
℞. É digno e justo.
.
Verdadeiramente é digno e justo, razoável e salutar, que, sempre e em todo o lugar, Vos demos graças, ó Senhor santo, Paí onipotente, eterno Deus, por Jesus Cristo, Nosso Senhor. É por Ele que os Anjos louvam a vossa Majestade, as Dominações a adoram, tremem as Potestades. Os Céus, as virtudes dos Céus, e os bem-aventurados Serafins a celebram com recíproca alegria. Às suas vozes, nós Vos rogamos, mandeis que se unam as nossas, quando em humilde confissão Vos dizemos: Santo, Santo, Santo…

Comunhão (Sl 118, 161-162)

Príncipes persecúti sunt me gratis, et a verbis tuis formidávit cor meum: lætábor ego super elóquia tua, quasi qui invénit spólia multa. Os príncipes me perseguiram sem razão; meu coração, porém, só temeu as vossas palavras. Eu me alegro com as vossas promessas, como quem encontra muitos despojos.

Pós-comunhão

Satiásti, Dómine, famíliam tuam munéribus sacris: eius, quǽsumus, semper interventióne nos réfove, cuius sollémnia celebrámus. Per D.N. Saciastes, Senhor, a vossa família, com os vossos Dons sagrados; rogamo-Vos, pois, que nos favoreçais sempre pela intercessão da Santa cuja festa celebramos. Por N. S.

2ª Pós-comunhão (da Féria)

Repléti cibo Spíritualis alimóniæ, súpplices te, Dómine, deprecámur, ut hujus participatióne mystéerii, dóceas nos terréna despícere, et amáre Cæléstia. Per D.N.  Saciados, Senhor, com o alimento espiritual, humildemente Vos suplicamos que, pela participação deste Mistério, nos ensineis a desprezar os bens terrestres e a amar os celestes. Por N. S.

Traduções e comentários extraídos do Missal Quotidiano de D. Beda (1947/1962).

Comente o post

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: