Liturgia Diária- Dia de Finados

1ª Classe- Missa própria

Muitas vezes, em suas Orações, lembra-se a Santa Igreja dos irmãos que já passaram desta vida para a eternidade, daqueles que ainda sofrem e se purificam de suas faltas, imperfeições e penas dos pecados. Por maior que seja a solenidade nunca se esquece deles nos Ofícios divinos e no Santo Sacrifício da Missa.

No dia dedicado especialmente à memoria dos finados, todos os Sacerdotes celebram três Missas.

[…] Predominam nestas Missas pelos mortos, dois pensamentos principais: 1. a fé na ressurreição da carne (Introito, Epístola, Gradual, Evangelho e Prefácio); 2. o zelo pelas almas, pela libertação de suas penas (Oração, Trato, Sequência e Ofertório).

O melhor meio de se ajudar a uma alma é mandar celebrar a Santa Missa ou assisti-la em sua intenção.

Jesus, o Sumo Sacerdote, se oferece pela alma de uma maneira mística, para que sejam apagadas as suas culpas, mitigadas as suas dores e para que ela alcance a luz perpétua, a visão beatífica de Deus.


Páginas 1366, 1484 a 1487 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Missa às 09:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes.



PRÓPRIO DO DIA

Introito (IV Es 2, 34.35 | Sl 64, 2-3) (Áudio)

Requiem æternam dona eis Domine: et lux perpetua luceat eis. Ps. Te decet hymnus Deus in Sion, et tibi reddetur votum in Jerusalem: exaudi orationem meam, ad te omnis caro veniet. Requiem æternam… Descanso eterno daí-lhes, Senhor; e a luz perpétua os ilumine. Sl. A Vós, ó Deus, devemos dirigir o nosso louvor, em Sião,- a Vós pagaremos o voto, em Jerusalém. Ouvi a minha oração; a Vós virá toda a carne. (Repete-se:) Descanso eterno..

Coleta

Fidelium, Deus, omnium Conditor et Redemptor, animabus famulorum famularumque tuarum remissionem cunctorum tribue peccatorum: ut indulgentiam, quam semper optaverunt, piis supplicationibus consequantur : Qui vivis et regnas. Ó Deus, Criador e Redentor de todos os fiéis, concedei às almas de vossos servos e servas, a remissão de todos os pecados, a fim de que alcancem o perdão que sempre esperaram de vossa misericórdia, pelas nossas humildes orações. Vós que, sendo Deus, viveis.

Epístola (I Cor, 15, 51-57)

Léctio Epistolæ beati Pauli Apostoli ad Corinthios.

Fratres: Ecce mysterium vobis dico: Omnes quidem resurgemus, sed non omnes immutabimur. In momento, in ictu oculi, in novissima tuba: canet enim tuba, et mortui resurgent incorrupti: et nos immutabimur. Oportet enim corruptibile hoc induere incorruptionen; et mortale hoc induere immortalitatem. Cum autem mortale hoc induerit immortalitatem, tunc fiet sermo qui scriptus est : Absorpta est mors in victoria. Ubi est mors victoria tua? Ubi est mors stimulus tuus? Stimulus autem mortis peccatum est: virtus vero peccati lex. Deo autem gratias, qui dedit nobis victoriam per Dominum nostrum Jesum Christum.

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Coríntios.

Irmãos: Eis um mistério que vos revelo: Todos ressuscitaremos com certeza, porém não seremos todos transformados. Num momento isto se fará, em um abrir e fechar de olhos, ao som da última trombeta; a trombeta soará e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e também nós seremos transformados. É necessário realmente que este corrutível [o corpo] se revista de incorruptibilidade, e que este mortal [o corpo] se revista de imortalidade. Quando este corpo mortal se revestir de imortalidade, então se cumprirá a palavra que está escrita: A morte foi tragada pela vitória. Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão? Ora, o aguilhão da morte é o pecado e a fôrça do pecado é a lei. Graças sejam dadas a Deus que nos deu a vi Cristo.

Gradual (IV Es 2, 34.35; Sl 111,7 | -) (Áudio- 1) (Áudio – 2)

Requiem æternam dona eis Domine: et lux perpetua luceat eis. ℣. In memoria æterna erit justus: ab auditione mala non timebit.

Absolve, Domine, animas omnium fidelium defunctorum ab omni vinculo delictorum ℣. Et gratia tua illis succurrente, mereantur evadere judicium ultionis ℣. Et lucis æternæ beatitudine perfrui.

Descanso eterno dai-lhes, Senhor; e a luz perpétua os ilumine. ℣. Em memória eterna estará o Justo; e não receará os maus ditos dos homens.

Absolvei, Senhor, as almas de todos os fiéis defuntos de todos os vínculos de seus delitos. ℣. E com o auxílio de vossa graça, concedei que mereçam escapar ao juízo da vingança. ℣. E gozem da bem-aventurança da eterna luz.

Sequência (Século XII-XIII) (Áudio)

Dies iræ, dies illa,
Solvet sæclum in favilla,
Teste David cum Sibylla.
.
Quantus tremor est futurus,
Quando judex est venturus,
Cuncta stricte discussurus!
.
Tuba mirum spargens sonum
Per sepulcra regionum,
Coget omnes ante thronum.
.
Mors stupebit et natura,
Cum resurget creatura,
Judicanti responsura.
.
Liber scriptus proferetur,
In quo totum continetur,
Unde mundus judicetur.
.
Judex ergo cum sedebit,
Quidquid latet apparebit,
Nil inultum remanebit.
.
Quid sum miser tunc dicturus?
Quem patronum rogaturus?
Cum vix justus sit securus.
.
Rex tremendæ majestatis,
Qui salvandos salvas gratis,
Salva me, fons pietatis.
.
Recordáre, Jesu pie,
Quod sum causa tuæ viæ,
Ne me perdas illa die.
.
Quærens me sedisti lassus,
Redemisti crucem passus,
Tantus labor non sit cassus.
.
Juste judex ultionis,
Donum fac remissionis,
Ante diem rationis.
.
Ingemisco, tamquam reus,
Culpa rubet vultus meus,
Supplicanti parce Deus.
.
Qui Mariam absolvisti,
Et latronem exaudisti,
Mihi quoque spem dedisti.
.
Preces meæ non sunt dignæ,
Sed tu bonus fac benigne,
Ne perenni cremer igne.
.
Inter oves locum præsta,
Et ab hædis me sequestra,
Statuens in parte dextra.
.
Confutatis maledictis,
Flammis acribus addictis,
Voca me cum benedictis.
.
Oro supplex et acclinis,
Cor contritum quasi cinis :
Gere curam mei finis.
.
Lacrimosa dies illa,
Qua resurget ex favilla.
Judicandus homo reus :
.
Huic ergo parce Deus.
Pie Jesu Domine,
Dona eis requiem.
.
Amen.
Dia de ira, aquele dia:
Tudo será cinza fria.
Diz Davi, diz a Sibila.
.
Quanto tremor há de haver,
Quando o Juiz aparecer
Para tudo examinar.
.
Correrão todos ao trono,
Quando em meio ao eterno sono
Soar terrível trombeta.
.
A morte e o mundo se espantam:
As criaturas levantam
Para responder ao Juiz.
.
Um livro será trazido,
No qual tudo está contido,
Onde o mundo está julgado.
.
Logo que o Juiz se ausente,

O oculto será patente,
Nada impune ficará.
.
Pobre de mim, que farei?
Que patrono rogarei,
Se o próprio Justo se inquieta?
.
Rei de horrível majestade,
Que salvais só por piedade,
Só por graça, me salvai.
.
Recordai, ó bom Jesus,
Fui causa de vossa Cruz;
Não me percais nesse dia.
.
A buscar-me, Vos cansastes,
Pela luz me resgatastes,
Não seja vã vossa obra.
.
Juiz do justo castigo,
Piedoso para comigo,
Perdoai-me antes do dia.
.
O meu rosto se enrubesce
Como o do réu. Minha prece
Ouvi, ó Deus, e poupai-me.
.
A Maria perdoando
E ao bom-ladrão escutando,
Esperança vós me destes.
.
Meu pedido não é digno,
Mas Vós, Senhor, sois benigno:
Não me queime o fogo eterno.
.
No rebanho, dai-me abrigo,
Sequestrai-me do inimigo,
À direita colocai-me.
.
Os malditos condenados
A eterna chama votados,
Entre os benditos, chamai-me.
.
Do meu coração contrito,
Senhor, escutai o grito:
Tomai conta do meu fim.
.
Lacrimoso aquele dia,
Quando em meio a cinza fria,
Levantar-se o homem, réu.
.
Poupai-o, então, Deus do céu:
Bom Senhor, Jesus piedoso,
Dai-lhes o eterno repouso.
.
Amen.

Evangelho (Jo 5, 25-29)

Sequéntia sancti Evangélii secúndum Joánnem.

In illo tempore: Dixit Jesus turbis Judæorum: Amen, amen dico vobis, quia venit hora, et nunc est, quando mortui audient vocem Filii Dei: et qui audierent, vivent. Sicut enim Pater habet vitam in semetipso, sic dedit et Filio habere vitam in semetipso: et potestatem dedit ei judicium facere, quia filius hominis est. Nolite mirari hoc, quia venit hora, in qua omnes, qui in monumentis sunt, audient vocem Filii Dei: et procedent, qui bona fecerunt, in resurrectionem vitæ: qui vero mala egerunt, in resurrectionem judicii.

Sequência do Santo Evangelho segundo João.

Naquele tempo, disse Jesus às turbas dos judeus: Em verdade, em verdade, eu vos digo, vem a hora e já é chegada, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus; e os que a ouvirem terão vida. Assim como o Pai tem a vida em Si mesmo, assim deu ao Filho o poder de ter a vida em Si mesmo; e deu-Lhe o poder de julgar, porque é Filho do homem. Não vos surpreendais com isto, porque virá a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a voz do Filho de Deus; os que fizeram o bem, ressurgirão para a Vida, mas os que praticaram o mal ressurgirão para serem condenados.

Ofertório (Áudio)

Domine Jesu Christe, Rex gloriæ, libera animas omnium fidelium defunctorum de pœnis inferni, et de profundo lacu: libera eas de ore leonis, ne absorbeat eas tartarus, ne cadant in obscurum: sed signifer sanctus Michael repræsentet eas in lucem sanctam: Quam olim Abrahæ promisisti, et semini ejus. ℣. Hostias et preces tibi Domine laudis offerimus : tu suscipe pro animabus
illis, quarum hodie memoriam facimus: fac eas, Domine, de morte transire ad vitam. Quam olim Abrahæ promisisti, et semini ejus.
Senhor Jesus Cristo, Rei da glória, livrai as almas de todos os fiéis defuntos das penas do inferno e do lago profundo. Livrai-as das fauces do leão; o abismo não as trague e não caíam nas profundezas tenebrosas, mas o Arcanjo S. Miguel, que empunha o estandarte divino, queira conduzi-las para a luz santa, que outrora prometestes a Abraão e à sua posteridade. ℣. Hóstias e preces de louvor, nós Vos oferecemos, Senhor; recebei-as pelas almas que hoje rememoramos; fazei-as passar, Senhor, da morte para a vida, que outrora prometestes a Abraão e à sua posteridade.

Secreta

Hostia, quæsumus, Domine, quas tibi pro animabus famulorum famularumque tuarum offerimus, propitiatus intende : ut quibus fidei Christianæ meritum contulisti, dones et præmium. Per D. N. Nós Vos suplicamos, Senhor, aceitai, benigno, esta hóstia que Vos oferecemos, como sacrifício propiciatório, pelas almas de vossos servos e servas, a fim de que lhes concedais a recompensa, depois de
lhes terdes outorgado o mérito da fé cristã. Por N. S.

Prefácio (Comum)

℣. Dóminus vobíscum.
℞. Et cum spíritu tuo.
℣. Sursum corda.
℞. Habémus ad Dóminum.
℣. Grátias agámus Dómino Deo nostro.
℞. Dignum et iustum est.
.
Vere dignum et justum est, æquum et salutare, nos tibi semper, et ubique gratias agere: Domine sancte, Pater omnipotens, æterne Deus: per Christum Dominum nostrum. In quo nobis spes beatæ resurrectionis effulsit: ut quos contristat certa moriendi conditio, eosdem consoletur futuræ immortalitatis promissio. Tuis enim fidelibus, Domine, vita mutatur, non tollitur: et dissoluta terrestris hujus incolatus domo, æterna in cælis habitatio comparatur. Et ideo cum Angelis et Archangelis, cum Thronis et Dominationibus, cumque omni militia cælestis exercitus, hymnum gloriæ tuæ canimus, sine fine dicentes: Sanctus, Sanctus, Sanctus…
℣. O Senhor seja convosco.
℞. E com o vosso espírito,
℣. Para o alto os corações.
℞. Já os temos para o Senhor,
℣. Demos graças ao Senhor, nosso Deus.
℞. É digno e justo.
.
Verdadeiramente é digno e justo, razoável e salutar, que sempre e em todo o lugar, Vos demos graças, ó Senhor santo, Pai onipotente e eterno Deus, por Jesus Cristo, Nosso Senhor. N’Ele é que brilha para nós a esperança da feliz ressurreição, de sorte que os mesmos que se entristecem na certeza da morte, sentem-se consolados com a promessa da imortalidade futura. A vossos fiéis servos, Senhor, a vida não é arrebatada, mas somente mudada, e, desfeita esta morada terrestre, adquirem uma eterna mansão nos céus. E por isso, com os Anjos e os Arcanjos, com os Tronos e as Dominações, e com toda a milícia do exército celestial cantamos hinos à vossa glória, dizendo sem fim: Santo, Santo, Santo…

Comunhão (IV Es 2, 35 e 34) (Áudio)

Lux æterna luceat eis, Domine: Cum sanctis tuis in æternum, quia pius es. ℣. Requiem æternam dona eis Domine, et lux perpetua luceat eis. Cum sanctis tuis in æternum, quia pius es. A luz eterna os ilumine, ó Senhor, com os vossos Santos, em todos os séculos; porque sois misericordioso. ℣. Descanso eterno, dai-lhes, Senhor, e a luz perpétua os ilumine. Com os vossos Santos, em todos os porque sois misericordioso.

Pós-comunhão

Animabus, quæsumus, Domine, famulorum famularumque tuarum oratio proficiat supplicantium : ut eas et a peccatis omnibus exuas, et
tuæ redemptionis facias esse participes : Qui vivis et regnas.
Concedei-nos, Senhor, sejam as nossas súplicas proveitosas às almas de vossos servos e servas, a fim de que, livres de seus pecados, possam participar dos frutos da redenção. Vós, que sendo Deus, viveis e reinais.

Traduções e comentários extraídos do Missal Quotidiano de D. Beda (1947/1962).

Comente o post

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: