Liturgia Diária- Segunda-feira Santa

Féria de 1ª Classe- Missa Própria – Estação em S. Praxedes

O Salvador se prepara para sua Paixão (Cânticos). Enquanto Judas se resolve a trair Jesus, Maria Madalena unge o Mestre querido “para a sepultura”. Também nós podemos seguir o exemplo de Maria, ungindo os pés do Salvador, o que, no dizer de Santo Agostinho, significa: “Cuidar dos pobres e levar uma vida santa”. A santa Padroeira da igreja estacional é outro exemplo para nós, pois, distribuiu todos os seus bens pelos pobres.


Páginas 350 a 353 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Missa às 18 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes.


PRÓPRIO DO DIA

Introito (Sl 34, 1-2 | ib., 3)

Júdica, Dómine, nocéntes me, expúgna impugnántes me: apprehénde arma et scutum, et exsúrge in adjutórium meum, Dómine, virtus salútis meæ. Ps. Effúnde frámeam, et conclúde advérsus eos, qui persequúntur me: dic ánimæ meæ: Salus tua ego sum. Júdica, Dómine Julgai, Senhor, aos que me fazem mal; vencei aqueles que me combatem! Tomai as armas e o escudo, e erguei-Vos em meu auxílio, Senhor, minha força e minha salvação. Sl. Tirai a espada e cortai a passagem aos que me perseguem. Dizei à minha alma: Eu sou a tua salvação — Julgai-me, Senhor…

Coleta

Da, quǽsumus, omnípotens Deus: ut, qui in tot advérsis ex nostra infirmitáte defícimus; intercedénte unigéniti Fílii tui passióne respirémus: Qui tecum vivit et regnat. Ó Deus onipotente, desde que nossa fraqueza sucumbe no meio de tantas adversidades, concedei-nos novo alento, Vos pedimos, pelos méritos da Paixão de vosso Filho Unigênito, que, sendo Deus, convosco vive e reina.

Epístola (Is 50, 5-10)

Léctio Isaíæ Prophétæ.

In diébus illis: Dixit Isaías: Dóminus Deus apéruit mihi aurem, ego autem non contradíco: retrórsum non ábii. Corpus meum dedi percutiéntibus et genas meas velléntibus: fáciem meam non avérti ab increpántibus et conspuéntibus in me. Dóminus Deus auxiliátor meus, ideo non sum confúsus: ídeo posui fáciem meam ut petram duríssimam, et scio, quóniam non confúndar. Juxta est, qui justíficat me, quis contradícet mihi? Stemus simul, quis est adversárius meus? Accédat ad me. Ecce, Dóminus Deus auxiliátor meus: quis est, qui condémnet me? Ecce, omnes quasi vestiméntum conteréntur, tinea cómedet eos. Quis ex vobis timens Dóminum, áudiens vocem servi sui? Qui ambulávit in ténebris, et non est lumen ei, speret in nómine Dómini, et innitátur super Deum suum

Leitura do Profeta Isaías.

Naqueles dias, assim falou Isaías [Cristo]: O Senhor Deus abriu-me os ouvidos e eu não O contradigo: não retrocedi. Abandonei meu corpo àqueles que me batiam e a minha face aos que me arrancavam a barba, e não desviei o meu rosto dos que me cobriam de insultos e cusparadas. O Senhor Deus é o meu defensor; eis porque não serei confundido; por isso tornei o meu rosto qual pedra duríssima e sei que não serei envergonhado. junto a mim está quem me justifica; quem há de me contradizer? Compareçamos juntos; quem é meu adversário ? Chegue-se ele a mim. O Senhor Deus é meu auxílio; quem me poderá condenar ? Eis que todos [os meus inimigos] se gastarão como vestes; serão roídos pela traça. Quem, dentre Vós, teme o Senhor e ouve a voz de seu servo ? O que anda nas trevas e não tem luz confie no Nome do Senhor e se apoie em seu Deus.

Gradual (Sl 34, 23 e 3) 

Exsúrge, Dómine, et inténde judício meo, Deus meus et Dóminus meus, in causam meam. ℣. Effúnde frámeam, et conclúde advérsus eos, qui me persequúntur.

Levantai-Vos, Senhor, e atendei ao meu direito; meu Deus e meu Senhor, defendei a minha causa. ℣. Tirai a espada, e cortai a passagem aos que me perseguem.

Trato (Sl 102, 10 | Sl 78, 8-9)

Dómine, non secúndum peccáta nostra, quæ fécimus nos: neque secúndum iniquitátes nostras retríbuas nobis. ℣. Dómine, ne memíneris iniquitátum nostrarum antiquarum: cito antícipent nos misericórdiæ tuæ, quia páuperes facti sumus nimis. (Hic genuflectitur) ℣. Adjuva nos, Deus, salutáris noster: et propter glóriam nóminis tui, Dómine, libera nos: et propítius esto peccátis nostris, propter nomen tuum.

Senhor, não nos trateis segundo os pecados que cometemos, nem nos castigueis como merecem as nossas iniquidades. ℣. Senhor, não Vos recordeis de nossos antigos delitos. Venham depressa ao nosso encontro vossas misericórdias, porque fomos reduzido à extrema miséria. (Todos se ajoelham) ℣. Ajudai-nos, ó Deus, salvação nossa, e para glória de vosso Nome, livrai-me, Senhor; e perdoai-nos os nossos pecados, para honra de vosso Nome.

Evangelho (Jo 12, 1-9)

Sequéntia sancti Evangélii secúndum Joánnem.

Aite sex dies Paschæ venit Jesus Bethániam, ubi Lázarus fúerat mórtuus, quem suscitávit Jesus. Fecérunt autem ei cenam ibi: et Martha ministrábat, Lázarus vero unus erat ex discumbéntibus cum eo. María ergo accépit libram unguénti nardi pístici pretiósi, et unxit pedes Jesu, et extérsit pedes ejus capíllis suis: et domus impléta est ex odóre unguénti. Dixit ergo unus ex discípulis ejus, Judas Iscariótes, qui erat eum traditúrus: Quare hoc unguéntum non véniit trecéntis denáriis, et datum est egénis? Dixit autem hoc, non quia de egénis pertinébat ad eum, sed quia fur erat, et lóculos habens,  ea, quæ mittebántur, portábat. Dixit ergo Jesus: Sínite illam, ut in diem sepultúræ meæ servet illud. Páuperes enim semper habétis vobíscum: me autem non semper habétis. Cognóvit ergo turba multa ex Judǽis, quia illic est: et venérunt, non propter Jesum tantum, sed ut Lázarum vidérent, quem suscitávit a mórtuis.

Sequência do Santo Evangelho segundo João.

Seis dias antes da Páscoa, veio Jesus a Betânia, onde morrera Lázaro, a quem Jesus ressuscitara. Ofereceram-Lhe ali uma ceia. Marta servia e Lázaro fazia parte dos que comiam à mesa com Ele. Maria tomou então uma libra de bálsamo verdadeiro, de nardo, de grande valor, ungiu os pés de Jesus, e enxugou-os com os seus cabelos, ficando toda a casa perfumada pelo bálsamo. Disse então um dos discípulos de Jesus, Judas Iscariotes, o que O havia de trair: Por que não se vendeu este bálsamo por trezentos dinheiros, para se dar [o dinheiro] aos pobres? Disse ele isto, não porque tivesse pena dos pobres, mas porque era ladrão, e tendo a bolsa, tirava para si o que se lançava na mesma. Mas Jesus lhe disse: Deixai-a, para que ela o faça para o dia de minha sepultura. Pobres sempre os tereis entre vós, porém a Mim nem sempre tereis. Muitos judeus souberam que Jesus ali estava e vieram não somente por causa d’Ele, como ainda para ver a Lázaro a quem Ele havia ressuscitado dentre os mortos.

Ofertório (Sl 142, 9-10)

Eripe me de inimícis meis, Dómine: ad te confúgi, doce me fácere voluntátem tuam: quia Deus meus es tu. Livrai-me de meus inimigos Senhor; junto de Vós me refugio; ensinai-me a fazer a vossa vontade, porque Vós sois o meu Deus.

Secreta

Hæc sacrifícia nos, omnípotens Deus, poténti virtúte mundátos, ad suum fáciant purióres veníre princípium. Per D.N. Ó Deus onipotente, como fomos purificados pela poderosa força deste Sacrifício, fazei que nos aproximemos cada vez mais puros d’Aquele que é o seu Autor. Por N.S.

Prefácio (da Santa Cruz)

Vere dignum et justum est, æquum et salutáre, nos tibi semper et ubíque grátias ágere: Dómine sancte, Pater omnípotens, ætérne Deus: Qui salútem humáni géneris in ligno Crucis constituísti: ut, unde mors oriebátur, inde vita resúrgeret: et, qui in ligno vincébat, in ligno quoque vincerétur: per Christum, Dóminum nostrum. Per quem majestátem tuam laudant Angeli, adórant Dominatiónes, tremunt Potestátes. Cœli cœlorúmque Virtútes ac beáta Séraphim sócia exsultatióne concélebrant. Cum quibus et nostras voces ut admítti júbeas, deprecámur, súpplici confessióne dicéntes:

Sanctus, Sanctus, Sanctus…

Verdadeiramente é digno e justo, razoável e salutar, que sempre e em todo o lugar, Vos demos graças, ó Senhor santo, Pai onipotente, eterno Deus, que estabelecestes no madeiro da Cruz a salvação do gênero humano, para que renascesse a vida de onde se originara a morte, e o que no lenho vencera, no lenho fosse vencido por Jesus Cristo, Nosso Senhor. Por Ele louvam os Anjos a vossa Majestade, as Dominações a adoram, tremem as Potestades. Os Céus, as Virtudes dos Céus, e os bem-aventurados Serafins a celebram com recíproca alegria. As suas vozes, nós Vos rogamos, mandeis que se unam as nossas, quando, em humilde confissão, Vos dizemos:

Santo, Santo, Santo…

Comunhão (Sl 34, 26) 

Erubéscant et revereántur simul, qui gratulántur malis meis: induántur pudóre et reveréntia, qui malígna loquúntur advérsus me. Cubram-se de vergonha e de confusão todos os que se alegram de meus males. Sejam envergonhados e confundidos os que falam contra mim.

Pós-comunhão

Prǽbeant nobis, Dómine, divínum tua sancta fervórem: quo eórum páriter et actu delectémur et fructu. Per D.N. Vossos santos Mistérios, ó Senhor, inspirem às nossas almas um fervor divino que nos faça encontrar as nossas delícias em sua celebração como em seus frutos. Por N. S.

Oração 

Super populum: Orémus. Humiliáte cápita vestra Deo.

Adjuva nos, Deus, salutáris noster: et ad benefícia recolénda, quibus nos instauráre dignátus es, tríbue veníre gaudéntes. Per D.N.

Sobre o povo: Oremos. Humilhai as vossas cabeças diante de Deus.

Socorrei-nos, ó Deus, nosso Salvador, e dai-nos a graça de celebrarmos com alegria o aniversário dos benefícios com que Vos dignastes regenerar-nos. Por N. S.


Traduções e comentários extraídos do Missal Quotidiano de D. Beda (1947).

Comente o post

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: