Liturgia Diária- 04/07/2018

MISSA DA FÉRIA

Féria de 4ª Classe- Missa comum do VI Domingo depois de Pentecostes

“O Senhor é uma força para o seu povo!”. Canto magnífico de alegria e de máscula segurança, em que o povo cristão exprime, mais uma vez, a sua confiança e firmeza. O gradual, o aleluia, o ofertório, fazem eco a este belo cântico de entrada. A epístola e o evangelho põem-nos na presença de nossa condição de batizados. Mortos para o pecado no batismo, temos que viver uma vida nova, em que o pecado não mais deveria encontrar lugar. É a vida de Cristo, que deve regular doravante a nossa e elevá-la para Deus, sem compromisso com o passado de escravo, de que Ele nos libertou. Mas esta exigência de santidade seria irrealizável e a nossa marcha para Deus impossível de aguentar, se a graça não nos viesse em auxílio, para nos outorgar as forças necessárias. Entre os socorros sobrenaturais, que nos são prodigalizados, e cujos benefícios a missa hoje celebra, a Eucaristia é o primeiro de todos. A multiplicação dos pães, que anunciava, mostra-nos o pão quotidiano da nossa vida cristã, o alimento substancial, que nos deve nutrir as forças, para seguir, “sem desfalecer no caminho”. 


LEITURAS

Epístola (Rm 6,3-11)


Unindo-o a Cristo, o batismo transformou o cristão num ser novo, que, sob pena de apostasia, deve conformar a sua vida com a do próprio Cristo.


Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Romanos. 

Irmãos: Nós todos, que fomos batizados em Jesus Cristo, fomos batizados na sua morte. Fomos, pois, sepultados com ele na sua morte pelo batismo para que, como Cristo ressurgiu dos mortos pela glória do Pai, assim nós também vivamos uma vida nova. Se fomos feitos o mesmo ser com ele por uma morte semelhante à sua, sê-lo-emos igualmente por uma comum ressurreição. Sabemos que o nosso velho homem foi crucificado com ele, para que seja reduzido à impotência o corpo (outrora) subjugado ao pecado, e já não sejamos escravos do pecado. (Pois quem morreu, libertado está do pecado.) Ora, se morremos com Cristo, cremos que viveremos também com ele, pois sabemos que Cristo, tendo ressurgido dos mortos, já não morre, nem a morte terá mais domínio sobre ele. Morto, ele o foi uma vez por todas pelo pecado; porém, está vivo, continua vivo para Deus! Portanto, vós também considerai-vos mortos ao pecado, porém vivos para Deus, em Cristo Jesus.

Evangelho (Mc 8,19)


“Elias, fortificado com o alimento, que um anjo lhe ministrou, caminho durante quarenta dias…; mas vós, alimentados por Jesus, caminhareis até à vossa entrada na pátria dos santos” (Santo Ambrósio, em matinas).


Sequência do Santo Evangelho segundo Marcos.

Naqueles dias, como fosse numerosa a multidão, e não tivessem o que comer, Jesus convocou os discípulos e lhes disse: Tenho compaixão deste povo. Já há três dias perseveram comigo e não têm o que comer. Se os despedir em jejum para suas casas, desfalecerão no caminho; e alguns deles vieram de longe! Seus discípulos responderam-lhe: Como poderá alguém fartá-los de pão aqui no deserto? Mas ele perguntou-lhes: Quantos pães tendes? Sete, responderam. Mandou então que o povo se assentasse no chão. Tomando os sete pães, deu graças, partiu-os e entregou-os a seus discípulos, para que os distribuíssem e eles os distribuíram ao povo. Tinham também alguns peixinhos. Ele os abençoou e mandou também distribuí-los. Comeram e ficaram fartos, e dos pedaços que sobraram levantaram sete cestos. Ora, os que comeram eram cerca de quatro mil pessoas. Em seguida, Jesus os despediu.

Comente o post

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: