Liturgia Diária- 31/03/2020

TERÇA-FEIRA DA SEMANA DA PAIXÃO

Féria de 3ª Classe- Missa Própria – Estação em S. Ciríaco

Daniel na cova dos leões (Leitura) é uma figura do Cristo (Evangelho) e de todos os que sofrem por Deus. O Deus de Israel nos salvará de todas as angústias (Communio).


Páginas 303 a 307 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


PRÓPRIO DO DIA

Introito (Sl 26, 14 | ib., 1)

Exspécta Dóminum, viríliter age: et confortétur cor tuum, et sústine Dóminum. Ps. Dóminus illuminátio mea et salus mea: quem timebo? Exspécta Dóminum… Espera no Senhor, e age virilmente; conforte-se o teu coração; espera no Senhor. Sl. O Senhor é minha Luz e minha Salvação: a quem temerei? — Espera no Senhor…

Coleta

Nostra tibi, Dómine, quǽsumus, sint accepta jejúnia: quæ nos et expiándo grátia tua dignos effíciant; et ad remédia perdúcant ætérna. Per D.N. Nós Vos suplicamos, Senhor, fazei com que, em expiação de nossos pecados, Vos sejam agradáveis os nossos jejuns, e fazendo-nos dignos de vossa graça nos conduzam às da salvação eterna. Por N. S.

Epístola (Dn 14, 27 e 28-42)

Léctio Daniélis Prophétae.

In diébus illis: Congregáti sunt Babylónii ad regem, et dixérunt ei: Trade nobis Daniélem, qui Bel destrúxit et dracónem interfecit, alioquin interficiémus te et domum tuam. Vidit ergo rex, quod irrúerent in eum veheménter: et necessitáte compúlsus trádidit eis Daniélem. Qui misérunt eum in lacum leónum, et erat ibi diébus sex. Porro in lacu erant leónes  septem, et dabántur eis duo córpora cotídie et duæ oves: et tunc non data sunt eis, ut devorárent Daniélem. Erat autem Hábacuc prophéta in Judǽa, et ipse cóxerat pulméntum, et intríverat panes in alvéolo: et ibat in campum, ut ferret messóribus. Dixítque Angelus Dómini ad Hábacuc: Fer prándium, quod habes, in Babylónem Daniéli, qui est in lacu leónum. Et dixit Hábacuc: Dómine, Babylónem non vidi, et lacum néscio. Et apprehéndit eum Angelus Dómini in vértice ejus, et portávit eum capíllo cápitis sui, posuítque eum in Babylóne supra lacum in ímpetu spíritus sui. Et clamávit Hábacuc, dicens: Dániel, serve Dei, tolle prándium, quod misit tibi Deus. Et ait Dániel: Recordátus es mei, Deus, et non dereliquísti diligéntes te. Surgénsque Daniel comédit. Porro Angelus Dómini restítuit Hábacuc conféstim in loco suo. Venit ergo rex die séptimo, ut lugéret Daniélem: et venit ad lacum et introspéxit, et ecce Dániel sedens in médio leónum. Et exclamávit voce magna rex, dicens: Magnus es, Dómine, Deus Daniélis. Et extráxit eum de lacu leónum. Porro illos, qui perditiónis ejus causa fúerant, intromísit in lacum, et devoráti sunt in moménto coram eo. Tunc rex ait: Páveant omnes habitántes in univérsa terra Deum Daniélis: quia ipse est salvátor, fáciens signa et mirabília in terra: qui liberávit Daniélem de lacu leónum.

Leitura do Profeta Daniel.

Naqueles dias, reuniram-se os Babilônios e foram ter com o rei. E disseram-lhe: Entrega-nos Daniel, que destruiu Bel e matou o dragão; de outro modo, nós te mataremos e à tua casa. Viu pois o rei que eles o coagiam com violência e obrigado pela necessidade entregou-lhes Daniel. Eles o lançaram na cova dos leões e ali ficou ele seis dias. Ora , havia na cova sete leões, e davam-lhes cada dia, dois corpos e duas ovelhas, mas naquela ocasião não lhes deram nada, para que devorassem a Daniel. Estava porém o profeta Habacuc, na Judeia; havia ele feito um cozido e deitara pão em uma terrina, indo ao campo levá-los aos segadores. Disse o Anjo do Senhor a Habacuc: Leva a refeição que tens a Daniel, que está em Babilônia na cova dos leões. E disse Habacuc: Senhor, nunca estive em Babilônia e não conheço a cova. E o Anjo do Senhor o agarrou pela cabeça, e carregando-o pelos cabelos, o depôs na Babilônia, por cima da cova, na rapidez de seu espírito. E Habacuc chamou em voz alta, dizendo: Daniel, servo de Deus, toma a refeição que Deus te enviou. Daniel respondeu: Vós Vos lembrastes de mim, ó Deus, e não abandonais aqueles que Vos amam. E erguendo-se, Daniel comeu. O Anjo do Senhor levou depois Habacuc ao lugar de onde viera. Veio o rei, no sétimo dia, para chorar Daniel. Aproximando-se da cova, olhou para dentro, e viu Daniel sentado no meio dos leões. E o rei exclamou em voz alta: Grande sois, ó Senhor, Deus de Daniel! E fez com que o tirassem da cova dos leões. Depois, foram lançados na cova, aqueles que haviam planejado perder a Daniel e foram devorados em sua presença, num momento. Então o rei disse: Todos os habitantes da terra temam o Deus de Daniel; porque é Ele o Salvador que faz milagres e maravilhas sobre a terra; e foi Ele quem livrou Daniel da cova dos leões.

Gradual (Jo 42, 1 e 3) 

Discérne causam meam, Dómine: ab homine iníquo et dolóso éripe me. ℣. Emítte lucem tuam et veritátem tuam: ipsa me deduxérunt, et adduxérunt in montem sanctum tuum.

Senhor, defendei a minha causa; livrai-me do homem injusto e falso. ℣. Derramai sobre mim a vossa luz e a vossa verdade, para que elas me guiem e me conduzam ao vosso monte santo.

Evangelho (Jo 7, 1-13)

Sequéntia sancti Evangélii secúndum Joánnem.

In illo témpore: Ambulábat Jesus in Galilǽam, non enim volébat in Judǽam ambuláre, quia quærébant eum Judǽi interfícere. Erat autem in próximo dies festus Judæórum, Scenopégia. Dixérunt autem ad eum fratres ejus: Transi hinc, et vade in Judǽam, ut et discípuli tui vídeant ópera tua, quæ facis. Nemo quippe in occúlto quid facit, et quærit ipse in palam esse: si hæc facis, manifesta teipsum mundo. Neque enim fratres ejus credébant in eum. Dixit ergo eis Jesus: Tempus meum nondum advénit: tempus autem vestrum semper est parátum. Non potest mundus odísse vos: me autem odit: quia ego testimónium perhíbeo de illo, quod ópera ejus mala sunt. Vos ascéndite ad diem festum hunc, ego autem non ascénde ad diem festum istum: quia meum tempus nondum implétum est. Hæc cum dixísset, ipse mansit in Galilǽa. Ut autem ascendérunt fratres ejus, tunc et ipse ascéndit ad diem festum non maniféste, sed quasi in occúlto. Judǽi ergo quærébant eum in die festo, et dicébant: Ubi est ille? Et murmur multum erat in turba de eo. Quidam enim dicébant: Quia bonus est. Alii autem dicébant: Non, sed sedúcit turbas. Nemo tamen palam loquebátur de illo, propter
metum Judæórum. 

Sequência do Santo Evangelho segundo João.

Naquele tempo, percorria Jesus a Galileia, porque não queria ir à Judeia, pois os judeus O procuravam para o matar. Estava-se nas proximidades da festa dos judeus, chamada dos tabernáculos. Disseram-Lhe pois, os seus irmãos [ parentes]: Parte daqui e vai à Judeia, para que os teus discípulos vejam as obras que fazes. Porque ninguém age às ocultas, quando deseja ficar conhecido. Se podes fazer estas coisas, revela-te ao mundo. Porque nem mesmo os seus irmãos acreditavam n’Ele. Jesus lhes disse: Meu tempo ainda não chegou, mas para vós sempre é tempo. O mundo não vos pode ter ódio; mas a Mim, odeia-me, porque lhe sou testemunha de que as suas obras são más. Ide a esta festa; eu, porém, não vou a ela [publicamente] porque o meu tempo não é ainda chegado. Após ter dito isto, Ele permaneceu ainda na Galileia. Quando, porém, os seus irmãos partiram, Ele subiu também à festa, não publicamente porém às escondidas. Os judeus o procuravam, pois, durante a festa e diziam: Onde está Ele? E entre a multidão falava-se muito a seu respeito. Alguns diziam: Ele é bom. Outros no entanto replicavam: Não, Ele seduz o povo. Ninguém, entretanto, falava d’Ele abertamente, com medo dos judeus.

Ofertório (Sl 9, 11-12 e 13)

Sperent in te omnes, qui novérunt nomen tuum, Dómine: quóniam non derelínquis quæréntes te: psállite Dómino, qui habitat in Sion: quóniam non est oblítus oratiónes páuperum. Esperem em Vós, Senhor, todos os que conhecem o vosso Nome, porque nunca desamparais os que recorrem a Vós, Cantai ao Senhor, que habita em Sião; porque não se esquece da oração dos pobres.

Secreta

Hóstias tibi, Dómine, deférimus immolándas: quæ temporálem consolatiónem signíficent; ut promíssa non desperémus ætérna Per D.N. Senhor, nós Vos oferecemos em sacrifício estas hóstias, esperando que neste tempo nos façam sentir consolação, para que não desesperemos de alcançar as promessas eternas. Por N.S.

Prefácio (da Santa Cruz)

℣. Dóminus vobíscum.
℞. Et cum spíritu tuo.
℣. Sursum corda.
℞. Habémus ad Dóminum.
℣. Grátias agámus Dómino Deo nostro.
℞. Dignum et iustum est.

Vere dignum et justum est, æquum et salutáre, nos tibi semper et ubíque grátias ágere: Dómine sancte, Pater omnípotens, ætérne Deus: Qui salútem humáni géneris in ligno Crucis constituísti: ut, unde mors oriebátur, inde vita resúrgeret: et, qui in ligno vincébat, in ligno quoque vincerétur: per Christum, Dóminum nostrum. Per quem majestátem tuam laudant Angeli, adórant Dominatiónes, tremunt Potestátes. Cœli cœlorúmque Virtútes ac beáta Séraphim sócia exsultatióne concélebrant. Cum quibus et nostras voces ut admítti júbeas, deprecámur, súpplici confessióne dicéntes:

Sanctus, Sanctus, Sanctus…

℣. O Senhor seja convosco.
℞. E com o vosso espírito,
℣. Para o alto os corações.
℞. Já os temos para o Senhor,
℣. Demos graças ao Senhor, nosso Deus.
℞. É digno e justo.

Verdadeiramente é digno e justo, razoável e salutar, que sempre e em todo o lugar, Vos demos graças, ó Senhor santo, Pai onipotente, eterno Deus, que estabelecestes no madeiro da Cruz a salvação do gênero humano, para que renascesse a vida de onde se originara a morte, e o que no lenho vencera, no lenho fosse vencido por Jesus Cristo, Nosso Senhor. Por Ele louvam os Anjos a vossa Majestade, as Dominações a adoram, tremem as Potestades. Os Céus, as Virtudes dos Céus, e os bem-aventurados Serafins a celebram com recíproca alegria. As suas vozes, nós Vos rogamos, mandeis que se unam as nossas, quando, em humilde confissão, Vos dizemos:

Santo, Santo, Santo…

Comunhão (Sl 24, 22) 

Rédime me, Deus Israël, ex ómnibus angústiis meis. Livrai-me, ó Deus de Israel, de todas as minhas tribulações.

Pós-comunhão

Da, quǽsumus, omnípotens Deus: ut, quæ divína sunt, jugiter exsequéntes, donis mereámur cœléstibus propinquáre. Per D.N. Concedei, ó Deus onipotente, que cumprindo sempre o serviço divino, sejamos dignos de aproximar-nos dos Dons celestes. Por N. S.

Oração 

Super populum: Orémus. Humiliáte cápita vestra Deo.

Da nobis, quǽsumus, Dómine: perseverántem in tua voluntáte famulátum; ut in diébus nostris, et mérito et número, pópulus tibi sérviens augeátur. Per D.N.

Sobre o povo: Oremos. Humilhai as vossas cabeças diante de Deus.

Nós Vos rogamos, ó Senhor, dai-nos perseverança para cumprir a vossa vontade a fim de que em nossos dias, o povo que Vos serve cresça em merecimentos e em número. Por N. S.


Traduções e comentários extraídos do Missal Quotidiano de D. Beda (1947/1962).

Comente o post

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: