Liturgia Diária- Festa do Sagrado Coração de Jesus

Festa de 1ª Classe- Missa própria

Desde o ano de 1928, foi elevada à categoria de Iª classe, a festa do Sagrado Coração de Jesus.

No formulário, com o Prefácio próprio, ainda mais se acentua que o Coração do Homem-Deus é a fonte das graças e da misericórdia divinas. No Evangelho somos levados à nascente deste rio de águas vivas. Um soldado abre com a lança o lado do Salvador, e dele sai sangue e água. No sangue fomos remidos, na água nos foram aplicados os frutos da Redenção, e fomos regenerados pelo Batismo. A generosidade e o amor do Coração de Jesus exigem de nossa parte fidelidade e reparação de nossas faltas.


Páginas 600 a 605 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963)


Missa às 19 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes.


PRÓPRIO DO DIA

Introito (Sl 32, 11 e 19 | ib., 1) 

Cogitatiónes Cordis eius in generatióne et generatiónem: ut éruat a morte ánimas eórum et alat eos in fame. Ps. Exsultáte, iusti, in Dómino: rectos decet collaudátio. ℣. Glória Patri… Seu Coração pensa, de geração em geração, para livrar da morte as suas almas e para os nutrir na fome. Sl. Exultai, ó Justos, no Senhor: os retos de coração devem louvá-Lo.. ℣. Glória ao Pai…

Coleta

Deus, qui nobis in Corde Fílii tui, nostris vulneráto peccátis, infinítos dilectiónis thesáuros misericórditer largíri dignáris: concéde, quǽsumus; ut, illi devótum pietátis nostræ præstántes obséquium, dignæ quoque satisfactiónis exhibeámus offícium. Per eundem D.N. Ó Deus, que no coração de vosso Filho, ferido por nossos pecados, Vos dignais, prodigalizar-nos os infinitos tesouros do Amor, fazei, Vos rogamos, que, rendendo-Lhe o preito de nossa devoção e piedade, também cumpramos dignamente para com Ele, o dever de reparação. Pelo mesmo J. C.

Epístola (Ef 3, 8-19)

Léctio Epístolæ beáti Pauli Apóstoli ad Ephésios.

Fratres: Mihi, ómnium sanctórum mínimo, data est grátia hæc, in géntibus evangelizáre investigábiles divítias Christi, et illumináre omnes, quæ sit dispensátio sacraménti abscónditi a sǽculis in Deo, qui ómnia creávit: ut innotéscat principátibus et potestátibus in cœléstibus per Ecclésiam multifórmis sapiéntia Dei, secúndum præfinitiónem sæculórum, quam fecit in Christo Iesu, Dómino nostro, in quo habémus fidúciam et accéssum in confidéntia per fidem eius. Huius rei grátia flecto génua mea ad Patrem Dómini nostri Iesu Christi, ex quo omnis patérnitas in cœlis ei in terra nominátur, ut det vobis, secúndum divítias glóriæ suæ, virtúte corroborári per Spíritum eius in interiórem hóminem, Christum habitáre per fidem in córdibus vestris: in caritáte radicáti et fundáti, ut póssitis comprehéndere cum ómnibus sanctis, quæ sit latitúdo, et longitúdo, et sublímitas, et profúndum: scire étiam supereminéntem sciéntiæ caritátem Christi, ut impleámini in omnem plenitúdinem Dei.

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Efésios.

Irmãos: A mim, o mínimo de todos os santos [Cristãos], foi dada a graça de anunciar entre os gentios as incompreensíveis riquezas do Cristo, e de esclarecer a todos qual seja a economia do Mistério escondido, desde o princípio dos séculos, em Deus, que criou todas as coisas. Agora, porém, aos principados e potestades nos céus, se patenteia pela Igreja a multiforme sabedoria de Deus segundo a determinação eterna que fez em Jesus Cristo, Nosso Senhor. N’Ele temos a liberdade e o acesso com a confiança, pela fé que n’Ele professamos. Por esta razão é que dobro os joelhos diante do Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, do qual toda a grande família, que está no céu e na terra, toma o nome, para que, segundo as riquezas de sua glória, vos conceda sejais fortalecidos em virtude, segundo o homem interior, por seu Espírito. E o Cristo habite pela fé em vossos corações, arraigados e fundados no Amor para que possais compreender com todos os Santos, qual seja a largura e o comprimento, a altura e a profundidade [deste Mistério do Cristo] e conhecer também aquele Amor do Cristo, que excede a toda ciência, para que sejais cheios de toda a plenitude de Deus. 

Gradual (Sl 24, 8-9 | Mt 11, 29) 

Dulcis et rectus Dóminus: propter hoc legem dabit delinquéntibus in via. ℣. Díriget mansúetos in iudício, docébit mites vias suas.

Allelúia, allelúia. ℣. Tóllite iugum meum super vos, et díscite a me, quia mitis sum et húmilis Corde, et inveniétis réquiem animábus vestris. Allelúia.

Benigno e reto é o Senhor; por isso Ele dá aos pecadores a lei para a seguirem. ℣. Conduz os dóceis pela justiça e ensina os seus caminhos aos que são mansos.

Aleluia, aleluia. ℣. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração: e achareis descanso para vossas almas. Aleluia.

Evangelho (Jo 19, 31-37)

Sequéntia sancti Evangélii secúndum Joánnem.

In illo témpore: Iudǽi – quóniam Parascéve erat, – ut non remanérent in cruce córpora sábbato – erat enim magnus dies ille sábbati, – rogavérunt Pilátum, ut frangeréntur eórum crura, et tolleréntur. Venérunt ergo mílites: et primi quidem fregérunt crura et alteríus, qui crucifíxus est cum eo. Ad Iesum autem cum veníssent, ut vidérunt eum iam mórtuum, non fregérunt eius crura, sed unus mílitum láncea latus eius apéruit, et contínuo exívit sanguis et aqua. Et qui vidit, testimónium perhíbuit: et verum est testimónium eius. Et ille scit quia vera dicit, ut et vos credátis. Facta sunt enim hæc ut Scriptúra implerétur: Os non comminuétis ex eo. Et íterum alia Scriptúra dicit: Vidébunt in quem transfixérunt. — CREDO…

Sequência do Santo Evangelho segundo João.

Naquele tempo (como era a preparação da Páscoa), para que não ficassem na cruz os corpos em dia de sábado, (porque aquele dia de sábado era de grande solenidade) rogaram os judeus a Pilatos que se lhes quebrassem os ossos e os corpos fossem tirados. Vieram pois os soldados e quebraram os ossos ao primeiro, e ao outro que com Ele fora crucificado. Ao chegarem depois a Jesus, como O viram já morto, não Lhe quebraram os ossos, mas um dos soldados Lhe abriu o lado com uma lança; e imediatamente saiu sangue e água. E aquele que o viu, deu testemunho e seu testemunho é verdadeiro. E ele sabe que disse a verdade, para que também o creiais. Estas coisas aconteceram portanto, para que se cumprissem as palavras da Escritura: Não Lhe quebrareis osso algum. E também diz outro lugar da Escritura: Verão Aquele a quem traspassaram. — CREIO…

Ofertório (Sl 68, 21) 

Impropérium exspectávi Cor meum et misériam: et sustínui, qui simul mecum contristarétur, et non fuit: consolántem me quæsívi, et non invéni. Meu coração só espera afrontas e misérias. Esperei que alguém se contristasse comigo e ninguém houve; procurei quem me consolasse e não encontrei.

Secreta

Réspice, quǽsumus, Dómine, ad ineffábilem Cordis dilécti Fílii tui caritátem: ut quod offérimus sit tibi munus accéptum et nostrórum expiátio delictórum. Per eundem D.N. Considerai, Senhor, nós Vos suplicamos, o Amor inefável do Coração de vosso amado Filho, a fim de que a nossa oferenda Vos agrade e nos purifique de nossos pecados. Pelo mesmo J. C.

Prefácio (do Sagrado Coração de Jesus)

℣. Dóminus vobíscum.
℞. Et cum spíritu tuo.
℣. Sursum corda.
℞. Habémus ad Dóminum.
℣. Grátias agámus Dómino Deo nostro.
℞. Dignum et iustum est.
.
Vere dignum et justum est, aequum et salutare, nos Tibi simper, et ubique gratias agere: Domine sancte, Pater omnipotens, aeterne Deus: Qui Unigénitum tuum, in Cruce pendéntem, láncea mílitis transfígi voluísti: ut apértum Cor, divínæ largitátis sacrárium, torréntes nobis fúnderet miseratiónis et grátiæ: et, quod amóre nostri flagráre numquam déstitit, piis esset réquies et poeniténtibus pater et salútis refúgium. Et ídeo cum Angelis et Archángelis, cum Thronis et Dominatiónibus cumque omni milítia coeléstis exércitus hymnum glóriæ tuæ cánimus, sine fine dicéntes: Sanctus, Sanctus, Sanctus…
℣. O Senhor seja convosco.
℞. E com o vosso espírito,
℣. Para o alto os corações.
℞. Já os temos para o Senhor,
℣. Demos graças ao Senhor, nosso Deus.
℞. É digno e justo.
.
Verdadeiramente é digno e justo, razoável e salutar, que, sempre e em todo o lugar, Vos demos graças, ó Senhor santo, Paí onipotente, eterno Deus, que quisestes fosse traspassado pela lança de um soldado, o vosso Filho Unigênito suspenso na Cruz, para que, aberto o seu Coração, santuário da liberalidade divina, derramasse sobre nós torrentes de graças e de misericórdia, e ardendo sem cessar de amor por nós, fosse ele descanso para as almas piedosas e para as almas penitentes, refúgio de salvação. E por isso com os Anjos e os Arcanjos, com os Tronos e as Dominações, e com toda a milícia do exército celestial, cantamos hinos à vossa glória, dizendo sem fim: Santo, Santo, Santo…

Comunhão (Jo 19, 34)

Unus mílitum láncea latus eius apéruit, et contínuo exívit sanguis et aqua. Um dos soldados Lhe abriu o lado com a lança, e logo saiu sangue e água.

Pós-comunhão

Prǽbeant nobis, Dómine Iesu, divínum tua sancta fervórem: quo dulcíssimi Cordis tui suavitáte percépta; discámus terréna despícere, et amáre cœléstia: Qui vivis et regnas. Vossos santos Mistérios, Senhor Jesus, nos comuniquem um fervor divino que nos faça gozar a suavidade de vosso dulcíssimo Coração, e nos ensine a desprezar o que é terreno para não amar senão o que é celeste. Vós que, sendo Deus, viveis e reinais.


Traduções e comentários extraídos do Missal Quotidiano de D. Beda (1962).

Comente o post

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: