O escrupuloso vê a vida da ótica do pecado, e não a do amor, que é a de Deus

Por ReL

Traduzido por Airton Vieira

 

Ser escrupuloso pode fazer-te «escravo do pecado»: 5 ideias para analisar se o é

 

É um são exercício fazer exame de consciência com frequência para ir ordenando a vida. Neste exercício é frequente olhar tudo aquilo que fazemos (e que fazem os demais) como se fosse pecado e que Deus seguramente está mui molesto conosco, explica Sebastián Campos em Catholic-link.

Em nossa vida espiritual é bom ser cuidadosos, piedosos e esforçados, mas sempre é bom ter cuidado e pensar se em meu modo de atuar há um farisaísmo um pouco escondido. Para compreender mais que significa ser escrupuloso e como afeta esta atitude a nossa vida espiritual, te deixo estes 5 pontos que te podem ser muito úteis.

  1. Algo bom pode resultar… mau

Eu sou também desse clube, o dos escrupulosos. Conto-lhes um fato. Sou professor de Educação Física e desportes. Agora não exerço a docência, mas naqueles anos, tentava ir ao trabalho de bicicleta cada vez que podia. Para isso, obviamente procurava usar uma boa dose de desodorante e perfume, pois o trajeto o fazia pedalando a toda velocidade (pois frequentemente ia atrasado) e sempre fui escrupuloso com o assunto do odor corporal. Sempre sinto que suo mais da conta e me envergonho disso. Um belo dia, chegando de minha viagem ciclística, entrei na sala dos professores e uma colega que se aproxima para saudar-me, contorce o nariz e me diz com muito desagrado: “Uffa, estás fedendo a perfume”. Sinceramente me senti muito enfadado.

Cruzei os fios, usei mais perfume do adequado, em vez de estar agradavelmente fragrante, estava incomodamente perfumado, mas não era odor de suor, mas de perfume; o odor bom se tornou mau e a experiência me produziu uma crise na que descobri o escrupuloso que sou a respeito dos odores e isso me levou a dar conta que também o era com minha fé.

Como é possível que algo que utilizo para ser agradável aos demais e que me faz bem, se torna desagradável e incomode aos demais?

  1. A relação com Deus se trata de amor e não de apontar

A experiência pessoal com Jesus e a vida espiritual deveriam ser um agradável perfume para nossas vidas, um aroma que atrai aos demais, que os faz sentir-se amados, aceitos, onde sabem que esse aroma podemos compartilhá-lo com eles. Mas lamentavelmente não poucas vezes, me vejo a mim e a outros irmãos na fé, pestilentamente fedendo a fé. Fazem da fé algo que os escraviza a si mesmos e a todo aquele que os rodeia.

A tentação é cair nos escrúpulos, em olhar a realidade, a própria vida e a dos demais desde o palco do pecado. Avaliar todas as situações desde a ótica de se “é ou não é pecado”, podendo olhá-la desde o amor perguntando-nos “estou ou não estou amando”. Os escrúpulos podem chegar a ser uma doença espiritual que, mais que fazer-nos viver a liberdade dos filhos de Deus, nos torna escravos do pecado, incluso mesmo que não pequemos, pois o centro de nossa vida espiritual não é amar e ter uma relação de fidelidade com Deus, mas saber se o que vejo na tele, o que como, o que falo ou o que seja que faça, é pecado ou não é.

  1. Que significa ser escrupuloso?

Talvez não seja uma palavra muito conhecida para todos, isto dos escrúpulos, mas estou seguro que ao menos na prática estamos familiarizados com o que ela significa: “O escrúpulo é a dúvida irracional sobre a moralidade de um ato feito ou por fazer. A pessoa escrupulosa vive preocupada vendo pecado onde não o há” (corazones.org).

Um escrupuloso, mesmo que talvez viva muito consciente de seu pecado, não vive muito consciente do amor e misericórdia de Deus, e junto dele, encontra formas rebuscadas para dizer a si mesmo que, ainda aquelas coisas que fez bem e que resultaram bem, têm algo de mal.

  1. Estou sendo escrupuloso?

Um exemplo típico é a falsa humildade. Alguém escrupuloso, quando realiza alguma ação digna de ser reconhecida em público, se esconde, evita a felicitação de seus pares, pois crê que pecará por vaidade e orgulho; ao mesmo tempo sente que o que fez em realidade não é tão bom e que felicitá-lo não fará mais que convertê-lo em alguém medíocre.

 Um escrupuloso, confessa o mesmo pecado várias vezes, não importa se já não o comete, pois o que lhe ocorre é que nunca se sente perdoado. De fato, confessam aquelas coisas das quais nem sequer estão seguros se são pecados ou não, simplesmente as confessam pelo sim pelo não. Creem que tudo o que fazem eles e os demais é pecado e os leva ao inferno.

  1. Alguns conselhos para deixar de sê-lo

Viver em meio aos escrúpulos, faz que cada passo seja realizado com temor; que cada ação seja vivida com a angústia de estar fazendo algo mal e que ofende a Deus. Os escrúpulos atentam contra a liberdade que o mesmo Jesus ganhou para nós.

Os 10 mandamentos para o escrupuloso

O Pe. Donald Miller criou os “10 mandamentos para os escrupulosos”, que foi traduzido por Infocatólica, e onde nos interpela, pois muitas vezes caímos nestas situações, nas que “usamos mais perfume” do que o adequado:

  1. Não repetirá um pecado em uma confissão quando foi confessado em uma confissão anterior, mesmo quando haja dúvida de se foi confessada ou uma dúvida de que foi confessada de forma suficientemente adequada e completa.
  2. Não confessará pecados duvidosos em uma confissão, mas só os pecados que são claros e certos.
  3. Não repetirá sua penitência depois da confissão ou alguma das palavras de sua penitência porque sente ou pensa que se distraiu ou poderia não ter dito as palavras corretamente.
  4. Não se preocupará de ter rompido seu jejum antes de receber a Comunhão, a não ser que tenha posto comida e bebida em sua boca e a tragou da mesma forma que uma pessoa faz quando come uma comida.
  5. Não duvide em olhar nenhum crucifixo ou a nenhuma estátua na igreja ou em casa ou em nenhuma outra parte porque poderia ter maus pensamentos em sua mente e imaginação. Se estes pensamentos ocorrem, não são pecado.
  6. Não se considerará culpável de maus pensamentos, desejos ou sentimentos, a não ser que possa com toda sinceridade jurar ante o todo-verdadeiro Deus que recorda claramente e com toda segurança ter consentido neles.
  7. Não desobedecerá a seu confessor quando diga que nunca se deva fazer outra confissão geral de pecados do passado que já foram confessados.
  8. Crerá e atuará em consequência, de maneira que cada vez que tenha dúvidas sobre se está ou não obrigado a fazer ou não fazer algo, pode dar por seguro que não está obrigado.
  9. Se, antes de fazer ou omitir algum ato, tenha dúvida de se é pecado ou não, suporá como certo que não é pecado e atuará sem nenhum medo de pecado em absoluto.
  10. Porá toda sua confiança em Jesus Cristo, sabendo que te ama como só Deus pode amar, e que nunca deixará que perca sua alma.

 
Ainda que seja matéria importante (não só de estudo, mas de reflexão e sobretudo de oração) manter-nos afastados do pecado, o importante é que recordemos sempre que nosso Deus é um Deus que ama os pecadores, que sendo assim, como somos, nos trata como seus prediletos e que não vê aquelas faltas que temos cometido mas que nos recebe com os braços abertos cada vez que desejamos voltar a casa arrependidos de nossas faltas.


Fonte: http://www.religionenliberdade.com/ser-escrupuloso-pode-fazerte-escravo-del-pecado-ideias-para-analisar-57223.htm

Comente o post

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: